Do Porto com Amor: Roubados e Gozados

sábado, 2 de dezembro de 2017

Roubados e Gozados


Tenho dificuldade em começar esta crónica. Se, por um lado, sinto uma elevada dose de frustração por aquilo que não fomos capazes de fazer em campo e me apetece discorrer sobre isso, por outro, não sou capaz de o fazer sem ter em conta o fundamental: a jogar bem ou mal, teríamos ganho aos sem-vergonha, não fosse por mais uma arbitragem escandalosamente benfiqueira. Segunda consecutiva, a somar ao que aconteceu com os lampiões das Aves. E assim se transformam oito pontos de avanço em três e liderança repartida com o empurradito Sporting.


O Polvo corrupto em acção

Comecemos então pela parte que nos competia. Talvez a minha expectativa estivesse desajustada, mas por toda a conjuntura, não esperava nada menos do que um esmagamento dos rapazes vítimas do holocausto de Basileia, esse portento do futebol europeu. Ganhando por um ou por dez, esperava que os sufocássemos, que os tivéssemos encostados às cordas durante boa parte dos noventa minutos, a sorrir perante as vigarices dos árbitros e a atropelá-los a todos.

Digamos que era pedir muito, então. Fiquemo-nos pelo básico: em casa, contra o Benfica, com ou sem-vergonha, a nossa missão é sempre a mesma: fazer tudo mais do que eles e ganhar. Correr mais, lutar mais, bater mais, jogar mais. E ganhar. Sinceramente, acho que falhámos em alguns desses pontos. Fomos superiores, sim, mas não de forma tão evidente como eu espero sempre contra estes.

Entrámos mal, com receio não sei de quê, e deixamos que eles ganhassem indevida confiança. Equilibramos, passamos a estar ligeiramente por cima mas nunca de forma avassaladora, excepto nos últimos dez (+4) minutos, finalmente em superioridade numérica. 

Em boa parte, creio que o erro esteve nas opções estratégicas de Sérgio Conceição. Bem no onze escolhido, mal nos tais 99% de "adivinhação" da forma como o adversário ia jogar. E a reagir a ela. A colocação de Herrera tão subido acabou por ditar novo desequilíbrio no miolo e correspondente dificuldade em travar as investidas, ganhar segundas bolas e construir de forma organizada. Faltava sempre gente para pegar, para receber, para tocar e ir. Só depois do intervalo (uma parte "ao ar") se notou o imperioso reajuste, o que é difícil de compreender.




Outro ponto que me decepcionou, à luz dessa minha exigência de ganhar sempre no Dragão, foi a troca de Soares por Aboubakar. Sérgio como que se justificou com a entrada prévia de Otávio e o cansaço acumulado do camaronês, mas eu não "engulo" nenhuma das duas. 

Primeiro, sendo Otávio um jogador sem ritmo algum, parece-me descabido sacrificar o nosso melhor marcador por antes ter optado pelo brasileiro. 

Segundo, cansado ou não, este era o jogo onde tinha de dar mais do que tinha - ele e todos os demais - pelo que não me encaixa. Brahimi foi um elemento em claro sub-rendimento, desaparecido do jogo durante largos períodos (mais ainda na segunda parte), pelo que seria mais lógico ser ele o sacrificado, arriscando colocar Soares e Abou lado a lado e Marega a carregar a partir do flanco, com o apoio de Herrera e dos laterais para um assalto final mais físico e directo (estava evidente que o adversário recuara e não dava grande espaço para os desenhos do argelino).

Não arriscamos tudo para ganhar, certamente com receio de perder. Entendo, mas não concordo. Kelvins aparecem de 100 em 100 anos. Ainda assim, criámos oportunidades para ganhar, verdade? Então de que me queixo, das opções do treinador ou da falta de pontaria? Ambas, evidentemente. Tivesse havido a pontaria e estaria muito mais feliz, mas na mesma a apontar o dedo ao treinador.

Falta agora o óbvio: mesmo com opções técnicas discutíveis e tremenda falta de eficácia, teríamos ganho o jogo e, com grande probabilidade, por mais de um golo de diferença. Primeiro, porque marcamos um golo que nos foi surripiado a meias entre o fiscal de linha e Jorge Sousa: um porque levantou o pequeno pau, o outro porque apitou de imediato, inviabilizando a intervenção (not) do VAR. Segundo, porque ainda na primeira parte Luisão fez penalti, visível no campo e claríssimo nas repetições televisivas. Ficariam desde logo com dez e - provavelmente - a perder. E seria outro jogo, como é óbvio.

Tudo somado, fomos menos competentes do que se exigia e uma vez mais indecentemente prejudicados pela equipa de gatunagem. Em nossa casa e em dia de visita do inimigo. No final, tudo embora caladinho, que o cheque chega na mesma no final do mês. Não aceito.


Tão crescidinhos mas tão ingénuos ainda...


Notas DPcA 


Dia de jogo: 1/12/2017, 20h30, Estádio do Dragão, FC Porto - SL Benfica (0-0)


José Sá (7): Primeira intervenção algo titubeante mas sempre em crescendo a partir daí, culminando com a grande intervenção aos pés do isolado Krovinovic.

Ricardo (5): Primeira metade fraquinha e alguns erros defensivos comprometedores espalhados ao longo do jogo.

Alex Telles (6): Mais retraído do que o habitual, não conseguiu fazer a diferença nem nas bolas paradas.

Marcano (6): Regular e discreto, como convém.

Felipe (5): Brigão mas alguns erros perigosos.

Melhor em Campo Danilo (7): Não sendo brilhante, foi o jogador em que mais me revi enquanto jogador à Porto. Quem sabe o que isso é, não precisa de mais explicações.

< 60' Sérgio Oliveira (6): Muita luta e desigual naquele miolo, o que acabou por lhe retirar tempo e espaço para construir.

Herrera (6): A primeira metade viu o regresso do velho e mau Herrera, quase sempre mal posicionado a e passar mal a bola. Melhorou um pouco no regresso e quase virava herói nacional, não fosse o desarme ilegal da dupla árbitro / fiscal-de-linha.

Brahimi (6): Sendo o enorme talento que todos sabemos que é, tem este pequeno/grande defeito de raramente aparecer nos grandes jogos. Neste, exagerou até na sobriedade. Teria sido o meu sacrificado para acrescentar poder de fogo.

Marega (7): Não fosse pelos desperdícios capitais, seria o melhor em campo. Foi quase só ele a criar perigo lá na frente e a lutar contra a corrente. Grande regresso de lesão, cruéis os falhanços, tão decisivos como as vigarices da arbitragem.

< 76' Aboubakar (6): O lutador do costume, conseguiu segurar muitas bolas e dar tempo aos companheiros para subir, embora por vezes tenha exagerado nesse controlo de bola. Para não variar, dispôs de uma oportunidade flagrante para marcar, desta feita reaproveitada por Herrera mas apenas para os vigaristas se divertirem a anular.

> 60' Otávio (6): Sentiu naturais dificuldades, vindo de longa ausência competitiva para um jogo tão intenso. Foi reagindo e acabou mesmo o jogo a ganhar uma bola na raça e servir exemplarmente Marega para o que seria o justo golo da vitória, se o maliano tivesse mais (algum?) acerto. 

> 76' Soares (5): Pouco ou nada, foi o que o vi fazer de concreto e efectivo.

Sérgio Conceição (5): Já expliquei quase tudo acima, foi surpreendido pela forma como o adversário entrou no jogo e demorou muito a conseguir reagir (ou a conseguir que a equipa reagisse, o que vai dar ao mesmo). Depois, não viu bem as substituições nem quis arriscar tudo para ganhar - entendo, mas discordo, porque mesmo assim eles tiveram as suas oportunidades. No entanto, poderia e deveria deitar-se hoje feliz da vida e com a consciência de dever cumprido, não fosse pelo assalto de que fomos vítimas por parte dos miseráveis do apito. Vá lá que, terminado o jogo, não deixou passar nada em claro. Não remedeia, mas alivia a dor de não ter NENHUM dirigente do Clube a dar sinais da mais pequena reacção que fosse.





Outros Intervenientes:



São sem-vergonha e não me merecem uma linha que seja. Jaula com eles, para que um dia clube e adeptos se possam voltar a orgulhar do que já foram.

Sobre a ladroagem de Jorge Sousa e respectiva cáfila (com destaque o "duas bossas" Hugo Miguel), há muito para dizer, sendo que o essencial é que nos impediram, ilegalmente, de ganhar o jogo:

- Começou logo pela falta não assinalada sobre Sá na pequena área;

- Aos vinte minutos, um lance muito, muito duvidoso entre Jardel e Marega dentro da área;

- À meia hora, o momento zen da noite: Herrera remata, Varela defende para canto e o árbitro assinala pontapé de baliza ou uma qualquer infracção inexistente;

- Pouco depois, fizeram vista grossa ao mimo de Jonas na cara de Danilo;

- Em cima do intervalo (minuto 44), começaram a mudar a história verdadeira do jogo, ao deixar passar incólume um penalti claro de Luisão, a que acresceria respectivo segundo amarelo e correspondente expulsão;

- Aos 55', golo extorquido por offside inventado pelo bandeirinha e prontamente oficializado pelo árbitro, impossibilitando o VAR de ter o gostinho de ser ele a invalidar um golo limpo;

Com o jogo já totalmente inquinado, fizeram por disfarçar a coisa, ao expulsar correctamente um inimigo por acumulação de amarelos a pouco menos de dez minutos para os noventa. Ah, e faltou também um amarelo a Felipe, logo no início, por entrada (pouco) dura sobre o farsante Jonas. Ena...


Vídeoquê?
 

Seguimos na frente, mas o campeonato como que recomeça agora. Esfumou-se a confortável vantagem tão arduamente conquistada. Veremos se a crença e a pujança se mantêm intactas.

Quanto a mim, é provável que pare de escrever por uns tempos. 

Comecei o blogue pela necessidade inadiável de defender o meu Porto de tudo o que o lhe estava a ser infligido, tanto daquela pouca-vergonha que hoje todos conhecem por polvo, como do evidente declínio da gestão de Pinto da Costa - incapaz de combater essa sem-vergonhice - e gritante falta de alternativas para um novo rumo.

Ao fim deste tempo, pouco mudou. 

Os vigaristas enchem a boca com um tetra da treta, mais falso do que eles próprios, dando-se ao desplante de vir a nossa casa gozar com os "pretos", roubar-nos debaixo dos nossos narizes e sair daqui a sorrir, sem que nada lhes aconteça. 

E o que dizem ou fazem os dirigentes por nós vós eleitos? Nada, zero. Pinto da Costa manda umas atoardas quando nada o justifica, normalmente a anteceder um mau resultado desportivo - desta vez foram dois (and counting); restante administração, nem vê-los, excepto a tentar justificar o injustificável, de seis em seis meses. Ficam o FJM e o treinador sozinhos, cada um em seu "departamento", a dar o corpo às balas e gritos de revolta. Para isso, façam do Francisco presidente, sempre fica mais em conta.

Por outro lado, se um destes dias ouvirem notícia de que um selvagem Portista agrediu um árbitro (vigarista), um delegado (bajulador) ou um dirigente (corrupto), desconfiem e interroguem-se se não terá sido o Lápis que perdeu a cabeça. É o mais provável. Estou farto de ser roubado e gozado por cima. Passaram todos os limites, não se admirem com o que possa acontecer.



Do Porto com Amor,

Lápis Azul e Branco



29 comentários:

  1. Lápis,
    O futebol é a coisa menos importante das mais importantes da nossa vida. Não vale a pena descer de nivel, ficar igual aos sem vergonha por causa disso.
    Andamos numa maré de ser comidos - algo que para os da minha geração e mais velhos ainda, sabem o que isso é! - mas como tudo na vida, isso vai acabar. Haverá sempre um pedroto ou um novo Pinto da Costa que nos fará crescer. Mas não deveria ser assim!!!
    Deveria ser normal termos um país mais culto (que não é a mesma coisa que todos termos um canudo académico), com mais conhecimento, melhores qualificações, maior formação, e com maior justiça e menos corrupção a nivel politico. A partir daí a igualdade (possivel, claro está) é sempre a descer até ás bases. Porque este país erra muito e erra porcamente, e, vergonha total, não consegue aprender com os seus erros: veja-se o caso de Pedrogão; num país a sério e descentralizado, estas pessoas não seriam simples bolas de ping-pong!
    E para terminar com o bolo em cima da cereja, veja-se o caso de um cidadão que deve milhões a bancos, mas que se senta entre ministros!
    Por isso vamos descer ao nivel deles?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vejo como mudar a situação sem meter as mãos no esterco (neles, portanto). O que eles querem mesmo é que continuemos todos a ladrar sem nunca morder, para que a sua caravana sabuja continue o desfile até ao adro.

      Tenho filhos para educar e neste momento hesito sobre qual será o pior exemplo: resignar-me perante o que se está a passar ou ser eventualmente detido a fazer justiça com as minhas mãos.

      Eliminar
    2. Descer para ser igual nunca, mas, não é descer, mostrar inconformismo, e mostrar que não é a mediocridade dos amigalhaços que deve ser bitola, é o mérito... Acho que os dois têm razão! Sobretudo acho que somos sempre demasiados exigentes connosco e com a nossa equipe, sempre a achar que para nós só serve ser muito melhor, mas a verdade é que isso é parte do problema! Deveremos ser muito melhores pelo rigor que nos impomos, pela lisura com que funcionamos, mas não porque é sina, e terá de ser assim, já estamos habituados! Aí estou com o Lápis: que se f*** ! - Não temos de ser Paulinhos Santos, mas temos de ser Joãos Pintos...

      Eliminar
    3. A questão é essa: este será sempre um combate sujo, cada vez mais, porque as autoridades não se comportam como tal. Acabará por chegar às ruas, temo. A nossa lisura é o que eles mais desejam, para que seja ainda mais fácil "limparem-nos o rabinho". Contra porcos, não adianta ir bem vestido...

      Eliminar
  2. Caríssimo Lápis, percebo, entendo e sinto também toda essa revolta, tal como disse num dos seus posts anteriores, a minha mão continua fechada, pronta a voar para uns queixos. Agora deixo um pedido: não deixe de escrever, as suas palavras e os seus posts são autênticos bálsamos para esta alma portista.
    Forte abraço.

    ResponderEliminar
  3. Lapis quando for chame -me, nao va sozinho. Agora a serio, esta sem vergonha vai acabar e vai acabar em breve. Pode apostar. Como disse e bem, ha no fcp muita gente que pelo que ganha devia estar a tratar disso, mas um destes dias informo o da solucao.

    ResponderEliminar
  4. O que é feito de um Lápis que não escreve?!
    Pleeeease....!!

    ResponderEliminar
  5. percebo a frustaçao , fomos essencialmente roubados. Mas o pior mesmo foi o empate nas aves que nao devia ter acontecido e acontecer porque SC nao soube intervir a tempo no jogo.O futebol de SC tem de ter interpretes muito especificos para resultar e ser espetacular, faltam nos ha anos 2 medios a serio, intensos, rapidos, fortes, tecnicamente razoaveis, serao caros pois serao. MereciaMOS TER GANHO POR 2 OU 3 A VONTADE, temos de continuar a jogar e ganhar, eles nao podem roubar sempore e de forma tao descarada, SC nao ode querer que brahimi e corona por exemplo defendam de forma constante, nao foram feitos para isso, desgastam se e desmotivam se ou terao lesoes musculares. Em janeiro hernani, andre2, corona, layun, casillas, maxi, provavelmente reyes deverao sair e deverao ser contratados 2 medios muito bons,avançados com a equipa B temos de sobra. SC deve deixar de ser tao teimoso e perceber que nao e melhor treinador a encostar casillas e oliver, antes pelo contrario. TEMOS DE GANHAR AO MONACO, basta por um.

    ResponderEliminar
  6. Caro lápis partilho da sua frustração mas não deixe de escrever pois todos somos poucos para travar este combate desigual.
    Não temos quem nos defenda, não temos uma voz de comando, não temos um presidente. Este é mais um campeonato da vergonha e da falta de verdade desportiva. A quem interessa um campeonato assim? A quem interessa que a classe arbitral seja na sua maioria aprisionada pelo polvo? A quem interessa um CD que tem dois pesos e duas medidas? Quem devia lutar pela isenção e seriedade demite-se dessa responsabilidade e faz da competição uma farsa. Acho que batemos no fundo e que só passando para outro nível de reclamação poderemos ter algum retorno. Porque não ir para a UEFA mostrar as vigarices que aqui se passam? Por certo nas suas competições eles não querem um campeão que o foi à custa da batota. Porque esperamos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem mais para ir à UEFA do que o próprio Clube? Se eles não o fazem, acha que a UEFA ligaria pevide ao que diria um conjunto de adeptos? Está a imaginar o precedente que isso abriria?

      Esperamos por novas ideias, que nos conduzam a um futuro.

      Eliminar
  7. Não fizemos uma brilhante exibição, é certo, mas jogámos o suficiente para nos superiorizarmos aos vermelhos na maior parte do jogo e ganharmos por uma margem folgada não fosse a nossa ineficácia (ai Marega, Marega) a juntar a uma equipa de arbitragem que em vez de cumprir a missão de arbitrar, resolveu escamotear, com claro prejuízo para o FC Porto e influência directa no resultado. Não vou criticar a Equipa e o Técnico, afinal muito têm feito eles, entregues si próprios por ausência de uma Direcção que os respalde da sanha persecutória contra o FC Porto.

    Caro Lápis, tenciona parar de escrever por uns tempos, compreendo e quem sou eu para tentar demove-lo dessa intenção, dir-lhe-ei apenas que se tal acontecer terei pena, muita pena mesmo se nos privar, mesmo que seja um interregno, deste espaço de Portismo.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Cala-te e escreve. Shiu, era uma ordem!

    ResponderEliminar
  9. Agradeço todos os comentários, são de facto um incentivo (até mesmo os mais cretinos, que obviamente não publiquei), mas a questão é de certa forma pessoal: não me revejo a destilar nem a incentivar ódios, preciso de reencontrar algum equilíbrio mental antes de continuar. Mas voltarei. Em breve, seguramente.

    ResponderEliminar
  10. O Lápis só destila ódio contra Pinto da Costa, Xaninho e demais elementos do F. C. do Porto. Com o palhaço do Ministro da Educação, com os palhaços conterrâneos da arbitragem, com os palhaços da policia que encobrem o que se passou na alameda, nem uma palavra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este até publico, para que o autor se possa sentir orgulhoso do que escreve perante toda a gente.

      Nem me vou dar ao trabalho de responder porque quem me lê não merece que eu o menospreze dessa maneira.

      Eliminar
  11. Infelizmente por motivos pessoais/profissionais não vi o jogo, aliado ao fato de que não vivo rodeado por lampiões, consegui digerir este momento sem entrar em colapso! Mesmo assim foi por pouco...
    Sendo realista prevejo uns meses difíceis pela frente! Todos na frente muito perto, nós vamos ter mais jogos com a Europa e os roubos não vão terminar... ainda assim confio na equipe! Estão a fazer uma boa época e se conseguirmos manter a moral em alta com mais algum reforço em Janeiro podemos fazer desta temporada mais uma história épica para contar ao longo dos anos! Abraço

    ResponderEliminar
  12. Agarrem-me senão eu mato-os.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, também me parece melhor que o agarrem... Mas com um colete branco, daqueles que apertam atrás.

      Eliminar
  13. Caro Lápis,

    Eu, que lei o blog com interesse, apesar de torcer pelo adversário, lamento que deixe de escrever. Costumo seguir com interesse os seus escritos, pelo que desejo que reconsidere.

    Em relação ao jogo, tanto a sua visão como a minha estão, indelevelmente "toldadas" pelo amor clubístico. Mas, não fora por esse amor, e não viveríamos o futebol com esta paixão.

    O Benfica foi melhor na 1ª parte e, ao contrário do que disse o Sérgio Conceição, conseguiu efectivamente surpreendê-lo. O Porto equilibrou perto do intervalo, mas sem criar perigo.

    Na segunda parte um Porto muito mais dominador, e o Benfica a aparecer, até com algum perigo, mas em jogadas absolutamente isoladas. Foi um Benfica que apenas defendeu e que, a mim pessoalmente, me pareceu mal fisicamente.

    Em relação ao árbitro, como seria de esperar, a sua visão é bem diferente da minha. Não tanto pelos lances que refere, mas mais pelos que não refere...

    No lance do Luisão, eu penso que foi penalti. Até pela reacção dele ao tirar o braço. No entanto, já vi várias repetições que me deixaram a certeza absoluta de que foi penalti, e outras que me deixaram a certeza absoluta de que NÃO FOI. Enfim, perante este cenário, e havendo uma centelha de dúvida, penso que o VAR foi prudente ao não assinalar o penalti.

    O lance que originou o "golo anulado" é absolutamente inacreditável. Os jogadores do Porto estão vários metros em jogo. No entanto, com o jogo interrompido antes, já não havia a possibilidade de recorrer ao VAR.

    O problema é que, apesar do VAR, o árbitros continuam a ser avaliados pelas decisões que tomam. Ou seja, o fiscal achou que era fora de jogo, e não quis arriscar uma má nota, deixando o lance seguir.

    Acho que, para proteger o futebol e os árbitros, deveria ficar estabelecido que, em TODOS os casos em que tivessem dúvidas, deveriam deixar seguir o jogo, sem que isso penalizasse a sua própria nota, e depois o VAR avaliaria a jogada se necessário fosse.

    Mas, em relação ao que não disse, antes destes lances duvidosos, já o Filipe deveria estar fora por acumulação de amarelos (para não dizer logo por vermelho directo aos 10 minutos).

    O Alex Telles também corta com o braço um lance de contra ataque, e o árbitro nem assinalou, quanto mais mostrar o respectivo cartão.

    Há um claro agarrão ao Luisão na área do Porto, sendo que é o tipo de faltas que ninguém marca.

    Para terminar, referir o empurrão do Marega a um elemento do banco do Benfica, que foi expulso e bem expulso, mas que também não teve consequências disciplinares.

    Enfim, o árbitro errou para ambos os lados e, sinceramente, penso que do Jorge Sousa ninguém cometerá a leviandade de dizer que ele é "simpatizante" do Benfica.

    Termino para realçar a postura do Sérgio Conceição na flash interview. Penso que não são maneiras de estar no futebol. Estava completamente alterado e fora de si.

    Desejo um óptimo Natal a todos os adeptos de futebol de todos os clubes.

    ResponderEliminar
  14. Caro Pedro, seja bem-regressado.

    Se consultar a definição de "prudente" em qualquer dicionário, por certo que não encontra (ainda?) nenhuma alínea que diga "aquele que beneficía o Benfica em caso de dúvida" nem sequer "o que protege o Benfica a bem da sua progressão na carreira". E enquanto assim for, só sobram duas opções: ou é incompetente, ou é desonesto. Em qualquer dos casos, não pode ser juíz de futebol (nem de outra coisa qualquer, se for a segunda opção).

    Eu vi, o Pedro viu, toda a gente viu, numa terceira ou quarta repetição, quer era penalti. O VAR, com todos os ângulos à sua disposição, não viu porque não quis ver. Simples.

    Se fosse caso virgem, eu dava benefício da dúvida. Quando o erro é sistematicamente contra o Porto, dissipam-se as dúvidas. É intencional, queira ou não a sua paixão benfiquista reconhecê-lo.

    Antes disso, já um penalti tinha ficado por marcar por falta de Jardel sobre Marega. Esse sim, admito difícil de ver no campo, mas claro nas repetições. VAR? VAR? VAAAAR?...

    O lance do golo é igualmente grave. Com a experiência que tem, o senhor Sousa sabe perfeitamente que se não apitar até ao final do lance, o VAR fica em condições de actuar e evitar um erro grave, como acabou por (coincidentemente) acontecer. Se apita, é porque sente o bafo a polvo no pescoço. Leia o BB sobre as quase-descidas de Jorge Sousa e Hugo Miguel (coincidentemente, o VAR deste jogo!), aquando da degola do árbitro Marco Ferreira. Está bem resumido e claro, até para passar por essa barreira de paixão que lhe tolda o discernimento.

    Tirando o lance do Felipe (para mim, amarelo por mostrar, mas não me lembro onde seria o segundo amarelo), não me apercebi de mais nenhum erro grave a favor do Porto (ainda assim, de gravidade relativa comparado com os dois lances capitais - e no primeiro, Luisão era expulso). Não sei qual o lance do Telles, mas admito que tenha existido. Já o tal agarrão, ainda bem que já respondeu por mim - se nos marcassem todos os penáltis como marcaram o do Sporting contra o Benfica de Belém, era meia-dúzia por jogo. Mas não peço tanto, até porque gosto do contacto no jogo.

    Tudo somado, vitória vergonhosamente roubada ao Porto. Sem discussão, creio. Tal como na semana passada. Lá está, 8 muito prováveis pontos de avanço e caixão selado.

    Se acha que isto é "uma visão toldada" pela clubite, talvez seja tempo de uma pequena introspecção. Normalmente, é o sucesso que cega, não a míngua.

    Um abraço e retribuo os votos

    ResponderEliminar
  15. Olá, Caro Lápis.

    Eu, tal como milhares de Portistas, também vi o jogo. E senti-me, naturalmente, defraudado. E, ainda mais naturalmente, ROUBADO. Vilipendiado. Gozado.

    Deixe-me juntar às dezenas de pessoas que lhe pedem para não deixar o seu blog. Mesmo que seja um interregno. É um dos poucos blogs PORTISTAS que sabe debater, discutir, defender e criticar o seu, o NOSSO CLUBE. E fá-lo com uma pitada de humor, que, em abono da verdade, o diferencia de muitos outros blogs. E acredite em mim: é rara vez que não acabo uma leitura dos seus posts sem um sorriso nos lábios. É um bom sinal!

    E sim, considero que fomos roubados. É uma evidência. É uma evidência de que o glorioso ("glorigozo"?) SLB, neste momento, é uma equipa ajudada pela arbitragem. Veja-se a diferença gritante de desempenho no nosso campeonato e na Champions. Mau demais, não é verdade?

    Eu nem sequer vou comentar os dois lances capitais do jogo, porque já foi tudo dito. Não há desculpa. Não há desculpa para tamanha incompetência. Se no lance do penalty do Luisão vê-se, de forma clara, o Aboubakar a pedir ao árbitro que peça ajuda ao VAR, penso que está tudo dito. Mau demais. Mau demais para ser verdade.

    No entanto, tenho que lhe dizer que, por mais que tenhamos sido roubados; é verdade que não foi o árbitro nem o VAR que pediram ao Marega para que não acertasse com o pé na bola numa das oportunidades nem que cabeceasse a bola por cima, com a baliza aberta, no último minuto. Tenho que dizer que não foi o árbitro nem o VAR que fizeram macumba para que o Sérgio Conceição tenha preparado a equipa de modo a deixar-se surpreender pelos lampiões... espere lá. Já que o "nacional-benfiquismo" é capaz de tudo, pode ser que a macumba tenha resultado! ;-)))

    Mas pronto. Se há benfiquistas que ainda sabem o que é futebol, e com quem podemos discutir futebol, o "nacional-benfiquismo" ainda consegue branquear a podre situação que se vive no futebol português. Eles não querem paz. Eles querem que se deixe o Benfica em paz (como diria a equipa do "Baluarte Dragão", julgo eu).

    Continue a zurzir-lhes sem dó nem piedade, caro Lápis. Da mesma maneira que critica e deve criticar a nossa Direcção, que não reage, não toma medidas, nem dá um murro na mesa. Só mesmo o Francisco J.Marques a fazer o papel "fala-barato" e de "chato".

    Um forte abraço, e não deixe que um Hugo Gil e Polvo ou um (AS)S.L.B (que tem uma maravilhosa pérola no fim com isto: http://nao-se-mencione-o-excremento.blogspot.pt/2017/12/na-luta.html?m=1) ganhem esta luta.

    Até breve! :-)

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.