Do Porto com Amor: Not Sporting Lisbon

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Not Sporting Lisbon


Definitivamente, José Peseiro ainda não percebeu onde caiu de paraquedas. Em todo o caso, é bom que seja perspicaz e lesto a fazê-lo, caso contrário terá vida ainda mais curta do que muitos vaticinaram aquando do anúncio da sua contratação.


Impotentes à partida e à chegada. Ou então alguém perdeu o anel.


E pronto. Com esta horrível eliminatória europeia o mister Peseiro fez questão de explicar a todos por que motivo vinha tendo a carreira que todos conhecemos. Por ser pequenino, neste caso concreto demasiado pequeno para estar no FC Porto.

Peseiro, sozinho, perdeu 1/3 desta eliminatória.

Logo na abordagem que fez na antevisão da primeira mão, mostrou-se subserviente, temeroso e não conseguiu descortinar nada mais ousado do que apelar aos jogadores para não se deixarem derrotar por muitos. Disse e cumpriu, com a equipa que apresentou em campo mas principalmente com a forma de encarar o jogo. Mas esse jogo já foi devidamente escalpelizado.

Após um resultado que até se poderia considerar lisonjeiro face à exibição, sobrava esta segunda mão para demonstrar que a primeira tinha sido uma pálida amostra da capacidade desta equipa e, mais importante - muito mais importante do que isso, mostrar aos filhos da Merckel e a todos os que seguiram com infundado entusiasmo este duelo de champions (um sorriso amarelo) que o Porto é, ou melhor, continua a ser um clube especial.

Especial porque não sendo o que tem mais adeptos no país, é o que tem os melhores adeptos. 

Especial porque não tendo tido nunca orçamentos que se equiparem aos "rivais" europeus - onde se enquadra este Borussia Dortmund, nunca deixou de fazer das fraquezas força e minimizar essa décalage financeira com uma atitude insuperável. Sobretudo em casa.

Especial porque tinha o melhor presidente do mundo, que sabia escolher bem com quem se rodear, não hesitando em reparar um erro se assim o identificasse.

Mais uma vez, Peseiro preocupou-me na abordagem pré-jogo. Vamos ter calma, dizia ele. Um jogo de paciência, insistiu. Poderia até ser uma mensagem positiva, se nas entrelinhas não estivesse já o que eu mais temia: uma segunda dose de temor e subserviência. O que se confirmou em pleno.

E depois, entrou em jogo aquela dualidade tão típica do treinadorzinho português: ora encara o papão cheio de medo, ora, em acto de pura loucura, enche o peito de ar e a cabeça de minhocas e desata a reinventar o futebol mundial, promovendo alterações sem fim na equipa base para mostrar a todos quão genial sabe ser. 


"Que merd@ é esta?" pergunto eu...

Tantas foram as vezes a que já assisti a este filme que deveria ser-lhe indiferente. Mas não consigo. E suspeito que nunca conseguirei. Porquê? Porque sou do Porto. E ser do Porto não tolera nunca a cobardia disfarçada de prudência nem a palermice mascarada de genialidade.

Ainda no carro e a queimar etapas para chegar ao Dragão a horas, eis que de repente perco a pressa. Tomei conhecimento do onze inicial. Nem vou perder muito tempo com isto, apenas fazer uma afirmação: não estando Herrera e Brahimi lesionados, não há NADA que possa justificar a sua relegação para o banco. Nada. Fim de conversa.

Excepto, claro, a tal genialidade do portuguesinho, que para evitar que se notem as cuecas borradas decide vestir-se todo de castanho. O problema é que ainda assim tresandava... a medo. E a parvoíce, já o disse?

O jogo foi o que desde então se esperava, pois claro.  

E nem me venham acenar com o golo deles em fora-de-jogo ou qualquer outro erro de arbitragem. O grande erro, o colossal erro foi do nosso treinador. Ponto. Tivessem eles marcado ou não, tivesse o golo sido invalidado como deveria, não acredito que o desfecho fosse diferente. Porque na cabeça dos jogadores já estava bem estampado o carimbo da pequenez e da impossibilidade.

E reparem que por desfecho refiro-me ao deste jogo, nem sequer vou à eliminatória. Essa estava perfeitamente à mercê de ser perdida depois do resultado de Dortmund. O que nunca poderia ter acontecido foi este triste espectáculo de não sermos Porto. De não respeitarmos, uma vez mais, a nossa identidade. E de, enfim, passarmos mais uma triste figura para o palco europeu.

E já agora, mister, os aplausos no final não foram para reconhecer o "vosso" esforço. Aliás, aos 75 minutos começou a debandada do público que, tendo ficado até final, provavelmente não teria aplaudido. Depois, aquela cantoria autista das claques deve ter mais a ver com a recém-descoberta de que poderiam brilhar no Festival Eurovisão de Cânticos do que com satisfação propriamente dita. E por último, se houvesse esforço a reconhecer seria exclusivamente dos jogadores. Tivesse ficado sozinho no relvado e logo veria o que muitos pensaram da sua "exibição".

Lembram-se que comecei por dizer que Peseiro perdeu 1/3 da eliminatória sozinho? Pois, faltam os outros dois terços.


O segundo terço terá de ser evidentemente atribuído, qual medalha cavaca, à SAD na pessoa de Antero Henrique, o arquitecto-mor do nosso futebol profissional. E a Pinto da Costa, pois claro. As ridículas insuficiências de que padece o plantel são de um amadorismo que até há bem pouco tempo se julgaria impossível no Porto. 

Mas, por outro lado, até há bem pouco tempo a SAD não era nem uma sucursal das Doyens desta vida nem um palco de batalha entre Antero Henrique e Alexandre Pinto da Costa, o primeiro a distrair-se das suas responsabilidades para contrariar o regresso do filho pródigo (em disparates), o segundo a fazer um jogo sujo de guerrilha e a minar o mais possível o terreno que o primeiro pisa. Quem permite que isto aconteça é o mesmo de sempre, que também foi responsável pela imensa obra que todos conhecemos. E com tudo isto, perde o clube e perdemos nós, os que sofremos com ele.


Ide em paz e que o senhor dos futebóis vos acompanhe...

O último terço pertence justamente ao Borussia Dortmund, que além de ter uma boa equipa e um bom plantel, é um clube verdadeiramente especial. Como nós costumávamos ser, aliás. Também não são os maiores do seu país (há vários clubes com mais adeptos e mais museu e depois há o colosso Bayern a anos-luz de distância), mas estão seguramente entre os melhores. 

Tive a oportunidade de constatar na Alemanha como o clube está organizado para os seus adeptos nos mais variados pormenores. E claro, nada estranhamente, eles correspondem em campo. Com a maior média de assistências da Europa e com um apoio notável à equipa. E sabem que mais? Não há pipocas mas há pretzels e salsichas. E não é por isso que deixam de estar com a equipa de princípio a fim. E culminando com aquela comunhão entre jogadores e adeptos a que hoje todos (os que ficaram até final) puderam assistir. Não é exclusivo deles, já tinha assistido ao mesmo na derrocada da Munique, mas também não é isso que interessa, pois não? 

Até o seu jovem mas brilhante treinador foi de uma enorme delicadeza no final, não chamando a si ou à sua equipa todos os créditos deste sucesso. Por tudo isto, deixo-lhes os meus sinceros votos de sucesso para o que resta da competição.


Vamos a notas em modo compacto, mas com uma ressalva: quando tudo já estava condicionado pela estratégia, não seria justo penalizar em demasia os jogadores.


Notas DPcA: 


Dia de jogo: 25/Fev/2016, 20h05, Estádio do Dragão. FC Porto - BVB Dortmund (0-1).

Nota (7): Danilo

Nota (6): Casillas, Layún, Maxi, Marcano, Evandro, Marega, Suk

Nota (5): Ángel, Varela, Rúben, Abou, Brahimi, Herrera

Nota (1): Peseiro


Acabo como comecei. Peseiro teve um comportamento absolutamente deplorável na forma como encarou a eliminatória e cada um dos seus jogos. Apesar do primeiro erro, teve hoje uma oportunidade para se redimir. Mas atirou-a pela janela sem hesitar. 

Relembro que desde meados de Dezembro que defendo que a nossa única prioridade deve ser o campeonato (a que posteriormente juntei a taça, pela sequência de resultados). Portanto, nunca lhe iria cobrar o que quer que fosse na Liga Europa... excepto isto! Ser eliminado seria sempre mau, mas nunca dramático - contra qualquer adversário e ainda menos com o favorito dos bookies para vencer a competição. Mas sair de cena enxovalhado e diminuído é que nunca poderia esperar nem aceitar. E foi precisamente o que aconteceu. E isso não lhe perdoo. Caso ainda não tenha percebido, isto não é o Sporting. Isto é o Porto!

Para terminar em beleza, mais uma nota negativa para a política de preços definida para este jogo. A segunda desilusão da noite foi chegar finalmente ao estádio e reparar na grande quantidade de cadeiras vazias. Aparentemente, apostou-se em fazer muito com poucos, em vez de se apostar em encher o estádio através de preços acessíveis. Duplo erro: além de não ter o Dragão em plena força, a receita acabaria por ser a mesma ou até superior. Tanta asneirada num só dia...



Do Porto com Amor


33 comentários:

  1. A treinar para o Restelo.

    Luís (O do Nuno Espírito Santo, Pedro Martins, ou Lito Vidigal)

    ResponderEliminar
  2. Não seja injusto. O NOSSO TREINADOR tem 37 dias de trabalho. Por outro lado, herdou um plantel desequilibrado e psicologicamente perturbado por ano e meio de incúria do ilusionista vindo do País Basco. Nem Mourinho fazia melhor.
    Atirem-se também à sad castanha, pois ela é a verdadeira responsável por estes 3 anos desastrosos.
    Temos dar estabilidade e apoio a José Peseiro. Ele vai resgatar, O MEU, O TEU, O NOSSO FCPORTO.

    Luís (O do Nuno Espírito Santo, Pedro Martins, ou Lito Vidigal)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo verdade, mas nada que ilibe o treinador da pequenez com que abordou a eliminatória. Tenho-o elogiado repetidamente a nível interno, pelo que não considero estar a ser injusto.

      Eliminar
  3. Oh, vá lá, é evidente que a arbitragem influencia. Se seriamos capazes? Não posso dizer, porque não vi o suficiente. Mas lá está, eu confesso o meu filtro azul e branco. Acho sempre que dá. E irrita-me que não dê. De resto, Hell yeah, NOT! Not calimero, notnotnot!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que influencia. Possivelmente impediu-nos de ganhar o jogo ontem. Mas tudo o que vi indicia que foi o menor dos nossos males. Tivéssemos assumido o nosso estatuto e perdido por 3 e eu estaria aqui hoje a elogiar a atitude apesar da derrota.

      Eliminar
  4. Viva

    Suspeito que o Peseiro terá mesmo dito aos nossos rapazes para não se cansarem muito a partir da última meia hora da segunda parte. Até dou de barato que ele acautelasse o jogo de domingo contra o Belém, mas a descaracterização da equipa foi demasiado longe. Sem atitude, sem ambição, sem fortuna.
    A verdade é que temos um plantel demasiado limitado para as nossas ambições: muitos médios (mas nenhum criativo), poucos defesas (de jeito) e poucos avançados (que decidam).
    Ou reagimos e ganhamos os próximos jogos fazendo prova de vida, ou a época tem tudo para ser um martírio...

    Cumps,
    bms

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha crítica prende-se com a atitude mental com que foi abordada a eliminatória.

      De resto, totalmente de acordo.

      Abraço portista

      Eliminar
  5. Caro LAeB,

    Não tenho como não concordar com a sua análise. Podia escolher várias passagens da sua crónica para definir o meu estado de espírito depois do que vi no jogo, mas fico-me com esta: "Ser eliminado seria mau, mas nunca dramático...Mas sair de cena enxovalhado e diminuído é que nunca poderia esperar e aceitar."

    Ora aí está. Nunca é fácil conviver com as derrotas do FC Porto. Por vezes acontecem algumas que, paradoxalmente, nos deixam com a sensação de dever cumprido, mas também há outras que nos deixam envergonhados e a de ontem insere-se neste grupo. O que se pedia era ousadia, raça, alma, e o que se viu foi uma Equipa triste, descrente desde o início, impotente a ponto do Borússia nem precisar de se transcender, longe, muito longe do FC Porto de Épocas não muito distantes. Aqueles momentos da segunda parte com os alemães a trocarem a bola a seu bel-prazer, com os nossos jogadores acantonados no seu meio campo a limitarem-se a assistir ao passa e repassa dos jogadores do Borússia, foram deprimentes. E assim se vai degradando a imagem e o prestígio do FC Porto, lá fora e cá dentro, tão arduamente conquistados. Aqui chegados, lá temos de nos socorrer do nosso amor e lealdade ao FC Porto, para continuarmos a acreditar que o que virá a seguir será sempre melhor que o presente. Não temos alternativa, não acha caro LAeB??!! Até porque um Dragão pode abanar mas não quebra.

    Um abraço desconsolado e...

    FC PORTO SEMPRE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre alinhados no raciocínio, caro Fernando. Para o bem e para o mal...

      A "alternativa", para além de acreditar sempre que é possível vencer todos os jogos, é perceber que todos temos que nos mobilizar para proporcionar o aparecimento de alternativas eleitorais de entre as quais os sócios possam escolher em consciência.

      O que está em causa, em minha opinião, é a lista única de sempre e a inexistência de caminhos diferentes.

      Esse é, cada vez mais, o meu grande desconsolo, para lá das vitórias e derrotas em cada jogo disputado.

      Abraço portista

      Eliminar
    2. Então, meu caro LAeB, desconfio que o seu maior desconsolo está para continuar. Talvez nos valham as vitórias futuras.

      Abraço.

      Eliminar
  6. Concordo plenamente com tudo que dizes, hoje senti-me pequenino. Triste figura, triste imagem. Não percebo se a intenção era poupar jogadores, se era passar a eliminatória... Jogamos com medo, tanto respeito, então se fosse o Barcelona ou o Bayern era melhor falta de comparência. Triste, sinto-me triste com este Portinho de trazer por casa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Num clube como o Porto, a intenção nunca poderia ser poupar jogadores. Ou melhor, poderia, desde que no processo se montasse uma equipa ainda assim competitiva e, mais importante, com a atitude certa.

      Repito-me, nós somos o FC Porto, not Sporting Lisbon.

      Em resumo, totalmente de acordo.

      Eliminar
  7. Como sabe, apoiei a contratação de Peseiro, como a melhor alternativa disponível.
    Mas, não há como discordar da sua análise.
    Nesta eliminatória provou tudo aquilo que vem dizendo. É deprimente ver os mais criativos no banco para jogar com os tijolos todos. Ambição, zero!
    E é melhor ficar por aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... avancemos para Belém, que a Europa está morta e enterrada...

      Eliminar
    2. Pois... está morta e enterrada. Mas, tal como o Lápis, pensei que o futebol cobarde, pequenino e provinciano jamais voltasse ao F. C. Porto, depois do miserável basco se ter ido.
      Pelos vistos enganei-me.

      Eliminar
  8. Caro LAeB,
    Que pode fazer Peseiro com um plantel tão vulgar que até mete dó?
    Que pode fazer Peseiro a ponta-de-lança se Aboubakar jamais será um killer e Suk, (desculpem-me a franqueza), é um trapahão esforçado que por vezes até nos faz rir?
    Que pode fazer Peseiro se o cúmulo dos cúmulos é termos um trinco (Danilo) como o melhor médio do FC PORTO?
    Que pode fazer Peseiro, se os centrais do FC PORTO estão ao nivel de uma equipa do meio para baixo da nossa tabela?
    Que pode fazer Peseiro, se tem que poupar médios como André André e Herrera como se eles fossem as unidades nuclears do FC PORTO?

    A SAD do FC PORTO emagrece o clube enquanto vai engordando a conta bancária.
    O futuro pós PdC tende a ser castanho... muito castanho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felisberto, o grande problema do F. C. do Porto é ter jogadores como Quintero, Imbula, Quaresma, Josué, Carlos Eduardo. Ivo, Rafa. André Silva, etc e ter treinadores que preferem Ruben Neves, André André, José Angel, Bueno, Varela, Aboubakar e Marega.
      Alguns até fazem a vontade aos adeptos e dispensam alguns destes criativos e querem afastar outros como Brahimi, e atiram-se para cima da SAD que tem as costas largas para tudo e mais alguma coisa.

      Eliminar
    2. Sem discordar da sua conclusão, que como sabe tenho denunciado, o que Peseiro TINHA QUE ter feito era respeitar a nossa história e incutir nos jogadores aquele espírito de que "podemos perder, mas não será sem dar-mos luta".

      Poderia ter acontecido tudo, até mesmo uma goleada, mas nunca ter-mo-nos encolhido a uma dimensão onde já não cabemos. Morrer por morrer, que seja morrer de pé, com toda a dignidade. Morrer amedrontados como cobardes não me peça para aceitar.

      Abraço portista

      Eliminar
    3. E "termo-nos"! Isto hoje não está fácil, deve ser da chuva...

      Eliminar
    4. Tem Pedros Guerras de razão, caro Lápis.
      Mesmo com todas as limitações, todas as dificuldades (Maiconadas e afins), ontem nem sequer tentamos ganhar o jogo. A partir de certa altura parecia que estávamos a cumprir um frete. Todos, treinador, jogadores e adeptos presentes. Numa casa em que ultimamente não há ópera nem concertos rock, só música experimental.

      Eliminar
  9. Eu nao podia discordar mais...

    Nao achei que o Porto entrasse "pequeno". Acho que a unica hipotese que tinhamos de passar esta eliminatoria era de controlar o jogo, garantir que nao sofriamos o golo que ia decidir a eliminatoria imediatamente e aos poucos ir criando oportunidades para marcar 1,2,3 golos... Nao concordo que se devia por toda a carne no assador, porque senao arriscavamos a levar uma cabazada com a nossa defesa remendada e la se ia todo o trabalho psicologico que tao bem tem sido feito.. E para isso concordo com a maioria do 11 escolhido (a excepcao e Marega em vez de Brahimi - Marega e muito fraquinho...). Poucas equipas que eu tenho visto conseguem criar a quantidade de oportunidades que nos criamos contra o Dortmund.
    Infelizmente sofremos o tal golo - nao que o Dortmund tivesse feito algo para o merecer, e como e logico era um golo claramente ilegal que se tivessemos arbitros que nao fossem ingleses (coitados ainda nao perceberam as regras do jogo que inventaram) nao teria sido validado.

    O que se diria agora se o arbitro tivesse anulado o golo como devia e as duas oportunidades que tivemos no fim da 1a parte tivessem entrado (foi por pouco)? Ja nao tinhamos entrado com medo???

    Adorei Herrera no banco. Entao o Lapis que ja vinha dizendo mal do mexicano por muito tempo agora lembrou-se que ele devia ser sempre titular? Muito melhor do que ele normalmente faz, fez Evandro, para mim o melhor em campo. E Ruben fez um jogo muito razoavel, pode ser que a sua deslopeteguizacao tenha acelerado. Quanto a Danilo, para mim continua a ser so razoavel, pode ter muita raca, mas continua a deixar a defesa desprotegida quando eles mais precisam porque nao se sabe posicionar...

    Nos ultimos 30 min o Porto claramente desistiu e parte disso foi "ordem" do treinador - claramente, e eu teria feito o mesmo... Nao era em 30min que iamos marcar 4 golos a este adversario e mais valia ter um bom treino do que arriscar demasiado.

    Eu nao percebo essa teoria de "saimos enxovalhados e diminuidos" - um scoreline de 3-0 em que um golo foi claramente ilegal. Varias oportunidades falhadas (no computo dos 2 jogos tivemos mais oportunidades claras do que eles). Uma defesa destrocada (mas que melhorou bastante do primeiro jogo para o segundo). Enxovalhados e diminuidos fomos nos no ano passado em Munique - isto nao e enxovalho nenhum...

    E vamos la perceber, de uma vez por todas que o que um treinador diz na sala de imprensa conta ZERO -ZERINHO!!! O que interessa e que o ele diz aos jogadores no balneario, nos treinos e no campo. Nao se lembra de VP no segundo ano dizer para a imprensa perto do final do campeonato que "houve erros que facilitaram o Benfica ser campeao", admitindo que o Benfica ia ganhar, enquanto que no balneario dizia aos jogadores que o Benfica ia perder pontos e iamos ganhar-lhes e ser campeoes?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Começo já pelo meio: "Nos ultimos 30 min o Porto claramente desistiu e parte disso foi "ordem" do treinador - claramente, e eu teria feito o mesmo".

      Pois eu digo-lhe que abomino esse raciocínio! Morrer de pé, sempre. Para si se calhar tanto faz perder 0-1 como empatar ou vencer 2-1, uma vez que o desfecho da eliminatória seria o mesmo. Para mim não. Faria toda a diferença cada um dos resultados (em crescendo, obviamente).

      E não me "forniquem" com poupanças para o Restelo. A sério, poupar jogadores para ir jogar com os 0-11 frente ao slb? Isso é gozar com quem paga bilhete. Ou então, se era mesmo essa a intenção, que avisassem as pessoas antes.

      O caro Pancas agarra-se ao "score", eu agarro-me ao que vi em 120 minutos. Um futebol cobarde, pequenino e provinciano. Nós não somos o Not Sporting Lisbon, somos o bicampeão europeu FC Porto. É um orgulho mas também uma responsabilidade e eu não admito menos. Mas claro, admito que outros portistas pensem de maneira diferente.

      Eu já perdi meia cabeleira à custa de Herrera, não acho que devesse ser aposta para o trio do meio campo, mas não é na altura em que ele sobe de forma e que mais ninguém tem algumas rotinas que se abdica dele! É ridículo apostar em Evandro, só porque fez um golo e um jogo positivo contra o Moreirense. Ridículo. Tal como retirar do jogo o nosso único desequilibrador. Não bate certo. O futebol é um jogo de rotinas e só assim se torna possível apostar em "surpresas", com essas rotinas por trás. Alterações avulsas e em catadupa são pura estupidez, na minha forma de entender o jogo.

      E discordo mais uma vez. Quem não sabe utilizar a conferência de imprensa para influenciar adeptos, adversários e o próprio balneário não é nem nunca será um grande treinador, por muito que seja um mestre do treino ou da táctica. A comunicação é a vertente mais importante da gestão de um grupo e obviamente o que se diz para dentro e o que se diz para fora tem que estar em consonância. Isto não significa dizer a mesma coisa, mas significa que não se pode dizer para fora que vamos lutar pela qualificação e para dentro preparar a equipa para perder por poucos (independentemente do que se diga - vale muito mais um gesto do que mil palavras vãs).

      O que diz sobre a estratégia de VP só confirma a minha razão, porque uma coisa batia certa com a outra. "Enganá-los" para fora e explicar o contrário para dentro. É o oposto do que se passou com o Dortmund, como Danilo, sem querer, tão eloquentemente confirmou.

      Abraço portista

      Eliminar
    2. Lapis,
      Dentro do contexto em que nos encontramos acho perfeitamente legitimo que o treinador e os jogadores nao ponham um esforco ridiculo para "deixar imagem" nos ultimos 30mins duma eliminatoria que esta completamente perdida. Nao quero ver mais lesoes, nao quero ser humilhado como com o Dynamo.

      Dizer que somos o bicampeao europeu nao poe a equipa a jogar melhor e nao multiplica o numero de centrais de que dispomos. Os benfas tambem podem dizer que sao bicampeoes... Nao me quero tornar no Benfas que vive do passado, quero focar-me no presente.

      "O futebol e um jogo de rotinas" - Eu concordo a 200%. Mas o que o Lapis parece estar a dizer (corriga-me se eu estou errado) e que essas rotinas se ganham nos jogos. Nao, as rotinas ganham-se nos treinos e ai o Evandro tem praticamente o mesmo tempo com os companheiros do que o Herrera (so nao tem tempo de jogo) - e sendo um jogador com mais tecnica e mais inteligencia e-lhe muito mais facil perceber as movimentacoes que o treinador lhe pede. O importante do jogo do Evandro contra o Moreirense nao e o golo - e sim o facto de que o Porto deixou de falhar passes ou por a bola em sitios estupidos desde que ele tomou conta do meio-campo. eu tenho poucas duvidas que o Evandro vai ser titular com Peseiro a nao ser que se tenham que por jogadores por razoes financeiras.

      Quanto a pequenez - eu acho que houve uma clara diferenca do primeiro para o segundo jogo, mas o que o Lapis esta a dizer e que nao, que achou os dois o mesmo (Porto a jogar como um pequeno) - sem olhar para o score (concordo que nao e um bom ponto de analise), olho sim para as oportunidades criadas e dadas... claramente o Porto atacou mais e melhor no segundo jogo e ate em termos defensivos melhorou. Portanto nao posso concordar que os dois jogos foram encarados do mesmo modo.

      Eliminar
    3. O meu problema não foram os últimos 30 mas sim todos os 120 minutos. Só me referi a eles pela sua própria referência.

      Disse bicampeão europeu para simplificar, pretendia resumir todo o nosso palmarés internacional. Poderia ter dito "um dos 3 clubes com mais presenças na Champions", por exemplo, para me manter preso ao presente.

      Quanto às rotinas, só posso falar pela minha modesta experiência de ter praticado várias modalidades colectivas, incluindo futebol. Como dizia um treinador por quem passei, "nos treinos, treina-se e nos jogos, joga-se". Queria ele dizer com isto que por muito que se ensaie combinações, estratégias e movimentações durante a semana, por muito competitivos que sejam os treinos, nada se substitui à competição para criar cumplicidade, dar confiança e aprender como funcionam os companheiros. Foi a isso que me referi. Evandro pode treinar a época toda com o plantel mas se nunca jogar, não poderá nunca estar no mesmo nível de sintonia com os que jogam regularmente. E a isto acresce evidentemente o tal ritmo competitivo de que cada jogador necessita para se exibir no seu auge e que só se ganha... competindo. E insistindo na discórdia, para mim Evandro fez um jogo apenas razoável contra o Moreirense onde recorde-se, jogou apenas 45 minutos contra os 90 de Herrera. Não digo que o Evandro não chegue lá, mas sim que nesta altura está longe de ter essa "sintonia" com a equipa.

      Concordo que tivemos mais oportunidades neste segundo jogo - evidentemente que sim nem poderia ser diferente. Mas foram elas fruto de uma outra atitude? Ou teve muito mais a ver com a postura relaxada e expectante de um adversário com o conforto de dois golos de vantagem? Creio que já sabe a minha resposta a ambas...

      Eliminar
  10. Marega (6).LAeB em momento humorístico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez tenha sido, também tenho direito a gozar com o povo, ou não?

      Eliminar
  11. Não só Peseiro ,mas também o discurso do presidente antes do jogo em Dortmund,que ao mais uma vez não resistir em menorizar o Benfica ,veio dizer que o Borussia era muito mais forte,retirando aí o capital de confiança da equipa com a vitória na luz.
    Mais uma vez apelo a uma massiva votação em branco nas proximas eleições como forma de protesto a esta politica desportiva que a Sad está a seguir para o futebol profissional do nosso clube,como muito bem disse nesta eliminatória senti.me pequeno ,como uma equipa que só quer perder por poucos,não me lembro de ver uma equipa do FCPORTO encarar uma eliminatória (estou a falar das 2 mãos)assim.

    Saudações Portistas
    Paulo Almeida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu percebo a sua intenção, mas enquanto houver possibilidade apelo é para que apareçam mais candidatos com propostas diferentes. Não me quero resignar a não ter opção de voto.

      E sejamos claros, nem deve ser possível votar em branco. Mantendo-se a tradição, haverá um boletim para cada lista e coloca-se na urna aquele em quem queremos votar. So mesmo rasurando para ser voto nulo, mas não vejo o que de positivo daí poderá resultar. Mas repito, percebo bem essa sua sensação de impotência para alterar o rumo das coisas. Culpa nossa, por tudo o que nos abstivemos de fazer durante tantos anos...

      Eliminar
  12. Em primeiro lugar, estamos de acordo com o Not Sporting Lisbon. Não existe esse clube. Presumo que se esteja a referir ao Sporting Clube Portugal.
    Assumindo esse pressuposto, denoto grande obsesssão pelo Sporting. Você bem insiste nas suas respostas a este comentário em referir-se ao Sporting, por mais que os comentadores colegas de bancada não o citem.
    Após o Sporting, o Peseiro já passou por meia dúzia de clubes, entretanto. Porque não referir-se ao Braga?
    O Sporting só não foi campeão com Peseiro, porque o árbitro lampião Paulo Paraty considerou legal uma carga do Luisão ao Ricardo na pequena área, zona em que o guarda-redes não pode ser tocado.
    Depois a referência ao Porto ter os melhores adeptos. Ficou incomodado com a recente sondagem da Eurosport, em que o Sporting ganhou destacadamente a votação de clube com os melhores adeptos? Sim, já sei que vai dizer que foram hackers ou pessoas que não têm nada para fazer, mas a verdade é que ganhou e o timing da sua referência não foi por acaso. Deixou-o incomodado.
    Não esteja tão preocupado com o Sporting. O Sporting povoa-lhe demasiado o pensamento. Preocupe-se antes com o Benfica e em como destroná-lo do 2º lugar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada como uma nota de humor para encerrar a discussão.

      Not Sporting Lisbon não é mais que a referência à campanha bacoca que os seus consócios sentiram necessidade de lançar, como se alguém estivesse minimamente interessado nisso. Daí a minha opção para título da crónica, realçando pelo absurdo tudo o que o Porto não é nem nunca poderá ser.

      Eu percebo que se refira ao Braga, por tudo o que tem feito na última década, de facto merece ser considerado o terceiro grande, mas ainda assim, na minha bonomia, resolvi não me esquecer dos idos tempos da outra senhora e dos muitos adeptos que dizem ter e mantive o Sporting na medalha de bronze. Mais uma vez, para reforçar a msg do tanto que nos separa enquanto clubes e como alerta para que essa distância não se encurte pelo nosso lado. Muito menos por via de um treinador com a escola leonina.

      Percebo que essas votações do Eurosport sejam um troféu para o Sporting, vejam se conseguem materializa-la e exibi-la no museu (também têm um, certo?) - aposto que vai ficar linda ao lado da cabeça de Marco Silva.

      Por fim, concordarei consigo - a minha grande preocupação é de facto o SLB, mas não pelo segundo lugar: é mesmo pelo primeiro onde creio que ou Porto ou Benfica acabarão a competição.

      Um abraço e viva o Sporting Clube de Portugal! (esqueceu-se do "de", reparou? Assim não ajuda à causa...)

      :-)

      Eliminar
  13. Sim, reparei na falha do "de", sim. Mas à posteriori quando vir se já tinha respondido ao meu post. Confesso que estava escrever dum teclado novo, ergonómico, ao qual ainda me habituo e que me leva a muitos enganos. Mas concordo, viva o Sporting Clube de Portugal.

    ResponderEliminar
  14. Nem a propósito, recomendo ao caro Verde Protector a leitura do artigo sobre o seu clube que hoje tem chamada de capa em O Jogo. Só para lhe abrir o apetite: "Depois de 2005, registo europeu é pior do que FC Porto, Benfica e Braga."

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.