Do Porto com Amor: Dia de jogo: FC Arouca - FC Porto (1 - 3)

domingo, 13 de setembro de 2015

Dia de jogo: FC Arouca - FC Porto (1 - 3)


Uma vitória menos complicada do que seria previsível num jogo que se tentou complicar mesmo antes do seu início. Confuso? O melhor é continuar a ler.


Comecemos pelas complicações pré-apito inicial.

A primeira foi mesmo essa, aquela coisa que estava à volta do apito, em alguns círculos também apelidada de árbitro. A nomeação de João "este também pode ser" Capela foi uma provocação irresponsável de Vitor Pereira que só não acabou com sérios danos para o Porto porque os seus jogadores se souberam conter. Sim, porque além dos 3 pontos de ontem estavam igualmente em causa os da próxima jornada, contra quem nós e eles tão bem sabemos. Atentando à estatística disciplinar do jogo, ficamos sem perceber como é que foi possível terminar o jogo sem nenhuma expulsão: SEIS amarelos contra UM do Arouca. Bem sei que era jogo de líderes e que o Arouca jogava em casa, mas não foi caso para tanto. Além dos cartões, nada de grave a assinalar, mas mais uma vez ficou bem patente a falta de categoria deste "árbitro", um daqueles que tem o dom de irritar os jogadores e adeptos de ambas as equipas.

A segunda foi mesmo o onze inicial. Não por ter surpreendido meio-mundo (ou talvez mais), mas porque não é fácil perceber critérios justificáveis por detrás da opção. Estamos ainda a começar a época, temos uma equipa nova, a precisar de jogar muitos minutos para ganhar "rotinas", para que os jogadores conheçam as movimentações dos colegas e para que cada um vá ganhando ritmo e confiança. Se admitirmos estes pressupostos como verdadeiros, o que pode justificar 4 alterações no onze inicial, ainda por cima vindo de uma paragem para as seleções?

a) O desgaste das seleções: não creio que seja por aí, porque vários dos internacionais alinharam de início e jogaram a totalidade ou grande parte dos 93 minutos, com destaque para o englishman in New York Layún ou o esforçadíssimo Aboubakar. E o "sacrificado" Danilo é um rapagão de 24 anos com força para dar e vender.

b) Poupança para Kiev: também não cola, desde logo pelo próprio discurso repetido até à exaustão que o jogo que interessa é o próximo e não os seguintes; e também porque outros que fizeram muitas milhas aéreas jogaram e bem (Maxi, Abou, André, Rúben,...).

c) Um gato preto atravessou-se à frente de Lopetegui quando entrava para o autocarro rumo a Arouca: "diz que" sim, que foi mesmo isto, mas eu não acredito (em gatos pretos, claro).


Analisando uma a uma cada alteração no onze, a entrada de André é mais do que merecida e a estreia de Corona é aceitável (pela má forma da concorrência e porque o rapaz ficou cá uns dias enquanto os companheiros foram dar a volta ao mundo). 

O que levantou sérias dúvidas foi a chamada de Layún e a titularidade de Rúben Neves

O primeiro porque só fez um treino e não poderia estar em grande condição física, e jogar a lateral requer muito mais know-how táctico do que jogar a extremo, por exemplo. E o segundo porque... Danilo. Não estava obviamente em causa a grande valia de Rúben (como aliás demonstrou), mas sim os tais "processos" (que raio de palavra) que o motor da equipa necessita saber de olhos fechados e que só se apreendem com muitos minutos em conjunto. 

É certo que o jogo acabou por me desmentir no que toca à exibição de Rúben Neves, mas não invalida a questão do "entrosamento" que (em teoria) não se consolidou. O meu receio é que Lopetegui possa estar a ser outra vez demasiado "lírico" ao pretender que todos os jogadores estejam à altura e preparados para entrar a qualquer momento (a maldita rotatividade)...



Após tão longa introdução, o filme do jogo em versão mais telegráfica.

0' Entrada algo desconjuntada mas pressionante q.b. onde surgiram boas oportunidades para André e Abou de atirar com sucesso para o fundo da baliza de Bracalli.

15' Bonita combinação colectiva, com destaque para a movimentação de André que descobriu o espaço para o desenvolvimento do lance ofensivo e para o calcanhar de Abou, que ofereceu o golo ao estreante Corona

15' - 45' Acomodação ao golo, subida de tom do jogo ofensivo do Arouca durante 15-20 minutos e intervalo. Ah e 3 amarelos para os meninos de branco.

45' - 55' Mau regresso do balneário (será sina?), com jogo muito confuso e "mastigado". Saída inevitável e acertada de Brahimi.

55' Entrada de Danilo, que no momento da troca me pareceu má opção (por retirar ainda mais criatividade e acrescentar músculo onde já havia bastante) mas que visto à posteriori, foi para mim o momento decisivo do jogo. Pela entrada de Godzuki mas também pela libertação de André e sobretudo Imbula, que resultou num jogo mais seguro e muito mais fluído ofensivamente. Kudos para Lopetegui, portanto.

62' Segundo golo de Corona, após defesa incompleta de Bracalli a um bom remate de André.

71' Terceiro por Aboubakar, a finalizar oportunamente uma bela jogada em que o mestre foi o menino Neves. E mais dois cartões para os meninos de branco. A partir daqui, o jogo fica mais partido, com o Porto a baixar o ritmo e o posicionamento, procurando sair rápido para o ataque.

83' Golo do outro Maicon (socorro...), que se começou a desenhar com o cartão que o menino (do coro) Maxi recebeu 3 minutos antes e que o fez retrair-se na abordagem a este lance, um cruzamento rasteiro da direita com a bola a cruzar toda a área de baliza e a encontrar Maurides junto ao poste mais distante, que não perdoou.

84 - 93' Jogo seguiu mais ou menos tranquilo para o seu final, ambas as equipas com os objectivos (mínimos, no caso do Arouca) cumpridos. Destaque negativo para a incompreensível demora de Lopetegui em fazer a última alteração, primeiro a decidir quem seria o eleito e depois (quando Bueno já estava pronto) a adiar a entrada por 4 longos minutos após o golo sofrido. Prudência, dirão os mais optimistas. Insegurança, dirão todos os demais e eu também. 



Notas DPcA:


Casillas (6): Outro jogo sem grande trabalho, acabando por ser questionado no golo do Arouca. Após ver e rever o lance fico com nítida sensação que não teve oportunidade de fazer mais, ainda que fique mal na foto de família. O passe-remate de Nildo saiu forte e fora do seu alcance e a finalização (batido o defesa) era inevitável. Notas contraditórias em dois lances de reposição da bola em jogo: uma negativa para um mau passe (porque precipitado) que poderia ter resultado em algo pior e uma positiva no lançamento longo para Corona, que levou a bola até à baliza contrária mas acabou por não conseguir fazer o passe de morte.

Maxi (6): Jogo menos impositivo do que os anteriores, possivelmente a acusar o desgaste da seleção. Foi-se tentando conter mas acabou por não resistir ao amarelo já perto do final, que ainda assim o condicionou na abordagem ao lance que deu o golo de honra ao adversário.

Marcano (7): Muito bem, cada vez mais segue à risca a máxima "quem não sabe, não inventa". Ganhou quase todos os lances, antecipou-se, fez dobras, tudo o que se exigia ele fez. E um pouco mais.

Maicon (6): Se perdoarmos aquele lance à Maicon, em que deixa a bola bater no chão e depois demora duas eternidades para a despachar e acaba a assistir ao adversário a roubar-lha e partir para um lance de perigo, o resto do jogo foi bem conseguido. E foi engraçado reparar na candura com que recebeu o mano caçula e no tilt momentâneo que experimentou quando viu Maxi e Maurides testa com testa...

Layún (5): Má estreia, com uma primeira parte para esquecer. Felizmente desapareceu do jogo na segunda (o que no contexto, foi positivo) até ao golo de Maurides, onde parecia uma daquelas ternurentas velhinhas que esboçam uma tentativa de corrida naquele último segundo antes da porta do autocarro se fechar (mas que ficam irremediavelmente apeadas). No entanto, caridades à parte, mostrou várias coisas positivas, desde a boa gestão que fez do cartão amarelo (21') ao entendimento do que o jogo precisa em cada momento. Não fico com grandes dúvidas de que vai ser reforço e que este jogo terá sido uma excepção à futura regra.

Rúben Neves (7): É um prazer ver este menino jogar, mesmo que tenha vários momentos no jogo onde a sua inexperiência faz ligeira mossa. Não me parece é que seja um "6" ou melhor, apenas um "6 fixo". Tem demasiado talento para ficar arredado do jogo ofensivo, como ficou matematicamente demonstrado no brilhante passe com que desmarcou André no lance do terceiro golo.

<-70' Imbula (6): Subiu um degrau na escada exibicional, apresentando-se mais disponível para o jogo, mesmo quando ainda amarrado atrás. Com a entrada de Danilo, ficou com liberdade para atacar e jogou praticamente nas costas de Abou e aí vislumbrou-se o Giannelli que custou aqueles milhões todos. Reforçou a sensação de que o melhor (quase tudo) ainda está para vir, espero que Lopetegui também o tenha entendido.

Melhor em Campo - André (8): O pequeno André está pronto! A par com Danilo, foi a minha grande aposta para as contratações deste defeso e já está a reembolsá-la com juros. E mais cedo do que eu esperava, confesso. Perante a respeitável concorrência com que se debate, tem sabido aproveitar todas as oportunidade que o treinador lhe tem dado e a de ontem foi a mais relevante. Titular, começou o jogo numa posição onde me parece ter mais dificuldade se não tiver companheiros por perto. À medida que a equipa se foi ajustando ao jogo, também ele se afirmou e foi decisivo no lance do primeiro golo, ao "insistir" com Imbula para lhe devolver sucessivamente a bola até que encontrou o espaço para se virar a abriu a avenida que Rúben percorreu e que culminou com o primeiro de Corona. Melhorou ainda mais com a entrada de Danilo, rematou para a recarga de Corona no segundo e assistiu Abou para o terceiro. Que jogo tão bem conseguido!

<-55' Brahimi (5): É certo que estava já cansado de o escolher como melhor em campo, mas também não precisava de saltar para o outro extremo... bom, para ser justo, na realidade não esteve assim tão mal durante a primeira parte, ainda que sem a influência decisiva a que nos tem habituado. Mas tentou. Pegou muitas vezes na bola e tentou levá-la para a frente e com ela o resto da equipa. A questão é que esteve sempre bem policiado e forçado a pegar no jogo muito atrás. E sim, também não esteve particularmente inspirado, coisa que nele começa a ser normal nos jogos que antecedem a Champions - if you know what I mean - como fez questão de demonstrar nos 10 minutos em que esteve em campo na segunda parte. E isto é que não lhe posso admitir e portanto, nota negativa.

<-87' Corona (8): Parece injusto marcar dois dos três golos da equipa e não ser considerado o melhor em campo, mas só não o foi porque André foi omnipresente, mas isso não retira nenhum brilho à sua auspiciosa estreia. Que bela maneira de começar, chico! E o melhor é que deu a sensação que já cá estava há muito tempo, o que normalmente indicia um enorme talento. Bienvenido hombre!

Aboubakar (7): Um golo de oportunidade e mais um ou dois por marcar. E uma assistência primorosa para o primeiro de Corona. E 93 minutos a lutar por todas as bolas, a segurar jogo e dar tempo aos companheiros para subirem. Chega? Para mim, chegou.

>55' Danilo (7): Entrada decisiva no jogo, não só pelo espaço que ocupa e que enche o meio do terreno, onde também acrescenta serenidade e clarividência, mas também pelo rearranjo táctico da equipa com o qual André e Imbula subiram muito de rendimento. My little Godzuki...

>70' Herrera (5): É um desespero ver o Hector Miguel jogar no Porto. Nota-se que tem tudo para ser bom jogador mas ele insiste em provar o contrário. Aqueles passes, a sério...

>87' Bueno (-): Míseros cinco minutos em campo, sobretudo para (lhe?) mostrar que é opção. Não teve tempo para nada, excepto para sugerir ter bons pés e jogar fácil (uma virtude, obviamente).


Nota:  enquanto não sai a escala completa das notas DPcA, relembro que de 1 a 5 a prestação do jogador é considerada globalmente negativa e, inversamente, de 6 a 10 é globalmente positiva. Portanto, 6 é a nota de serviços mínimos e 5 a de "not quite enough, old chap".



Outros intervenientes:


Do Arouca, gostei do lateral direito Jaílson Araújo, cuja saída terá contribuído para a confirmação da nossa vitória e do "velho conhecido" Nildo Petrolina, que mais uma vez demonstrou ter talento para uma carreira com mais destaque. Pela negativa, esperava mais da equipa como um todo, o que por sua vez remete para o seu treinador Lito Vidigal, que tanto e justamente elogiei antes do jogo.

Uma palavra para o apoio das claques. Quem me conhece sabe que tenho justificadas reservas sobre estes grupos organizados, mas quando se limitam a apoiar a equipa como o fizeram ontem, são de facto o 12º jogador. Bem que mereceram o agradecimento dos jogadores.



Segue-se o jogo em Kiev, onde conto estar se tudo correr bem.


Até lá, que um vendaval se abata sobre os Arcos...


Do Porto com Amor




15 comentários:

  1. Este blog é fantástico.

    Parabéns, Lápis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Demasiada simpatia e ainda mais exagero, mas claro que fico grato por ambos :-)

      Eliminar
  2. Até o Barcelona deixou o Messi no banco num jogo fora e contra o Atlético de Madrid ... não percebo as criticas! Enfim ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Hugo

      De um texto com tanta chicha só lhe sobrou "as críticas"? Olhe que estão bem fundamentadas... mas obviamente respeito que discorde delas. Se quiser até pode fundamentar também.

      E já agora, o Messi foi poupado porque foi pai e não treinou na sexta...

      Abraço portista
      LAeB

      Eliminar
    2. Chicha?! Criticas bem fundamentadas?! Parece-me mais um texto cheio de peles ... quer se goste ou não a rotatividade vai continuar a ser uma realidade e eu concordo com ela! Você não gosta ... paciência, pois ninguém agrada a todos! Não é só o FCPorto que faz rotatividade ... por essa Europa fora a rotatividade é uma realidade. Pode criticar o que quiser e inventar os gatos pretos que quiser mas o Julen Lopetegui vai continuar a ser o Treinador do FCPorto até ao final da época! Depois veremos ...

      Eliminar
    3. Caro Hugo

      Mais uma vez reafirmo que aqui todos têm direito à sua opinião e a discordância é apenas natural.

      Só não queira é atribuir-me desejos que não tenho. Lopetegui é o meu treinador até final da época der por onde der e por muito que discorde dele. O que mais quero é que ele tenha todo o sucesso do mundo...

      A rotatividade, na maneira como a concebo, tem como pressuposto uma base já consolidada e um modelo bem implementado, para que as mudanças não tenham impacto relevante na produtividade da equipa. Nesta fase da época, nem base, nem modelo.. e assim fica difícil criar rotinas

      Abraço portista

      Eliminar
  3. Concordo em grande parte com a sua análise. Na minha opinião o melhor jogador foi Aboubakar, embora André André também tenha feito um bom jogo. No entanto, quando jogou na esquerda para mim a equipa ficou muito "manca".
    Não sendo uma exibição de encher o olho, foi bem mais segura e consistente que nos jogos anteriores. O que me preocupa é que jogadores que não têm muito tempo de Lopetegui (de jogo), sejam normalmente os melhores em campo. Maxi, Aboubakar, André, Ruben, Corona tal como Imbula e Danilo quando chegaram, mostram muito mais no início que na continuidade dos jogos, onde supostamente deveriam ter uma subida de rendimento, pelo entrosamento, assimilação dos processos de jogo, conhecimento dos companheiros, etc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, também poderia ter ido por Abou, perfeitamente...

      Já sobre André, não achei que se tivesse perdido na ala, mas antes dado nova dinâmica ao ataque em parceria com o libertado Imbula. Mas eu vi o jogo no campo, não sei se também foi esse o seu caso, porque normalmente a TV dá outra perspectiva.

      Concordo quanto à melhoria da nossa exibição, mesmo que o Arouca tivesse ficado aquém do que esperava. Quanto à sua preocupação, também partilho dela... Embora acreditando que com o tempo Lopetegui vai também evoluir a sua concepção de jogo e passar essa evolução para os jogadores.

      Abraço portista

      Eliminar
  4. Análise bem fundamentada como é seu apanágio. Não ganhamos ao Barcelona, como se tem lido por aí. Fizemos a nossa obrigação, com um jogo sério e realístico. Brahimi na esquerda é mais um para queimar. Só discordo em relação ao melhor em campo que para mim foi Aboubakar.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concedo perfeitamente, poderia ter ido por Abou também. Mas André acabou por ser decisivo nos 3 golos, além de tudo o resto, é por isso elegi-o como MVP

      Abraço portista

      Eliminar
  5. Quem, melhor que o treinador, para saber quem está mais apto a jogar?

    Será que é mais frutuoso o trabalho durante a semana, na assimilação de ideias ou "apenas"os 90' de jogo?

    Ainda bem que o nosso Porto, globalmente fez um bom jogo e consegui uma boa e justíssima vitória num campo onde poucos vão levar os 3 pontos para casa!

    Layun não deslumbrou, longe disso, mas será que havia quem estivesse em melhores condições?
    Acho que NÃO!

    Quanto ao Neves... não esteve bem?
    Se fosse o merdas do jj ou outro qq a mexer na equipa e a manter este nível, era só elogios, assim...
    Mas ao nosso Julen não, TUDO absolutamente TUDO serve para questionar a sua capacidade de decisão...


    Cumps

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Carrega

      Sobre os jogadores que refere, facilmente concluirá pelas minhas observações que concordo quanto ao Rúben e que antevejo um bom futuro a Layun de Dragão ao peito. Mas sobre este último, custa-e perceber como é que Cissokho não estaria em melhores condições, ele que não viajou para a selecção e esteve às ordens do treinador. Não sei se sabe, mas Cissokho foi a Arouca, mas acabou sentado quase ao meu lado a ver o jogo...

      Se o treinador tem mais informação do que eu? Obviamente. Mas eu baseio-me no que observo e não no que o treinador sabe e não conta.

      E está claramente a ser injusto comigo, porque considerei explicitamente que foi dele que partiu o momento mais importante do jogo, ao substituir Brahimi por Danilo e rearranjar a equipa. Veja lá se não é o Carrela que está a ser obsessivo com os supostos críticos de Lopetegui...

      Eliminar
    2. Lápis,

      Gostes ou não, sabes isso tão bem ou melhor do que eu, no que toca ao "nosso" Julen, em caso de dúvida, É SEMPRE CONTRA ELE!
      E eu não posso com isso, seja com Julen seja com outro qq.
      Tudo, absolutamente tudo, serve para questionar as suas capacidades.

      Iniciamos bem a época, depois fizemos 2 jogos fracos, demasiado maus!
      Como é lógico, a maioria iluminada, já sabia disso, já tinha avisado e estava segura que ia ser assim!
      (Apesar de no ano passado terem sonhado na CL e terem perdido o campeonato do #colinho por 3 pontos)

      Já outros, baseado no trabalho anterior, obviamente que acreditavam que as coisas iam melhorar e ia ser já no próximo (Arouca) que se ia entrar nos eixos.
      Foi o que aconteceu, felizmente!

      E perante isto, em vez de se procurar o injustificável das opções, não se deveria procurar o justificável? Ou quando mt os dois...

      Cumps


      Eliminar
    3. Meu caro, a ver se entende a minha posição : dado o que aconteceu na época passada, eu não tenho fé nas capacidades do treinador! E só mudarem de opinião quando ele provar o contrário.

      Mas não é por isso que tenho parto do princípio que tudo o que faz é mal feito. Simplesmente analiso os factos (à minha maneira, obviamente) e depois comento sobre eles.

      E repito, em Arouca e apesar de ter achado perigoso o onze inicial, foi Lopetegui quem a partir do banco mexeu bem e decisivamente para o jogo não nos fugir, garantindo assim os três pontos. E mesmo no onze inicial, consegui encontrar justificação para 2 das 4 alterações!

      Agora não me peça para lhe dedicar uma estátua...

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.