Do Porto com Amor: Ele(s) Sabe(m) Lá o que é Ser do Porto

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Ele(s) Sabe(m) Lá o que é Ser do Porto


Ele sabe lá. Um antigo guarda-redes suplente, convencido de ter dotes de oratória (em terra de cegos...), armado em treinador. O suficiente para "o presidente mais titulado do mundo" apostar nele todas as fichas - as suas e as do clube, porque afinal preferiu assumir um prejuízo colossal para lhe oferecer uma equipa competitiva e "à Porto". À Porto? Ele sabe lá o que isso é.




Não tenho grande paciência ou interesse em demorar-me muito sobre o jogo. Dominámos de princípio a fim, com períodos de maior e menor intensidade, mas fomos a única equipa que quis ganhar o jogo e fez por isso. 

No papel, o onze inicial era muito ofensivo - em minha opinião, talvez até um pouco demais no caso de precisarmos de "ir ao banco" para reverter uma situação desfavorável - e os jogadores responderam à chamada. Sem grandes receios, procuraram o golo desde cedo e com a tal intensidade que tantas vezes nos falta. Antes de avançar, quero desde já dar nota da minha grande satisfação pela forma como todos se entregaram ao jogo e pela raça que demonstraram ter: eles sim, apenas eles, mostraram saber jogar à Porto.

Do outro lado, o Salgueiros (e que me perdoem os verdadeiros salgueiristas, aqueles com alma e que só têm um clube) do costume sempre que cá vêm. Queimaram tempo desde o início, entregaram-nos toda a despesa do jogo e limitaram-se a espreitar um eventual contra-ataque ou um lance de bola parada. Quase marcavam em cima do intervalo, sem nada terem feito para o "merecer". Já nós tivemos o golo nos pés de Corona e mais um par de boas oportunidades.

Na segunda parte pouco mudou. Retomámos o "assalto" desde o recomeço e a recompensa chegou quase de seguida. Boa jogada individual de Jota que rematou cruzado e viu a bola passar entre Éderson e o poste. Mais do que merecida a vantagem.

Depois, depois veio o Nuno (que pena não ter ido com o Pai Natal e o palhaço no comboio ao circo). E estragou tudo.

Para lá de discutir quem entrou e quem saiu, importa também perceber os sinais que enviou para dentro de campo com as substituições: a uns, "obrigou" a encolherem-se atrás e a desistirem de procurar o segundo golo; a outros, abriu-lhes a porta e deu-lhes o empurrão de que necessitavam (sem ele, não iam "lá") para se aventurarem em busca do empate. 

É para isto que um treinador do Porto serve? Ponham lá um macaco e uma banana um metro acima do banco, que pelo menos sempre diverte o público na sua tentativa de lhe chegar. E até nos arranca um generoso aplauso quando finalmente o conseguir.

Não, não é para isto. Hoje concluí em definitivo que Nuno Espírito Santo não serve. Pode até suceder um milagre (não, uma constelação deles) e acabarmos campeões. Pode até fazer um qualquer brilharete na Champions (not), ganhar a Taça ou a outra taça, que a mim já não me convence. 

Todos nós mudámos e Nuno também usufrui dessa prerrogativa - pode, de facto, evoluir até ao ponto de justificar ser aposta enquanto treinador do Porto. Pode, mas hoje, ontem e no dia em que foi contratado não o merecia - simplesmente não tem o que é preciso. O que lhe falta em qualidade sobra-lhe em fraldas. Nunca pensei ter um treinador mais medroso do que Jesualdo e no entanto... cá está ele. Aliás, basta ver o que Jesualdo fez repetidamente a estes lampiões.

E com isto chegámos, uma vez mais, a quem o contratou - Jorge Nuno Pinto da Costa. Sendo coerente com a minha conclusão sobre NES, devo dizer sem reservas que o presidente falhou o seu quarto treinador consecutivo. O quarto, senhores - sem contar com a manutenção do basco no segundo ano. E com isto afirmo: esta direcção deve cair quando Nuno cair

Já chega de sacudir sempre as culpas para os outros. Já chega de apelidar uns e outros de cobardes e depois não dar a cara nas derrotas (sim, hoje foi uma derrota). Já chega de delapidar o património material e imaterial do clube. Já chega.

Não estou com isto a defender a demissão prematura de Nuno, antes pelo contrário: deve ter a oportunidade de mostrar o que consegue fazer até final da temporada e nenhuma conclusão pode ser definitiva antes desse momento. Se for campeão, se formos campeões, chapéu: é porque conseguiu reinventar-se a tempo de recuperar de uma desvantagem de 5 pontos. Desportivamente, nada me fará mais feliz. Mas não invalida a conclusão a que agora cheguei e que reafirmo: hoje, ontem e no dia em que foi contratado, NES não o merecia nem o justificava.





Notas DPcA 

Dia de jogo: 6/11/2016, 18h00, Estádio do Dragão, FC Porto - SL Benfica (1-1). 


Casillas (7): Algumas defesas seguras e uma enorme a adiar o empate, onde nada podia ter feito.

Maxi (7): Foi o bom velho Maxi, mesmo sem o pulmão de outrora, quem hoje esteve em campo. Experiente, lutador e agressivo. Fez a sua parte até ao golo.

Alex Telles (7): Outra boa exibição a atacar e a defender, infelizmente marcada pelo lance capital, pois era ele quem estava com o marcador lampião no início do cruzamento. Não o vou martirizar porque não sei se estava a defender à zona ou deveria ter ido com o adversário. Deveria pois.

Melhor em Campo Felipe (8): Um dos seus melhores de Dragão ao peito, ao que ainda juntou aquele cerrar de dentes que nos enche a alma. Que seja para manter.

Marcano (8): E mais outra boa exibição, outra vez muito segura e eficaz. Siga.

Danilo (7): O dono do meio-campo, um monstro. Muito bem... até ao golo, onde também ele vacilou.

< 76' Óliver (7): Finalmente um pouco do Oli que me deliciou sob o comando do basco morcão. Sem a chaga mexicana do costume, aproveitou para se soltar e organizar jogo mais à frente. Não foi ainda brilhante, mas lá chegará. Com a vantagem de que agora também defende e bem. Tirá-lo do jogo foi o primeiro grande equívoco de NES (mas infelizmente, não o último).

Otávio (6): Foi-se abaixo com a lesão e ainda não retomou a sua estonteante "onda" inicial. Hoje foi menos do que a equipa precisava e seria o candidato mais óbvio a deixar o campo em primeiro lugar. Outro dos pecados de NES.

< 67' Corona (7): Teve grandes momentos na partida, alternados com outros de maior discrição. Não "podia" ter falhado na cara de Éderson, foi pena. Redimiu-se ao assistir para o nosso golo. O amarelo pode justificar ter sido o primeiro sacrificado, mas logo por azar aconteceu quando estava bem na partida. Não foi das piores decisões, porque a entrada de Rúben justificava-se, mas talvez Otávio devesse ter sido o escolhido naquele momento.

André Silva (7): Não marcou, mas jogou que se fartou. A sua juventude permite-lhe ser um poço de força, velocidade a que junta a qualidade técnica, a raça e a capacidade de choque. O protótipo quase perfeito de avançado (desde que também faça golos). Muito bom jogo, merecia outra prenda (parabéns menino) que não o ter também ele acorrido ao epicentro do lance do empate.

< 87' Diogo Jota (8): Recuperou a inspiração quando mais era preciso, azucrinou a cabeça à defesa lampiónica e marcou um belo golo. Não merecia ser traído pelo próprio treinador, cuja incontinência nos custou a vitória. 




> 67' Rúben Neves (6): Não entrou tão bem como no jogo anterior, mas lá se recompôs e ajudou a equipa como pode... até que Nuno os abandonou à sua sorte, sem avançados para pressionar adiantado e ameaçar a baliza contrária. É deprimente ver um jogador com a sua qualidade de passe a dar chutões para a atmosfera por falta de quem entregar a bola na frente. Esteve também na molhada do golo do empate.

> 76' Layún (6): Em minha opinião, o segundo pecado capital do treinador. Não pelo jogador, obviamente, mas porque não era o que a equipa pedia. Já tinha reforçado o meio com Rúben, adiantando um Otávio em sub-rendimento. Layún não é médio, por muito que jogue na seleção no meio. Não tem rotinas de médio, em especial quando se trata de um jogo tão sensível e emparelhado como são os jogos grandes. Fez muito mal em tirar Óliver, mas fez ainda pior ao trocá-lo pelo mexicano - a fazer a troca, só podia ser por Herrera. E já agora que aqui estamos, Layún não entrou mal. Ainda tentou esticar o jogo, mas sozinho com AS para lá do meio-campo, pouco poderia fazer. E naturalmente, acabou por se encolher mais atrás.  

> 87' Herrera (1): Teve a trágica "infelicidade" de fazer um disparate (quantos jogadores não chutam contra o adversário para ganhar lançamento?) no pior momento, sem dúvida também pela pressão que cada vez mais vai carregando em ombros, e do canto surgiu o empate. Foi responsável sim (mas não o único) por se alhear do canto, sorrindo alegremente em direcção à pequena área em vez de ficar próximo da zona de marcação. Há dias em que mais vale não sair do banco. Não é, Nuno?


Nuno Espírito Santo (0): Já me fui adiantando, pelo que sobram poucas achas para esta fogueira que nos consome e consumirá noite dentro. Montou bem a equipa (tendo em conta o que ela produziu durante 75 minutos), festejou o golo como um menino, só para depois estragar tudo com as substituições.

Se a primeira se aceita (mesmo duvidando muito que o "prazo" de Corona já tivesse expirado), porque a equipa se manteve equilibrada e ainda pressionante (mas menos), as duas últimas formaram sobre o Dragão uma tempestade perfeita, com o pobre do Héctor no olho do furacão.

Ao trocar Oli por Layún, colocando-o na meia esquerda e voltando a puxar Otávio para o meio, desta vez em algo parecido com um 451 ou 4141, a equipa perdeu o equilíbrio e encolheu-se perante os seus receios. E sobretudo perdeu aquela dupla capacidade do espanhol de defender e de organizar ataques. Lá começou (continuou?) tudo a recuar...

A machada final chegou com a saída de Jota, o único avançado sobrevivente para lá de AS, por troca com Herrera. Obviamente que o recém-entrado não teria condições para se encostar à defesa adversária quando o jogo se aproximava do fim e a equipa já não pensava em atacar (nem tinha como) e por isso a aposta foi num 4411 ou algo similar. Asneira total.

Para não correr o risco de não ganhar o jogo de forma inglória, tinha que ter tido tomates para continuar a jogar da mesma forma até ao fim. Eles até se poderiam aventurar nos últimos minutos, mas saberiam que ao mais pequeno deslize sofreriam o segundo e estariam pressionados por isso. O que NES fez poderia até ter resultado, com um pouco mais de sorte. Mas nunca seria satisfatório, porque ser do Porto não é isto. Os Portistas que estiveram no Dragão não mereciam. Não serve.




  
[Adenda]: Sobre a arbitragem do inefável Soares Dias e seus muchachos, não há muito a dizer para lá do óbvio: não gosta do azul. Ou gostando, tem outras prioridades bem mais vincadas, como por exemplo a possibilidade de uma carreira saltitante. Erro capital ao invalidar um golo por suposta mão na bola de Felipe aos 25 minutos, lance-fotocópia de um que sofremos em Alvadade: não pelo erro em si, que em minha opinião até se aceita, mas pela gritante diferença de critério, sempre em nosso prejuízo. E claro, a ridícula compensação, face a Setúbal por exemplo. Em conclusão, na arbitragem de hoje parece apenas haver um critério: em caso de dúvida (ou nem tanto), apitar contra o Porto. Tivéssemos nós uma direcção viva para combater estas coisas e quem sabe...

[Adenda 2]: Depois de rever o lance várias vezes, sou forçado a discordar (uma vez mais) deste tribunal de ex-árbitros. Porque o que deveria ter sido marcado era penálti por mão na bola de Mitroglou, que acontece antes do resto do lance que o painel analisa. Acho incrível como não se fala disto hoje, o grego está no ar e dá literalmente uma palmada na bola antes desta ressaltar na mão de Felipe. E aos 56' há um penalti por assinalar de Lindelof sobre AS por agarrão nítido da camisola.




Em relação ao Salgueiros de Rui Vitória (de novo, as minhas desculpas aos verdadeiros), limitaram-se a confiar na sorte e ela não lhes faltou. Quero que se forniquem todos, mais o abutre e a estátua do rei do tremoço.

Quem quiser, que se tranque no quarto de banho e se satisfaça compulsivamente com a justificação de que eles tiveram sorte e não fizeram nada por ela. Tiveram sorte sem fazer nada por ela, é verdade, mas também eram eles quem chegava ao Dragão sentados numa confortável vantagem pontual e sem dois dos seus jogadores mais influentes (Fejsa e Grimaldo) e outros mais no estaleiro de longa duração. Também foram eles que se viram forçados a queimar uma substituição por lesão - ironicamente, o cabeçudo que entrou foi o que nos tramou ao minuto 91 (queriam o 92, tinham de ter aguentado mais uns segundos). 

Nada do que alguém possa argumentar me convence. Foram as opções suicidárias de Nuno quem lhes deu o empate. Ponto final. 

Quase final. Porque desde que o jogo terminou já vi, ouvi e sobretudo li tanta estupidez supostamente portista a propósito de Herrera que não sei o que mais me entristece: se a burrice de quem culpa o mexicano pelo golo sofrido, ignorando que não foi ele quem decidiu entrar (e que, já agora, apesar do disparatada, a sua "jogada" apenas resultou num canto; o golo chegou depois, fruto de vários outros erros) ou o golo propriamente dito. Todos sabem o que penso de Herrera, mas não gosto de injustiças. E esta é uma, das tremendas.



Lápis Azul e Branco,

Do Porto com Amor



29 comentários:

  1. Como não consigo dormir...

    Nes montou um onze atrevido e até audaz, jogar apenas com Danilo como médio defensivo, colocando Oliver, Octávio, Corona como os outros 3 médios, com Jota e André Silva na frente, tudo gente jovem, também se paga esse preço...
    Mas devem ser os melhores psicologicamente neste momento.

    O problema foi que a gestão do ritmo imposto por este jogadores foi alto, algumas vezes em correrias desenfreadas e donde apenas 1 vez tiveram resultado...

    Falta claro está Maturidade competitiva para saber dosear o esforço, com isso e também porque deveria ser o plano do treinador, meter médios defensivos por médios ofensivos ou avançados aos 60 e 70 m...

    O problema é que só estava 1-0, curto para o jogo jogado, deviamos ter feito mais 1 ou 2...
    Mas atenção, que nas bolas paradas o benfica foi quase sempre melhor e foi onde criou perigo (incluindo o golo), aspect a rever...

    Mas com as alterações perdemos o controlo do jogo e o problema foi esse, CONTROLO do jogo, deixamos de sair com critério e pusemo-nos a jeito do infortúnio...
    Nós empatamos porquê tacticamente não soubemos gerir uma vantagem minima, confesso que percebi a entrada de Ruben Neves (por Corona) para equilibrar as forças no meio, mas a saida de Oliver não percebi (entrou Layun), aquilo desorganizou a equipa e faltou quem pegasse na bola como estava e bem a fazer Oliver.

    Também concordo que Octávio estava mais cansado e é um jogador que procura logo baliza em vez de temporizar...

    Mas como a ordem era defender, NES troca Jota por Herrera, e este faz 2 disparates no mesmo lance, inconcebivel para um jogador experimentado, ainda se fosse um Novato...
    Enfim, eu até gosto da atitude e da vontade que ele mostra, mas...
    Não pode fazer aquele disparate, bastava segurar a bola, fazer-se á falta, colocar a bola num colega ou na frente para o andré corer, aquilo não foi nada...
    E depois ainda se alheia do lance e em vez de pressionar o homem para o canto curto, fica ali, como se não tivesse já passado por jogadas parecidas...

    Resta acreditar que os nossos miudos vão ser capazes de dar a volta a isto, que com tantos pontos para conquistar ainda seja possivel...
    E que os outros não terão sorte e arbitros do lado deles para sempre...

    Um ultimo apontamento, Esta equipa se tivesse um numero 8 (box-to-box) de qualidade, com os miudos na frente a correr e a pressionar...

    Ou isso ou então transformem o Ruben Neves nesse jogador (O Francisco Ramos ainda é mais novo)...
    Dos outros, Herrera, André André, Sergio Oliveira, o Carlos Teixeira, parece que nenhum serve...ou pelo menos nenhum mostra serviço...

    Abraço, Gil Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Começando pelo final, Rúben era ou prometia ser esse jogador! Tem é sido sacrificado por esta sucessão de falhados a que alguns chamam de treinador...

      Para ser claro, concordei com a sua entrada mas não com a troca por Corona, ainda que os erros fatais fossem as substituições seguintes. Nuno acobardou a própria equipa e se era para defender declaradamente nos minutos finais, mais valia fazer como o Vidente sugere, fazendo entar Boly.

      Para treinar o Porto não chega ser bom tacticamente (e essa parte também está ainda por demonstrar), é preciso ser Homem.

      Em tudo o resto, estamos basicamente de acordo.

      Um abraço e volte sempre

      Eliminar
  2. Chapeau para si caro Lápis. A sua animosidade para com Herrera, é conhecida e não se coibe de a demonstrar sempre que possível. No entanto, quando lhe seria muito fácil alinhar na tonteria que por aí se lê, é o primeiro a considerar que o infeliz, apenas concedeu um canto a 1 minuto do fim (pormenor que não se pode desdenhar) tendo TODOS permitido a obtenção do golo do empate na marcação desse mesmo canto.
    No que toca ao treinador, completamente de acordo. Há mais velocidade, mais presença na area, mais jogo pela faixa central, do que no tempo do Lorpa, mas é tudo muito desorganizado, sem critério e as substituições definem o tipo de treinador que é.
    Não fiquei eufórico com as exibições de Otávio e Oliver (sem surpresa para si). O Dominio que tivemos até ao golo, na minha opinião, ficou a dever-se à subida da nossa linha defensiva e mais uma vez ao enorme Danilo.
    Incrivel como a partir do nosso golo, Rui Vitória faz entrar o gaiato Horta e este dominou completamente o meio campo. Porquê? Porque descemos a linha defensiva, concedemos maior distância entre linhas e o nosso meio campo, afundou-se completamente. Posso não perceber puto de futebol, mas era aí (60 minutos) que deveriam entrar Herrera e Brahimi.
    Os ultimos treinadores do Porto, são sem dúvida os melhores amigos de Jorge Jesus.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada a contestar (infelizmente).

      Um abraço

      Eliminar
    2. Uma profunda tristeza, até porque da forma que estava o jogo, a sensação com que fiquei, foi que Rui Vitória, apenas não queria ser humilhado e se conformava com uma derrota digna.
      Da nossa parte, além de reduzirmos a diferença, a oportunidade de provarmos que somos na realidade melhores com uma vitória categórica, por números expressivos. Fundamental para elevar os níveis de confiança de toda a gente numa época de grande risco.
      Por cobardia, não fomos capazes, oferecemos o ouro ao bandido, falta saber quais os reflexos de tanta asneira.

      Eliminar
    3. RV não queria perder, mas possivelmente preferia não arriscar ser goleado (isso sim, faria mossa para o jogo da segunda volta) do que arriscar para não perder. É o luxo a que se pode dar quem tem 5 pontos de avanço.

      Também não consigo prever o que resultará daqui, mas os próximos jogos são fora e a eliminar, pelo que logo, logo saberemos.

      A minha esperança está depositada neste lote de jogadores, que já demonstrou ter capacidade para evoluir muito e rápido.

      Eliminar
    4. Jogadores sempre tivemos,jogassem os melhores. Então no primeiro ano de Lopetegui...o problema é outro e não sou dos que acredita em Marco Silva e parecidos.

      Eliminar
  3. bem jogamos bem, lutamos, tivemos azar. Se aquela falha algo costumeira na nossa defesa por falra de altura nao acontece o treinador era o maior. Danilo mede 1,90 mas so salta 5 cm e raramente ganha um lance de cabeça, temos efetivamente uma equipa baixa e veremos isso em copenhaga. Quanto as substituiçoes o primeiro a entrar deveria ter sido layun que nunca foi def dirreito ou esquerdo na vida e tem muito mais aptidoes para medio ao contrario do que e escrito no texto. Herrera sim ja deveria ter sido vendido ha muito tempo pois tem feito disparates decisivos e muitos desde que por ca anda, herrera da ideia ate que nao pensa vai la para dentro correr mas sem pensar, nao tem claramente lugar nesta equipa. Depois em relaçao ao banco nao estou a ver mais ninguem para entrar, brahimi?? so se fosse para se agarrar a bola e tambem fazer uma asneira qualquer, no banco so poderiam entrar layun e rneves mais ninguem, talvez andre2 nao estava lesionado mas nao estava no banco, a verdade e que temos uma equipa curta a meio , pouco alta, temos poucas soluçoes serias para jogos desta exigencia. NES tem sobretudo um +problema quer ser um gajo porreiro no balneario. E SE NOS ULTIMOS MINUTOS ENTRASSE O BOLY ? AQUELE GOLO NUNCA ENTRARIA, se era para defender o resultado pois que se tivesse treinado a opçao de jogar boly, marcano e filipe. FALTA MUITO JOGO E SEM ARBITROS ESTARIAMOS A FRENTE APESAR DE TUDO, ISSO SEM DEVE SER O NOSSO FOCO E NAO O TREINADOR, O NOSSO FOCO DEVE SER ATACAR QUEM NOS TIROU PONTOS E NOS TEM A 5 PONTOS QUANDO DEVERIAMOS ESTAR UM PONTO A FRENTE DO BENFICA. CONVEM DESCER A TERRA , DEIXAR O TREINADOR FAZER O SEU TRABALHO, CRITICAR OK MAS COM PES E CABEÇA E APONTAR AO FOCO QUE SAO AS ARBITRAGENS SEM AS QUAIS O BENFICA NAO ESTAVA A FRENTE.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Azar tem quem de repente fica doente, meu caro. Isto não foi azar, foi ir atrás dele.
      Quer-se agarrar aos árbitros? Força, siga em frente, que o precipício é já ali adiante.

      Uma coisa não invalida a outra, como sempre digo. E nessa área, crítico quem tem a obrigação de evitar que sejamos prejudicados, que é a nossa direcção.

      Um abraço

      Eliminar
  4. JA AGORA UMA VERDADE ESTA EQUIPA SEM OLIVER NAO TEM QUEM ORIENTE O JOGO, viu se em setubal, o unico que podera disfar seria andre2. Nuno deveria ter percebido isso, alias em setubal o destrambelhamneto coletivo acontece depois da saida de oliver, MAS MESMO AI SENAO FOSSE O ARBITRO TERIAMOS GANHO, MESMO ASSIM TERIAMOS GANHO.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, se o penalti fosse convertido.

      Eliminar
    2. pois claro eu diria mais se tivesse sido convertiso e tivesse sido validado pelo arbitro.

      Eliminar
  5. Sobre o Herrera. Ele tem culpa sim, porque uma coisa é um canto onde consegues meter a bola na área com um simples chuto, outra coisa é um lançamento de linha lateral.
    Para além que ele ali consegue receber a bola e tentar segurar o maior tempo possível.

    Isto de nada invalida ou desculpa a má prestação do NES durante a segunda parte com as suas alterações.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que foi uma péssima abordagem ao lance, desde o canto despropositado até ao alhear-se da sua marcação (onde faltava mais alguém, porque quando ele lá foi, estava apenas ele para dois lampiões).

      Mas o golo foi marcado por um retard quase na nossa pequena área, houve uma desatenção colectiva e não aceito que queiram crucificar Herrera pelo empate, quando tudo isto é fruto das más decisões do treinador.

      Um abraço

      Eliminar
  6. Antes da entrada do Herrera, aos 80 minutos, mais ou menos, já andava tudo "ó-tio-ó-tio" com o Danilão e o Rúben a despachar para a frente. O Herrera tem uma falha de marcação do canto curto porque, claramente, não sabia o que fazer.

    Não aceito que um treinador seja um vaginas uma e outra e outra vez, sobretudo quando TUDO estava a seu favor. A descida propositada de linhas é uma vergonha. Assumi-lo no pos match ainda pior!

    O único que falta "Ser Porto" é ele!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ele e a quem o contratou, alargando o mais possível a definição.

      O momento que marca definitivamente o jogo é o da saída de Oli, em minha opinião.

      Abraço

      Eliminar
    2. Saberás que estamos, naturalmente, de acordo.

      Abraço

      Eliminar
  7. Fizemos uma bela exibição, merecíamos amplamente a vitória e até por mais que um golo e acabamos por empatar do jeito que todos vimos. Podem dizer-me que é futebol, acontece inúmeras vezes por esse mundo fora e todos sabemos que sim, mas nada disto impede que me sinta desolado a tal ponto que ainda agora sinto dificuldade em articular as ideias. Talvez por isso também não me apeteça dissecar o que ontem se passou, se calhar, como adepto, o mais racional seja aceitar que aconteceu futebol, esquecer e passar adiante, procurando conforto apenas na exibição da Equipa que, a ter continuidade, me dá a perspectiva de futuras alegrias.

    Uma nota final para dizer que estou de acordo com o Lápis a propósito do NES. A exemplo do jogo de Setúbal, também ontem o nosso Treinador voltou a pensar pequeno aquando das substituições, com a mensagem que passou não só para a nossa Equipa mas também para o adversário. É costume dizer-se que a sorte também se procura, ontem Nuno, com aquelas opções desafiou a sorte e o azar acabou por bater à nossa porta, infelizmente.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Ainda bem que realça essa parte, porque de facto também nos faltou sorte. Mesmo com todo o chorrilho de asneiras de NES, poderíamos perfeitamente ter ganho.

      (noutro registo, dava-me realmente jeito que me enviasse um email, facilitava muito o seguimento ao nosso assunto)

      Abraço

      Eliminar
    2. Caro Lápis,

      Mas eu já lhe enviei um email, não recebeu??!!

      Abraço

      Eliminar
    3. Não chegou ao destino... Estaria correcto o endereço? lapisazulebranco@gmail.com

      Eliminar
    4. Já enviei novamente o email. Depois diga alguma coisa. Obgdo.

      Eliminar
  8. Boas Lápis

    concordo contigo NES é um medroso e não serve para equipas como o FcPorto. Por isso foi um eterno suplente como GR.

    quando o FCPorto marcou o golo quis dar uma de Mourinho aos saltos ou então já estava a festejar uma vitória que logo logo iria transformar num empate com as suas opções. Porque não entrou Boly no lugar do Herrera para defender o chuveirinho? isso está nos livros carago.

    assim estamos lixados com este treinador que é um "conas"

    Saudações Portistas

    11Drul0Vic

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, também já defendi isso (do Boly), embora tivesse preferido continuar com a mesma postura até final.

      Quando além dos adversários temos que nos derrotar a nos próprios, fica complicado. Haja esperança.

      Abraço

      Eliminar
  9. Que ao menos fique a lição, o NES esteve muito mal mas não tanto quanto o zarolho espanhol sempre esteve merece uma segunda oportunidade... próximo jogo é para ganhar se não aprender é mais um burro armado em doutor da bola e aí tem de sair... tenho um receio pela admiração do nosso presidente pelo burro Bento pois pelo andar das coisas ainda temos esse burro a treinar o nosso PORTO... saudações azuis um bem haja lápis azul :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seria "lição" se o próprio reconhecer que errou (e mesmo assim, uma lição bem cara). Os sinais que deu logo após o jogo vão noutro sentido, ainda que mais a frio possa tomar consciência.

      Próximo jogo é a eliminar, pelo que não há recuperações possíveis. Ou sim ou "chau taça".

      Já fiquei com urticária só de me relembrar desse outro asno de risca ao meio. Creio que se isso acontecesse, havia eleições à força. Seria demasiado mau para se aguentar.

      Abraço Portista

      Eliminar
  10. Bom dia caro Lápis,

    Um asco a manchete da edição de hoje do pasquim A Bolha. Era também contra esta bafienta presunção que o FC Porto deveria ter ganho.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A propaganda lampiónica de sempre... com isto já nem perco tempo. Acredite que se tivéssemos ganho teriam inventado outra coisa qualquer para glorificar outro coxo.

      Há dois dias por semana em que não há assunto para vender jornais... mas idiotas com um euro há todos os dias.

      um abraço

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.