Do Porto com Amor: Em que Dia Chega a Troika?

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Em que Dia Chega a Troika?


É oficial: o FC Porto falhou de forma estrondosa o cumprimento do Fair-Play Financeiro (FFP) imposto pela UEFA. E agora?


Estes croissants são uma maravilha!


Prejuízo consolidado de 58,41 milhões de euros no exercício de 2015/16, o pior de sempre - em perfeita sintonia com a época desportiva. Absolutamente miserável. 

Somando este resultado ao lucro de €19,35M de 14/15 e ao prejuízo de €40,7M de 13/14, obtemos um resultado negativo desse triénio (o que conta para a avaliação do FFP) de -€79,76M, mais do dobro do limite máximo permitido pela UEFA de €30M. Em rigor, excedemos esse limite em 165,9%. Notável(mente horrível).

Os proveitos operacionais diminuíram em 19% e os custos equivalentes aumentaram 13%. Uma gestão a todos os títulos (ou melhor, sem nenhum) brilhante. Os culpados? A opção estratégica de não enfraquecer o plantel e los bandidos Lopetegui e Peseiro. Nada a apontar ao senhor administrador responsável pela área financeira, o muy qualificado Dr. Fernando Gomes.

Curiosa foi a explicação quanto à aposta no ano zero, que segundo FG se deveu à recusa de um encaixe de €95M (!) que resultaria das vendas de Herrera, André Silva e Danilo. Não me custa acreditar que tivessem propostas pelos três, mas que totalizassem este valor... E já agora, esqueceu-se dos €40M por Brahimi? É que assim eram €135M... 

Quanto à aquisição de jogadores, manteve-se a pouca vergonha dos "encargos relacionados". Ao valor pago pelos passes (€63,25M) somou-se €15,16M em comissões, o que representa 24% do valor dos passes! Quando for grande, quero ser comissionista no Dragão... E já agora, quem é o Inácio que nos custou €3M por 50% do passe? Ah, está na equipa B, é "uma aposta de futuro". Esperemos que haja futuro.

Mais adiante, já nos descontos (anexos), podemos constatar o "colossal" aumento do pessoal de 329 para 413 colaboradores, com grande destaque para o crescimento dos "administrativos". Sem surpresa, os custos com pessoal relativos a "remunerações do pessoal" dispararam. Pela "incorporação do Porto Canal no perímetro da SAD", dizem eles.

E finalmente, a pièce de résistance, acharam por bem dar nota das "transações com membros íntimos da família do pessoal-chave da gerência (administradores)" (dito assim, ainda soa pior), esclarecendo os negócios do filho pródigo Xaninho da Costa com o clube. Quão imprescindível terá sido a sua ajuda nas vendas de Rolando e Quaresma? Pronto, então assim já ninguém se lembrará por certo de accionar o artigo 45º dos estatutos do clube. Que alívio...


-"Então e os croissants, presidente?"; -"Uma maravilha, parabéns Fernando!"


Apesar do cenário globalmente dantesco, nem tudo foi mau

A "prestação" a nível comercial foi muito positiva, destacando-se o crescimento do merchandising, direitos de transmissão e publicidade e sponsorização, entre outros, no contexto adverso dos maus resultados desportivos acumulados. Aliás, se excluirmos as receitas de participação nas provas uefeiras, constatamos que houve um crescimento de 12% dos proveitos operacionais face ao exercício anterior.  

E há uma pequena atenuante, o facto de não ter sido incluído o prémio de acesso à Champions, algo que normalmente acontecia quando de antemão havia a certeza desportiva da presença (mas também isto vai mudar, conforme se pode ler no documento). 

Saúda-se o anúncio de correcção da trajectória, apontando à obrigatória desalavancagem e diminuição da exposição dos resultados às mais-valias das vendas de jogadores, mas não passam ainda de palavras. É fundamental que passem aos actos, obrigados ou de livre vontade.

Mas estas "boas notícias" são apenas gotas de água (uns litros, vá) no imenso oceano de incompetência que são estes resultados consolidados. E nem vou entrar na análise da situação patrimonial, porque então aí o susto é ainda maior. Se quiserem pistas, procurem por "empréstimos obrigacionistas" e "adiantamento da Altice".

Já de seguida, certamente poderão contar com a análise mais detalhada no Tribunal do Dragão, onde aliás fui pescar os números do triénio. Entretanto, quem quiser ler os documentos na íntegra, pode fazê-lo aqui.


"Tenham calma que já vêm a caminho mais croissants..."


E agora, venha de lá a troika Uefeira, dizer o que podemos e o que não podemos fazer. Ainda que à força, finalmente externalizaremos parte da nossa gestão. Fico triste, mas não mais preocupado. É que ao contrário da Troika original, aqui a UEFA está apenas a zelar pelo seu negócio como um todo e não tem como lucrar directamente com a "intervenção" nos clubes. Aqui, apesar dos possíveis constrangimentos financeiros e do impacto que estes terão na gestão da equipa, as coisas só podem mesmo melhorar. A bem ou a mal, se acabarmos suspensos. Creio que por enquanto esse cenário não se coloca. Até quando, já veremos.

Termino "agradecendo", uma vez mais, a todos os meus consócios que se demitiram da sua obrigação de votar nas últimas eleições, legitimando assim, com a sua inércia, nova reeleição desta lista após o péssimo trabalho realizado no anterior mandato. E um gesto de "carinho" especial para aqueles que sonham em liderar o clube mas não tiveram a coragem de se apresentarem quando mais eram necessários. Nunca os esquecerei, obviamente.


Lápis Azul e Branco,

Do Porto com Amor




9 comentários:

  1. A "prestação" a nível comercial foi muito positiva, destacando-se o crescimento do merchandising, direitos de transmissão e publicidade e sponsorização, entre outros, no contexto adverso dos maus resultados desportivos acumulados. Aliás, se excluirmos as receitas de participação nas provas uefeiras, constatamos que houve um crescimento de 12% dos proveitos operacionais face ao exercício anterior.

    Só sucedeu tal, por não terem deixado o Lopeteguinho ganhar. Os culpados são: cólinho, o lume brando, o escudo protector!

    Venham os gajos dos taxis!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só mesmo o meu caro Kosta para se abster de comentar 99% do assunto, focar-se no 1% que o anima e deflectir para canto... Venha é o Gafanha que já tenho saudades do Hector Miguel...

      Eliminar
    2. Se 1% que me preocupa são os 58 milhões, sim estou preocupado, mas não esquizofrénico como os acrobatas que não se interessam por contas.
      Os quatrocentos e tal mil estão bem explicitados e até foram detalhadamente decompostos. Como essa explicação envolve o Xaninho, presumo que sejam esses 99% que causam urticária ao meu caro Lápis.

      Eliminar
  2. Aquele que não deve nada, que atire o primeiro calhau!
    O fair-play financeiro é uma treta... tal como os 95 milhões que não se quiseram ganhar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma treta em que sentido? Acha mesmo que não vamos sofrer as consequências se não invertermos de imediato o rumo das coisas (o que aliás já é uma consequência em si mesmo)? O mal dos outros nada me interessa ou anima, só o Porto me diz respeito.

      Eliminar
  3. Chicha na rede e está resolvido o alarido sobre o prejuízo. A começar por 90% da malta que agora grita. Naaaaao pa, não és tu!
    Já o próprio, o prejuízo, é mais complicado de resolver. Mas também começa a solucionar-se com chicha na rede.
    Logo, só há um caminho. Esse mesmo. Ah poijé.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O alarido não me preocupa, o facto que o origina sim, e muito.

      Não pode haver qualquer impacto disto na equipa, seria incompreensível excepto se houvesse salários em atraso (e não há). Tal como o desempenho da equipa em nada isenta de responsabilidades os culpados desta gestão catastrófica. Água e azeite.

      Abraço

      (senti falta do teu bitaite na Uber... E no Máximo)


      Eliminar
    2. Quando está tudo dito, não há nada para dizer.

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.