Do Porto com Amor: Taça AVARiada

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Taça AVARiada


Semanas a fio, perdão, meses a fio a ouvir os auto-proclamados peritos e expertos em arbitragem a justificar o motivo por que nunca o VAR assinala penáltis ou expulsa adversários a nosso favor:

"O VAR tem de ter certeza absoluta da sua decisão para interferir ou reverter uma decisão; em caso de dúvida, deve deixar prosseguir o jogo"

Até ontem.

Ontem o Porto marcou um golo após uma jogada rápida na qual Soares, o marcador do golo, está em linha ou ligeirissimamente adiantado/atrasado em relação ao penúltimo defesa do adversário e Soares Dias (outra vez ele, note-se) deu indicação ao calhambeque vermelho para anular o jogo por offside. Alguém de boa-fé que me explique e garanta que Soares está fora de jogo que Soares Dias conseguiu, em menos de um minuto, atingir essa certeza de que Soares estava em fora-de-jogo. NINGUÉM!




Isto tem que ser dito e redito até a exaustão. Vi 10 repetições e em todas fico com a sensação que está em linha, admitindo que possa haver (ou não) um fora-de-jogo fraccional, mas que o VAR jamais teria como descortinar com certeza absoluta. E NÃO A TENDO, NÃO PODIA INTERFERIR!

Assim sendo e na ausência de mais golos no tempo regulamentar, o adversário foi mais competente nas grandes penalidades e passou à final da Taça da Liga. Parabéns sVARting

Já não bastava ter de levar com o VARfica, agora levamos também com o sVARting (eu sei, já nem é de agora). Proponho de imediato à CML que altere o nome da estrada que os separa, renomeando-a Segunda CircuVAR. Melhor ainda, deixam cair a primeira parte, arredondam a segunda e atinge-se a perfeição: Circo VAR

Como nota final sobre o assunto, bem sei que é o primeiro ano, mas já tiveram tempo mais do que suficiente para perceber que é surreal deixar uma equipa e os seus adeptos festejarem um golo, permitir que a bola seja reencaminhada para o grande círculo e só depois, "do nada", reverter a decisão. Não só é absurdo, como arruína por completo a lógica e o prazer do futebol. 

O árbitro (ou o fantoche que lá está em seu lugar, como foi o caso de ontem) deveria imediatamente fazer uma sinalética bem visível a todos de que o VAR estava a analisar a jogada, levando a que naturalmente todos aguardassem o festejo / descarga de adrenalina até ser conhecida a decisão final. Assim, quem acabou por marcar um golo foi o adversário - pelo menos, festejaram-no como tal. 


- - - - - - - - -


O jogo não começou bem para as nossas cores, pareceu-me haver alguma retracção e o sentir em demasia a responsabilidade do jogo. Foi preciso um lance "assustador" (carga para penálti na nossa área, felizmente precedida de claro fora-de-jogo) e cerca de 20 minutos para os jogadores se soltarem e perceberem in loco aquilo que já deveriam saber, até por experiência própria: este Sporting é fraquinho quando se trata de olhar nos olhos adversários de "igual" valor. 

Fazem-se de fortes com os fracos, mas são fracotes com os fortes. É assim que eu interpreto a postura de quem faz dois jogos contra nós, um deles em sua casa, e, pior do que ser dominado durante grande parte do jogo, se resigna ao empate, preferindo não ganhar do que arriscar perder. Onde é que eu já vi isto?...

Eu, que fiz questão de não ver o duelo da rua deles, tinha dificuldade em compreender expressões como "banho de bola" e "massacre", utilizadas às resmas no day after como resumo do que os sem-vergonha lhes teriam imposto, apesar do empate final. Ontem, percebi finalmente porquê.

Porque ontem, a partir dos 60 minutos de jogo, começaram a deixar-se cair no relvado e a demorar em todas as reposições da bola em jogo. Todas, sem excepção. Eu percebo, tinham uma estratégia bem definida (arrastar o jogo para os penáltis) e executaram-na benzinho. Podiam e deviam ter sido eliminados nos 90 minutos, fosse com o golo de Soares, fosse com os 3 ou 4 que Marega, Abou, Ricardo e companhia desperdiçaram de forma infantil (por oposição, o adversário teve uma única oportunidade, após uma desatenção de marcação num canto).

Faltou-nos sobretudo essa competência fundamental: decidir bem na última decisão. Fosse na hora de finalizar ou de escolher o melhor companheiro para assistir, falhámos. E por isso, fomos a penáltis, onde voltámos a falhar.  

Além da natural frustração e tristeza pela eliminação da competição (agravada pelo sentimento de saber que fomos muito melhores nos 90 minutos), sobra a preocupação pela lesão de Danilo. Sobre isso, aliás, importa-me destacar o seguinte: fiquei agradavelmente surpreendido com a forma como o Porto se conseguiu reorganizar e ainda assim superiorizar ao Leça, perdão, ao Sporting.

Estando na bancada e observando as reacções a essa perda fulcral, fiquei de imediato preocupado (ainda acreditava que eles eram outra coisa). No entanto, nem três rearranjos nos descompuseram. Muito significativos e impactantes, note-se. Marega passou a jogar mais recuado e a fechar o flanco. Herrera recuou para o sítio onde normalmente só mete água. Sérgio Oliveira avançou no terreno. E Óliver entrou a frio, para jogar onde também não se sente muito confortável. Em resumo, era como se fosse uma equipa nova na zona central, sem processos automatizados. Nem assim vacilamos, parabéns aos jogadores por isso.

Para a história, fica mais uma não-conquista da Taça da Liga. Desta vez, após uma boa prestação na prova, exceptuando a marcação dos penáltis (muito correcto o discurso de SC sobre o assunto). Há que treinar mais e melhor, porque ainda nos sobram duas competições a eliminar. Venha o Moreirense e quanto a sábado... Paciência.

Fracos com os Fortes Clube de Portugal (Fonte: GoalPoint.pt )

Notas DPcA 


Dia de jogo: 03/01/2018, 20h15, Estádio AXA, Sporting CP - FC Porto (0-0, 4-3 g.p.)


Casillas (7): Seguro e tranquilo durante os 90 minutos, apesar do habitual pecadillo da reposição apressada da bola em jogo, e igualmente bem no desempate por grandes penalidades. Duas boas defesas que lamentavelmente se perderão para a História.

Ricardo (7): Grande exibição, plena de disponibilidade física e de inteligência. Por pouco não foi coroada com um grande, grande golo. Talvez o melhor da equipa.

Alex Telles (7): Belo jogo, foi dos que menos merecia o desfecho final. Bem no seu posto defensivo e bem nas tarefas de construção ofensiva, tentou por várias vezes servir os companheiros na bola parada.

Marcano (7): Muito bem em quase todos os lances, em particular nos duelos com Bost, foi apenas batido no lance ao poste de Coates (mas não tenho a certeza de que devesse ser ele a ir àquela bola). E um penálti marcado com categoria.

Felipe (6): Muito melhor na concentração e no acerto defensivo, face ao que vinha demonstrando. Ainda assim, excesso de impetuosidade num e noutro lance que em nada o(/nos) beneficia.

< 7' Danilo (-): Cometeu um potencial penálti (não fosse pelo fora-de-jogo) e não teve tempo para mais, devido a uma ruptura muscular. Não por acaso, alertei há dias para a necessidade de ter um sósia no plantel. Que recupere muito rápido e que venha um reforço para a posição 6.

< 57' Herrera (5): Andou sempre ali, entre o razoável e o medíocre, mas sempre numa carga de trabalhos. Conseguiu adaptar-se ao pós-Danilo (pD) e foi fazendo o mínimo que se exigia. Ficaria em "positivos", não fosse pelo penálti tão mal batido.

< 80' Sérgio Oliveira (6): Mais uma vítima do pD, obrigado a refazer a cabeça após lhe ter sido designado um novo posicionamento em campo. Sem brilhantismo nem acerto no remate, foi dando o que o jogo lhe pedia e teve ponto alto na assistência para o golo de Soares. Perdeu fôlego nos últimos 20 minutos e, com ele, parte da clarividência.

Brahimi (6): Durante largo período do jogo (divido entre primeira e segunda partes), foi a única gazua que conseguiu desenrolar o novelo de adversários com que a equipa se deparou. Teve alguns momentos de classe, mas sem atingir o seu nível de elite. E "acabou com tudo", ao atirar ao poste aquela que seria a nossa última penalidade.

Marega (6): Muito massacrado pelas incessantes porradas que recebeu de quase todos os adversários, com destaque para o janado das Caxinas, acabou por perder a calma após sucessivos insultos do energúmeno. Compreende-se, mas não se pode aceitar. No jogo jogado, esteve envolvido em várias jogadas que poderiam e deveriam ter acabado no fundo da baliza de Patrício.

< 80' Soares (6): Marcou com oportunidade o único golo do jogo, mas o dedo ao vento de Soares Dias roubou-lhe essa glória. Esteve sempre muito dentro da partida, procurando criar e sendo o primeiro defesa, mas pecou excessivamente no número de offsides em que se deixou apanhar.

> 7' Óliver (5): Foi para o jogo determinado a suprir a ausência de Danilo e se em termos defensivos esteve regular, a verdade é que desiludiu muito quando com a bola no pé, para fazer o que supostamente melhor sabe fazer. Mesmo descontando o facto de estar muito recuado face ao que as suas características "pedem".

> 65' Aboubakar (5): Livro na mesinha de cabeceira de Vicent: "Noites em que é melhor não sair de casa".

> 80' Waris (6): Estreia sem possibilidade de se perceber o que quer que seja sobre o seu jogo, tirando a frieza demonstrada ao marcar a sua penalidade. Seja bem-vindo.

Sérgio Conceição (5): Eliminado da competição, nota negativa. Mas a "menos má" de elas todas, porque conseguiu que o Porto fosse claramente superior, até mesmo perante a inesperada e traumática lesão de Danilo. Talvez tenha mexido demasiado nas peças (porque não fazer entrar Óliver para médio mais adiantado, deixando Sérgio e Herrera atrás do espanhol?), mas isso é agora, depois das coisas acontecerem. Tentou que o jogo se resolvesse nos 90 minutos, não hesitando em lançar o recém-chegado Waris. 

Confesso que não percebi e estranhei muito a "roda da união" antes dos penáltis. A mim, que estava na bancada, passou-me a sensação "fica já feito, porque provavelmente não vamos ter grande vontade de fazer depois". Estarei com certeza enganado, mas foi o que senti.
Por fim, muito bem no pós-jogo, assumindo a falha na finalização e nas penalidades e projectando o futuro com todo o optimismo que a exibição justifica.


 

Outros Intervenientes:


O chico-esperto-saloio Jorge Jesus é o que é e assume-o, mesmo que de forma inconsciente. Ontem, preparou a sua equipa para resistir durante o jogo e confiar vencer nas penalidades. Conseguiu o objectivo, deve ser felicitado por tal. O modesto Covilhã está em festa, parabéns pois.


Arbitragem inenarrável, permissiva mas sem critério, sempre a interromper o jogo por tudo e por nada, desequilibradora e nada habilidosa. Há muitos lances "polémicos" (só à conta do charrado, são dezenas) e isso naturalmente dificulta a probabilidade de acerto até de um árbitro, quanto mais de Nuno Almeida. Revi o jogo na televisão e também por isso pouco confio no que hoje leio na imprensa, quando sei de tantos lances que foram convenientemente VARridos para baixo do tapete. 
Admito com naturalidade que algumas decisões que tenham também beneficiado o Porto, mas o que é claro e indesmentível é que no lance capital o VAR inovou em nosso prejuízo. Sim, lagartada, não há penálti nenhum porque antes havia lugar à marcação de fora-de-jogo. Jamais o VAR poderia marcar penálti num lance precedido de offside, porque tem obrigação de rever e validar toda a jogada. O único lance decidido de forma diferente à norma adoptada foi o do golo de Soares. E pedir a expulsão de Óliver ao minuto 50 é tão desonesto como absurdo, quando é evidente que não há qualquer outra intenção que não seja o de jogar a bola. Faltou o amarelo, nada mais. Ridículos.


Soares Dias, o homem que vê mais à frente
 

Acabou-se a Taça da Liga, assunto encerrado. Fica o amargo de, uma vez mais, não termos vencido sendo melhores. O que realmente nos interessa é o jogo em Moreira de Cónegos, no qual deveremos focar todas a nossa atenção, porque minas e armadilhas é o que mais encontraremos por lá. Hoje digerimos a derrota, amanhã retomamos o nosso caminho rumo à vitória final.



Do Porto com Amor,

Lápis Azul e Branco





18 comentários:

  1. Vamos ver se entendi. Agora a regra do fora-de-jogo não é de pelo menos em linha com o último jogador ou atrás da linha da bola, mas deve haver uma margem de tolerância para se validarem golos irregulares. Sim, porque o Soares está adiantado (convém manter o joelho dele na foto. Faz parte do corpo. Assim poderá comparar com a unha do pé grande do Coentrão).
    Quanto ao penalty, estranho nem o árbitro nem o VAR o terem conseguido vislumbrar, mas, por mim, seria fora-de-jogo. Mas todos os ex-árbitros dizem que é penalty, à luz dos novos regulamentos de 2017. Não sei quais são.
    Concordo com a arbitragem permissiva. O Filipe acabar todos os jogos é incrível. Foi assim contra o Benfica, ontem tem uma falta por trás sobre o Gelson, nem amarelo, mais uma pisadela "acidental", desta vez ao Rúben Ribeiro. Enfim, mais do mesmo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em lado nenhum vejo o Soares adiantado. Já disse e repito: o VAR nunca seria capaz de discernir com CERTEZA se estava ou não adiantado. Assim sendo, as regras são claras, não pode interferir. Não querer aceitar isto, é meio-caminho para atravessar a estrada...

      Não é penálti e já expliquei abaixo. No mínimo é muito discutível e - aí sim - o VAR cumpriu as regras.

      A falta sobre o Gelson era sem dúvida amarelo, mas vermelho? A que propósito? O que dizer, comparado com a grande palheta do Coentrão quando o Marega ficava isolado (só com o caracol Mathieu nas proximidades)?

      Mais do mesmo, sim, sempre roubados contra a lagartada. É vício.

      Eliminar
    2. Caro Verde Protector, bem vindo a este espaço de discussão e análise portista até às visceras mas com a elevação que, infelizmente, falta, mesmo em espaços mais verdejantes.
      Sobre o jogo, vi uma equipa que aos 20m de jogo começou a jogar para os penalties. Como diz o Mestre Lápis no post fortes com os fracos... Pretendem mesmo ser campeões? Nahhhh. O golo duvidosamente anulado também faz parte desta máxima, pela segunda vez este video-árbitro está sempre bem acordado nestes lances. Com efeito o que fica para a história é que perdemos. Não perdemos bem, mas perdemos. Houve vezes em que ganhámos mas fiquei com a convicção de que, embora tivesse ganho, gostava era de jogar como a equipa que connosco perdeu (e não vou muito longe, fico já em Julho/2016). Desta vez foi precisamente o contrário.
      Quanto aos erros de VARbitragem, os meus queridos amigos de facto não se podem queixar, nem deste jogo nem de todo o campeonato. Decerto que ainda não acreditam como é possível seguir em 2º... Embora já tenha escrito que há penalty sobre o Dost, depois de rever as imagens verifiquei que estava enganado, não pelo agarrão (aos avançados do FCPorto tem sido mato) mas porque tomou a dianteira partindo de fora de jogo. Quanto ao golo anulado ao Soares que colocaria o FCPorto em vantagem quando JJ já estava a jogar para o nulo., é anedótico e pouco sério. Imagine Caro Verde que o mesmo tinha acontecido ao SCP no Bonfim mas aos 95m. A esta hora não teria a oportunidade de lhe responder...
      Por fim, the last but surely not the least, noto que as hostes sportinguistas já começam a alinhar com a retórica de carnide: FILIPE, com i nas duas posições, que não vale tudo mas vale mais do que o Battaglia, que também vale quase tudo. Eu prefiro ficar-me por dois jogadores viris mas ...leais. Deixe lá a cartilhada lampiónica. Aquilo já tem lama que chegue.
      1 abç e viva o FCPorto e o SCP (no que aos esclarecidos sportinguistas couber)
      Luís Oliveira

      Eliminar
    3. 'Ta a ver caro Verde? Aqwuilo que vimos ontem é o melhor que conseguem fazer? Até agora o JJ já queimou meia equipa, até Março queima a outra metade. Sinceramente, como sportinguista esclarecido, penso, é com aquilo que pretendem mesmo ser campeões? Nahhhh... Venha em Maio aos Aliados que se divertirá na mesma.
      1 abç e volte sempre ao nosso convívio.
      Luís Oliveira

      Eliminar
  2. Ui, quase que víamos o mesmo jogo. Era só ter jogado o mesmo Oliver no teu...;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vi, mesmo. Aliás, irritou-me como nunca antes na segunda parte, pela quantidade de passes falhados. Mas foi a visão do estádio, não a da televisão. Posso ter retido apenas o pior...

      Eliminar
  3. Lapis,
    infelizmente as leis sao claras - o fora de jogo do Dost so acontece DEPOIS da falta do Danilo e portanto deveria ter sido mesmo penalti. um jogador em fora- de-jogo deve ser penalizado no momento em que a bola é por si tocada, ou toma parte ativa do jogo - isso nao tinha acontecido antes da falta do Danilo.

    Quanto as notas, nao percebi definitivamente como e que o Oliver so leva 5 (impressionante a quantidade de jogadas que so foram a algum lado por causa dele) enquanto que o Sergio "chuto de todo lado e sempre 10 metros acima da baliza" Oliveira leva 6...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim não são Pancas, aliás acabei de twittar sobre isso.

      Consta na página 92 das Leis do Jogo 2017/18 o seguinte:

      "Em situações em que:
      • um jogador que se mova de, ou se encontre em posição de fora de jogo, esteja no caminho do adversário e interfira com o movimento do adversário em relação à bola, se tal tiver impacto na capacidade do adversário jogar ou disputar a bola é considerada uma infração de fora de jogo; se o jogador se mover para se colocar no caminho de um adversário e impedir a progressão do adversário (por ex. bloquear o adversário), a infração deve ser penalizada de acordo com a Lei 12.
      • um jogador que em posição de fora de jogo se movimente em direção à bola com a intenção de a jogar e sofrer falta antes de a jogar ou a tentar jogar, ou esteja a disputar a bola com um adversário, a falta é penalizada, uma vez que tal ocorreu antes da infração de fora de jogo
      • uma infração é cometida contra um jogador que já se encontra em posição de fora de jogo a jogar ou a tentar jogar a bola, ou a disputar a bola com um adversário, a infração de fora de jogo é penalizada, uma vez que ocorreu antes da outra infração."

      O segundo ponto é o que os "peritos" citam, mas com que fundamento omitem o terceiro? Para mim, é esse o que se aplica a esta situação. Não sou jurista, mas também não sou parvo. Pode até ser outra a forma correcta de interpretar, mas preciso de uma fundamentação adequada.

      Notas: apesar de ter revisto os lances polémicos na tv, o essencial ficou da memória do estádio. Muitos passes falhados pelo Oli, muito trabalho "invisível" do SO, incluindo a assistência para o golo. Mas, como sempre, posso ter visto mal.

      Eliminar
    2. Tambem nao sou jurista, mas para mim o que o terceiro ponto refere seria a situacao em que o Bas Dost teria, por exemplo, amortecido a bola com o peito e depois o Danilo jogava-o ao chao - ou ate em simultaneo. Portanto o fora de jogo teria de ja ter acontecido.

      And now for something completely different... Ja que o Danilo vai estar um mes de fora e o Felipe esta suspenso para o Liverpool qual seria a tua escolha ou o que julgas que o SC vai escolher nos proximos jogos?

      Eliminar
    3. Não interpreto assim, porque o texto refere “a tentar jogar a bola”, logo é no momento anterior. Mas adiante, não adianta insistir porque nenhum de nós vai decidir nada.

      Uma coisa seria a minha escolha, outra a que o treinador terá de escolher... Já antes da lesão dizia ser essencial contratar central e um 6 para dar luta a Danilo. Agora ainda mais. Não vejo soluções boas dentro do plantel.

      Se não vier ninguém (e dizem que vem), SC terá de continuar a improvisar. Centrais só sobram dois, fácil de decidir. A 6, venha o diabo e escolha, mas provavelmente Herrera... glup... e o Sérgio a fazer de Herrera. Mas não fico nada tranquilo.

      Eliminar
    4. Pedro Guerra marcava a agenda de Catherine Deneuve.
      Às 23H30 em ponto no Parque Eduardo VII. (Apagar depois de ler a mensagem)
      O motorista, pontualmente apeava Catherine, do seu carrão verde very British, no local estabelecido.
      A madame saía e ao seu encontro dirige-se um mancebo. A afastam-se ambos para uma moita para a rapidinha da ordem.
      Quem é o passivo e quem é o activo? Quem está em fora de jogo. A reacção de um não interfere na acção do outro?
      Passivo, só o Pedro Guerra, quanto mais não seja, pelo peso.
      (O 3º parágrafo das regras também deve ser lido)

      Eliminar
    5. Bruno Prata omitiu parte dos acontecimentos. O que é normal.

      Faltou dizer que Catherine Deneuve quando viu o Manfio, ao dirigir-se para o arbusto, histéricamente baixou as calças, expondo as nalgas brancas e flácidas. O meliante ao ver a atitude da nefasta criatura, agarrou-a pela melena, expondo a sua testa alta que cuidadosamente fazia tudo para esconder.
      Um bófia, ali presente, observou a cêna toda e manteve-se impávido e sereno, como se fosse um lampião.
      O Guarda Republicano deveria punir o atentado ao pudor da matrona ou o agarrão do meliante?
      Ponderou e não decidiu. Que safôda. Eu gosto de Ferraris mas têm de ser vermelhos.

      Eliminar
  4. A minha questão é a seguinte

    Se o arbitro validou/apitou e mandou os jogadores para a zona de meio campo o VAR agora já pode intervir??

    É que no lance do último jogo com os vermelhos o nosso golo mal anulado por fora de jogo, discutiu-se que o arbitro apitou, logo validou o Var já não podia intervir?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No jogo do Dragão, houve um "atento" fiscal de linha a levantar a bandeira e um "cordial" árbitro a apitar, o que impede o VAR de actuar, porque o golo só aconteceu depois do árbitro apitar.

      Neste caso, nenhum se manifestou, sendo de total responsabilidade do VAR a má anulação do golo.

      Eliminar
  5. Depois disto tudo, começo a pensar que, mais do que reforços para o nosso meio-campo; precisamos é de REFORÇOS para os LUGARES da Liga de Clubes.

    Há dias em que podemos jogar o melhor que pudermos e tudo isso; que não vale a pena. Vem um VAR que estraga tudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se fosse possível estarmos sempre no nosso melhor, até nos safávamos. O problema é que não é. Ontem estivemos bem melhor que o adversário, mas apenas num plano razoável e não chegou.

      Claro que teremos de estar nos lugares de decisão, é a única forma de minimizar as vigarices.

      Eliminar
    2. Quando tens que marcar duas vezes para ficar a ganhar 1-0, tudo se complica...

      Eliminar
    3. Caro Monteiro,
      Quando dizemos contra tudo e contra todos, e dizê-mo-lo muitas vezes, é também a isto que nos referimos. O tudo é isto mesmo.
      Tenho a certeza, e na minha idade certezas valem o que valem, que, nas mesmas circunstâncias, este golo não seria anulado nem a scp nem ao 5lb.
      Reforços para a LPFP, não obrigado. Prefiro o contra tudo e contra todos. Qualquer dia ainda andava dever 400Milhões a um novo banco qualquer...
      O Dost sofre agarrão porque ganha a dianteira ao Danilo, mas ganha a dianteira porque está fora de jogo, parte à frente para se envolver na jogada.
      1 abç e viva o FCPorto contra tudo e contra todos.
      Luís Oliveira

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.