Do Porto com Amor: Uns Fazem, Outros Compram Feito

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Uns Fazem, Outros Compram Feito


Em véspera do jogo decisivo para as nossas aspirações, o Porto garantiu uma vitória de forma relativamente tranquila e incontestada, perante um Aves que, nem recebendo o habitual incentivo por antecipação, se conseguiu constituir como obstáculo sério para nos impedir de amealhar os três pontos.

Foto de Catarina Morais / Kapta +

O golo logo a abrir contribuiu em muito para o andamento da partida, mas apenas é só porque, desta vez, Alex Telles marcou o penálti (e nem sequer foi lá muito bem batido, mas enfim). Em acto quase contínuo, um mau alívio de um avense fez ricochete em Otávio e a bola acabou por entrar na baliza de Facchini pela segunda vez.

A vencer por 2-0 aos onze minutos, tudo ficava mais facilitado mas nem por isso resolvido. A equipa entendeu bem essa condição e durante o que remanescente da primeira metade tentou de todas as formas e feitios chegar ao terceiro, que esse sim já garantiria uma margem muito confortável. Por inépcia ou má fortuna, a bola acabou sempre por se recusar a entrar uma vez mais que fosse. Sem jogar muito mas a cumprir o essencial, a equipa foi de consciência tranquila para o descanso.

O regresso foi menos interessante porque mais atabalhoado e menos intenso. A conjugação de ambos com a determinação do adversário em agradecer o autocarro em segunda mão, levaram a que o jogo se dividisse em alguns momentos da segunda parte, com o Aves a ter algumas oportunidades para fazer estragos. Nós também as voltamos a ter, mas - yet again - voltámos a desperdiçar.

E assim o tempo foi correndo, com a estabilidade precária que o 2-0 permitia - mas que permitia, inclusive para lançar Hernáni em campo - desde que a diferença de dois golos se mantivesse. Sérgio Conceição deu ainda oportunidade a Óliver para desenferrujar e a Gonçalo para dar duas corridas. Sem nenhuma melhoria no nosso jogo - mas, relembro, antes deles já Hernáni havia entrado... 

A fechar, o Aves atirou ao poste de San Iker, o melhor que conseguiu em toda a partida. Se calhar, durante esta semana vai um autocarro recambiado para Lisboa por "problemas técnicos". Um jogo quase sem história e de que ninguém se lembrará daqui a muito pouco tempo. Faz parte da receita de qualquer campeonato, suponho.

Foto de Catarina Morais / Kapta +


Notas DPcA 


Dia de jogo: 08/04/2018, 18h00, Estádio do Dragão, FC Porto - CD Aves (2-0)


Iker (6): Jogo sem grande trabalho, apesar dos sustos sofridos. Continua a exibir aquela incompreensível falha de entregar mal a bola sem nenhuma necessidade de o fazer: será necessário sofrer um golo à custa disso para que se emende? Não entendo.

Melhor em Campo Ricardo (7): Nem se nota que regressou há pouco tempo de lesão, tal o ritmo endiabrado que imprime pelo seu flanco. Foi essa velocidade que lhe permitiu ganhar o penálti (inequívoco) e que lhe possibilitou um conjunto muito interessante de descidas pelo flanco, ora em apoio, ora em jogada individual e que arrastam a equipa consigo. Merecia realmente ter feito o seu golo naquela oportunidade já no segundo tempo. Quem tem um jogador destes à disposição e não o convoca para um Mundial, só pode estar condicionado. E está, como todos sabemos.

Alex Telles (7): Regressou a casa e retomou o filme no ponto onde o tinha interrompido: a dar e a fazer golos e, com isso, toda a diferença entre ganhar e não ganhar os jogos. É um jogador absolutamente fulcral nesta equipa, talvez mesmo ao nível da importância de Marega. Nenhum outro se consegue aproximar neste momento.

Marcano (6): Alguns momentos de desatenção ou excesso de aventureirismo na frente deixaram a equipa exposta a contra-ataques em inferioridade numérica, algo rectificado prontamente assim que alertado para o facto. Fora isso, a habitual discrição e eficácia.

Felipe (6): Geriu bem a necessidade de cortar os lances de perigo e o perigo dos cartões, pelo que a exibição só pode ser positiva.

Sérgio Oliveira (6): Cumpriu à tangente, porque a sua prestação foi decaindo de forma precipitada ao longo do jogo. Acredito que parte da culpa seja do companheiro do lado, mas, enfim, não tenho provas...

Foto de Catarina Morais / Kapta +

Herrera (5): Num raríssimo dia bom, é um jogador interessante. Num dia normal, é uma espécie de borbulha (volta e meia, faz comichão) e num dia mau é simplesmente inenarrável. Hoje foi um dia (quase) normal, deu coceira a meio-mundo com aqueles passes ridículos, absurdos e incompreensíveis num jogador profissional. O que vale é que é uma jóia dum moço.

< 78' Otávio (6): Entrou cheio de genica e foi recompensado com um golo à tabela. Teve acção importante a conduzir a bola, sobretudo em posse, mas a verdade é que não conseguiu manter a intensidade inicial e saiu com naturalidade.

Brahimi (5): Teve pelo menos dois lances que, com um pouco mais de "felicidade", lhe permitiriam dar um colorido totalmente diferente à sua exibição. Desperdiçou-os, tal como o par de passes que fez para "eventual" golo, pelo que o que sobra é um Yacine muito, muito desinspirado e desinspirador. E a falta que o Yacine "bom" nos faz neste momento...

< 62' Aboubakar (4): "Está um monte de cacos. Ponto." - Parte X. A isto, acresce uma atitude aquando da substituição que eu não aceito a nenhum jogador. Estava chateado com f, tivesse jogado um bocadinho que fosse. Se não conseguiu, tem de ser actor e aceitar "graciosamente" uma substituição mais do que merecida. 

< 88' Soares (6): Bem mais envolvido e consequente do que Abou na construção de jogo, mas não o suficiente para conseguir marcar, que é sempre o ponto de avaliação primordial de um avançado centro.

> 62' Hernáni (5): Não sei para que foi chamado, mas certamente que não correspondeu.

> 78' Óliver (5): Demasiada alternância entre coisas bem e mal feitas para justificar a "positiva". Em sua defesa, diga-se que o tempo foi realmente pouco.

> 88' Gonçalo (-): Entrou para desentorpecer e nada mais.

Sérgio Conceição (6): Conseguiu ficar com os três pontos, algo que não foi capaz de fazer em duas das anteriores três jornadas, pelo que foi positivo. O jogo da equipa não deslumbrou ninguém, mas teve momentos interessantes e até empolgantes durante a primeira metade. Não entendo a insistência em Hernáni numa fase tão crucial e final da temporada, mas o treinador lá terá os seus motivos. Dos reforços de inverno, só Gonçalo (que, na verdade, é apenas mais um regresso a casa) é que teve uns minutos. Cumpriu porque a equipa cumpriu e nem vale mais a pena perder tempo a detalhar este joguinho. O que importa e que o definirá como treinador são os jogos que se seguem.




Outros Intervenientes:



Certamente que me desculpam e até talvez agradeçam por não perder tempo a escrever sobre o Aves ou sobre a arbitragem. Tudo medíocre, de uma ponta à outra.

Registo sim, para a posteridade, mais um andamento da farsa colossal em que os sem-vergonha transformaram o futebol em Portugal e estes últimos cinco campeonatos em particular.

O jogo em Setúbal foi tão rico em vigarice, compadrio, falta de profissionalismo e indecência que o melhor é mesmo deixar imagens, a valer por milhares de palavras.







Resumindo, mais dois pontos roubados à descarada e dois titulares importantes poupados a cartões justíssimos que os impediriam de nos defrontar. É este o único combustível que alimenta a farsa destes sem-vergonha.


- - - - - - - - -


Todos sabemos da importância de ganhar o próximo jogo.

Pelas nossas aspirações de ainda poder desafiar a farsa que há muito está montada e realmente contra tudo e todos ganhar este campeonato, mas também pela oportunidade única de mostrar a essa corja de sem-vergonha que são muitas vezes inferiores a nós e que sem as vigarices da arbitragem há muito que estavam fora da corrida pelo título - eles e todos os demais, para ser claro.

Espero e desejo ardentemente que ainda exista alguém vivo no meu Clube que saiba e possa explicar tudo isto àquele balneário liderado por Sérgio Conceição.

Pelo Clube e pela Cidade, mas essencialmente por um país mais decente onde todos se possam sentir minimamente confortáveis em viver. Eu, neste momento mais do que em qualquer outro, tenho vergonha de ser português - mesmo sabendo que estou, em tudo, nos antípodas daquela corja sem-vergonha, ao final do dia somos todos cá do Burgo e avaliados por igual.

Não, meus caros, não será apenas mais um jogo. Será tudo menos apenas um jogo. Entendam isso, por favor.



Do Porto com Amor,

Lápis Azul e Branco




21 comentários:

  1. Em curtas linhas, Herrera, a coisa do costume mas é bom rapaz. Valha-nos isso. Enquanto andarmos a jogar com marrecos e jogadores destituídos de inteligência colectiva (ex: Brahimi e Herrera) é muito difícil. Vi o nosso jogo e dos sem vergonha e há uma coisa que destoa completamente que é o facto dos jogadores sem vergonha não aparentarem perder o discernimento e a calma. É uma grande diferença para connosco, além dos vouchers, toupeiras, e-mails e afins.

    Sobre o colinho aos sem vergonha, só lhes vale pelas nossas abébias, um bom exemplo é que eles não falharam o "penalti" (aspas com intenção) e nós falhámos o nosso em idêntico apuro. Se as coisas estivessem niveladas estariamos hoje com pelo menos 3-4 pontos de vantagem, não o estão e demos abébias, ficamos atrás. Agora é a eles e com sorte tirar a arma secreta, o Marega do estaleiro e lança-lo atrás das linhas adversárias para espalhar o caos habitual...

    Sobre os adeptos, claramente os melhores do mundo, basta olhar o mundo verde por exemplo...

    A eles, e tragam a liderança para cima, todos merecemos, até o Herrera!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro, isso é tudo muito bonito de se dizer mas a realidade é que não há equipas perfeitas nem momentos de forma eternos! Todas as equipas oscilam, têm bons e maus momentos, sendo natural que ganhem nos primeiros e sofram dissabores nos segundos.

      Os jogadores deles não perdem a calma? Pudera! Já sabem que há-de acontecer alguma coisa que lhes fará cair do céu a vitória (não a pobre da "águia", que essa bem tenta fugir antes que sobre para ela). Assim qualquer um, basta ir aguentando, dando umas porradas aqui e ali, que o golo salvador há-de chegar!

      A nós, fazem-nos o inverso. Minas e armadilhas desde o início do jogo, o que acha que acontece a quem sofre com isso jogo após jogo? Perde a calma, o discernimento e a confiança!

      Quanto à análise sobre Herrera e Brahimi, concordo sem reservas. O argelino é tecnicamente genial, mas fraco de cabeça. Sobre o mexicano nem me alongo mais.

      Os adeptos... bem, fica para outra altura esse tema. Haveria demasiado para dizer.

      Espero que os jogadores se consigam superar, manter a compostura e derrotar aqueles bandalhos sem espinhas. Mas tenho a certeza de que tudo será feito para que tal não aconteça.

      Eliminar
    2. Mas o inteligente treinador do F. C. do Porto, preparou na perfeição Herrera para o jogo da Luz, ao colocar em campo Hernani e Oliver, preparando a equipa para jogar com menos 2 jogadores.

      Eliminar
  2. Se as autoridades não actuam e prendem de vez esses ladrões, traficantes, bandidos e assassinos. Se a comunicação social está apenas interessada em banir o empecilho mimado e arrogante do Bruno de Carvalho, por dizer umas verdades.
    Só resta a bomba atómica.
    Fazer falta de comparência no antro desses corruptos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa não pode ser a resposta, seria uma rendição vergonhosa ao que nos têm feito. Que morram mas a lutar, nunca fugindo da batalha, por muito que saibam que está viciada à partida.

      Eliminar
  3. É verdade que se não tivéssemos perdido alguns pontos por demérito nosso não estaríamos agora nesta situação, mas não é menos verdade que existe uma rede de controlo e corrupção que falseia os resultados do nosso campeonato. Não só não se consegue terminar como mesmo sofrendo alguma pressão, tem vindo a agravar-se. Este final de semana foi mais um episódio. Eu não vejo nenhuma solução a curto prazo que não seja tentar dar o máximo para ganhar os 5 jogos que faltam. Só isso... os nossos jogadores querem! Não vamos ter azar sempre!

    ResponderEliminar
  4. Acho que os jogadores FC Porto deviam entrar na no galinheiro todos vestidos com uma t-shirt a dizer respeito. E a camisola de jogo devia de dizer em vez do nome de cada jogador dizer a palavra respeito. Que acham disto. Seria uma afronta aqueles sem vergonha. Transmitam isto à sad do FCP.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há regras claras quanto àquilo que os jogadores podem usar ou publicitar e alterações creio que carecem de autorização prévia da Liga. Obviamente que não iam autorizar e as punições podem ser severas.

      Se dependesse de mim, passavam a jogar sempre de preto até que esta corja fosse banida de vez do futebol.

      Eliminar
  5. É caro Lápis, um jogo sem história que não me fez "esquecer" o frio que passei, mas uma vitória justíssima, que por si só me aqueceu a alma azul e branca, importante antes da visita ao galinheiro, que poderia até ter outra expressão nos números, não se desse o caso dos nossos avançados andarem divorciados das balizas adversárias. Urgente que façam as pazes com as ditas a começar já no jogo com o clube do regime em que é imperioso ganhar ou no mínimo não perder porque, como refere o Lápis, este não é apenas mais um jogo.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. se as coisas nao mudarem rapidamente proponho tentar jogar na liga espanhola pelo menos o campeonato. Parece ser uma hipotese em andamento porque o ideal seria fazer o que o basquete fez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ia já para a Premier League, assim como assim, sempre ganhávamos mais dinheiro...

      Eliminar
  7. Caro Lápis, a verdade é que este jogo foi ideal (ou seria) para a equipa fazer as pazes com os adeptos e com a baliza adversária.

    É certo que as pazes com os adeptos foram feitas (nunca andamos em guerra este ano, como os adeptos das galinhas e dos gatinhos andaram - ou andam), já com a baliza, as coisas andam um pouco mais complicadas.

    Resta saber se a nossa equipa tem força mental para defrontar:
    - 11 jogadores
    - 3 juízes (padre + sacristãos de preto)
    - Videopadre
    - 60000 galinhas
    - Uma águia
    - Acólitos dos jornais, rádio e televisão.

    Se tiver força mental para isso, e conseguir ganhar o jogo, assim como os restantes jogos que nos faltam, deixe-me que lhe diga: são uns heróis. Se isso não acontecer, são apenas humanos.

    Vai dizer-me que eles são pagos para jogar e ganhar. Correcto. Mas também seria correcto termos uma direcção que dê o peito às balas e proteja a equipa, não acha? Quando todo esse trabalho está nas mãos de um director de comunicação e do... treinador.

    A ver vamos. Eu tenho fé, mas... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que acho, como bem sabe. Só não abordo isso agora porque não me parece o tempo certo.

      Os jogadores, estes mesmos jogadores, conseguiram uma vantagem significativa e foram congratulados por isso. Do mesmo modo, desperdiçaram essa vantagem e devem ser responsabilizados por isso também. Está por escrever o final da história, cabe-lhes a eles lutar até à exaustão para que tenha um final feliz.

      Sem "mas", vamos todos com eles até ao fim!

      Eliminar
  8. Afinal de onde vêm essas balas? Estão cá os Sírios?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Regata em tempos teve uns coletes porreiros, não sei se eram à prova de bala. :)

      Mas ao refrão que vem de Lopetegui com o peito às balas, os portistas teriam era de andar de armadura anti carro.

      As televisões fazem mesmo das pessoas meras camaras de eco.

      Agora o que está a dar é: Ele não tem caracter. Disse a verdade mas não devia criticar os meninos em público. Looooool
      E falam estes jornaleiros de carácter quando são eles que protegem, são cumplices, avençados até, de assassinos, ladrões, traficantes, corruptos e com esses não se preocupam com o carácter?

      E o zé pagode, repete à exaustão a mesma ladaínha...pobre país.

      Eliminar
  9. Está cumprida a missão, caro Lápis! :) GANHAMOS NA LUZ!!!!

    Cá fico à espera do seu próximo artigo. Um abraço.

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.