Do Porto com Amor: No Topo... Ma Non Troppo

domingo, 10 de setembro de 2017

No Topo... Ma Non Troppo


Ao minuto 80, muitíssimo bem isolado por um companheiro, o avançado, isolado na "cara" do guarda-redes adversário, não conseguiu melhor do que atirar ao lado. Tivesse conseguido e a história bem que poderia ter sido outra. Aliás, tal como dez minutos antes, quando outro avançado falhou a emenda na pequena área a um cruzamento perfeito.

Sim, estou a falar do Chaves, adversário de ontem no Dragão


Catarina Morais / Kapta +


Tivesse acontecido o provável empate, haveria força para recuperar a vantagem e os três pontos? Ninguém sabe (nem nunca saberá). Mas o risco foi bem real, sentido na pele por todos os que estiveram no estádio. Felizmente não aconteceu e, uns minutos depois, chegou o nosso segundo, que sentenciou de vez a distribuição dos pontos.

Qual é o meu ponto? Voltamos a garantir o principal, sem nunca assegurar o acessório. Falta ainda consistência e constância nas exibições, materializadas em golos e num melhor controlo do jogo.

Claro que assim é que se quer, isto é, que venham sempre os três pontos, mais ou menos suados. O problema é que a estatística nos diz que, um dia, a coisa vai correr mal, se não melhorarmos entretanto.

E esse é outro ponto, não se vê grande evolução de jogo para jogo (nem pequena, para ser sincero). Comentava isto com um amigo à saída do estádio (aquele abraço), que sabiamente acrescentou uma hipótese muito válida: o efeito surpresa da pré-época já se desvaneceu, todos os adversários já perceberam como SC pretende que a equipa jogue e preparam-se para a contrariar. 

A mim, que percebo bem menos de bola do que ele, cabe-me concordar, alicerçado na observada falta de dinamismo dos jogadores da linha mais avançada, muito colados aos defesas e estáticos. Vêem-se poucos rasgos, poucas diagonais nas costas e apenas alguns (insuficientes) recuos para "tocar e ir". Quando se recebe a bola de costas para a baliza, a dificuldade aumenta exponencialmente - até para Brahimi, mesmo que não o pareça.

Houve alguns momentos de futebol intenso, mesmo se nunca muito esclarecido. O Chaves esforçou-se para anular as nossas forças e ainda conseguiu valer-se das suas, a espaços. Ainda assim, se olharmos para a forma como os outros dois candidatos venceram os seus jogos, podemos dizer que ganhámos a brincar. Por outro lado, o Sporting foi jogar a casa do Feirense, que recentemente venceu em Chaves. São os prazeres da relatividade.

No final, tudo acabou absolutamente bem. Ganhámos e Soares regressou às opções. Siga para Vila do Conde.





Notas DPcA 


Dia de jogo: 09/09/2017, 20h30, Estádio do Dragão, FC Porto - GD Chaves (3-0)


Casillas (6): Acabou a noite sem ter tido muito trabalho, apesar dos sustos. Sempre atento e concentrado.

Layún (6): Regresso à titularidade com evidente falta de ritmo de jogo, mas esforçado e empenhado em disfarçar essa lacuna. Não destoou.

Alex Telles (7): Desta vez não assistiu nem marcou, mas foi o vaivém do costume.

Marcano (6): Uma e outra abordagem desajustada que poderiam ter causado dano. De resto, em bom plano.

Felipe (6): Ainda não foi desta que acertou o passo (dele, não aos adversários). Get your shit together - part II.

Danilo (6): Nem o aniversário o inspirou para regressar à sua forma normal, continua lento e mal posicionado em muitos momentos. Assim, só equivale a 735 Lesmas Carvalho. Venha o próximo...

Óliver (7): Longe da perfeição, mas na direcção certa. Aquele passe para o golo de Marega já foi de Óliver, ao contrário de outros que o precederam. De resto, sempre muito envolvido e fundamental na construção do jogo colectivo. Mas há que fazer um aviso: já está marcado pelos apitadeiros, tem que redobrar os cuidados ou acabará mesmo expulso.

< 46' Corona (5): No anterior foi decisivo, neste foi... irrelevante. É verdade que não foi bem servido, mas só isso não explica a sua exibição apagada, trapalhona e desinspirada.

< 83' Brahimi (7): O saca-rolhas do costume, mantendo o "péssimo" hábito de nunca sacar a rolha até ao fim, ficando a rodá-la dentro do gargalo. Ah, chega de analogias, mas a questão é que acho sempre que pode fazer muito melhor no momento da decisão. Será na quarta?

< 77' Aboubakar (7): Desbloqueou o jogo com um bom lance individual e alguma complicação pelo meio. Mas conseguiu. De resto, esteve desaparecido durante muitos minutos, perdido entre os defesas contrários. Mas não falhou nenhum golo escandaloso, para variar. C'est bon.

Melhor em Campo Marega (8): Parecia brincadeira, uma coisa gira e tal, mas começa a ser um caso sério. Com estas ganas todas, suportadas por uma capacidade física quase sobre-humana, vai ser difícil abdicar dele no onze. Mesmo com lances em que aparenta se auto-destruir entre uma finta e outra. E ainda teve uma boa finalização de primeira. Notável.

> 46' Soares (6): Regressou da lesão e teve direito a 45 minutos. Ainda retraído, como seria de esperar, mas bem a combinar com os companheiros, acrescentando alguma classe à força física nessas movimentações. E presença, porque Marega anda sempre por todo o lado. Mal no penálti, feliz na recarga. Ainda bem, mas... penálti não se pode falhar. Até quarta.

> 77' Otávio (5): Nota-se que quer ajudar, mas parece um corpo estranho à equipa. A ver no que dá, porque faz-nos falta um bom Otávio.

> 83' André André (-): Nalgas a declarar...

Sérgio Conceição (6): Vitória conseguida, outra vitória, cinco em cinco. Poder-se-ia exigir mais? Não, registo perfeito. Gostaria de já ver mais da sua equipa? Sim, gostaria. Entendo tudo, desde a sua estreia num grande, a ser recém-chegado e ao plantel que tem. Tudo, mesmo. Mas... preocupa-me não ver a equipa a melhorar à medida que os jogos passam. Talvez esteja a ser precipitado. Talvez. Mas o problema é que as competições não param nem esperam por ninguém. Ontem senti real perigo de sofrer o empate já perto do final. E se?... Felizmente não. Quarta e domingo vão ser bons desafios para voltar a analisar o progresso da equipa. Eu aposto em nós.




Outros Intervenientes:


Vive dias difíceis, este Chaves de Luís Castro (um abraço). A diferença que uma vitória faz - neste caso, a falta de uma. Porque há bons valores na equipa, de que são exemplos Tiba, Perdigão e William, ainda que eventualmente sem dimensão para voos mais altos.


Quanto à arbitragem de Rui "vi-te no Jamor na bancada dos candeeiros" Oliveira, digamos que foi suficiente. Não parece ter errado em nenhum lance "cabeludo", mas facilitou em demasia nos lances faltosos dos flavienses, em particular sobre Brahimi - a propósito, será preciso que do rapaz jorrem litros de sangue ou que se ouça um osso a partir para que lhe sejam assinaladas as faltas sofridas?? É realmente impressionante. Já o vídeo-coiso, creio que nem foi chamado a intervir. Poupou-se nos números circenses.



Quinta jornada encerrada, terceira lotação acima dos 40 mil. Assim, vão bem embalados os rapazes. Que não enjoem nas águas tumultuosas de Vila do Conde. Lá estarei, uma gota mais neste nosso Mar Azul

Antes disso, a estreia na Champions - não se esqueçam que ainda podem ganhar DOIS BILHETES para esse jogo!



Do Porto com Amor,

Lápis Azul e Branco



8 comentários:

  1. Entendo a ansiedade e a vontade de ver mais... mas a verdade é que 100% em 5 jogos e sem ajuda de terceiros!!!

    ResponderEliminar
  2. bem ganhamos mais uma vez com a força fisica dos 3 avançados. Faltam nos claramente 3 medios intensos, rapidos, fortes e tecnicamente razoaveis, mas temos o que temos. Percebo que gostem muito de brahimis, coronas e olivers mas eu gosto tambem mas com reservas. Brahimi agarra se em demasia a bola e depois claro acaba aos 60 minutos sem fazer quase nada muitas das vezes e nao e medio apesar de estar a defender mais, corona joga 30 minutos as vezes bem a maioria das vezes mal, oliver com marcaçao fica quase zero porque e lento e fisicamente nao mmuito intenso por isso os cartoes que leva por entrar tarde aos lances, e desgasta se so aparecendo quando largam a marcaçao como se viu com o chaves, quando alem disso temos danilo lento e fisicamente em baixo... mas dando para ganhar assim otimo o penalti o ano passado nunca seria marcado portanto ja existe alguma diferença. Ah e layun e uma perfeita nodoa daqueles jogadores que ate pode estar muito certinho que nao foi o caso falhas incriveis a dar contra ataques e por em jogo de forma estupida um avançado do chaves, pode estar muito certinho que e so mais um acomodado, 6M .... so a rir. Depois do golo e quando oliver e brahimi ja tinham dado o berro impunha se mais cedo o 433 para equilibrar o meio campo.
    As equipas do luis castro realmente jogam bem, sao organizadas, mas..... ganham pouco.

    ResponderEliminar
  3. Layun esteve horrível, credo. A equipa melhora com o Soares, mesmo que nunca venha a ser espetacular (que acho que não será).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade. Se a tendência se mantiver nunca viremos a ser espectaculares. Vamos andar a fazer contas, falar em sorte/azar e os ses... na CL.
      Internamente, que continuem a demonstrar, força e vontade, deve ser suficiente.

      Eliminar
  4. Bom dia! Leio sempre com muito interesse o blog e, à semelhança de outros blogues, não consigo compreender a crítica constante, por mais ténue que seja, ao futebol e aos resultados que a equipa vai apresentando.
    Ganhámos!!! Mais ainda, ganhámos por 3-0!!! Mais ainda, ganhámos contra uma boa equipa do campeonato nacional!!! Mais, ganhámos com o Marega!!! Isto, a meu ver, são AS (com maísculas e o artigo é definido) grandes conclusões e observações a tirar do jogo!
    Se foi um grande jogo do Porto? Não foi! Estava longe da cidade a ver o jogo com amigos, e todos sentimos que o jogo estava dificil, previamos que o intervalo nos ia servir de algo mais, e o mais importante de tudo, sentimos que, apesar de um jogo pouco conseguido exibicionalmente, a vitória ia acontecer!!! E aconteceu! Sabem há quantos anos estamos com a falta deste tipo de sentimento? Não se esqueçam de onde viemos, da lama, do futebol para o lado, dos 11 M€ para comissões e jogadores fracos, do hipotecar de formação... e estamos agora em 1º, a praticar o melhor futebol do mundo que é AQUELE QUE DÁ VITÓRIAS!!!
    Se as derrotas vão chegar? Claro que vão! Mas a força mental está lá, o culto está lá, e isso é que mais importa quando a derrota chegar, é saber que no jogo a seguir é para rebentar tudo. Temos o treinador certo com os jogadores possíveis... E é assim que vamos trilhar o nosso caminho, por isso, volto a frisar, não nos esqueçamos de onde viemos, para sustentarmos bem para onde queremos ir. Nos últimos 4 anos, este estilo de jogo, este plantel e acima de tudo esta mentalidade, chegava E SOBRAVA para ser campeão.
    E com menos importância do que já disse, mas como nota, já vi, no passado muito recente, equipas a serem campeãs a jogar muito mas muito pior que isto. E é o que este ano também se tem visto.

    FORÇA PORTO!!!

    ResponderEliminar
  5. Neutralizando Brahimi, não há quem tenha capacidade para agarrar o jogo. A sensação que pode fazer melhor no momento da decisão é real, só que ele pensa e executa em tempos muito diferentes dos restantes elementos do plantel. Houvesse quem se aproximasse do seu nível e outro galo cantaria.
    O outro patinho feio, Herrera, ainda vai ser a solução para aquele inerte meio campo.:))

    ResponderEliminar
  6. Se tiveres condições, faça chegar este vídeo no link abaixo ao UPB, ao BB, ao Miguel Guedes e etc...para ilustrar, exemplificar e denunciar muito bem os critérios dos VARíssimos que "andem por aí"...

    Mesmo jogo, lances exatamente iguais. Não é incrível?

    http://sporting.filtro.pt/inacreditavel-ver-diferenca-julgamento-do-mesmo-arbitro-var-nestes-dois-lances/

    Mourinho tinha razão, mas Mourinho tinha plantel para condições normais e anormais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O critério existente não é o de defender o espetáculo e a chamada verdade desportiva, mas, sim, o de proteger um clube em detrimento de outro ou de outros… A isto chama-se ausência total de critério !

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.