Do Porto com Amor: JN (Jorge Nuno) Direto

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

JN (Jorge Nuno) Direto


Notas "breves" sobre a entrevista do presidente (JN) Pinto da Costa ao novo formato do diário portuense (se é que ainda o é - portuense).




Vou passar por cima de temas requentados como Lopetegui, Adrián e Jorge Mendes, sobre os quais nada de novo foi dito, focando-me apenas sobre as "novas revelações" - condição que defini como imprescindível para voltar a falar sobre a actuação do Presidente antes do final da temporada.

Começa a notar-se um padrão indesmentível em relação às aparições públicas de Pinto da Costa - o de só falar quando se ganha. Se por um lado reflecte a prudência e a astúcia que a experiência lhe ensinou ao longo de todos estes anos, por outro deixa no ar a sensação de não dar o corpo às balas na altura devida, mesmo que não seja essa a sua intenção. Em todo o caso, vamos às notas.



O Treinador, a Equipa e o Plantel



Cavalgando esta onda de mini-euforia onde actualmente surfam muitos Portistas, reafirmou a sua crença e confiança no trabalho que Nuno está a desenvolver (não tenho a certeza que "reafirmou" seja a palavra correcta, porque - lá está - nos momentos difíceis imediatamente anteriores ao actual não me apercebi que o tenha feito). E que essa confiança advinha do facto de "o nível exibicional ser bom" e de a equipa criar muitas oportunidades. Ok, então vejamos esta listinha: Brugge (f), Setúbal (f), Brugge (c), Chaves (f), Copenhaga (f), Belenenses (f), Belenenses (c) - bom futebol e muitas oportunidades? Certo... Se insistisse nos pontos subtraídos por algumas dessas arbitragens, ainda podia ser. Aliás, deveria ser. Mas sem muitas oportunidades e quase nenhum bom futebol, ok?

Aproveitou para reafirmar (aqui sim) que NES foi sua escolha, da qual se limitou a informar a sua administração (adeus Antero...), e que Jorge Mendes nada teve a ver com a vinda de Nuno para o Porto. Informação que já circulava há muito, ao contrário do que pressupus aquando da apresentação do treinador, e que agora é confirmado na primeira pessoa. Assim já se compreendem melhor os fracassos dos últimos dias de transferências.

Sobre a equipa, deu sequência à defesa dos centrais (nomeou até Marcano) e criticou quem disse que precisávamos de três centrais. Eu não fui tão ambicioso, mas agradeço a referência à mesma. E insisto: uma das falhas graves deste plantel é a falta de um grande central. Felipe pode vir a ser mas ainda não é; Marcano está a fazer uma grande época até agora, sem dúvida, mas está a jogar nos seus limites e já deu provas de falhar nos momentos mais importantes, pelo que a dúvida se mantém; Boly ainda não jogou o suficiente para mostrar o que pode valer; Não temos quarto central (não me queiram impingir Chidozie, por favor). 

Abordou também a juventude da dupla AS - Jota (e bem, na minha perspectiva), apontando ao futuro como destino para um rendimento máximo, mas faltou explicar onde será esse futuro (Jota não é nosso) e como voltaremos a ganhar até lá. E já não se atravessou por Depoitre (no final da temporada é que se verá se foi "contratação falhada" - expressão do presidente, não minha).

Fiquei também a saber que Brahimi só agora começou a fazer parte dos planos porque teve de se adaptar ao que o treinador pretendia... é de compreensão lenta o argelino, portanto. E que a sua ida para a CAN será naturalmente colmatada por Otávio, não perspectivando nenhuma movimentação no mercado de inverno. Logo agora que já sonhava com Luiz Adriano (not).

Sobre o desenvolvimento de futuros plantéis, houve novidade quanto à provável localização do Centro de Formação "para jovens", que suponho ser o cartão de visita para a candidatura ao mandato seguinte. Sim, ao de 2019-22.





Comissões, Comichões e Urticárias 



Inevitavelmente, Alexandre Pinto da Costa. Ficámos a saber que prestou dois grandes serviços à nossa colectividade (para quando a medalha de mérito, pergunto eu): livrou-nos de Rolando e assegurou a continuidade de Rui Pedro. Já quanto ao que "a empresa de que o Alexandre era sócio" recebeu por esses feitos notáveis, as coisas não são tão claras. Começou por dizer que "se [APdC] recebeu [comissões pela venda de Rolando] não foi do FCPorto" mas sim do Marselha, para uns minutos volvidos admitir que "do FCPorto recebeu aquilo que normalmente qualquer um recebe". Em que ficamos? No que nos diz o R&C, obviamente.

Disse também que não lhe interessava nada se o interlocutor nos negócios era filho ou não, que "se o negócio for bom para o FCPorto", ele o faz. Estou de acordo quanto ao corolário de o negócio ser bom, mas, senhor Presidente, não basta! Aliás são os próprios Estatutos do Clube a "dizê-lo". Em tese, não teria nenhum mal que o seu filho participasse em negócios com o clube se houvesse total transparência quanto aos serviços por ele prestados e as contrapartidas por ele recebidas. Sim, ainda mais por ser seu filho, senhor Presidente. Ética.

E por último, uma falha de memória. Então e Casemiro, o scouting e Quaresma, senhor Presidente? Nada a ver com o seu filho empresário? Peço então desculpa, se estiver equivocado. Mas não me parece.

Outra questão totalmente diferente é o enquadramento e a circunstância com que este assunto veio agora à baila. Já tínhamos percebido que, (pelo menos) no que toca ao futebol, o Expresso tem clube. Ou clubes, vá. Mas o Porto não é um deles. Por coincidência, no momento em que a nossa equipa está em recuperação e havia a real possibilidade de ganhar pontos aos dois da segunda circular, sai uma capa com Alexandre PdC, claramente o ponto mais fraco da nossa actualidade Portista. Quando, como o Presidente bem referiu, outras revelações do Football Leaks seriam merecedoras de muito mais destaque. É evidente que se pretendeu atingir o Porto, ao mesmo tempo que se desviavam atenções da carneirada do Benfica de Vieira. Claro como a água. Comichões centralistas.

Mais uma vez descartou a possibilidade de explicar aos Portistas os motivos da saída de Antero Henrique (mas autorizando o próprio a fazê-lo), não admitindo conexão entre a saída e a interferência de Alexandre na gestão do clube. Seria realmente interessante ouvir Antero sobre o assunto, sem reservas, mas vou continuar sentado. E apesar das "boas relações", também não o endossou como futuro candidato (que surpresa!), situando-o apenas ao nível de todos os outros com as quotas em dia.

Sobre a mudança para a MEO ouvimos mais detalhes sobre o processo negocial, mas o que releva é a surpresa de, ao fim de tantos anos a negociar com Joaquim Oliveira, ter finalmente descoberto "ter sido vigarizado" e que desde então o bom do Joaquim não voltou a dar notícias e inclusive deixou o Presidente pendurado no Altis para jantar. Urticária?





A Contestação, a Oposição e as Alternativas



Sobre o período do empata disse não ter sentido contestação - desvantagem de viver fechado sobre si próprio, certamente. Aliás, só vislumbrou um lencinho branco, um... e mesmo esse seria para o 13 de Maio, suponho eu. 

Sentiu sim foi o "apoio dos verdadeiros Portistas, das claques Super Dragões e Convívio (leia-se Colectivo)". Hum... vou ser generoso e assumir que o presidente não restringiu os "verdadeiros Portistas" às claques, mas apenas as distinguiu entre os (muitos) "verdadeiros Portistas". E sentiu também a união dentro do plantel, o que se saúda. 

Pois, senhor Presidente, sou um verdadeiro Portista (tanto quanto o senhor, no mínimo) e nem por isso deixei de ficar severamente preocupado com mais um potencial erro na escolha do treinador. Aliás, é por sentir e sofrer com os destinos do Clube que fico preocupado. Desconfio muito mais de quem o diz apoiar cegamente, sabe-se lá com que intenção ou a troco do quê.

Felizmente o júnior da equipa B Rui Pedro marcou ao Braga e desde então as coisas encarreiraram. Tal como com Depoitre, com Nuno as contas só se fazem no fim, mas... até agora o seu rendimento não tem sido "importante" e ainda menos entusiasmante. Que continue a evoluir (e depressa) para ainda chegar a tempo de conseguir o essencial: ganhar o campeonato. É por isso que ele e o senhor serão julgados quando a época se findar.

As referências à suposta oposição são correctas, em minha opinião, se apenas limitadas a quem anseia ser alternativa. Tenho apelado "mais do que ninguém" para que apareçam projectos alternativos para disputar eleições. Não apareceu nenhum, até agora. Sinal da "pobreza associativa" actual. Mas o Presidente levou a resposta para a oposição quando a pergunta (várias, por sinal) pretendiam saber a sua opinião sobre o descontentamento e críticas de adeptos, em particular nos blogues (here we go again...), quando a equipa não correspondia dentro de campo. E, mais uma vez, Pinto da Costa preferiu apelidar de "sem rosto" e "cobardia" a oposição, preferindo não distinguir opositores de críticos.

Eu sou sócio. Permito-me (exijo-me) acompanhar e avaliar o trabalho desta e de qualquer direcção. Vou às assembleias-gerais a que posso ir, reservando-me o direito de nelas intervir ou não. E depois ainda me dou ao trabalho de escrever sobre as minhas reflexões. Não sou candidato, não sou oposição, não sou alternativa. Sou um Portista com opinião. Não gosta, senhor Presidente? Lamento, é a democracia. Mesmo os outros blogues, onde supostos opositores se escondem, têm o direito à existência - tal como a serem criticados por si. É a democracia.



O que eu não ouvi e gostaria muito era uma crítica feroz e ameaçadora perante as arbitragens que nos têm prejudicado de forma vil. Não deveria ser pelo facto de nos dois últimos jogos se terem marcado penáltis e expulsado adversários que se passa uma esponja pelo que ficou para trás - até porque para trás ficaram já muitos pontos e a Taça de Portugal. Este encolher de ombros e limitar-se ao wishful thinking de que não nos voltem a prejudicar soa realmente curto nos ouvidos dos (verdadeiros) Portistas.

Nem de propósito: Bruno Paixão nomeado para o Estoril-Benfica; Hugo "Macron" Miguel para o Sporting-Braga. E nós a vê-los passar...



Lápis Azul e Branco,

Do Porto com Amor



34 comentários:

  1. foi uma entrevista normal, foram tocados em alguns pontos e quanto ao expresso do grupo impresa e a coutada dos costas, sao assim no futebol, na politica e por ai fora, dizem amen a tudo o que vem do ps e de marcelo e dizem mal a tudo o que vem do psd mesmo atraves dos comentadores que sao psd o que e uma coisa impressionante mas a bem das avenças, no futebol e igual sao do benfica e atacam tudo o que e porto e os comentadores de la que dizem ser do poro tambem dizem mal do clube senao perdem as avenças.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dantes chamavam-lhes vendidos, agora são avençados... Mas com o que vem de fora podemos nós bem, a questão é arrumar a casa.

      Eliminar
  2. Mais um excelente artigo sobre "mais uma entrevista de PC" onde não disse nada de novo. Gosta de alijar responsabilidades para terceiros, curiosamente fora da SAD. Sim já tínhamos percebido há muito que a Administração não existe. Logo não tem culpas. Assim sendo, não se poderiam demitir todos e dar a vez a outros? Mas como PC "não lê blogues nem os "destapa-carecas" do Football Leaks", palpita-me que esta agonia ainda vai demorar muito tempo. Oxalá a equipa continue imune ao destrambelhamento do presidente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço a simpatia do adjectivo, caro José Lima.

      Devo confessar que tenho uma percepção diferente sobre a administração (ou parte dela, pelo menos) - e não necessariamente mais animadora. O Presidente terá sempre a última palavra nas grandes questões, mas temo que outros assuntos, menos visíveis mas também importantes, possam ser decididos ou pelo menos encaminhados à sua revelia, sendo-lhe apresentados como as melhores opções ou até factos consumados.

      A equipa, desde que tenha salários em dia, não tem por que se preocupar com questões directivas. Pelo menos para isso confio no Nuno...

      Eliminar
    2. Oxalá a equipa continue imune (deveras?).... pois, ele fala a equipa perde, concluem os notáveis dos blogs.
      Que raio se passará com o bruxedo, para o Homem falar, a equipa não perder e estar ainda na CL?
      Ha poistaclaro, ganham pela cor do equipamento.Também é uma teoria inteligente.
      Qual será a nova teoria notável amanhã? CM, Expresso, Record, Bola, precisam de matéria.

      Eliminar
  3. Malandreco, este Presidente :))
    Alguns não gostam!! É a democracia.

    ResponderEliminar
  4. Todos os portistas estão gratos pelo extraordinário trabalho no passado de JNPC, já aqui foi referido muitas vezes, no entanto, não podemos viver do passado, o presente é agora e o futuro está ali ao virar da esquina.Aquilo que ontem o nosso presidente transmitiu, na minha modesta opinião, é vago, nos temas importantes divagou, respostas concretas nenhuma. Os adeptos (sócios ou não) sentem e amam o clube, foram as vitórias o querer e a nossa força que nos tornaram o clube que somos. Vitórias circunstanciais não levam a lado nenhum, todos sabemos disso, os problemas do clube estão referenciados, se esta administração não os consegue resolver, e penso que não, temos, todos os portistas, de meter mãos obra. Quem aproveita com a nossa inércia é quem dela beneficia. Jorge Fonseca

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou de acordo, caro Jorge, por isso reclamo pelo aparecimento de projectos alternativos para o Clube. Para que os sócios possam optar - e se quiserem continuar como estamos, é legítimo, mas pelo menos haveria alternativa.

      Eliminar
    2. "reclamo pelo aparecimento de projectos alternativos"

      Isto, sendo válido, é apenas metade da história. Afinal a admnistração diz o mesmo! O que revela isto? Se calhar trata-se de uma afirmação irrelevante, se não servir de premissa para algo mais.

      Afinal o clube pertence (literalmente)... aos sócios. Isto significa que a alternativa que alguns reclamam passa por todos eles, sem excepção. Não existem sócios "alternativa" e os outros que não contam para nada. O problema é que ninguém está disposto a tomar a iniciativa, e a SAD acha tanta piada a isso que até goza com os portistas: "adorava que existissem alternativas". Isto é puro gozo.

      Além disso o clube não existe durante um dia de 3 em 3 anos, sócios e adeptos têm uma importante palavra a dizer. Mas mais uma vez, e pegando apenas no que se passou desde a última eleição, quem tentou mudar seja o que for? Ninguém.

      Ora, se ninguém faz nada para mudar, será que é razoável esperar que de um dia para o outro apareça um D. Sebastião para enfrentar a actual administração? Ou será que isso é uma forma de desresponsabilização? "Eu QUERO que os outros avancem, logo lavei daí as mãos, o que acontecer aconteceu."

      Refiro-me à atitude em geral, não é uma critica a ninguém em particular. Será que é razoável esperar ver algo mudar num clube que PERTENCE aos sócios com esta postura? A meu ver isto não é muito coerente. Chocante seria esta atitude levar a algum tipo de mudança positiva.

      Quando se "reclama por alternativas", no fundo também se está a reclamar contra quem faz essa afirmação, pois não existe qualquer tipo de barreira a que essas pessoas se organizem.

      Se alguém leu até aqui talvez esteja a pensar "é suposto eu ser o próximo presidente?" Claro que não, o erro está precisamente nessa lógica falaciosa.

      Num clube com uma massa adepta enorme é absurdo pensar que TUDO se resume a uma única pessoa, de 3 em 3 anos. Isso, com todo o respeito por quem pensa assim, são resquícios do salazarismo, quando o país inteiro dependia de um ditador para tudo.

      Um clube que pertence aos sócios é o OPOSTO disso. Num clube democrático, inserido numa sociedade democrática e com liberdade de expressão, a força está nos números e na organização. Mas o que significa tudo isto na prática? Em Portugal há um exemplo perfeito: coloquem no google "André Patrão e Miguel Paím". Começou com dois adeptos anónimos e acabou com uma "revolução".

      Será que os portistas não percebem que a atomização da crítica só reforça a SAD? Como é óbvio críticas avulsas e desorganizadas (como nos blogs) é o que eles querem. E objectivamente o que dizem até tem um fundo de verdade, porque uma coisa é "associativismo" (Movimento organizado), e outra são blogs, intervenções avulsas em AGs, e todo o tipo de iniciativas puramente individuais, que são facilmente abafadas por quem está no poder.

      Por isso "reclamar por alternativas" faz todo o sentido... até deixar de fazer. Actualmente essa frase é inócua, pois todos já perceberam que tem um impacto nulo na gestão do clube. Até é utilizada como argumento favorável à admnistração: "Se ninguém quer saber disto lá terei de fazer o sacrifício..."

      A solução é os portistas fazerem algo palpável pelo clube que lhes PERTENCE. Se isso não acontecer depois ninguém se venha queixar ou vitimizar-se, porque quando a sua iniciativa era de facto importante não fez nada para implementar uma dinâmica de mudança.

      O clube não é "dos outros", a iniciativa não pertence "aos outros", mas sim a TODOS.

      Cumprimentos.

      Eliminar
    3. Não posso senão dizer que estou totalmente de acordo, reconhecendo a minha quota-parte da culpa.

      Mas convém esclarecer alguns conceitos pelo meio de meada...

      Essa pureza com que encara o associativismo é louvável, mas terá aplicação à vida real? Quero dizer, acredita que um qualquer grupo de sócios que se organize terá capacidade para desenvolver um projecto credível? E tendo essa capacidade, conseguirá passar a mensagem para o universo Portista? E conseguindo, terá depois as pessoas certas para o implementar? Possível, mas improvável.

      Numa época tão mediática e irresistivelmente definida e manipulada pelos media (sociais incluídos), não é fácil admitir que uns bem-intencionados mas anónimos portistas se consigam afirmar como alternativa. Mas sim, é possível.

      No entanto há outro ponto também muito relevante: a grande maioria não tem o mínimo de vontade de participar nesse processo, seja de liderança, seja de elaboração de uma proposta com ideias, ainda sem rostos. A grande maioria quer, espera, que alguns façam isso por eles. É também esse um dos pilares da democracia - e que pode em parte explicar a actual falência deste regime, eu sei. Mas é assim e não vejo que possa mudar de repente.

      E já agora, esses dois jovens lagartos terão mesmo feito tudo aquilo sem alguém por detrás? Possível, mas improvável.

      Esplanada a minha desconfiança, termino dizendo-lhe que fazem falta muitos mais que pensem como o meu caro (ainda é o Jorge Fonseca, certo?) - e que dêem o passo seguinte. Pessoalmente estou disponível para contribuir para o desenvolvimento de um projecto desde que logo à partida lhe adivinhe (o mínimo de) credibilidade, mas não tenho o mínimo interesse em depois o aplicar. Em todo o caso, o meu email está ali em cima.

      Um abraço Portista

      Eliminar
    4. Sem fazer, não é possível determinar a impossibilidade. Se calhar é ingenuo, mas diz que Einstein tamb não era nada cínico :)

      Eliminar
  5. "que NES foi sua escolha"!!!
    "possam ser decididos ou pelo menos encaminhados à sua revelia" !!!

    Por ser uma avenida de dois sentidos. circular na faixa destinada ao transito em sentido contrário, pode dar processo de contra-ordenação e coima.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Entre uma citação e outra deixou escapar o separador central que divide ambas as faixas e garante que não haja choques frontais: "o Presidente terá sempre a última palavra nas grandes questões".

      Eliminar
  6. Sabe circular em auto-estradas, o Lápis. :))
    O Presidente sempre assume e assumiu a responsabilidade total.
    A Administração escolheu...a administração negociou com Joaquim Oliveira...a administração deu plenos poderes ao Lorpa e...Ele responsabilizou-se e paga por isso.
    Tudo o que diga respeito ao F. C. do Porto são grandes decisões. Seja o fornecedor de alcatifa para os camarotes, seja a segurança, sejam os convites para eventos, sejam as negociações com operadores televisivos, sejam as cores das camisolas, sejam os sponsors do Dragão, seja o papel para os sanitários. Tudo é importante e ele lá está, para assumir como sempre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é assim, como saberá por certo. O Porto é uma empresa de tamanho razoável e certamente muitas coisas são delegadas ou assinadas de cruz porque avalizadas por quem liderou o assunto. Tudo se resume portanto à confiança depositada nas pessoas - e se está bem depositada nessas pessoas.

      E depois há os fenómenos do entroncamento, de empresas que nascem e morrem poucos dias depois, tendo prestado um único fornecimento ao clube (e de monta). Mas isso são outros quinhentos.

      Eliminar
    2. "Já não bastavam as fotografias em Londres no restaurante do mouro Idalécio (sim, o calmeirão ex-defesa central de Braga e outros), já não bastava a “relação amorosa” com Joaquim Oliveira (a tomar compensan desde o negócio das tv's), já não bastava a triologia com Carlos Gonçalves (esse icónico empresário da capital que ainda não se percebeu bem como, passou a agente de algumas pérolas da nossa formação) e Teodoro Fonseca (a bem do nosso clube, felizmente ainda não apareceram documentos sobre as suas comissões), já não era suficiente a coincidência de Raul Costa (moço de mão do nosso ex-CEO e ex-elemento do nosso gabinete jurídico) menos de 10 dias depois de ter saído do nosso clube, ter tratado da multimilionária transferência de André Villas Boas (o tal que amava o FC Porto até à morte), ainda temos que levar com a hipocrisia suprema da “solidariedade” mais falsa do que Judas."

      Eliminar
    3. Um dia há-de fazer-me o favor de deixar de lado esse vício de colocar excertos de textos de terceiros. No mínimo, enuncie o autor e o local onde leu. Por acaso li este do Norte (BbPC!), mas nem sempre acontece.

      E não percebo a ligação disto com o que aqui se estava a discutir.

      Eliminar
    4. ...delegadas ou assinadas de cruz...

      Eliminar
  7. O Lápis sempre a bater no Presidente e ele ainda o elogia.
    "Sentiu sim foi o "apoio dos verdadeiros Portistas, das claques Super Dragões e Convívio (leia-se Colectivo)"

    Grande elogio, mesmo. Verdadeiro portista (onde eu e o Lápis nos incluimos, já que não pertencemos às claques, não é verdade?

    No entanto, parece haver muita gente insegura, que não se enquadra em nenhum destes grupos (olhe o berreiro que para aí vai). :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na realidade, parece-me que quis sugerir o contrário, mas adiante. Eu sei que sou um verdadeiro Portista, não preciso do reconhecimento nem do Presidente para o saber.

      E deixe lá os outros em paz...

      Eliminar
    2. Entre o parecer e o ser, vai uma grande distância.
      Já houve virgulas que valeram milhões e o Lápis sabe disso.

      Eliminar
  8. Quando Bruno de Carvalho apareceu no Sporting, todos gozavam com ele por tentar ser uma imitação barata do "velho" Pinto da Costa. No presente, vejo em Pinto da Costa um apreciador do estilo brunista. Aquele ainda tem a atenuante de atacar o slb com unhas, garras e dentes para além dos próprios. De Pinto da Costa, agressividade no presente, só mesmo para os nossos.

    O modo como fala de Adrien Lopez, e mesmo Rolando, é no mínimo deselegante. Um, bom ou mau, é um activo do clube. O outro, além de portista, é parte integrante de um dos melhores períodos de conquistas da nossa história. Ambos, não merecem esta desconsideração.

    Quanto ao resto, já esgotei o meu período de benefício da dúvida naquela entrevista ao Porto Canal. Actualmente Pinto da Costa padece de uma grave maleita: (falta de) Credibilidade.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hugo, antes de tudo, comparar o nosso Presidente a BdC é de facto exagerar, não acha? Que o badocha se esforce por ser uma cópia contrafeita (tal como LFV, noutro registo), tudo bem, agora o contrário? Não, por favor.

      Em relação a Adrián, concordo, está a dinamitar de vez a ainda ténue esperança de que acabe rentabilizado (a jogar ou vendido).

      Rolando portou-se mal com o clube e talvez o inverso também seja verdadeiro. Mas pessoalmente não lhe tenho nenhuma estima, embora preferisse que nem fosse mencionado - mas claro, foi apenas "usado" na defesa de Alexandre.

      Um abraço.

      Eliminar
    2. A comparação com BdC foi pelo enfoque no ataque a alvos internos que os 2 têm tido. Noutros campos obviamente que é um claro exagero. BdC é, e será sempre, um mero parolo.

      Uma das rubricas que mais gosto de todos os jornais desportivos, é o "depois do adeus" do Maisfutebol. São entrevistas despretensiosas a ex-jogadores de diversos clubes que já actuaram em Portugal. Atenuadas pela passagem do tempo, vêem-se a saber muitos pormenores interessantes de situações e casos que na altura não ficaram explicados. Esta introdução serve apenas para referir que nas quezílias entre jogadores e clube, há sempre muitas situações e interesses que escapam ao conhecimento do comum do adepto, e no fim, o jogador acaba por ser sempre a parte mais fraca, por ser fácil colocar-lhe as culpas junto dos adeptos.
      Como tal, e por regra, é muito raro fazer juízos de personalidade a jogadores ou ex-jogadores nossos.

      Um exemplo: como adepto portista, tenho que confessar que as recentes declarações de Aboubakar não me caiem nada bem. Mas se eu estivesse num clube, tirassem-me um número de prestígio da camisola, e o dessem a um semi-amador acabado de chegar, decerto não ia ficar nada contente.

      Resumindo, PdC foi deselegante em ter avançado nomes na entrevista. Poderia (e deveria) muito bem omiti-los.

      Eliminar
    3. Sim, de acordo.

      Também gosto muito dessa rubrica, até porque ao contrário de quase todas as outras do MaisTabaco, nessa fazem jornalismo.

      Um abraço

      Eliminar
  9. Mas alguém já pensou no que será o FC PORTO logo após a saída de PdC?
    Os abutres que neste momento se escondem, voando apenas quando há turbulência, numa espécie de apalpar terreno, serão esses que o LAeB escolherá? Serão os Oliveiras, Baías, com máquinas de propaganda anti-portista por detrás deles a apoiá-los?
    Não quero isso no meu clube.
    Porque houve uma altura em que PdC realmente quiz sair, mas o universo aul-e-branco, esgadanhou-se todo para ele ficar. E porquê? Porque seria a nossa morte, a nossa ruína. Fizeram-se campanhas, fizeram-se cãnticos, fizeram-se trinta por uma linha para o homem ficar. E ficou!
    Agora está a mais! Aqui d'el-rei que o velho tem que ir para um lar da 3ª idade!!!!

    Aos que se indignam todos os dias com a postura de Pinto da Costa, gostaria imenso que dissessem qual o vosso candidato. Ou então também estão á espera que o homem saia e depois bitaitam?

    Nunca, mas nunca se deve ser ingrato com quem nos tornou fortes!!!! E foi PdC que nos tornou fortes!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Velhos são os trapos. Felisberto em tão grande forma como o Nosso Grande Presidente. :))
      Como diriam os outros, subscrevo na íntegra.(Se fala #### se não fala ####)

      Eliminar
    2. Felisberto, estamos do mesmo lado. Acredite.

      PdC nunca, mas nunca quis sair. E não quer ainda. É um direito que lhe assiste, desde que os sócios assim o entendam.

      Mas o clube não é PdC, muito menos de PdC. É a figura mais importante da sua história? Sem dúvida! Serve isso de justificação para o desgoverno a que temos assistido? Nem pensar.

      Ao contrário do que dá a entender, eu não luto pela saída de PdC, eu luto por uma liderança responsável e competente. Se PdC já não a pode oferecer, então terá que ser outro. Outro projecto, outras pessoas. Se ainda quiser e puder fazê-lo, pois que trate de o demonstrar, começando por expulsar os vendilhões do templo.

      Nenhum nome dos que cita me inspira confiança, são apenas a outra face do mesmo modo de fazer e estar. Eu prefiro gente de fora do futebol, com outros princípios e formas de estar - acompanhados por quem perceba da poda, obviamente.

      Não estou a ser ingrato de forma alguma. Mas também não vivo amarrado aos sucessos passados. A não ser que o Felisberto considere que ser grato é passar um cheque em branco e sem prazo à liderança de PdC. Vivo o presente a pensar no futuro. Que jamais pode passar pela dinastia PdC, em minha convicta e indefectível opinião.

      Um abraço

      Eliminar
    3. "Ao contrário do que dá a entender, eu não luto pela saída de PdC, eu luto por uma liderança responsável e competente."

      Ou seja, para o Lápis, Pinto da Costa não é, nem nunca foi, responsável nem competente. Olhe se fosse.

      Eliminar
    4. "nem nunca foi" são palavras suas, quanto ao momento actual, os resultados falam por si.

      Eliminar
    5. Dupla personalidade, o Presidente?!!!!
      Naaaaaaaaaa nem o Rui Santos se atreveria a tal.
      Os resultados efectivamente não são os que gostaríamos. Mas no dia em que seja Pinto da Costa, no banco, no Olival e a escalar os jogadores titulares, o meu julgamento poderá mudar.

      Eliminar
  10. Um desgosto imenso, é o resultado final desta entrevista :(

    abraço

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.