Do Porto com Amor: O Adolescente Introvertido

domingo, 20 de março de 2016

O Adolescente Introvertido


Jogo descomplicado à beira-Sado, que quase se complicava irremediavelmente no seu final. E não, o título não se refere a quem resolveu o jogo. É sobre... outra coisa!


(Abou) "Como é que se faz isso, mon petit?"


Quase me saíam pela boca os deliciosos (e psicológicos, desta vez) chocos fritos quando Fábio Pacheco, em cima do apito final, recargou isolado a um metro da linha de golo, tendo apenas como obstáculos os desesperados Maxi e Iker. Felizmente a bola foi fazer companhia àquela chutada pelo Bryan Ruiz no derby lisboeta. E assim a noite pode acabar em sossego.

Até esse momento em que o mundo portista (e vitoriano) parou, o jogo foi quase sempre bem controlado por nós. Sem nunca ser esmagador ou genial, mas controlado. Em especial na primeira parte, em que o Vitória pouco se atreveu a chegar à nossa área. Mesmo na segunda, em que o jogo foi mais repartido, o domínio foi sempre do Porto.

O que mais ressalta deste encontro é a nossa ingenuidade. Sabem aquele tipo de equipa maliciosa, venenosa, que aparenta ser dócil e inofensiva mas que à primeira oportunidade desfere um golpe letal? E logo de seguida outro, e outro e ainda mais outro?

Pois bem, este Porto está nos seus antípodas! Constrói, chega perto do objectivo, circunda-o, avança e recua e finalmente... Nada. Parece o teenager tímido e borbulhento que se derrete por aquela miúda, que por sinal até lhe dá troco, oportunidades e sinais de luzes para avançar mas que, quando finalmente ficam sozinhos e ela se derrete discretamente, ele bloqueia. Inventa uma desculpa esfarrapada e desanda dali, perante o ar atónito da miúda, que finalmente se resigna ao pistolinhas da turma. E sai mais uma cicatriz emocional para o jovem introvertido...

Neste jogo criamos oportunidades suficientes para conseguir um resultado semelhante ao do Sporting contra o (desta vez inofensivo e afável) Arouca Vidigal. A diferença esteve apenas na finalização. Na falta de eficácia, de determinação ou de jeito, como preferirem. Zero killer instinct. Valeu-nos o miúdo, o tal que só é chamado quando não há mais ninguém disponível, a mostrar como se faz.

Mais uma vitória, menos um jogo para o final deste suplício que alguns apelidam de temporada. Venha o próximo.


"Ne me touche pas que je desafine..."



Notas DPcA:


Dia de jogo: 19/Mar/2016, 20h45, Estádio do Bonfim. Vitória FC - FCPorto (0-1).


Casillas (6): Duas abordagens heterodoxas e uma decidida que possivelmente atrapalhou decisivamente o adversário no que seria o irremediável empate. No restante, business as usual.

Maxi (7): Voltou a dar tudo pela equipa, o que sem ser brilhante, põe em sentido os adversários e empolga os companheiros. 

Layún (6): Parece ter perdido aquele fulgor que decidia jogos, agora aparece mais comedido e sem acrescentar muito à partida. Ainda assim cumpriu.

Indi (6): Jogo seguro, sem comprometer nem deslumbrar. Como se espera de um central.

Chidozie (6): Alguns passes falhados e uma abordagem comprometedora numa desmarcação em profundidade, eventualmente compensados pela exibição determinada e voluntariosa.

Danilo (7): Regresso importante para o equilíbrio e dinamismo da equipa. Um dos melhores, como quase sempre.

Melhor em Campo Sérgio (8): Já não é de agora que venho pedindo que tenha mais oportunidades. Além de muita qualidade técnica, é também um lutador, o que é raro em conjunto. Recupera muitas bolas com a sua boa agressividade, apesar de ainda perder infantilmente algumas delas. Ponto extra pelo golo decisivo.

Herrera (7): Agora que já tudo parece perdido na época, resolveu jogar bem e de forma consistente, ao ponto de se ter tornado num jogador importante na equipa. Como será no regresso após o reset do final da temporada?

< 89' Brahimi (6): Ainda não foi desta que ultrapassou a barreira da normalidade. Não joga mal, é aliás importante a inventar espaços e atrair adversários, mas não chega a ser decisivo. E é uma pena, porque tem tudo para o ser.

< 74' Corona (6): O golo salvador contra o União parece tê-lo motivado. Esteve melhor hoje, mais objectivo. Arriba hombre!

< 76' Aboubakar (6): Está transformado num jogador perfeitamente banal, que poderia inclusive nem ser titular no Vitória. É penoso vê-lo jogar...

> 74' Marega (5): Veio refrescar a ala com nova dose de vigor ofensivo e disponibilidade para defender. Nada de relevante a registar.

> 76' Suk (5): Também não foi acrescentou mais do que frescura física e pressão renovada sobre a defesa sadina.

> 89' Rúben (-): Sem tempo de jogo suficiente para ser avaliado.


Peseiro (6): Mais uma vitória tangencial e sofrida, mas desta vez dificilmente se poderão assacar-lhe grandes responsabilidades. Desta vez foi essencialmente a falta de eficácia dos jogadores que nos deixou vulneráveis na fase final da partida. E, desta vez, a sorte foi mãe.



"Ai que eles marcam, ai que eles marcam..."


Outros intervenientes:


Gostei bem mais do Vitória da primeira volta. Desta vez foram mesmo pequenos, sem mostrar grandes ideias de jogo. Estão numa fase má, é notório, mas ainda assim pouco. E ainda assim, quase empatavam... Se fosse obrigado a destacar alguém, escreveria sobre o possante Arnold e o Hassan filho. Como não sou, ficamos assim.

Quanto a Manuel Mota e seus auxiliares, agradecido por não se terem feito notar para além de alguns erros de pormenor. 


Seguem-se os insuportáveis amigáveis das selecções e a recepção ao Tondela (bilhetes em breve). Até lá, vamos falando.

Um abraço a todos os pais, um muito especial ao meu e infinito agradecimento a quem me faz ser um.


Do Porto com Amor


14 comentários:

  1. Caro LAeB,

    Na incapacidade actual deste FC Porto juntar o útil(resultado) ao agradável(exibição), resta-nos o útil, afinal o mais importante, para minorar o desconsolo que é ver esta Equipa jogar, e por aqui me fico para, ao contrário da Equipa, não me tornar repetitivo.

    A "falta de eficácia, de determinação ou de jeito", eu subscrevo todas, estão bem reflectidas naquele cabeceamento de Brahimi ao 84 minutos. Aguenta coração.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E mais uma vez estivemos quase a ser surpreendidos no final. Como o Boavista...

      Eliminar
  2. Os frutos que o futebol evoluído do ilusionista do País Basco trouxe ao DRAGÃO foram estes (fraca preparação física e derrotas com o D. Kiev, Chelsea, para a Champions, clube cardinal para o Campeonato Nacional, Marítimo para a Taça da Liga e empate com o Rio Ave para o Campeonato Nacional).
    Sejamos justos, Aboubakar não é Mitroglou, Suk não é Jonas e Brahimi não é Gaitan. Por outro lado não temos centrais em qualidade e quantidade.
    Se depende-se de mim, José Peseiro continuava na próxima época, como treinador do FCPORTO.

    Luís (O do José Peseiro)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver como consegue fechar esta época, com estes jogadores.

      Eliminar
    2. Felizmente não depende, senão ainda tínhamos aí o Lito. Credo.

      Eliminar
  3. O artigo "A democratização da estupidez" publicado no blog "Portistas Anónimos" em 20 de Março de 2016, abriu-me os olhos.
    "Comparação entre os recursos disponíveis entre Benfica e FC Porto. Chegando ao ponto de comparar Gudiño, de 18 anos, a Ederson, de 22 e com experiência de primeira liga e Liga Europa, ou então Chidozie, também ele de 18 anos e ainda nem há um ano médio-defensivo, com Lindelöf, jogador com vários anos de segunda liga e já com 21 anos sendo ainda campeão da Europa desse escalão. Depois talvez movidos pela ideia estúpida de que um jogador não se desenvolve a partir de uma certa idade, dizem que como o Jardel tem o FC Porto no plantel, ignorando que o brasileiro é facilmente o melhor defesa-central do Benfica graças à enorme evolução registada nos últimos anos.
    Enquanto para as laterais Rui Vitória tem Nélson Semedo, André Almeida, Eliseu, Sílvio e ainda foi buscar Grimaldo em Janeiro, José Peseiro tem Maxi, Layún e foi obrigado a recorrer a Ángel, uma das cartas fora do baralho até para Lopetegui.
    Se gozar com as opções dos encarnados para a defesa, dizendo por exemplo que o Eliseu é gordo e mais não sei o quê, pode parecer pertinente para alguns, o que dizer das opções azuis e brancas para o ataque? Aboubakar e Corona parecem viver num mundo à parte, Varela está farto de ser jogador de futebol e tanto Suk como Marega parecem condenados ao estigma social de jogador útil, que aos olhos da maioria dos portistas mais não significa do que alguém que só serve para jogar quando não há mais ninguém. Do outro lado - leia-se no Benfica - Há Jonas, Mitroglu, Jiménez, Salvio, Pizzi, Carcela, Gaitán, Talisca e por aí fora".

    Luís (O do José Peseiro)

    ResponderEliminar
  4. O Sr. Silva tem toda a razão, com Lito Vidigal não ganhávamos o mesmo que ganhamos com o ilusionista do País Basco.

    Luís (O do José Peseiro)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depende, a jogar como no dragão ou como em Alvalade? Dentro ou for do campo? A sério ou estava só a brincar?

      Eliminar
  5. Quem comanda o FC Porto tem muito que fazer pela frente.
    Muitos criticam a estrutura do Porto mas tudo o que foi feito foi bem pensado e com as melhores das intenções. Foram tomadas medidas também em busca dos desejos dos adeptos.
    Vítor Pereira mesmo bi-campeão , num futebol sólido mas pouco atractivo e convincente , foi embora , veio Paulo Fonseca , um treinador que não estando no Porto se é mau treinador , disfarça bem. Qualquer um de nós podia cair nessa escolha. As contratações que foram feitas , que hoje muitos criticam e outros não tem memória , foram bem aceites na altura . E fazia todo o sentido , Jogadores do nosso campeonato e Portugueses , os resultados forma maus e a partir daí nada prestava.
    Depois foi feita uma opção ainda com mais critério , um perfil escolhido a dedo , Lopetegui . O problema do Porto creio foi querer ser um 2º Barcelona em vez de ser PORTO . Lembro que no tempo do Vitor Pereira depois de uma goleada dada em Guimarães , chamaram-nos de Barcelona de Portugal , e gostamos . Não foi aí que começou a filosofia jogo à Barcelona , mas terá sido um erro do Porto e provavelmente vai continuar a custar caro. As contratações vinham na linha de alguns anos a esta parte , abrir os cordões à bolsa , como aliás os adeptos sempre esperaram, mas a falta de memória é lixada. Nós à mais de 10 anos , depois de sermos campeões da Europa, abandonamos a filosofia do comprar barato , para comprar caro e tentar vender ainda por mais . Porque o Porto rebentou as fronteiras , e tornou-se num clube diferente . A luta do passado tinha esse objetivo , e foi conseguido , o Porto não era só do Porto nem só de uma região era o melhor de Portugal e um dos melhores do mundo.
    Deixou de fazer sentido ir contratar , aos Salgueiros, Alvercas, Gil Vicentes , Guimarães ... sim não é por acaso que dou estes clubes como exemplo , todos se devem lembrar de Deco , Capucho , Zahovic , Maniche , por exemplo.
    O problema é que a partir de certa altura nesses clubes parece que só há Alans, Josués, Licás, etc... que não chegam ao Porto de antigamente , diria que ir do Marítimo para o Porto é quase como entrar no Real Madrid , esses jogadores no campo sentem-se pequeninos para a grandeza do Porto.

    O que tem de mudar , pensar pela nossa cabeça em vez de sermos o que está na moda ( Barcelona ).
    Não aprecio o facto de termos para aí 100 ou mais jogadores contratados , nunca percebi bem o objetivo , na minha opinião as contratações deviam ser para melhorar a equipa , não so para termos negociais , que me parece que é o caso . Muitos jogadores são contratados e não se sabe bem para quê.
    O Porto sempre contratou algumas trutas mesmo nos melhores anos , acho que isso não se consegue acabar , não é possível que todos tenham sucesso , mas é preciso um critério mais rigoroso e porque não dar espaço a que jovens possam ter tempo para agarrar uma oportunidade em vez das trutas. Veja-se o caso de Sérgio oliveira , foi muito criticado mas estes ultimos jogos correram-lhe bem.
    A pré-temporada com mais de 30 jogadores , é um erro , pior é depois que parece não haver coragem para os dispensar. Leva por vezes a termos 5 centrais , 5 laterais etc... erro que desequilibra o bom funcionamento do plantel. Sei que é muito difícil ir para a pré -temporada com tudo resolvido mas o Porto tem de fazer por isso, foi aí que Mourinho começou a ganhar tudo , estava muito pouco por resolver na altura .

    Isto já vai muito extenso e fica ainda muita coisa por dizer da minha parte .
    Casillas um dos melhores do mundo entre os postes , mas uma equipa como o Porto precisa de um guarda redes muito forte a sair dos postes . Não somos o Real Madrid acostumado a ter ataques que se sobrepõe à defesa e não ganha tantas vezes quanto o tamanho do seu investimento, porque ainda é verdade quem ganha campeonatos é a defesa .
    Os adeptos tem de ter mais memória também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro, já temos um "Anónimo" da casa, pelo que se não assinar os comentários não sei se são seus, retirados de outro lado, etc. o que não me motiva a responder.

      Excepcionalmente, sempre lhe digo que estou muito de acordo com o que escreve (ou cita, não sei). Ao querermos ser outra coisa que não aquilo que sempre fomos, começou o nosso calvário. Há que voltar às origens.

      De facto escreve sobre muita coisa ao mesmo tempo, para ir ponto a ponto precisaria de muito tempo e espaço. Pelo que lhe deixo a sugestão, vá passando e lance um tópico de cada vez para a discussão (e assine pf).

      Abraço portista

      Eliminar


  6. Se há coisa que a Internet nos trouxe foi a possibilidade de qualquer um, por mais estúpido, desinformado ou mal-intencionado que seja, poder transmitir para todo mundo uma opinião. A prova disso mesmo é você estar a ler isto nesse momento. A estupidez tornou-se acessível a todos, enquanto antigamente era a comunicação social e quem tinha acesso à mesma a ter o monopólio dessa forma de pensar. Hoje em dia não é preciso ir para a televisão para tentar fazer valer uma ideia estúpida, basta criar um blog, ou uma conta em qualquer rede social, e com relativa facilidade se cria uma audiência.

    Serve isto para dizer que tenho lido muita merda sobre o que levou o FC Porto a chegar a este ponto e que, apesar de haver muitos pontos de vista válidos, há um que me choca particularmente, que é dizer com desdém que afinal a troca de treinador não resolveu nada e que mais valia Lopetegui não ter saído.

    Em primeiro lugar gostaria de esclarecer duas coisas: que fui a favor da manutenção do basco no comando da equipa para esta segunda época porque acreditei nele quando disse que aprendeu com os erros do ano que na altura havia terminado, mas também cedo percebi que afinal, como diz a música, era só jajão e que com ele como treinador seria mais um ano seco para o clube.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto eu sei que é uma citação, faltam no entanto as aspas e a indicação da fonte. Sem elas, fica estranho e não é correcto. De futuro, como peço. Por favor.

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.