Do Porto com Amor: Sérgio, o Caça-Fantasmas

sábado, 10 de junho de 2017

Sérgio, o Caça-Fantasmas


Sérgio Conceição concretizou o sonho de chegar a treinador do seu FC Porto. E agora?




Primeiro, vamos ao antes.

Quem me lê com regularidade sabe que não coloquei Sérgio Conceição no topo das minhas preferências de adepto. Para ser preciso, nem a meio da tabela. Foi assim mais para baixo.

Muito ao de leve, porque honestamente não contava que fosse o eleito final, expliquei a nota 2 (de 1 a 5): "acho-o e gosto que seja aguerrido, mas preocupa-me a sua instabilidade emocional". Não escrevi na altura por desconhecimento, mas mais adiante também me preocupou uma tirada sua a propósito da sua filosofia de jogo, no caso, em comparação com a de Leonardo Jardim. Recorrendo ao Tribunal do Dragão, que posteriormente fez um post apenas com essa mesma declaração, eis o excerto que me interessa salientar:

"É por isso que adoro o Mónaco, a equipa mais completa, a melhor do campeonato. Mas tenho diferenças em relação a Jardim. Ele acha que é melhor ganhar 4-3, eu penso que é melhor ganhar 1-0 (...) A única coisa que garante pontos é não sofrer golos".

Ainda poli-traumatizado pelos acidentes ao volante (por sonolência) causados por Lopetegui e NES, fiquei com calafrios só de imaginar que o terceiro estampanço possa estar a caminho.

Não sofrer golos só garante o empate, caro Sérgio - e desses estamos nós fartos! Para ganhar, é sempre imprescindível fazer um golo, pelo menos mais um do que o adversário.

Quando o dia da apresentação já se tinha feito noite, assisti a um bom programa do Porto Canal onde se procurou explicar como jogava o "seu" Nantes. Para mim foi de facto didáctico, porque não fazia ideia. E sim, fiquei um pouco mais tranquilo quanto a este aspecto, sobretudo considerando as diferenças entre Porto e Nantes em termos de objectivos.

Na minha cabeça, a dúvida manteve-se sobre aqueles momentos em que os jogos estão "amarrados", em especial contra adversários mais fortes: irá Sérgio fazer jus aos seus pergaminhos enquanto jogador e arriscar para ganhar ou apostará na coesão defensiva acima de outra coisa qualquer? Logo veremos.

Fica dito e enterrado, apenas para memória futura. 

 - - - - - - - - - -

Porque a realidade é que Sérgio é o treinador do Porto e, a partir de agora, só contará o que fizer daqui em diante. Desejo-lhe toda, mas toda a sorte do mundo, para que daqui a um ano seja D. Sérgio I, o Reconquistador e não Sérgio, o Quinto ________ (completar conforme preferência individual).

Não sei se é o desespero do Portista amargurado que vive dentro de mim a querer exorcizar os seus fantasmas, mas a verdade é que gostei da sua postura na apresentação e sinto agora uma confiança renovada no que concerne ao treinador. Por comparação, sinto-me bem mais confiante hoje do que aquando da apresentação de qualquer um dos últimos três. E sensivelmente com a mesma que senti em relação a Paulo Fonseca. 

Sim, já sei que correu mal. Por dois motivos, essencialmente. Pela impreparação do mister palminhas e pelo notório desequilíbrio do plantel que teve à disposição. É em relação ao primeiro ponto que me sinto mais confiante. Porque em relação ao segundo, não sei bem o que posso esperar.

Foi importante Sérgio ter dito que queria esquecer o que estava para trás. É importante que ele o faça, focando-se apenas no trabalho que tem pela frente. No entanto, os fantasmas do presidente estão lá, a pairar sobre ele e sobre todos nós. As quatro almas penadas, carregadinhas de insucessos e desilusões, a prometer assombrar a cada oscilação imprevista. 

Creio ser fundamental ir assimilando isto. É mais provável que aconteça do que não. Jogos menos conseguidos, resultados decepcionantes. E se acontecerem, deveremos todos ter presente que Sérgio só chegou agora. Nada do que aconteceu para trás é da sua responsabilidade. Durante os jogos, apoiar, sempre. Entre eles, analisar e discutir o que houver de relevo. 


Estes croissants são óptimos, já vos disse? Felizmente, o NES não exigiu ficar com eles...


Agora o plantel e a falta de fair-play.

Não faço ideia de como vai ser, quem vai sair e quem vai entrar. Dizem-me que André Silva pode ser o primeiro a zarpar. Preferia que não e até expliquei como o conseguir, mas infelizmente a SAD não lê blogues que não sejam baluartes, muito menos os sem rosto.

Nesta fase, só nos resta aguardar com impaciência o desenrolar dos acontecimentos. No entanto, importa gritar bem alto desde já que não será admissível que dêem um plantel desequilibrado ao novo treinador e depois o deixem arder em lume viçoso, se os resultados ficarem aquém.

Não! Estou farto de me encharcar com a água que os senhores administradores metem e depois sacodem dos seus faustosos capotes. São responsáveis pela contratação do treinador e pelos jogadores que lhe colocarem à disposição. Guilty as charged, all of them

E assim chegamos ao tema "interno" do momento. As penalizações da UEFA por força do incumprimento das regras de equilíbrio financeiro, segundo a SAD, não só antecipadas como "já estrategicamente decididas" pela própria.

Não me vou alongar ainda sobre a substância do "acordo", mas não posso deixar de relevar a disparidade que existe entre o que O Jogo noticia e o lacónico comunicado da SAD. Sejam bons ou maus, espero sempre que os factos relevantes para a vida do Clube sejam divulgados, em primeira instância, pelo próprio clube. 

Sendo verdadeiro o que o jornal relata (e até agora, não me apercebi de nenhum desmentido), é para mim incompreensível que a SAD não refira a(s) multa(s) e as limitações nas inscrições nas provas uefeiras. Aliás, no comunicado até se pode ler "O FC Porto enaltece a atitude pedagógica e não punitiva do órgão regulador do Fair Play Financeiro da UEFA". Em que ficámos? Há ou não há punições? Cheira-me a que a falta de fair-play já se propagou por contágio...

O fantástico sentido de auto-preservação que caracteriza os da nossa espécie conduz a que muitos se congratulem pelo sucedido, uma vez que nos vai obrigar a recorrer mais à prata da casa e menos às importações em paletes. Pois eu discordo, porque não sou tão optimista. Havendo "vontade", os maus negócios continuarão a existir, não só nas compras, mas também nas vendas. Sim, também nas vendas. Exemplo? Isto. Daqui a uns anos voltaremos a falar dele.

O que parece certo é que o tempo das contratações alavancadas acabou. Já não voltaremos a contratar Danilos e Alex Sandros sem ter garantida a sua venda um ou dois anos depois. E que craques são esses dois. Regressaremos às origens, à descoberta de novos talentos antes dos outros? 

Hoje o mundo está muito mais aberto e instantâneo; uma jogada fenomenal numa liga amadora do Burkina Faso chega num minuto aos quatro cantos do mundo. Tão importante como descobrir talentos antes que o seu preço dispare, é criar as condições para que fiquem no Clube um período suficientemente longo para que se possam desenvolver, valorizar e contribuir para o sucesso da equipa principal. Apresentar-lhes um plano de crescimento, partilhado, e fazê-los sentir o prazer e a ambição de triunfar de azul e branco.

Se o caminho escolhido for esse, talvez o Sérgio possa dar uma ajuda.



Do Porto com Amor,

Lápis Azul e Branco



8 comentários:

  1. Verde Protector
    Confesso que esperava que abordasse o processo da contratação do treinador em si.
    A ser verdade o que Pinto da Costa diz, fica ideia que contava com NES para a próxima época. Porque se o sonho era ter Sérgio Conceição, porque não o abordaram mais cedo e antes da renovação com o Nantes? Ou seja, NES não quis continuar, sabendo também que já tinha alternativa, e só aí, Pinto da Costa terá começado a procurar treinador. Noutra altura, comentarei a escolha em si.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O processo é passado e aliás, auto-explicativo para quem conhece o modus operandi de Pinto da Costa. Nada de relevante, em minha opinião.

      Eliminar
  2. Peço desculpa por estar a utilizar o seu blog, mas como não tenho outra forma de tentar "chegar" aos jornalistas do Porto Canal e gostaria de lhes fazer um apelo.
    Agora que começaram a mostrar alguma "material" sobre o corruptos, gostava de lhes deixar a seguinte sugestão para poder ser trabalhada para o próximo Universo Porto da Bancada:
    Façam, por favor, uma análise aos seguintes dados comparativos, desde a época 2013:

    - Penalties marcados contra e a favor do clube do regime e do Porto;
    - Carttões vermelhos e amarelos mostrados ao regime e ao Porto;
    - Número de expulsões nos jogos realizados por eles e por nós;
    - Número de jogadores das outras equipas impossibilitados de jogar na jornada seguinte contra o regime e contra nós;
    - Resultados obtidos pelo regime quando tinham os padres (vitórias/empates e derrotas e se celebravam missa fora ou em casa);
    - Número de auto-golos de que beneficiaram e, se acharem bem, que jogadores estiveram envolvidos.

    Não deixem passar em claro o post feito pelo ex-ábitro Marco Ferreira depois do programa da última treça-feira.

    Questionem a investigação e o procedimento da PGR e Ministério Público.

    Não vacilem e estiquem a corda até onde for possível esticar, porque esta é a hora da verdade.

    O nosso clube merece esta luta, ela fundamental para o futuro do futebol em Portugal.

    Presidente, admnitradores e comunicação... peço-vos... esta é a vossa hora, o momento de marcarem golo em nome da camisola.
    Contem com os adptos para o que for preciso, mas temos de sentir que estão a dar tudo pelo nosso F.C. do PORTO.

    ABraço

    Pedro Louçano

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada a desculpar, está feita a divulgação caro Pedro.

      Eliminar
  3. "Tão importante como descobrir talentos antes que o seu preço dispare, é criar as condições para que fiquem no Clube um período suficientemente longo para que se possam desenvolver, valorizar e contribuir para o sucesso da equipa principal. Apresentar-lhes um plano de crescimento, partilhado, e fazê-los sentir o prazer e a ambição de triunfar de azul e branco."

    Olhe, caro Lápis, com o André Silva não me parece que isso vá acontecer. Necessidade de Fair-Play financeiro, brincadeiras do Jorge Mendes ou ambos os casos, não sei se seriam motivos para vendermos já uma das jóias da nossa (frágil) coroa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, parece que se confirma o que me adiantaram. Enfim. Veremos quem lhe fará companhia, mas insisto que (em teoria) poderíamos chegar aos tais €115M mantendo Danilo e AS. Na prática, as coisas podem obviamente ser diferentes e - talvez - abrir o mercado com uma boa venda evita que os seguintes saiam em "saldo".

      Eliminar
  4. surreal e' tb um pouco como esta historia das financas do clube andam a ser tratadas...Fernando Gomes veste a pele de Batatinha e sai se com palhacadas atras de palhacadas. Nao ha paciencia...

    independentemente do polvo, colinho, etc, tb temos de arrumar a nossa casa, e com individuos destes nao vamos la.
    curioso pra ver no R&C se os srs administradores vao ter direito a premios...

    ResponderEliminar
  5. Para encerrar o capitulo do treinador quero dizer o seguinte:
    Sérgio C. não era a minha primeira opção, na verdade era a 4º (1ºPaulo Sousa, 2º Claude Puel, 3ºBerizzo). E não constava nas primeiras opções porque, a meu ver, era um treinador impossível, uma vez que tinha renovado contrato recentemente e também porque não achei que a sua proposta de treinador fosse a mais adequada para o clube neste momento. Acho que precisávamos de alguém tacticamente mais evoluído e mais experiente. Agora sou sincero, o Sérgio está a surpreender-me pela positiva, todo o seu discurso até ao momento tem sido perfeito, bem como a sua postura e o que pesquisei sobre o seu ultimo ano em França deixou-me bastante contente. Mas será que chega?! um ano excepcional e um discurso cativante?! Espero que sim, mas temo que seja curto. Só desejo que o Sérgio continue a surpreender e vá calando em campo todas as dúvidas. é o nosso treinador e enquanto isso é o melhor do mundo e arredores e merece todo o nosso apoio!

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.