Do Porto com Amor: So Far, So Good

terça-feira, 29 de agosto de 2017

So Far, So Good


Foi bonita de ser ver, a festa Portista na pedreira. Mesmo se apenas pela televisão, consegui sentir e contagiar-me por toda aquela energia vibrante do Mar Azul.


Catarina Morais / Kapta +


Entrada em jogo muito interessante, a pressionar alto e a procurar chegar rápido à baliza adversária. A fortuna chegou cedo, pelo pé mágico de Corona, a fazer um golo de levantar qualquer estádio (até de pedra) e a provar(-me) que tem muito mais para dar ao futebol do que tem dado até agora. 

A vencer desde cedo, não deixamos de procurar ampliar a vantagem, mesmo se isso significou alguma exposição ao "contra" bracarense. Muito de acordo com Sérgio Conceição, que elogiou a primeira meia-hora da sua equipa. Em rigor, diria que foram 25 minutos de bom futebol. Depois, abrandámos o ritmo e o adversário quis mostrar que estava em sua casa, mas não fez muito até ao descanso.

O regresso fez-se já sem o autor do golo da vitória, que cedeu o seu lugar a Otávio, creio que por questões físicas. Demorou um pouco a equipa a ajustar-se à mudança, mas fê-lo a tempo de retomar as rédeas do jogo e de retomar a busca de mais golos, que traduzissem com mais rigor a superioridade em campo face ao adversário. Não o conseguimos, muito por culpa do desacerto infantil de Aboubakar, que voltou e estar em dia-não em termos de finalização. Pelo menos dois golos "feitos" foram atirados para a pedreira. Assim fica difícil...

O Braga fez dupla alteração após a hora de jogo e posicionou-se para um assalto tardio ao forte de San Iker. Sérgio só respondeu passados dez minutos de alguma confusão e sem ascendente de nenhuma das partes. Dois jogadores de "combate" substituíram dois "artistas". Ficou fácil de perceber a intenção de Sérgio. Outra vez Tondela, outra vez a apostar tudo na inviolabilidade da nossa baliza. Correu bem, outra vez. Alguma outra não correrá, é estatístico. Por outro lado, com um bocadinho de eficácia, por essa altura o resultado estaria já para lá da margem mínima. Siga.

Vitória justíssima e mais um fantasma recente abatido. "Perfeito".


Quase que se ouve os rins do pobre coitado a partir




Notas DPcA 


Dia de jogo: 27/08/2017, 20h15, Estádio Axa, SC Braga - FC Porto (0-1)


Casillas (6): Noite muito mais tranquila do que se adivinhava, sem nenhuma intervenção a destacar.

Ricardo Pereira (7): Boa exibição, em crescendo a atacar, estabilizando atrás quando Sérgio deu a ordem de retirada.

Alex Telles (7): Fez o flanco todo, defendeu com galhardia e atacou com propósito. E lutou. Bom jogo.

Marcano (7): O pêndulo da defesa e o termómetro da equipa, quase sempre entre o bem e o muito bem.

Felipe (6): Um lance displicente não chega para marcar uma exibição muito positiva e segura em tudo o resto. Não chega porque não resultou em dano maior. Mas... atenção.

Danilo (6): Já teve momentos no jogo onde foi o Danilo que conhecemos, por enquanto ainda em minoria face aos menos bons. Está, portanto, a melhorar. E nós a ganhar, enquanto isso. Menos mal.

< 73' Óliver (6): O mesmo rigor posicional e (talvez por isso) menor fulgor criativo. Quase marcava e quase assistia uma vez mais, mas ficou-se pelo quase. Saiu para dar lugar a pernas frescas e mais combativas.

< 46' Corona (7): A intermitência é a sua imagem de marca (infelizmente...), mas nos momentos de "luz" é capaz de quase tudo. Teve vários lances desses, que só não acabaram em golo por culpa de "outrem". Mas são excepções, precisa de dar mais durante mais tempo.

< 81' Brahimi (7): Cheira-se a sua motivação e assim... parece outro. Não me recordo de o ver com participação tão activa nas tarefas defensivas como neste jogo, foi realmente um regalo observar a sua atitude, tanta outras vezes o seu calcanhar de Aquiles. E claro, com bola, foi sempre quem mais preocupou os adversários, concentrando sobre si sempre mais do que um.

Aboubakar (5): Se excluíssemos a questão da finalização, Abou teria feito um bom jogo. Combinou bem com os companheiros, amassou a defesa contrária e ajudou atrás. "Se", mas não podemos excluir. É dele que se espera a maior fatia de golos, é essa a sua missão principal e não os pode desperdiçar desta forma. Concentração, bruxaria, whatever... mas há que acertar a mira.




Melhor em Campo Marega (7): Não participou directamente em nenhum lance decisivo para o resultado, mas fez um jogaço de entrega, atitude e... qualidade. Sim, qualidade de jogo, em especial na segunda metade, a esticar o campo, a ganhar metros e dar descanso aos companheiros entretanto. Foi realmente importante para acalmar o ímpeto final do adversário, não se cansando de por água na fervura bracarense. É verdade, quem diria (eu, não), que à quarta jornada o estaria a destacar como o melhor em campo... pelo Porto. Lugar no plantel assegurado, agora já se trata de lutar pela titularidade com os outros dois avançados. Quem diria... (eu não)

> 46' Otávio (6): Outra parte completa para se mostrar, mas ainda não foi desta. Mostrou que está disponível para correr e lutar, ficou em défice a "arte". Lá chegará, eventualmente.

> 73' André André (6): Rendeu Óliver numa troca directa, mas com a tónica na missão defensiva. Não se deu mal, mesmo sem brilhar.

> 81' Herrera (5): O "nabo" de sempre, valeu pelo esforço e por fazer número na atrapalhação do adversário.

Sérgio Conceição (7): Mais uma prova superada num campo onde havíamos falhado no passado recente. Um jogo paradigmático, porque esses falhanços recentes foram sempre alicerçados em arbitragens tendenciosas - o que mais uma vez se verificou. Ou seja, está a conseguir ganhar "apesar de", aquilo que nos vinha faltando (e a que não deveríamos ser obrigados, mas essa é outra conversa). Não gostei do recuo, mas apesar de tudo este foi diferente do de Tondela. Primeiro, porque num campo mais difícil. Segundo, porque foi menos acentuado e menos "dramático": tivesse o azar batido à porta, sempre teríamos em campo mais condições para tentar o "milagre" final. Relevam os três pontos, claro, mas também aqueles sorrisos cúmplices na "Roda da União" final. Um mimo de assistir.





Notas DPcA



Quanto ao Braga de Abel Ferreira, não passa de uma equipa vulgar neste momento. No entanto, se algo de bom vier a conseguir, certamente que tal passará por Bruno Xadas, um "menino" que parece talhado para altos voos, e Fábio Martins, que já foi nosso e parece ter crescido muito desde então. Eu, responsável pelo scouting do Porto, manteria ambos debaixo de olho e proporia que se "garantisse" desde já, junto do trolha Salvador, prioridade sobre Xadas.


Mais uma sessão de caça ao Dragão de Xistra, The Inclinator, desta vez sem o sucesso final de outras actuações recentes. Vista grossa à agressividade fora-da-lei dos da casa e aquele rigor exemplar contra os nossos. Ganhámos apesar dele. Não é de desvalorizar. No dia anterior, havia sido El Grande Hugo a fazer das suas piruetas, evitando sozinho a primeira derrota dos sem-vergonha através de um penálti tragicómico.

Como havia previsto, a introdução do VAR(eja) parece servir apenas para tentar legitimar com tecnologia os roubos descarados do costume. Agora são ainda mais a remar para o mesmo lado, o oposto ao nosso, e só com muita força e determinação conseguiremos chegar a bom porto.


Aqui aproveito para um esclarecimento.

Quem me segue há algum tempo, sabe que "protesto" sempre que sinto que o Clube é prejudicado, seja quem for o causador do prejuízo. Sabe também que raramente me "deixo ir" em histerias colectivas ou nas ondas do momento, que, não raras vezes, mais não são do que réplicas daquilo que tanto criticamos nos outros mas pintadas de azul e branco.

Vem isto a propósito das mais recentes "forças vivas" do universo Portista, que graças ao Porto Canal ganharam grande notoriedade e exposição mediática de forma quase espontânea. Baluarte, Porto Lúcido, Batalha, etc. Vocês sabem de quem estou a falar.

Nada tenho contra, aliás sou um dos muitos que os segue e lhes dá destaque sempre que os julgo merecedores. Mais, fico genuinamente contente que tenham aparecido, porque vieram ocupar um espaço de "guerrilha" que estava vazio e que, infelizmente, é necessário.

No entanto, eu não sou assim. Não tenho perfil para denunciar o jogo sujo dos outros e, em simultâneo, disparar contra tudo o que mexe sem distinguir em quem acerto ou por que motivo. Não tem sido sempre assim, mas muitas vezes. E nisso não me revejo, pelo que não esperem reverberação de cada uma das suas loas a partir daqui. Mesmo objectivo (?), caminhos distintos. Sem stress.


- - - - - - - - -


Pausa irritante para a Selenão. Há que aguentar, aproveitando quem fica no Clube para recuperar do desgaste da pré-época e para aperfeiçoar o modelo que SC está a implementar. Regressaremos à competição com dose dupla Dragão, primeiro Chaves e a seguir Besiktas do parasemprenosso RQ7. Até já...



Do Porto com Amor,

Lápis Azul e Branco




15 comentários:

  1. Malta que não reverbera de todo pode entrar no estádio à mesma, certo? 😎
    Olha lá, rapazote, o Filipe não merece a mesma nota do capitão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até ver, diz que sim. Mas a endurecer-se a linha, não sei. Aliás, desconfio de si. O senhor não será um infiltrado? Em todo o caso, off with your head.

      Por acaso não merece mesmo, foi lapso. Agradecido.

      Eliminar
    2. Tinham que me apanhar primeiro e eu corro de caraças :)
      Sempájordens.

      Eliminar
  2. engraçado, essa de defender o que desta vez nao me pareceu nada, reparem que com estas duas interpretaçoes sobre o mesmo jogo quase damos razao aos arbitros do eliseu. O braga teve algumas jogadas de perigo nos ultimos 15 minutos da 1 parte so popr uma razao, oliver, corona e brahimi, oliver porque marcado perde metade da eficacia e desgasta se, corona e brahimi porque defendem a contra natura e permitiram com perdas de bola e o nao acompanhamento fazendo de medios de jogadors do braga que apareceram entre linhas, certo que corona acabou por cortar o lance ja dentro da nossa area. Estes tres jogadores nao tem capadidade fisisca para aguentar o intensidade de jogo de SC, oliver pode nao quebrar mas vai se abaixo e corona e brahimi quebram mesmo , corona ja quebrou, os que entraram sao obviamnete mais defensivos que os que sairam como seria logico. PRECISAMOS CLARAMENTE DE 3 MEDIOS A SERIO, FORTES, RAPIDOS, INTENSOS, sem o que sera dificil manter niveis de intensidade elevados durante toda a epoca, a nossa sorte e ter avançados fortes fisicamente que vao partindo as defesas adversarias, abou senao falhasse como falha ja ca nao estava ha muitissimo tempo nem nunca para ca tinha vindo, no entanto nao se inibe remata sempre que pode.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico confuso com o seu comentário... Acha que a equipa não entrou em modo defensivo com as duas últimas substituições?

      E quanto ao final da primeira parte, são precisos dois para dançar o tango. Já se sabe (a comentário e arredores por SC) que este onze base não tem cariz defensivo, não é feito para jogar atrás ou em contenção. Logo, quando a equipa como um todo abdica do ataque continuado e pressionante OU o adversário nos obriga a isso, ficamos expostos às agruras dos argumentos adversários. É a opção de Sérgio.

      Claro que precisamos do Nainggolan, do Pogba e do Vidal, mas diz que não estão disponíveis... Sejamos realistas e façamos as análises com base no possível...

      Abraço Portista

      Eliminar
    2. É certo que temos necessidade de um médio que não seja de brincadeira. Eles vão para o
      Antalyaspor Kulübü (Nasri) ou para o Celta de Vigo (Sisto, ora viva sr.Silva), que têm capacidade para lhes pagar e nós não. Os adeptos exigiram que apostássemos 20 milhões e nem trocos sobraram. É a vida. Satisfazer multidões por vezes sai muito caro.

      No entanto há algo a mudar. A prova disso é que o Lápis dá a melhor nota a quem o fez para a merecer. Não é um portento de técnica, não faz reviangas, rotundas, não abana a cauda, arranja o cabelo, mas dá ao coirão 90 minutos e... chuta. Por vezes para onde está virado, mas isso são outros 500.

      Contudo há posições onde os outros estão muito bem servidos e nós somos deficitários:

      Eles têm o José Manuel Meirim porque não arranjamos nós um qualquer Manuel José Pedroto?
      Têm a Eva Mendes como estratega. A Salma Hayek poder-lhe-ia fazer sombra.

      O Frank Vargas dirige o ordenamento do território, porque não contratarmos o General Vilela, se ainda for vivo?

      O Miguel Duarte é a toupeira, pois então pague-se ao Bruno Paixão pelos mesmos serviços. Ouvi dizer que é um heterónimo, mas deve ser boato.

      Têm uma estátua do Eusébio em frente ao Colombo. Erija-se uma do José Estêbes frente ao Dolce Vita. Numa competição copofónica deveria ser mais renhida que o combate Mayweather-McGregor.

      Isso, ou o povo vir definitivamente para a rua, exigindo regras iguais para todos e que os corruptos sejam severamente penalizados.
      Esta bandidagem tudo domina porque TODOS consentimos.

      Eliminar
    3. General Jorge Rafael Videla, peço desculpa pelo lapso.
      Isto de remexer na merda fascista, interna e externa, tem destas coisas.

      Eliminar
    4. gostei dessa das aquisiçoes do meirim, do mendes, do paixao, do vargas e de outros que aparecerao, mas essas aquisiçoes tem anos atençao. Atençao hoje numa reuniao do CA com meirim convidado os arbitros declararam tolerancia zero a porrada dada por pizzi, eliseu, etc portanto ..... as coisas parece começarem a mexer. O paixao descaiu se e respondeu em omilia parafraseando Jesus o profeta cristao, ate agora foi o unico que abanou as coisas estao a começar a funcionar e aquilo para os lados de carnide treme como varas verdes.

      Eliminar
    5. Aha! O Sisto não faz o lugar do Oliver, nhanhanha :)

      Eliminar
    6. Ahahah... para fazer o que ele faz até o Fabio Paim servia e digo-lhe que era um ídolo para boa parte da massa adepta. :)

      Eliminar
    7. Começou pelo fim, onde estamos de acordo. Cada vez parece menos possível que isto se endireite a bem.

      Os craques candeeiros nos lugares decisivos é o meu grande cavalo de batalha contra a nossa direcção: inaceitável que se tenham deixado sodomizar desta maneira, à vista de todos ainda por cima. Ainda bem que finalmente concorda comigo.

      Nasri tem tanto de bom jogador como de mau profissional. Sisto não é nem nunca foi médio...
      Óliver é craque :-)

      Eliminar
    8. Não tenho dúvidas e certamente o Lápis também não as terá que quem nos dirige não alinha nesses campeonatos de sodomia e afins, tanto em voga na capital.
      Se fomos enrabados a contragosto é porque não havia mesmo nada a fazer, como pode verificar pela vasta informação que agora dispõe e que vai pagar o milhão prometido. :)
      Claro que não concordo nesta matéria consigo, pois depois do esvaziamento das Associações, o preenchimento de elementos decisivos na Federação, quadrilha de enfermeiros e árbitros com direito a voto, restava a solidariedade dos restantes clubes que entretanto foram comprados. Portanto o Lápis continua a cavalgar em meia verdade e há "Centenos" de razões para chegarmos a esta situação.
      Ok Nasri não lhe serve, Sisto não é médio e Oliver é 6, 6/5, 8 ou 9,5? Não me parece é que seja coisa nenhuma e só concordo que o plantel é curto, porque falta precisamente um jogador para ocupar o lugar dele, ou Brahimi, Corona e Danilo, não dão nem para meia época.

      Eliminar
  3. Caro Lápis, o Campeonato segue dentro de algum tempo por compromissos dessa coisa a que chamam selecção e até agora o nosso FC Porto está bem e recomenda-se. A prestação do FC Porto em Braga foi para mim muito boa, a vitória justíssima e o resultado peca por escasso, por alguma culpa nossa, pois oportunidades não faltaram, e a noite inspirada do guarda-redes bracarense. O Lápis refere que o FC Porto entrou em modo defensivo com as entradas de André André e Herrera, mas, curiosamente, foi na segunda parte que o FC Porto bloqueou o Sp.Braga, teve um domínio absoluto da partida e construi uma série de oportunidades para dilatar o marcador, esta é a minha visão do jogo. Temos uma Equipa base que vai dando conta do recado mas o plantel é curto para as exigências da Época e imponderáveis em que o futebol é fértil, lesões, castigos, desgaste, mas isso são contas de outro rosário e da responsabilidade do Administração. Para já estou satisfeito.

    Um abraço e continuação de boas férias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A segunda parte teve dois momentos. Até à saída de Óliver, criámos oportunidades para ampliar a vantagem. Não o tendo conseguido, encolhemos. Mas concordo que a vitória esteve menos em risco em Braga do que em Tondela. Em todo o caso, não me agrada.

      O plantel é realmente curto e parece que já não virá ninguém (ou apenas um). Vai ser preciso alguma sorte e muito juízo. Imagino a ressaca de comissões de que padecem os sadistas...

      Estão a acabar, mas ainda duram. Um abraço

      Eliminar
  4. Claramente que o plantel é curto. O nosso onze-base, para já, tem servido para as encomendas, a mas a verdade é que não temos apenas mais 30 jogos pela frente. Temos ainda seis jogos da Liga dos Campeões e pelo menos mais um da Taça de Portugal e mais três da Taça da Liga.

    Não temos banco. E é o que basta para as capeladas começarem a aparecer. :-)

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.