Do Porto com Amor: Triste Alegria

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Triste Alegria


Triste por estar feliz. É este o meu sentimento após a belíssima vitória frente ao CD Nacional.

A-L-E-G-R-I-A

Uma primeira parte como já não tinha memória (recente). Eficácia a toda a prova nos primeiros lances e bom futebol durante os 45 minutos. Os jogadores entregaram-se como se fosse o último jogo das suas vidas, correram atrás dos adversários e de bolas perdidas como se de uma estreia colectiva se tratasse. Mas mais do que isto, bom futebol. Bem jogado. Bom. Futebol. Sérgio. Como é possível uma equipa que sabe fazer isto, ter andado a fazer aquilo que todos sabemos? 

A segunda parte terá sido menos fulgurante, mas ainda assim bem jogada. Mais temperada, mas interessante em largos períodos. As substituições tardaram desnecessariamente, mas ainda renderam frutos: Chico Ramos somou minutos e Aboubakar lá regressou da vulgaridade onde tem habitado nos últimos meses (espero que seja para ficar).

E não me apetece alongar muito sobre do jogo. Porque os jogadores foram suficientemente eloquentes dentro de campo. Fizeram o que tinha, o que tem de ser feito. Jogaram bem e ganharam. Sem espinhas nem hipóteses de o adversário sonhar com outra coisa qualquer. E assim sendo, nem sobra espaço para questionar a ausência de Layún.



Notas DPcA:


Dia de jogo: 17/Abr/2016, 20h30, Estádio do Dragão. FC Porto - CD Nacional (4-0).


Casillas (6): Jogo quase sem trabalho. Esteve bem a parar o remate de Ghazal e um par de vezes mais. 

Maxi (7): Bom jogo do uruguaio, conseguindo juntar pujança e clarividência ofensiva à sua habitual garra. Carajo!

Ángel (6): Uma das suas melhores partidas de Dragão ao peito, a espaços dando impressão de ser jogador para o justificar. O problema são os "outros espaços" e sobretudo "outros momentos", onde não consegue disfarçar as suas claras insuficiências. Que hoje, sejamos justos, pouco se notaram.

Indi (6): Jogo sólido, com marcações essencialmente certeiras e posicionamentos correctos. 

Danilo (7): Recuou para central porque... não sei porquê. Mas recuou. E cumpriu. E marcou (ponto extra). 

Rúben (5): Eu insisto, o Rúben não tem características para ser um bom seis. Tem um jogo demasiado elegante e uma atitude demasiado meiga para o ser. O menino tem pavor a fazer faltas, deve sentir-se ofendido até se lhe pedirem que as faça. Não, o Rúben não é um seis, mas será uma excelente alternativa ao Sérgio e ao Herrera. A consequência da insistência são jogos como este, muito mal conseguido, com a confiança a diminuir a cada passe falhado (e foram bastantes).

 < 82' Melhor em Campo Sérgio (8): Outra grande exibição do menino Sérgio. Queriam um dez? Esteve sempre cá. Dá mais jeito um oito? Ok, ele explica como. Joga e faz jogar. Percebe e estimula os companheiros. E defende, de dentes cerrados. Aí está outro dos pilares do novo Porto. E hoje saí do estádio a gostar ainda menos de Lopetegui. 


Raça e Classe - será da mesma casta de Deco?


Herrera (7): Desconte-se já aquela meia dúzia de passes estapafúrdios (um deles complicado) e registe-se a sobra de um saldo bem positivo. O Herrera "pós-tudo perdido" é o Herrera que nós queremos. Será ele capaz de o ser quando ainda há tudo para ganhar? 

< 86' Varela (8): Quem é este miúdo? Vem da formação? Uau... A sério que há coisas que não consigo explicar. Foco-me então naquilo que observei, que foi uma grande exibição do Silvestre, certamente embalada pelo golaço madrugador. Kobe pode ter-se retirado dos courts, mas a nossa Black Mamba mostrou hoje que ainda está aí para as curvas.

Corona (6): Tanto talento concentrado, à espera de uma mão sapiente que lhe dê forma. Alguém que ensine o homem a jogar e teremos um grande craque à disposição. Até lá, será mais ou menos isto; boas jogadas, boas intenções, pouca concentração e muito desperdício. Ainda assim, positiva a exibição. 

< 75' André Silva (6): Finalmente a titularidade na Primeira Liga, com tempo e espaço para se ambientar à pressão e aos companheiros, sem ter que correr contra o tempo e contra o prejuízo. Acabou por estar 75 minutos em campo e não se deu mal. Continua a faltar o golo, que poderia ter chegado por duas vezes, mas fez um trabalho interessante. Não chega, mas é um começo.

> 75' Aboubakar (7): Deu início à sua segunda vida da melhor forma possível para um ponta de lança: marcou um golo. E que golo. Não tivesse marcado e teriam sido mais 15 minutos rumo ao anonimato. Mas marcou. Toma lá um ponto extra!

> 82' Chico Ramos (6): Entrou incompreensivelmente tarde (o 3-0 foi aos 67') e portanto teve menos minutos do que poderia ter tido. Nunca procurou complicar, antes jogar simples e bem. Fico sempre contente quando percebo inteligência num jogador.

> 86' Marega (-): Sem tempo de jogo suficiente para ser avaliado. 

Peseiro (7): Porventura, o jogo mais conseguido desde que chegou ao Dragão. Teve vitórias mais importantes, mais sofridas e emocionantes, mas esta terá sido a de maior qualidade. Ao ponto de ser incontestável. Promoveu várias mudanças no onze e tudo lhe correu bem. Quem sou eu para o contrariar? Excepto nas substituições, porque sou defensor da "teoria" que uma equipa deve preparar cada jogo contando com os 14 jogadores que nele podem participar - e depois tirar partido deles. O jogo estava seguro e controlado, não havia motivo para dar tão pouco tempo aos 3 suplentes.


Festejos do terceiro golo da noite (Danilo)


Houve árbitros, houve lesões, houve mudanças e continua a haver #colinho

Mas tivéssemos jogado sempre assim desde que Peseiro chegou e muito provavelmente já seríamos campeões por esta altura - na pior das hipóteses, estaríamos muito perto de o conseguir. É por isto que estou triste... por estar feliz.


---------------------------------------------------------------------


O FC Porto B continua a deslumbrar todos o que o acompanham. Umas vezes pelo talento, outras pela raça, outras ainda pela combinação de ambos, mas quase sempre de forma a fazer dragões sorrir de satisfação. 




Raras têm sido as minhas referências à brilhante temporada que estão a fazer, mas não é por lhes negar importância ou reconhecimento - é apenas porque não gosto de falar do que não conheço. E apesar de pelo menos no Forza os acompanhar sempre, muitos são os jogos que não consigo ver. No entanto, fica prometida uma homenagem à altura para o final da temporada. Daqui a três vitórias... ou não.


---------------------------------------------------------------------




Hoje foi dia de eleições no FC Porto

Como não poderia deixar de ser, fui cumprir a minha obrigação de sócio.

Ouvi há minutos as primeiras declarações do presidente eleito e, como não poderia deixar de ser, denunciou a vergonhosa campanha que "respeitáveis" jornais fizeram para que este acto resultasse numa "ilegitimidade moral" dos eleitos. Quanto a essa campanha, estou consigo senhor presidente. Aliás, esses pseudo-jornalistas devem pensar que os sócios do FC Porto apresentam um nível de ignorância e boçalidade equiparável aos seus consócios. Mas estão enganados.

Outra conversa é o próprio acto eleitoral e o seu modus faciendi

Na minha opinião, é absolutamente incorrecto e até pouco democrático. 

Primeiro, porque deveria haver o verdadeiro voto escrito, em que cada votante coloca uma cruz na lista da sua escolha. Sendo lista única, pois apenas haveria espaço para uma cruz.

Segundo, porque deveria existir o voto em branco, como o meio de expressão por excelência para todos os que não se revêem em nenhuma das listas concorrentes. Não existindo, apenas se poderia conseguir uma proxy através da nulidade do voto, o que não é correcto.

Terceiro, porque as formas consagradas para garantir a nulidade do voto são ridículas. E difíceis de levar a cabo, sobretudo quando um dos boletins de voto (o mais importante) é azul-escuro.

Quarto e talvez o mais importante, porque o voto deveria ser secreto. Ou melhor, a quem assim o quisesse, deveria ser garantida essa possibilidade.

Hoje, quando cheguei à mesa de voto, a senhora que me entregou os boletins disse-me isto: "se estiver de acordo com a lista, basta dobrar os boletins e colocar na urna. Se não estiver de acordo, pode ir ali àquelas mesas e riscar os nomes.". A sério, foi-me dito isto. 

E "aquelas mesas" não são mais do que pequenas mesas de apoio de bar, à vista de toda a gente. Quem, como eu, a elas se dirigiu - e fi-lo também para testar o processo e observar as reacções - certamente que se terá sentido constrangido (e muitos nem lá terão ido precisamente por isso). Deixo portanto o meu cumprimento aos 504 votantes que tiveram a coragem de "anular" o seu voto, em particular aos "cerca de" três quartos que o fizeram para expressar o seu descontentamento.

Devo reconhecer que estive na A.G. em que o regulamento eleitoral foi aprovado e não me opus. Mas não o fiz por não ter feito o trabalho de casa antes da reunião magna e por não ter antecipado como seria concretizado.

Sobre o resultado da eleição e as minhas perspectivas para o novo mandato, escreverei após a entrevista da amanhã. 


Do Porto com Amor



6 comentários:

  1. Caro LAeB,

    "Triste por estar feliz", parece o Desfado da Ana Moura. Eu fiquei "apenas" feliz pela exibição e pelos números da vitória, e as saudades que já tinha de ambas. Espero que seja um bom prenúncio. A exemplo do LAeB também não me vou alongar mais, estou bem assim, para já.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente, o desfado de ser uma alegria que já vem demasiado tarde para evitar a tristeza maior. Mas que foi bom e soube bem, é indiscutível. Foque-mo-nos nisso.

      Abraço portista

      Eliminar
  2. Gostei muito da ideia de por Danilo a central. Ate fico triste de nao ter pensado nisso mais cedo... Dessa maneira, mantem-se as boas qualidades dele - bolas paradas, fisico e situacoes defensivas de 1v1. E ao mesmo tempo diminui-se a exposicao dele as situacoes onde ele e mais fraco - capacidade tecnica, recuar com velocidade de posicoes mais avancadas e sentido de posicionamento (muito mais simples para um central).

    Angel ganhou muitos pontos - foi certinho a defender e atacou com muito criterio. Na situacao financeira em que nos encontramos, nao me parece que se possa dar 6M euros por um defesa (Layun) que por muito bom que seja a cruzar, peca muito em qualquer outro tipo de envolvimento, especialmente a defender. E ainda por cima acho que o Rafa vai ser titular no ano que vem...

    Nao percebo a nota baixa do Ruben... vi muito bons passes, especialmente longos, a la Xabi Alonso... vi um meio campo que trocava a bola harmoniosamente e sem necessidade de correrias a maluca. Ao contrario do Lapis, eu nao acho que nao fazer faltas seja uma coisa ma... apesar disso as bolas perdidas naquela zona foram muito menos do que e normal...

    Ja o Varela, nao achei que tivesse tido tamanha exibicao. Claro que marcou um golao e como sempre posicionou-se bem tacticamente (muitas vezes era o unico que se mostrava entre linhas), mas, tambem como sempre, com bola falta muita tecnica para por as ideias em execucao.

    Sergio, com as devidas venias, a fazer lembrar Moutinho - sempre presente, mas sem se notar. E de vez em quando com um remate disparatado!!!

    Andre Silva surpreendeu-me pela positiva (eu sou mais fa do Goncalo Paciencia), com bons apoios frontais, movimentacoes a preceito e criacao de espacos. Os golos virao, mas o que interessa e que a equipa os marque.

    Por fim (e contra todas as minhas analises e previsoes) Herrera fez um jogaco. bom jogo interior, poucos passes a Herrera (!) e remates enquadrados.

    Quanto desta exibicao teve a ver com o treino da semana e os (modificados) intervenientes? E quanto teve a ver com a confianca que advem de marcar nas 2 primeiras ocasioes? Veremos na proxima semana... Ate la, um esboco de sorriso :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje a nível de discórdia manter-se-á em alerta laranja :-)

      - Não concebo de todo Danilo a central, seria um tremendo desperdício;
      - Angel não é jogador para o Porto... Z, quanto mais o A. Irrevogável;
      - Gosto muito do Rúben mas este jogo foi dos seus piores, sobretudo na primeira parte (a quantidade de passes falhados e o mau posicionamento constante não deixam margem para dúvidas - minhas, claro);
      - Varela, aos meus olhos, jogou como já não fazia há vários anos, largos... para lá do golo, a própria movimentação corporal era diferente, mais solto, mais enérgico, possuído sabe-se lá por que diabo (azul).

      Daí para baixo, já estou consigo. Mas insisto que o André tem que fazer o seu golo e depois mais golos. Não se pode adiar muito... E claramente marcar dois golos a abrir foi decisivo e não estou convencido que a partir de agora jogaremos sempre assim. Mas gostava.

      Abraço portista

      Eliminar
  3. Isto sem o Brahimi é outra coisa!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, ontem foi outra coisa. De futuro, logo veremos...

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.