Do Porto com Amor: Dia de jogo: FC Porto - AA Coimbra (3-1)

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Dia de jogo: FC Porto - AA Coimbra (3-1)


É Natal, É Natal,

Sininhos e luz,

Já caiu, já caiu

O Sporting do Jesuuu-ús!


Getty Images


Foi ao som desta linda melodia natalícia que os nossos entraram hoje em campo para defrontar a  frágil Académica, que atravessa mais uma época conturbada.

E desta vez - quem sabe se já devidamente imbuídos do espírito da quadra - os nossos meninos entraram decididos a não voltar a desperdiçar prenda tão saborosa, com os cumprimentos do União da Madeira. E assim deram-me a prenda que mais tenho pedido ao longo da época, assumirem sem reservas o seu estatuto de favoritos desde o apito inicial.

Soltos, leves, velozes e com ganas, agarramos o jogo pelos cornos e fomos para cima dele(s) sem contemplações. Nenhum vendaval ofensivo, obviamente, mas o suficiente para encostar o adversário e quase não lhe dar tempo para respirar. 

Foi com naturalidade que ao minuto sétimo Layún (quem mais?) voltou a assistir de canto para o golo inaugural de Danilo, que respondeu bem de cabeça ao convite do mexicano. Tudo a correr de feição.

Apesar da vantagem, continuamos a praticar um futebol positivo - a espaços até entusiasmante - e a procurar chegar ao segundo. A Académica nada fez durante a primeira meia hora, apenas depois começou a tentar chegar perto de Casillas em ataques rápidos. Mas nada que o incomodasse verdadeiramente. 

O intervalo chegou com uma vantagem curta para a diferença de andamentos. No recomeço, novo assalto à baliza adversária, procurando conseguir um segundo golo que nos pusesse a salvo de qualquer percalço. Boa atitude (de novo) e velocidade de circulação foi suficiente para encostar de novo o adversário à sua área defensiva. Ao minuto 54 Layún voltou a ser decisivo, desta vez a partir de um livre na esquerda, assistindo para a cabeça de Aboubakar. Dois zero, tudo sobre rodas.

O treinador da Académica não perdeu tempo e esgotou as três substituições até aos 70', mas de nada lhe serviu porque aos 72' chega o momento alto da noite: a trupe do sombrero decidiu homenagear o calcanhar de Viena, recriando-o numa interpretação personalizada à su manera. Pela direita, Corona parte os rins ao seu marcador e desliza em direcção à linha final, fazendo no momento certo um passe mortífero para... (tcham tcham tcham tcham) Hector Herrera, que com toda a classe que nunca teve, fez um brilhante golo de calcanhar. Magnífico. Out of (t)his world...

Com três golos de vantagem, chegaram finalmente as substituições. Primeiro Evandro e depois Tello. Nenhum dos dois entrou mal e a expectativa cresceu no Dragão em relação à última mudança disponível. Muitos anteciparam um final de jogo apoteótico, com a estreia e quiçá golo de André Silva, arredado da equipa B para estar presente neste jogo.

No entanto, quer Lopetegui, quer a Académica tinham outros planos. Primeiro foram os estudantes a estragar a festa, através do seu golo de honra por Rui Pedro, que finalizou uma bela jogada de entendimento com Rabiola (mas em fora-de-jogo). Depois, logo de imediato (creio que até antes do recomeço), o público apercebe-se que o terceiro elemento a entrar seria Bueno e não o caçula. Monumental coro de assobios em vários andamentos e lá se foi o felizes para sempre. Antes do apito final, ainda uma boa oportunidade para o 3-2 que não se concretizou. Três pontos e de volta ao nosso lugar de eleição, o primeiro.


Os festejos do primeiro golo da noite


Notas DPcA: 


Casillas (6): Noite quase tranquila e respondeu bem ao "quase". Sem responsabilidades no golo.

Melhor em Campo Layún (8): Além de cumprir bem as suas missões específicas, mais duas assistências! A sério, não podemos de forma alguma banalizar estes feitos que se sucedem jogo após jogo. É cada vez mais decisivo, em especial no aproveitamento das bolas paradas. 

Maxi (7): Ei-lo que regressa do seu estado semi-vegetativo! Outra vez com velocidade, força e disponibilidade para se envolver na construção ofensiva. Seja bem regressado, uma vez mais...

Maicon (6): Pouco trabalho, sem percalços de maior. A queda de rendimento perto do fim foi mal geral, pelo que não será justo culpar ninguém em particular.

Martins Indi (6): Muito semelhante ao seu companheiro de armas, cumpriu sem problemas de maior.

Danilo (8): Andava eu a "queixar-me" que o rapaz estava sempre bem defensivamente mas que pouco contribuia nas missões de ataque e pronto, decidiu calar-me com um golo e um quase, naquele bom remate de longe. Ponto extra pelo golo.

<-73' Rúben (7): É o equilibrador da equipa, vai buscar jogo aos centrais e distribui quase sempre bem e a propósito. Cresce a olhos vistos. 19 aninhos...

Herrera (7): Não lhe contei mais do que DOIS passes errados. Resultou bem a sua colocação perto de Abou, atrás dos médios e junto aos centrais adversários. Contribuiu positivamente para o jogo da equipa! Golo à Madjer (com ponto extra). Estou estúpido.

<-85' Corona (7): Mais um que cresce de jogo para jogo. Conta já com um série de boas exibições bem jeitosa. Tem muito talento e parece estar a começar a perceber como o deve colocar ao serviço da equipa. Excelentes jogadas individuais e de entendimento, com destaque óbvio para a do terceiro golo. 

<-78' Brahimi (7): Mesmo sem marcar, fez um bom jogo, perfurando várias vezes a defesa academista. E gostei muito da sua atitude: esforçado a defender, disponível para o jogo e aplausos devolvidos ao público na substituição. É Natal mesmo...

Aboubakar (7): Mais um golito e uma exibição melhor que as anteriores. Não está já no pico mas continua a subir a montanha de onde caiu abruptamente. Progressos, portanto.

->73' Evandro (6): Entrou para refrescar e cumpriu.

->78' Tello (6): Entrou e fez coisas positivas. Se já estava chocado com a contribuição de Herrera, fiquei quase catatónico com a não-nulidade deste espanhol. Será que já lhe cheira a Sporting?

->85' Bueno (-): Sem tempo útil para ser avaliado. Mas note-se que entrou bem, apesar dos absurdos apupos com que foi presenteado (mesmo não sendo ele o alvo, certamente também os sentiu na pele).


Lopetegui (7): Ganhámos. Por uma vez, não desperdiçamos o trambolhão de um adversário directo. Passamos para a liderança isolada, uma estreia absoluta do basco. E a jogar um futebol bem razoável. Tudo se conjugava para uma noite boa para Lopetegui. Não fosse ele próprio o seu pior inimigo. Não teve a astúcia (ou o bom senso) de antecipar a reação do público à não inclusão de André Silva no jogo e com isso expôs Bueno a uma injustíssima vaia aquando da sua entrada. Ainda por cima com um golo sofrido de fresco, para agravar a irritação. Note-se que a mim me pareceu bem a entrada de Bueno. Seguiu a hierarquia normal, provavelmente reservando o "miúdo" para a taça da liga. A única crítica que poderia fazer teria a ver com o tardar das substituições. Mas sabendo ele que por esta altura são "muito poucos" os portistas que lhe dão crédito, optou por ignorar os previsíveis efeitos colaterais. It's your funeral, man (but please, die on your own).


Fumo no ar após o truque de magia de Hector, o Grande Herrera...


Outros intervenientes:


A Académica revelou-se frágil e pouco ambiciosa, apenas reagindo após o terceiro golo. Conseguiu reagir, mas não se pode elogiar quem espera até levar 3 tiros para se decidir a entrar no combate. Ninguém a destacar também.

Quanto ao árbitro, gostei do estilo "deixar jogar" com que ajuizou a maior parte do tempo. Dúvidas numa bola na mão/mão na bola de Layún na nossa área, golo da Académica precedido de offside e cartão amarelo injustificado a Danilo. Não o tenho como grande valor da arbitragem, mas hoje esteve globalmente bem e sobretudo sem influência na atribuição dos pontos.

Não poderia nunca terminar esta crónica sem me referir a quem assobiou Lopetegui aquando da não-entrada de André Silva. Quero dizer-lhes, a todos os que o fizeram, que foram umas bestas. Na minha opinião, é simplesmente estúpido que o tenham feito. 

Desde logo porque se tratava de uma opção sem influência previsível no resultado - estávamos a ganhar com margem folgada, não estávamos a perder ou empatados, a necessitar de "virar" o resultado. 

E depois, porque não gosto de ouvir assobios a despropósito. Bem sei que há sempre um ou outro anormal que assobia aos 20 segundos de jogo, ao terceiro passe da equipa que não é de desmarcação. Eu sei, faz parte, é estatístico.  Mas não significa que eu tenha de gostar.

Por último, e talvez mais importante, foram de uma insensibilidade atroz para com Bueno, que tem atravessado um pequeno calvário em função das opções do treinador e que, nas poucas oportunidades que teve, correspondeu bem. Mesmo admitindo que o jogador teria capacidade para discernir naquele momento que os assobios não eram para ele, certamente que não o iriam ajudar a entrar bem no jogo. Felizmente para ele e para mim, entrou. 

Como sempre defendi, todos são livres de se expressar como bem entendem. Não admito censuras de algum tipo. E é alinhado por esse diapasão que os crítico, a todos os que hoje assobiaram no Estádio do Dragão. Se pelo menos um dos que o fizeram, vier a refletir após ler isto, já terá valido a pena escrevê-lo.


E pronto, quanto ao campeonato, acabou por este ano. A 2 de Janeiro vamos a Alvalade consolidar a liderança. Mas antes, teremos a Taça da Liga contra o Marítimo, dia 29, no Dragão.
 


Do Porto com Amor


P.S. - vamos ao Bessa para a Taça de Portugal!




20 comentários:

  1. Caro LAeB.

    "...de volta ao nosso lugar de eleição, o primeiro."

    Com mérito inquestionável alicerçado numa exibição agradável. Como escreve, e bem, desta vez aproveitamos o desaire do rival e aí está o primeiro lugar, com o desejo que seja para ficar. Sem dúvida, óptima a prenda que o nosso FC Porto ofereceu aos Sócios e adeptos neste Natal. Para não estragar o momento, apenas lamentar o comportamento deplorável dos assobiadores de carreira, autênticos cavalos de Tróia no seio do FC Porto.

    Aproveito a oportunidade para desejar ao Sr., e a quem lhe é querido e estimado, umas Festas Felizes e um novo Ano que corresponda aos seus anseios e, claro, que o horizonte do nosso FC Porto seja verdadeiramente Azul e Branco.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço e devolvo-lhe os votos, "sem tirar nem pôr"!

      Que 2016 seja um ano de Ouro sobre Azul!

      Um abraço

      Eliminar
  2. Eu compreendo perfeitamente quem assobiou Lopetegui - apesar de ser Bueno a levar com eles!!!!
    Lopetegui gosta de se pôr a jeito nestas coisas. Evandro, Tello e Bueno estiveram quase desde o inicio da 2ª parte sempre a aquecer. Tudo bem, tudo pacifico. Mas apó a entrada de Evandro, Lopetegui manda André Silva aquecer! O que pensam os adeptos? O puto vai jogar!
    Creio que para 70% do pessoal que estava no estádio foi ter levado como prenda um pijama e um par de meias, quando esperava uma caixa de chocolates e a nova Play Station...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A vontade de querer atingir o treinador não se pode sobrepor ao bem maior que é o apoio à equipa e "acarinhar" os jogadores. Obviamente sei que a intenção não era essa, mas o resultado prático foi.

      Usando a sua metáfora das prendas, creio que já vai sendo tempo de os adeptos se comportarem como homenzinhos e deixarem a meninice para as crianças. Estão a reagir demasiadas vezes por impulso, sem ponderar por um segundo que seja o impacto das suas "birras".

      E o caro Felisberto sabe bem o que penso de Lopetegui...

      Na minha opinião, foi simplesmente inaceitável. Mas adiante.

      Eliminar
  3. Desta vez não entramos à Lopetegui e houve mesmo futebol nos primeiros 45 minutos.
    É por "isto" que prefiro Herrera cheio de sono, que Ruben Neves ou André André no máximo das suas potencialidades. Há mais verticalidade, presença na área e de quando em vez Herrera presentei-nos com momentos portentosos.
    Reforço a opinião que Danilo sózinho é jogador Liga dos Campeões e Corona com confiança é um caso muito sério.
    Não assobiei porque não sei, mas sou uma das bestas estúpidas e todos os nomes que os Zelotopeguis, que mudaram o bico ao prego hoje extasiados proferem.
    Depois de intermináveis minutos a aquecer, a vencer por 3-0, o funcionário que dirige a equipa de futebol, sabendo que estava em 1º e lá passaria o Natal, teve atitude já imensas vezes repetida, de provocar os espectadores, o jovem que fez aquecer e não satisfeito, ainda deu o beijo de judas para acirrar mais os ânimos.
    Já vimos isto com Ricardo, com Quaresma, com Quintero, sendo mais do mesmo teve requintes de malvadez e do carácter que este funcionário tem.
    Se o Bueno não percebeu que a vaia monumental não foi para ele, tem inteligência de passarinho.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Em primeiro lugar, espero que tenha percebido que não insultei ninguém (intencionalmente, pelo menos), tive o cuidado de dizer que, naquele momento, quem assobiou "se comportou como".

      Indo ao assunto em concreto, não creio que acredite mesmo que Lopetegui faz o que quer que seja para provocar os adeptos. Pode ser casmurro e outras coisas mais, mas não deve ser "suicida". Eu pelo menos não acredito. Ainda que pudesse antecipar a reação, o máximo que terá feito foi "não querer saber".

      Mas insisto no ponto fulcral: aqueles assobios, naquele momento, não ajudaram ninguém. Mesmo que Bueno se apercebesse da coisa, quando estava concentrado em entrar bem e nas instruções que tinha acabado de receber, nada retiraria o facto de estar a entrar no jogo sob monumental coro de assobios - bom para a confiança...

      Danilo é um pequeno portento, a precisar de quem o trabalhe. Tal como Corona, que melhora de jogo para jogo.

      Quanto ao triângulo Herrera-Rúben-André discordaremos sempre, até que o fim das suas carreiras nos volte a unir :-)

      Eliminar
  4. O caro Lápis já se deve ter apercebido que dou muito mais valor à espontaneidade das reacções do que à racionalidade das mesmas. A racionalidade é o espectáculo que tem visto, de dizer não ou seu contrário, dar pinotes à rectaguarda e no dia seguinte afirmar a pés juntos, que nunca vacilaram na sua verticalidade. Honra seja feita ao Silva, que é coerente, mantém a narrativa que sempre sustentou e concorde-se ou não, merece respeito. Os outros são Fernandos Searas em miniatura, estão sempre do lado do vento dominante.
    Na verdade o que é que mudou? Ganhamos à Académica!!!E com 3-0 a 10 minutos do fim, os portistas exigentes, esses adeptos que na opinião de alguns deveriam ser deportados, lembraram-se, sem qualquer motivo!!!?, de vaiar o basco, colocando em causa o resultado!?!! e toda a estratégia do esquizofrénico treinador!Criancices, naturalmente.
    Pela enésima vez, André Silva, é impedido de dar o contributo à sua equipa, sendo convocado para a equipa principal. Resultado feito e perante uma Académica inofensiva, aquece durante largos minutos, por indicação do funcionário que dirige a equipa no relvado. A 10 minutos do fim e no momento da substituição, esse funcionário, decide gozar com o atleta, com o público e dá ordem de entrada a um atarantado Bueno. Quem são as crianças e quem são os homens? Quem são os provocadores e quem são os provocados? Quem divide e quem aglutina?
    Diz o Lápis que naquele momento os assobios não ajudaram ninguém.
    Mas foram os assobiadores que premeditaram os assobios para aquele momento ou quem fez a "coisa" com esse objectivo, como vingança duma chegada atribulada depois da "excursão" a Londres?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não acredito nessa tese, o homem pode ser Lope mas não é lorpa.

      Tal como não são as pessoas que assobiaram. Mas parece-me que nesta fase já vão para o estádio de "assobio em riste", prontos a disparar à primeira oportunidade.

      Pouco ou nada me importa o destino do treinador. O que me preocupa e me faz ir ao estádio é o meu clube. E esse saiu prejudicado deste incidente.

      E por último, "o que mudou" foi que passámos para primeiro, cumprindo a nossa obrigação quando os outros falharam. Pode não ser muito, mas é alguma coisa. E além disso, indicia que sobrevivemos para contar a história.

      Abraço portista

      Eliminar
    2. "Não acredito nessa tese, o homem pode ser Lope mas não é lorpa."
      Com aquele ar, não tenho tantas certezas. Mas que tem muito de Paulo Bento nem lhe faltando o risco ao meio, lá isso tem.
      "Tal como não são as pessoas que assobiaram."
      Ena tantos. Já não me lembrava duma vaia assim desde 1991, num Porto-Carlos Valente.
      "passámos para primeiro, cumprindo a nossa obrigação quando os outros falharam"
      Finalmente, nem mais.
      Abraço Portista

      Eliminar
  5. Lopetegui perdeu, ontem, uma oportunidade única para fazer as pazes com o Dragão e reconquistar a sua confiança – nem que fosse de forma temporária. Não entendo como se pode desperdiçar a ocasião de lançar André Silva num jogo perfeitamente controlado e que se torna descontrolado, de repente, com uma série de perdas de bola enquanto os adeptos assobiavam a entrada de Bueno; não por Bueno, que todos queremos ver a jogar mais, mas pela teimosia férrea de alguém que parece só conviver bem com a razão toda – a sua, do alto da teimosia que faz dos homens mais virtuosos os maiores calhaus. E assim se perdem aliados, num coro de assobios que não consigo criticar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente consigo excepto no que toca à aceitação passiva dos assobios.

      Repetindo-me, ainda que por outras palavras: foram assobios de certa forma "egoístas", mais preocupados em satisfazer a ânsia de malhar no treinador do que com o "bem-estar" da equipa.

      Abraço portista

      (e uma assinatura, nem que fosse de uma qualquer personagem da Disney ou Marvel, era excelente, para me ajudar a distinguir os "anónimos" uns dos outros)

      Eliminar
  6. É raro contestar as decisões de um treinador porque francamente acho que ele perceberá muito mais do que a grande maioria da “inteligentsia” futeboleira, portista ou herege. Mas há algo que a vida nos foi ensinando ao longo dos anos, a mim e a tantos outros, que viver não é o mesmo que saber viver. Lopetegui teve hoje uma oportunidade tão prática e simples de mostrar aos adeptos que também sabe viver e desperdiçou-a. Teria de fazer entrar André Silva para o lugar de Aboubakar para poder jogar os últimos dez minutos de jogo em frente aquele que será o seu “novo” público (e que o seja durante muitos e proveitosos anos) e abdicar da opção que já teria tomado, a rendição de Corona por Bueno. Não o fez e compreendo que não o faça, afinal quem manda é ele e as organizações não se regem a partir do sopé mas do topo da pirâmide para baixo. Mas evitava muitas chatices, diversas perguntas desconfortáveis e mais meia-dúzia de linhas nos jornais (aposto que nas capas de alguns) a bater no seu nome e a criar descontentamento. O rapaz terá muitas oportunidades para jogar num futuro próximo (talvez já contra o Marítimo na Taça da Liga, quiçá a titular) e Lopetegui gosta de mostrar que ele é que manda e se quiser ser teimoso está no direito de o ser. Mas coloca uma maior pressão nos seus ombros, retirando-a dos jogadores (menos do Bueno, coitado). Correrá bem? Espero que sim, mas temo que não.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Eu também compreendo que não o tenha feito, mesmo achando que poderia.

      Lopetegui é isto e terá de viver com as consequências dos seus actos. E nós também, por enquanto.

      No entanto, acredito piamente que esta nau destroçada que comanda tem todas as condições de chegar a bom porto, mesmo a tempo de o desembarcar e o mandar para bem longe do Dragão.


      Abraço Portista

      (e uma assinatura, nem que fosse de uma qualquer personagem da Disney ou Marvel, era excelente, para me ajudar a distinguir os "anónimos" uns dos outros)

      Eliminar
  7. A rábula André Silva é denunciadora do autismo do Lopetegui. Jogo feito, bruá do estádio quando o jogador se levanta para aquecer e oportunidade evidentíssima para estreá-lo, fazendo as pazes com os adeptos. Não, vamos a mais uma Paulo Bentice e ouvir um coro de assobios, só porque sim. Revela falta de sensibilidade e bom senso.
    Luis Vieira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo isso, caro Luis, nem sensibilidade nem bom-senso.

      Abraço portista

      Eliminar
  8. Pelo terceiro jogo consecutivo, um jogo jogador jovem que vem dando cartas na equipa B, é colocado a aquecer e com o jogo resolvido é preterido a estrear-se, isto quando deixou de ser convocado para um Benfica B - FC Porto B, que o FC Porto B brilhantemente goleou mesmo assim, por 0-3, só reforçou o carácter nojento do basco. E interpreto a assobiadela monumental da maioria do estádio, por esse histórico e não por uma situação isolada.

    Também é bom relembrar que a Académica fruto das leis dos empréstimos jogou sem dois titulares ligados ao FC Porto: Gonçalo Paciência e Leandro Silva. Numa equipa como a Académica é muita coisa.

    Destaco também que o mudo Pinto da Costa, acobardado nos fracassos e miseráveis exibições, depois de chegar ao primeiro lugar, já teve voz para dizer umas palermices jeitosas, como a que meteu José Mourinho e tudo. Este tipo de atitude tem um nome feio. Mas também cada vez espanta menos.

    Com o 1º lugar e injecção de confiança é agora que entraremos nos eixos? Não faço a mínima ideia. No fundo também entramos assim contra o U.Madeira e vimos a qualidade exibicional a seguir. Pode ser que o 1º lugar faça milagres. Eu continuo a acreditar mais na inércia.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Para não me repetir face ao texto e comentários anteriores, vou pegar noutras "pontas soltas".

      Também entendo que os assobios são obviamente resultado do acumular de muitas desilusões. Nesta fase, qualquer coisa serve para despoletar reações alérgicas negativas ao treinador. Eu tenho muitas.

      Quanto ao jogo em si, creio que mesmo com esses dois jogadores venceríamos sem grande dificuldade. O percurso da Académica fala por si e portanto não vou por aí para desvalorizar o mérito da nossa vitória.

      A chegada ao primeiro lugar foi boa para nos injectar moral na mesma medida que terá retirado ao Sporting, que aliás nestes últimos dias sofreu derrota atrás de derrota.

      Não espero um jogo brilhante em Alvalade, mas espero ganhar. A jogar pouco.

      Abraço portista

      (e uma assinatura, nem que fosse de uma qualquer personagem da Disney ou Marvel, era excelente, para me ajudar a distinguir os "anónimos" uns dos outros)

      Eliminar
  9. Depois do que vi frente ao Nacional, só posso dizer isto, o Sr Lopetegui tarde ou temprano, vai sair do Dragão, sem nada ganhar. E não digo isto com satisfação, tomara eu que, o MEU, o TEU, o NOSSO FCP ganha-se para calar muita boca facciosa. Mas com este treinador é só ilusões, ou pior desilusões.

    Luís (O do Nuno Espírito Santo, Pedro Martins, ou Lito Vidigal)

    ResponderEliminar
  10. Grande Lápis.... escusava de ser tão objectivo com o zelotopegui contorcionista
    No meio do seu imenso portismo, algures no tempo, terá perdido a noção de que ser portista não é ser obtuso nem auto-limitar-se a seguir uma qualquer cartilha, como se todos tivéssemos sido (geek alert) raptados às nossas famílias em bebés e doutrinados como soldadinhos brancos da Primeira Ordem. Não somos, Sr. Vassalo. Ou melhor, alguns poderão deixar-se guiar sem pensar sobre o assunto, mas outros não. Absorva isso, homem.

    E depois (de absorver), dê-se ao trabalho de revisitar a sua escrita ao longo destes meses e aperceba-se dos seus ziguezagues sem nexo, qual contorcionista do circo de Pequim, que como se sabe, consegue passar a cabeça pelo meio das pernas, seguida dos braços, e depois voltar à posição natural como se nada fosse. Se ainda assim não detectar nada do que lhe digo, faça um esforço por respeitar quem pensa.

    Por fim, dizer que abomino que se comecem as frase pelo infinitivo omitindo o verbo auxiliar... oh, estão a ver?... pontinhos vermelhos, já estou com comichão, veem?

    UM GRANDE NATAL PARA TODOS OS PORTISTAS, mesmo os do circo.

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.