Do Porto com Amor: Circus Maximus

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Circus Maximus


Está feito, missão cumprida! Estamos de volta ao nosso habitat natural. Pela 21ª vez


Assim se constrói um grupo


Hoje seria muito mais interessante para mim falar apenas do enorme feito conseguido na città eterna e da extrema importância que assume para o nosso futuro próximo. Já o tinha dito, com todas as letras: este era o jogo mais importante da temporada. Além do que faria transportar para o jogo do próximo domingo (como metáfora de todas as competições internas), era o equilíbrio financeiro que estava em causa - ou, para ser mais preciso, a sobrevivência financeira num ambiente de elevada alavancagem como é a nossa.

Conseguimos eliminar o pior (leia-se "melhor, mais forte") adversário de entre os possíveis. Calhou-nos a AS Roma no azareio, o que desde logo nos transformou nos cães de baixo (sim, é piada, intencional, obrigado e voltem sempre). Após uma primeira mão, que terminou com um resultado complicado (ver deliciosa imagem abaixo), ainda mais distante ficou o hino da Champions.

Felizmente, hoje (ontem) voltámos a ter a estrelinha dos champions. Por completo, diga-se. Aliás, não me lembro de termos tido tanta felicidade junta numa eliminatória europeia. Felizmente não a desperdiçamos (apesar das tentativas...).


Olha o melão fresquiiiiiiinho!


E agora o jogo.

Primeira parte aceitável, apesar do desnorte que se seguiu à primeira expulsão. Começamos a pressionar bem à frente, o que durante 20 minutos confundiu e atrapalhou o adversário. Depois, já em vantagem no marcador, aceitámos a superioridade do adversário e procurámos surpreendê-los em contras rápidos e nas bolas paradas. Correu bem, marcámos cedo e ficámos "como queríamos" no jogo. Bem estudada a lição para o onze contra onze.

Não contavam era ter que jogar contra nove. Evidentemente que é um grande bónus, mas quanta gente não se perde após ganhar o Euromilhões por não saber lidar com tanta sorte junta? Nós não "nos perdemos", mas quase sofríamos a humilhação de ver a bola no fundo da nossa baliza quando o adversário só contava com nove jogadores. Cheguei a ter vontade de desligar a televisão, tamanha que foi a irritação que me provocaram naquela fase. Foi preciso Layún fazer o segundo para todos acalmarem e assumirem de vez que estava tudo (apenas) nas nossas mãos. Os de Roma já tinham cortado as suas.

A partir daí, geriu-se bem o que faltava do jogo, com um grande golo pelo meio e mais umas quantas oportunidades. Chegou, mais do que chegou, ainda que fruto de erros alheios. Mas saber aproveitá-los é uma grande virtude.


A eliminatória virada ao contrário



Notas DPcA: 

Dia de jogo: 23/Ago/2016, 19h45, Estádio Olímpico de Roma. AS Roma - FC Porto (0-3).


Casillas (6): Três ou quatro defesas de champions, dignas de um jogador com o seu currículo, em profundo contraste com os infantis disparates que foram algumas reposições de bola e passes à queima para companheiros. Não o admito de um jogador tão experiente e reforço o meu voto para que José Sá seja levado a sério como candidato à titularidade.

< 47' Maxi (6): Esteve bem (concentrado e empenhado) até ser ceifado por De Rossi. Ressentiu-se logo a seguir e saiu de maca. Recupera depressa Maximiliano.

Telles (7): Exibição muito consistente durante toda a partida, sempre mais focado em fechar o flanco mas sem com isso deixar de fazer investidas na frente de ataque. Tem sido sempre a melhorar e ainda bem.

Marcano (7): Tal como Felipe, sentiu naturais dificuldades frente à categoria dos avançados romanos, mas não se atemorizou e principalmente não meteu água. Bom jogo...

Felipe (8): Ainda outra exibição com oscilações, mas desta vez com os pontos positivos a superarem largamente os negativos. Pelo golo fundamental, pois claro, mas também pelo acerto defensivo que revelou mais adiante (depois das tais oscilações). Está a melhorar, aos poucos, e vai dar bom central. Podem confiar.

Danilo (7): Voltou o meu Godzuki, impositivo e dominador do seu espaço. Também enfrentou dificuldades várias, a principal das quais um jovem belga com um talento excepcional. Mas, conseguiu sair ileso e isso só tem que ser valorizado (em milhões de euros).

Herrera (7): Avanço já para a boa assistência para o golo que matou a eliminatória (o segundo), momento mais alto da sua exibição. Antes e depois, lutou muito, acertou menos, mas globalmente bem.

André André (7): Outra boa exibição, como já não fazia (durante tantos minutos) há muitos meses. É bom tê-lo de volta a este patamar, para que possa retomar onde parou e continuar a crescer como jogador.

Melhor em Campo Corona (8): Continua em grande o Tecatito e de novo provou que foi um erro ter prescindido dele no onze inicial na primeira mão. Exibição muito completa, que ganhou fulgor quando aumentou o espaço nas costas da defesa da Roma e que teve como corolário um belíssimo golo. Continua rapaz, já em Alvalade de preferência.

< 57' Otávio (7): Voltou à faixa esquerda e com isso voltou a desequilibrar. Foi dele o passe para o golo de Felipe, mas fez muito mais, em especial na primeira parte, em quem manteve a defesa romana sempre em sentido. Saiu cedo mas percebe-se porquê. Contribui bem para o desfecho final.

< 66' André Silva (7): Não marcou mas fez um bom jogo, desgastando ao máximo a defesa contrária e procurando dar tempo e espaço para os companheiros se adiantarem no terreno. No lado menos positivo, registo o ter voltado a agarrar-se em demasia à bola em vários momentos. É de ser tenro, certamente. 

> 47' Layún (8): Entrou mais cedo do que estaria à espera, mas em boa hora o fez. Encaixou-se bem e apesar de a sua entrada quase ter coincidido com o pior momento da equipa, foi ele a pôr-lhe um ponto final com um belo golo de difícil execução. Hoje não assistiu (shame on you)... marcou!

> 57' Sérgio Oliveira (5): Os primeiros momentos em jogo marcaram tudo o resto. Más opções, cartão amarelo e um suspiro. Aos poucos foi melhorando, preferindo a discrição ao "exibicionismo" como forma de se resguardar. Tem que entrar mais concentrado, para não perder o comboio...

> 66' Adrian (5): Trocou com AS e assumiu a frente de ataque sozinho, ainda que sempre secundado por Corona e pelos médios que se adiantavam à vez. Não fez nada de especialmente relevante no jogo, mas contribui com a sua quota-parte.





Nuno Espírito Santo (8): Garantiu a passagem à fase de grupos, é isto que realmente conta e que marcará a sua carreira no clube. Mas como a análise se restringe apenas aos 90 minutos de Roma, há que acrescentar algo mais. Fez alinhar de início o que para mim era o melhor onze possível e (coincidência ou não) a resposta inicial foi boa. Tivemos a sorte e o engenho de marcar cedo (e primeiro), o que nos deixou a respirar muito melhor. Depois veio a primeira expulsão e um desnorte difícil de entender até ao intervalo. Mas pior, muito pior, foi a autêntica desgraça de exibição a que se assistiu entre a segunda expulsão romana e o nosso segundo golo. Quase 25 minutos de puro horror, tal a impotência da equipa para controlar um adversário tão inferiorizado e para matar o jogo de vez. Total incapacidade para tirar partido da dupla superioridade numérica e risco eminente de sofrer golo em vários lances. Muito difícil de compreender, mesmo descontando a normal ansiedade que o jogo transportava para os jogadores. As mudanças não convenceram, mas acabaram por dar os frutos desejados. Portanto, esqueçamos esse período horribilis do jogo e foquemo-nos no essencial: parabéns Nuno pelo apuramento. 



Outros intervenientes:


Não há equipa ou treinador que resista a erros individuais desta magnitude. Depois de Vermaelen do Dragão, agora foram De Rossi e Emerson a enterrar os romanos para as profundezas da Liga Europa. Continuo a não ter dúvidas de que têm melhor plantel e uma equipa muito mais trabalhada. E um grande, grande craque: Nainggolan. Que enorme jogador, merecia mesmo jogar de azul e branco...

"O azul, que bem que te fica(va)"


Hoje abro uma justíssima excepção e incluo o árbitro na análise qualitativa junto com os jogadores. Este senhor Szymon Marciniak merece ser destacado como co-Melhor em Campo, tal a qualidade extrema da sua exibição arbitral. No meu conceito do que deve ser o futebol, esteve simplesmente perfeito. Corajoso, imparcial e a não marcar as faltinhas que tanto prejudicam o futebol (com o português à cabeça). Muitíssimo boa prestação, merece ser seguido com atenção e ter mais oportunidades ao mais alto nível.


Muito bom estarmos de novo na Champions. Amanhã reabrir-se-ão por certo as (até agora) perras torneiras que matam a sede aos ávidos vendedores e empresários (e...) de craques. Espero que com melhor critério do que nos últimos anos. Apenas bons jogadores e que nos façam falta. Óliver, central, avançado. Tudo o mais, antes de isto assegurado, será sempre supérfluo.


Nota final para o símio Rui Gomes da Silva: agradecido pela motivação extra, estou certo que foi importante para o resultado final.



Do Porto com Amore



20 comentários:

  1. melhores em campo casillas e filipe. Danilo imporessiona como nao ganha um lance de cabeça, naigolan podia ser trocado pelo herrera. Temos equipa e grupo o mais importante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Opiniões... essa maravilha da democracia :-) O importante é que estamos lá.

      Eliminar
  2. 2 injustiças:
    Não nos limitamos a aproveitar os erros alheios. Provocamos, procuramos e, depois sim, aproveitamos. Ainda que nem spre bem, de acordo.
    Deixar o MSL fora do saco do símio é injusto. Ele merece. E quer. :)
    Abraço
    PS. É muito melhor cães de baixo do que debaixo dos cães, que tb dava. Credo. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Who let the dogs out? Ouff! Ouff! Ouff! Ouff!

      Não quis (e creio que não escrevi) que nos limitamos a aproveitar erros. Mas para encontrar uma eliminatória deste nível em que três jogadores tenham sido expulsos, dois no segundo jogo, convenhamos que não deve ser fácil.

      Confesso que fiquei possuído com o nosso "jogo" após a segunda expulsão, mas passou depressa :-)

      MSL: Miguel Sousa Lopetegui? Se sim, não concordo. Não se pode meter mais ninguém no mesmo saco do símio, por causa das doenças venéreas.

      Eliminar
  3. Análise fria mas globalmente ajustada.

    Nainggolan, conhecia, mas pouco mais para além do nome.
    Depois destes 2 jogos, principalmente ontem, é de facto um jogador impressionante.
    Ainda vai a tempo de arranjar clube à sua dimensão!
    Nós temos dimensão desportiva, mas não o dinheiro! :)

    Cumps

    ResponderEliminar
  4. Bem o Nuno por não inventar e meter o melhor onze e a jogar de igual para igual. Bem a equipa, muita entrega, muito querer. Já temos onze, não temos plantel. Sergio Oliveira mal, muito mal, não sei se por cansaço, parece estar em má forma fisica, talvez pela participação nos JO, decide quase sempre mal. E o Adrien, bem pode disfarçar num jogo ou outro, não tem qualidade. Parabéns também aos nossos adeptos, foram enormes.

    ResponderEliminar
  5. Eu cada vez percebo menos como e que o Danilo e tao idolatrado (como e que o Lapis lhe da uma nota superior a Casillas e a mesma que Otavio, Telles, etc...?)

    Eu juro que nao o vi a tocar mais do que 5 vezes na bola... E verdade que nao fez merda quando tinha a bola, mas quantas vezes os romanos passaram por ele (ou pela sua zona) como se ele nao estivesse la? Nao esqueca que o tal miudo belga fez 7 (SETE) remates, a maioria exatamente da area onde o Danilo deveria estar...

    Ele nem precisa muito para melhorar, basta-lhe correr em vez de fazer jogging cada vez que o adversario ataca em velocidade, de maneira que nao fique SEMPRE para tras...

    Tirando isso, excelente analise (eu punha o Filipe como melhor em campo, mas isso sao pormenores). Grande vitoria!

    ResponderEliminar
  6. Só para chatear:

    Herrera --> 91% de eficácia de passe.
    7 em 9, longos.
    31 em 34, médios.
    15 em 15, curtos.

    Danilo --> 96% de eficácia de passe
    3 em 3, longos.
    40 em 41, médios
    3 em 4, curtos.

    André Andreé --> 91% de eficácia de passe
    2 em 4, longos.
    39 em 42, médios.
    9 em 9, curtos.

    fonte: http://pt.uefa.com/

    Pancas,
    Lamento, mas o Danilo tocou pelo menos 48 vezes na bola.
    É pena que o site da uefa não tenha os desarmes, recuperações de bola, e afins...

    Tirem as vossas conclusões.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. La vem o Carrela com as estatisticas insignificantes e sem contexto.
      Olhe, quer mais umas?

      Sergio Oliveira -> 100% de eficacia de passe
      Corona -> 74% de eficacia de passe

      Portanto pelas teorias do Carrela, o Sergio foi o melhor em campo ou perto e o Corona um dos piores!!! E o que da as estatisticas...

      Mostre-me la as estatisticas que desmentem o que eu disse sobre o posicionamento, a velocidade ou os adversarios que brincaram na sua zona - eu ate disse que ele nao errou quando tinha a bola nos pes...

      Eliminar
  7. Pancas, mais uma vez a descontextualizar, porque........... está entalado e dá jeito.

    Diga lá onde é que eu disse que este ou aquele foi o melhor em campo?
    É evidente que o melhor em campo passa por um Corona, Filipe, Layún ou Otávio...
    Porque lá está... são mts as variáveis!

    Danilo, acabou por fazer um bastante bom jogo. Deu muito mais ao jogo que eficácia de passe, como é evidente!
    Acontece que tocou um pouco mais de 5 vezes na bola... quase 50!
    O que é um erro de 1000% afinal? Insignificante...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carrela,
      Como e obvio eu estava a exagerar qd falei em tocar 5x na bola. Eu acho q o Danilo nao e nada de especial mas nao quer dizer que ele devia estar nos distritais - so um jogador dai e que tocava 5x na bola naquela posicao.

      O que eu estava a demonstrar era a realidade do que as estatisticas sem contexto mostram.

      E ainda estou a espera que me diga o que e que ele trouxe ao jogo. Mas tem de dar exemplos especificos, nao vale so dizer que "teve um jogo bom" ou que "foi um tampao". Eu consigo dar-lhe exemplos concretos do que Otavio, Layun, Filipe ou outros fizeram com descricoes de jogadas e movimentos- voce consegue fazer o mesmo?

      Eliminar
    2. A sério pancas?
      Quer ir por ai?
      Quem me dera ter tempo para rever o jogo e contar ou rever todas as suas intervenções no jogo, infelizmente n tenho vida para isso.
      Não me recordo de erros graves, não sei precisar, mas foram várias as recuperações, os desarmes etc etc... preencheu bem a sua zona e esteve muito presente no jogo, combinou mt com os colegas, fez parte da circulação eficaz que a nossa equipa conseguiu impor em boa parte do jogo.
      OK, o craque Belga ainda assim consegui fazer 6 remates (5 para fora e 1 no alvo).
      Para além de não ser um jogador qq, certamente que não foi tudo por culpa do Danilo.

      Ganhámos porque jogamos em equipa, porque as peças combinaram bem.
      Se por exemplo, Corona foi um dos melhores em campo, fica a saber que foi maioritariamente (de longe em relação a qq outro) "alimentado" por Herrera e Herrera por Danilo... bla bla bla. percebe onde quero chegar?


      Eliminar
    3. O Carrela disse tudo nesta frase:

      "Quem me dera ter tempo para rever o jogo e contar ou rever todas as suas intervenções no jogo, infelizmente n tenho vida para isso."

      Por esta razao, e tambem pela razao de que eu presumo que o Carrela (assim como 99% dos adeptos) nao tem nem formacao nem experiencia de futebol e que existe uma gigantesca diferenca na maneira de avaliar jogadores. Porque e muito mais simples (e rapido) usar umas estatisticas feitas e uma memoria (muitas vezes ja inquinada por avaliacoes previas) sobre o que se viu num jogo em que emocoes estao ao rubro.

      Garanto-lhe que se rever jogos varias vezes e se focar num jogador para avaliar em vez de seguir so a bola, iria ter uma opiniao bem diferente sobre muitos jogadores. E tambem se tirar dos pensamentos o que a maior parte dos adeptos acha sobre um jogador antes de fazer uma analise especifica das suas accoes.

      Pois eu posso dizer-lhe o seguinte sobre o Danilo. Durante o jogo pareceu-me ve-lo desposicionado varias vezes. Portanto revi o jogo, como costumo fazer, e foquei-me nele.
      Ele fez alguns desarmes, sim, mas muito pouco para o caudal ofensivo que passou pela sua zona. Em pelo menos 4x que os romanos aceleraram pela zona central, o Danilo recuou a passo acelerado, em vez de correr, e portanto a linha defensiva ficou exposta aos ataques. Tambem o vi fazer uma data de passes sem necessidade, simplesmente dando a bola ao colega que estava mais proximo, sem tentar ganhar terreno e sem tentar atrair adversarios para os deixar atras da linha da bola.
      Finalmente vi um so passe razoavelmente importante, vertical, a colocar um colega em boa situacao.
      Ora eu como ja disse prefiro o Ruben porque normalmente na parte defensiva faz praticamente a mesma coisa (e recua mais depressa) mas contribui com muitos passes verticais que ajudam a equipa a ganhar terreno.

      Eliminar
  8. Pancas, esqueci-me de responder à questão do Sérgio.
    Não quero que pense que n quero responder.

    A amostra do Sérgio é menor que a dos restantes, pois esteve menos tempo em campo, ainda assim,
    apenas ajuda a confirmar aquilo que TODA a gente sabe, o Sérgio é bom no passe!
    Havia dúvidas sobre isso?
    Acha que essa evidência resulta da subjectividade de uma opinião ou da factualidade dos números?

    Lamento que continue a concluir que este ou aquele é melhor jogador, só porque alguém diz que ele é bom em determinada característica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carrela,
      Ja ai discordamos - eu nao acho que ter 100% ou perto de eficacia de passe queira dizer que se e bom no passe... So quer dizer que e bom a fazer o tipo de passes que fez.
      Se EU estiver em campo, liberto de adversarios e sempre passar a bola para um colega que tambem esta liberto de adversarios, e esse colega apanhar a bola mesmo que esta va 3 metros ao lado do alvo, entao ate eu consigo ter uma gigantesca eficacia de passe!

      Na minha visao do jogo, ser bom no passe, tambem quer dizer:
      - passar a bola de maneira a que o meu colega fique na melhor posicao
      - tirar adversarios da jogada ao fazer o passe
      - passar de primeira com qualidade mesmo quando rodeado de adversarios
      - saber quando passar e quando reter a bola
      - conseguir fazer tudo isto a grande velocidade (aqui por exemplo o Sergio e fraco)

      Nao ha estatisticas que valham para medir isto. E as estatisticas que se fazem dao uma visao deturpada da realidade.

      Um exemplo claro - imaginemos que o Filipe atrasa a bola para o Casillas, mas a bola vai mal direccionada e lenta de maneira que o Casillas se ve num sprint contra um adversario para chegar a bola. O Casillas consegue pontapear a bola primeiro mas esta vai contra o adversario e saltita para dentro da baliza. O que dizem as estatisticas? Dizem que Casillas tem um passe falhado e um golo sofrido. Tambem dizem que Filipe tem um passe completo, grande eficacia de passe.
      (alias, este exemplo ilustra uma coisa que eu digo ha muito sobre o Herrera - ele faz passes que poem colegas em apuros, mas sai com estatisticas maravilhosas...)

      Portanto o que eu lamento e que qualquer pessoa tire quaisquer conclusoes de qualidade ou performance de jogadores baseadas nas estatisticas. As conclusoes devem vir das observacoes do jogador, de analise dos seus movimentos em relacao a bola e aos colegas, da interpretacao das suas decisoes no contexto do jogo.

      Eliminar
    2. Voltamos sempre ao mesmo... particularizar para descredibilizar...
      siga....


      Eliminar
    3. "Quase 25 minutos de puro horror, tal a impotência da equipa para controlar um adversário tão inferiorizado e para matar o jogo de vez. Total incapacidade para tirar partido da dupla superioridade numérica e risco eminente de sofrer golo em vários lances. Muito difícil de compreender..."
      Excelente vitória, mas quero ver consistência para crer do que NES é capaz. Aqueles 25 minutos arrepiaram-me e o restante tempo depois do 3-0, mostraram que há capacidade para controlar, só que convém confirmar se é por imposição nossa e não porque o adversário capitulou.
      Excelente grupo no sorteio. Temia o Borussia Mönchengladbach. Vi os 2 jogos com o Young Boys e fiquei maravilhado como simplificam o futebol, além de terem adeptos do nível dos de Dortmund.
      Oliver não era nem de perto nem de longe o médio que desejava (Nasri) mas desde que seja para o lugar do André André, qualquer um serve.
      Estamos no nosso habitat natural

      Vimos o mesmo jogo. Entre Casillas (enaltecer quando está bem), Felipe, Telles, Danilo ficaria bem o melhor em campo. Também Corona pelo enorme golo e Herrera pelo magnifico passe (dass..não há ninguém naquele meio campo que seja capaz de fazer passes daqueles mesmo com o adversário a jogar com 9?!, porque não se joga no espaço?)para Layun (excelente execução).
      O Pancas a dar-lhe com o Danilo, mas qual o papel de André André? É que não aparecia só o Nainggolan, apareciam diante de Danilo dois ou três e eles só tinham 9, com as nosssas linhas muito baixas.

      Eliminar
    4. Sim, realmente eu a dar-lhe com o Danilo.
      Eu, que dei exemplos concretos de situacoes em que o Danilo mostrou falhas obvias, estou a dar-lhe, mas o Kostadinov simplesmente porque lhe apetece (ja que nao descreveu um unico exemplo que o suporte) acha que o Danilo ate poderia ser considerado o melhor em campo.

      Nao prestei demasiada atencao ao Andrex2 quando revi o jogo, mas lembro-me de situacoes de pressing sobre a defesa romana em que ele estava envolvido e de um remate defendido pelo GR. Pareceu-me no geral ao nivel do resto da equipa.

      Eliminar
  9. Com a chegada do Oliver, creio que André André irá para o seu verdadeiro lugar... o banco!

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.