Do Porto com Amor: Dia de jogo: FC Porto - Dynamo Kyiv (0-2)

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Dia de jogo: FC Porto - Dynamo Kyiv (0-2)


"Para a história fica o 2-2 final, um ponto que poderá vir a ser importante ou curto, conforme as coisas evoluírem no grupo. E um jogo em que poderíamos ter ganho, mas sem ter feito muito para o merecer."


Lembra-se o estimado leitor do contexto desta frase? Lembra pois, jogo de Kiev e aquele empate consentido em cima do apito final.

Lamentavelmente, agora podemos (quase) concluir que aqueles dois pontos teriam feito toda a diferença após o descalabro de hoje. Sim, foi um descalabro. "O" jogo mal conseguido. Independentemente das razões, que detalharemos já a seguir, é normal acontecerem, de quando em vez, estes jogos. E por isso mesmo é que não se pode desperdiçar pontos valiosos da forma como o fizemos naquele jogo em Kiev. Lá se fazem, cá se pagam.


De volta ao presente.

Quinto jogo do grupo e 10 pontos amealhados até então, que nos deixavam a um empate no jogo de ontem da qualificação. Difícil pedir melhor contexto para uma abordagem confiante e decidida a esta partida. No entanto, não foi suficiente.

Mais uma entrada passiva no jogo, como que dizendo ao adversário para estar à vontade, que ali ninguém lhe faria mal. Uma espécie de campo neutro, somos uns cavalheiros! Os primeiros cinco minutos foram então de "estudo mútuo", destacando-se apenas um remate fraco e ao lado de Danilo (2').

Cedo se vislumbrou que o Dínamo de Kiev (DK) colocava sempre muitos jogadores no lado da bola nas suas situações ofensivas (6 no mínimo), pressionando logo na primeira linha de construção do nosso meio campo e a toda a largura do campo. Com o seu desenho táctico sempre em mutação (4-3-3, 4-1-4-1, 4-5-1 e até 4-4-2) em função das nossas movimentações, logo se percebeu que traziam a lição bem estudada.

Aos 6m uma cabeçada fraca de Danilo num canto, aos 8' o primeiro remate de longe do DK e um minuto depois o primeiro sinal de descontrolo emocional. Abou chuta o defesa junto à bandeirola, após disputa de uma bola que acabou por sair. Dos 10 aos 20 minutos tivemos o nosso melhor período da primeira parte, com posse de bola a toda a largura acompanhada de construções ofensivas com nexo e alguma objectividade, ainda que incapazes de criar real perigo devido a más decisões (ou execuções) no último passe.

Aos 20' o jogo começou a mudar, despoletado por um remate de longe do DK que passou por cima e possivelmente consolidado pelo inofensivo cruzamento de Layún, que terá reforçado as convicções dos ucranianos. Aos 22' novo remate do DK, agora desviado para canto. Aos 24' Yarmolenko é apanhado em offside já frente à Casillas e ainda no mesmo minuto novo remate (agora por Derlis e perigoso) para boa defesa de Iker. O jogo tinha definitivamente mudado a favor do Dýnamo. Rúben Neves estava a ser muitas vezes surpreendido pela desmarcação nas suas costas de Garmash, que aproveitava para criar desequilíbrios.

Aos 27' mais um excelente lance individual de Yarmolenko pela direita, a cruzar com açúcar para Garmash cabecear com estrondo à barra, que devolveu a bola para Júnior Moraes desperdiçar por milagre de Nª Srª dos Aselhas. Os avisos estavam todos dados, adivinhava-se o golo dos ucranianos. Que surgiu pelo inevitável Yarmolenko aos 33' na conversão de um penálti inacreditável de Imbula, primeiro a deixar-se ultrapassar por Rybalka e depois a fazer uma falta ridícula e infantil no limite lateral da grande área.

A nossa reacção foi (surprise, surprise...) amorfa e inofensiva até ao intervalo, como se tudo estivesse controlado. Ou talvez, como se reconhecendo que nada éramos capazes de controlar. Perdidos e ausentes. Aos 39' um remate de longe de Rúben mas à figura. Aos 42' novo ameaço de Yarmolenko através de um remate cruzado para defesa difícil de Iker. E lá chegou o imerecido descanso.


Enorme jogador. Enorme.



Regresso do intervalo com um dos momentos mais caricatos do jogo. Conforme se poderia prever, entrou André. Mas o anúncio de quem havia saído deixou o estádio boquiaberto: Maxi Pereira. No momento apenas admiti uma coisa: lesão. Sem mais nenhum defesa no banco, seria impensável outro cenário. Aliás, mesmo que houvesse outro defesa no banco, seria impensável retirar Maxi do jogo se não fosse por lesão ou, no limite, por fadiga inultrapassável. Não que o uruguaio tivesse feito uma boa primeira parte, mas tirar Maxi apenas porque sim (Lopetegui dixit no final), obrigando com isso a mudança de posição de outros três jogadores e mantendo o infeliz Imbula (a quarta mudança de posição, já agora) em jogo, é de facto incompreensível.

Coincidência ou não, regressamos ao jogo outra vez apáticos, desconcentrados e (pareceu-me que) até descrentes, à espera do que o jogo nos pudesse dar de mão beijada. André tentou pegar no jogo mas teve dificuldade sobretudo porque o Dínamo já sabia como ele joga e procurou ter sempre um jogador a acompanhá-lo quando se posicionava entre linhas.

A chegar aos 50' de jogo conseguimos um canto e o público despertou. Esperava-se o início da reacção que nos levaria até ao empate (pelo menos). E ela até começou por acontecer, mas tímida e sobretudo inócua. Aos 52' o caso do jogo. Pediu-se penálti por mão de um defesa ucraniano num lance com André. No estádio apenas me pareceu que André se atirou para o chão. E na realidade atirou-se, e talvez com isso tenha distraído as atenções dos árbitros da discreta mão na bola do ucraniano. Em rigor deveria ter sido marcado penálti. Mas percebo que não era fácil de se ver. O árbitro não marcou, para nosso infortúnio, e o jogo prosseguiu. Com o Dynamo bem posicionado atrás, a resolver com relativa facilidade as nossas investidas. A melhor das quais quando Brahimi começou por não dar o melhor seguimento a uma desmarcação e que culminou com o remate à figura de Tello (sim, ele esteve em campo hoje!).

À hora de jogo, boa oportunidade para Garmash frente à Casillas. A partir daqui, o Dínamo voltou a disputar o jogo mais adiantado, mas sem perder o bom posicionamento defensivo. Como o jogo lhe corria de feição, Lopetegui permitiu-se esperar até que já fosse tarde demais. Após "brilhante assistência" de Brahimi, Derlis arrancou com a bola no meio campo e passou por Danilo como faca quente por manteiga (Layún tinha subido à espera do passe de Brahimi) e rematou cruzado e alto, para uma estranha e defeituosa defesa de Casillas que amorteceu a bola para que, num caprichoso arco, entrasse na sua baliza pela segunda vez.

Em desespero, o treinador lança Osvaldo e Corona de uma assentada para dentro do campo, retirando o contrariado Brahimi e o infeliz Imbula. Não sem que antes Derlis voltasse a ensaiar novo remate por cima da baliza. Se as coisas já não fluíam como se exigiria até então, com a entrada destes dois "corpos estranhos" tudo piorou ainda mais. Desconcentrados, precipitados e incapazes de criar perigo. Consequentemente, cada vez mais precipitados, até que finalmente resignados à nossa frustrante incapacidade.

As excepções chegaram pelos pés de André, que por duas vezes enviaram a bola aos ferros da baliza de Shovkovskiy. Não entraram, mas ainda que uma delas tivesse, não acredito que fosse suficiente para nos re-galvanizar de modo a conseguir o empate. Porque foi um penoso arrastar até ao final do jogo o que assistimos, e (pelo menos eu) sempre com a sensação de que o terceiro estava mais perto do que um golo nosso. 
Se, como tudo indica, cairmos sem honra nem glória para a Liga Europa, pelo menos passaremos a competir num nível bem mais adequado à competência de Lopetegui.  Demasiado mau para ser verdade.

"Ups, fiz mierda da grossa..." - Getty Images


Notas DPcA: 


Casillas (4): Mal com os pés e com as mãos, não ajudou a tranquilizar a equipa. Precipitado e a arriscar muito nas reposições com adversários por perto. O melhor que fez foram aquelas duas defesas a remates de Derlis e Yarmolenko. Claramente insuficiente para compensar tudo o resto. Noite infeliz.

Layún (5): Quase inoperante ofensivamente e demasiadas vezes suplantado por Yarmolenko e companhia. Nem a falta de apoio do seu extremo o salvam da pior exibição com a nossa camisola. Salvou-se apenas a abnegação. 

<-45' Maxi (5): Estranhamente apático, com pouca rotação e pouca velocidade. Mas ainda assim fez o flanco e tentou ajudar a chegar à baliza adversária. Fico com a pulga atrás da orelha para saber o que se passa/passou com ele.

Marcano (5): Revelou a sua pior faceta, a tal que o impede de ser um central de topo. Desta vez não foi só a precipitação a jogar com a bola no pé, mas também a falta de calma (classe) a limpar lances para a bancada quando poderia (deveria) tentar ficar com ela jogável. Além disto, teve abordagens demasiado suaves que o arredaram da disputa dos lances corpo-a-corpo. Demasiado frágil para central, digo eu.

Martins Indi (6): Um dos melhores da equipa, discreto mas concentrado e com vontade de ajudar a equipa a subir. Na segunda parte foi para a lateral e sentiu mais dificuldades, mas nem por isso deixou de subir no terreno na procura do empate. Dos poucos que justificam nota positiva (ainda que apenas isso).

Danilo (4): Não começou mal e no primeiro tempo cumpriu razoavelmente. O recuo para central foi-lhe fatal e a nós também. Ao contrário de outros jogos, não conseguiu jogar bem no centro da defesa, ficando irreparavelmente marcado pelo lance do segundo golo.

Rúben (5): Na primeira parte esteve bem com a bola, sendo um dos mais esclarecidos a procurar companheiros nos espaços vazios, mas mal sem ela, deixando-se surpreender demasiadas vezes pelas incursões dos médios adversários nas suas costas. Na segunda afundou-se com o jogo, perdendo discernimento e falhando passes fáceis. Também é assim que se cresce. Crédito quase inesgotável, no worries kid.

<-67' Imbula (3): No meio daquelas investidas desajustadas e desesperantes, conseguiu sobressair o penálti absolutamente infantil, ridículo e absurdo que cometeu. Quase tudo mal feito. Mau de mais.

Tello (3): Incrível como uma exibição tão inconsequente a atacar e tão displicente e penalizante a defender teve carta branca para se prolongar por 90+ minutos. Incrível mesmo. Contratação em definitivo? Assim não, obrigado.

<-67' Brahimi (4): Entrou motivado, como é seu normal na montra europeia, mas pouco inspirado. Tentou mas quase nunca decidiu bem. E foi o primeiro responsável do segundo golo, pela entrega da bola numa bandeja dourada a Derlis González. Mas nem por isso merecia ter saído, sobretudo mantendo-se Tello em campo. E já agora, estou um bocado farto dos teus tiques de vedeta, ó rapaz. Se nem ao Quaresma, que é um dos nossos, tolerava a insolência, certamente não será a ti que a vou tolerar. Põe-te fino, ó argelino. 

Aboubakar (5): Pouco e mal servido pelos companheiros, deu a sensação de estar com a cabeça noutro sítio qualquer. E revelou uma agressividade desnecessário que até hoje lhe desconhecia. Problemas pessoais? Algo vai mal no reino do Rei Bakar... 

->45' André (6): O melhor do Porto, mas obviamente não o melhor em campo. Uma parte foi suficiente para fazer mais que muitos e muito mais do que alguns. Ao perceber que iria ter dificuldades pelo meio, investiu nos flancos (o direito em especial) e criou quase sozinho as melhores oportunidades de golo em todo o encontro. Pode não ser um génio, mas é dos nossos. 

->67' Corona (2): Entrou para quê? Para nada. 

->67' Osvaldo (2): Entrou para quê? Para nada.

Lopetegui (1): Bastava um empate. E para isso bastava jogar para ganhar. E para isso bastava ter motivado os jogadores. E para isso bastava ter preparado uma estratégia ofensiva e ajustada para este adversário. E para isso bastava estudado convenientemente o adversário. Mas nem isso. Quando finalmente me fez o favor de jogar com dois extremos, resolveu deixar André de fora. E esqueceu-se de explicar aos dois extremos que tinham que defender o seu lateral. Com o jogo a não nos correr de feição, entrou em parafuso e resolveu fugir para a frente. Inovando. Com total despropósito. Não consigo atingir a substituição de Maxi (e ele não quis explicar), nem tão pouco o risco contínuo em não ter um único defesa no banco. Hoje pagou, pagámos esse preço. Carote, digo eu. Em queda livre, meteu dois macacos lá para dentro, a ver se faziam aquilo que o piloto não conseguia. A ver se havia milagre. Não houve. Ainda falta um bocado para o Natal. E para terminar em beleza, fugiu do campo mal o árbitro apitou para o final, esquivando-se a no mínimo cumprimentar o seu homólogo (admitindo que não conseguiria nunca dar-lhe os parabéns pelo banho de bola que levou) e deixando os SEUS jogadores sozinhos a sentirem na pele a justificadíssima insatisfação do Dragão. Deplorável.


Adivinha: qual deles não teve a decência de repetir o gesto no final do jogo? - Getty Images
 

Outros intervenientes:


Rebrov, um treinador a sério que fez o seu trabalho de casa e acertou em cheio nas opções que fez. Mereceu ser feliz, por muito que isso nos custe.

Yarmolenko, um grande craque (melhor do que qualquer um dos que moram hoje no Dragão) mas ainda assim com a humildade e inteligência suficiente para perceber que tem que ajudar o seu lateral a defender (ao contrário dos nossos extremos) e (também) por isso Layún não teve metade do espaço que costuma ter, sobretudo nesta competição. 

Garmash foi um pequeno monstro em campo a atacar e a defender, belíssima exibição deste médio que eu mal conhecia até hoje.

E o Derlis do costume, sempre predisposto a molhar a sopa contra nós.

Mas para ser justo – em especial com Rebrov – a grande vedeta de hoje foi a equipa de Kiev, que fez que tudo bem. Inclusive perder tempo e quebrar ainda mais o nosso baixo ritmo. Não é bonito mas foi eficaz. Tivéssemos nós tido este engenho no jogo de Kiev e hoje estaríamos a rir-nos (amarelamente) desta derrota. 


E agora, desincha e passa. Tem que passar. Sábado temos "o jogo mais importante da época até ao momento", contra o Tondela. Há que tocar a rebate e vencer o jogo, dê por onde der, mesmo apesar de potenciais invenções ou desvarios de Lopetegui. Para reequilibrar.



Do Porto com Amor


49 comentários:

  1. Lopetegui não tem culpa nenhuma!!!! O homem é o supra sumo da sabedoria tecnico-táctica. Em Portugal não há melhor e lá fora, quiçá Guardiola até lhe pedirá conselhos.

    Senão repare bem caro LAeB:
    Lopetegui tira Maxi - defesa direito. O defesa esquerdo, Layun vai para a direita. O central Indi vai para defesa esquerdo, o médio Danilo vai para central e o médio Imbula recua para a posição de Danilo. Tudo isto para entrar André André... um médio!!!!

    Não acha que isto é de génio?

    Perdemos pela simples insignificãncia dos ucranianos terem marcado dois golos, mas se repararem bem, mais uma vez vencemos com toda a classe na posse de bola!!! Qualquer dia vai abrir uma nova secção no Museu pelas bolas que ficaram em nosso poder nesta era lopeteguiana!!!!

    Ah! E outra coisa. Com Lopetegui de record em record até ao 2º record consecutivo: nada ganhar!!!

    Resumindo: TIREM-ME deste filme!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lopetegui é o Pedro Almodôvar do futebol tuga, Felisberto. Veio para cá para realizar um filme e Jorge Mendes convidou-o para dar uma perninha no futebol. Sem ministério da cultura, sem Governo, os subsídios, os poucos que há, são canalizados para as novelas do Gordinho Anafado, JJ e vendedores da banha de Carnide. A comédia de Lopetegui ainda vai ter que esperar até Maio para ficar concluída.

      Eliminar
    2. Precisamente como assinalei, caro Felisberto, foram demasiadas mexidas para retirar um jogador e fazer entrar outro. E como ainda por cima não se dignou a explica-la no final, cada um que interprete à sua maneira.

      O Dynamo, dentro das suas limitações (continuo sem dúvidas que temos melhor plantel), fez um belo jogo, justiça lhes seja feita. Porque se preparou bem e depois, dentro do campo, quis mais do que nós.

      Ontem foi mesmo tudo mau. Pena não termos acumulado antes para um dia como este...

      Abraço portista

      Eliminar
    3. Mesmo a calhar, agora que os remakes do cinema luso estão na ribalta.

      Aliás, ontem pareceu-me ler nos lábios do Rebrov: "Ó Lopetegui, tens cá disto?"

      Eliminar
    4. não ouviu porque ....
      "fugiu do campo mal o árbitro apitou para o final, esquivando-se a no mínimo cumprimentar o seu homólogo (admitindo que não conseguiria nunca dar-lhe os parabéns pelo banho de bola que levou) e deixando os SEUS jogadores sozinhos a sentirem na pele a justificadíssima insatisfação do Dragão. Deplorável."

      Eliminar
  2. Não vou alongar me em comentários. Os Zelotas encarregar-se-ao de dar o dito por não dito. Haveria tanta coisa para dizer, mas não neste período de nojo, que se poderia ter evitado. Nem vou dizer se concordo ou discordo com a análise feita pelo LaAB. Respeito a sua análise, mesmo que me pareça que nunca será com Andrés Andrés e Ruben Neves, que teremos nível de Liga de Campeões. O único comentário que faço é que a partir de ontem sinto me humilhado e gozado pela SAD ao continuarem com a manutenção deste pseudo projecto de qualquer coisa menos de treinador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Andrés" e "Rúbens" não serão nunca os craques da equipa, mas podem e devem ser a sua alma, a fonte de portismo onde os craques vindos de fora vão beber.

      De resto, é como diz, haveria mais para dizer. Mas recordemos que apesar da debacle, nada se perdeu... ainda.

      Eliminar
  3. Neste jogo nem foi o problema de os laterais atacarem juntando-se aos extremos. Se estes não atacaram, como haveriam de atacar os laterais? Pois foi nestes que o nosso "Lopes" viu o mal. E o mal está feito. Não vamos longe, lamentavelmente. Isto é f***** e esta equipa não está fadada para nada. Tudo espremido é o que dá.

    Só falta desculparem-se com o desgaste das selecções. E o "enterra" passa a ser o ex-engenheiro do Penta... Não me lixem! Quem trocou os papéis, e claramente não sabe a quantas anda, é o "Lopes".
    Zé Luis

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema foram os laterais e os extremos... deles, caro Zé Luís. E os médios também. Todos juntos, deram-nos água pela barba com uma estratégia muito bem ensaiada e melhor executada.

      Felizmente ninguém teve a indecência de voltar a falar na seleção como desculpa, era o (outro) cúmulo.

      Mas repito. Levantemos a cabeço e apoiemos os rapazes. Ainda temos tudo para ganhar.

      Abraço portista

      Eliminar
  4. Sei que vou ser crucificado, trucidado, insultado e heregemente queimado, mas acho Ruben Neves o elo mais fraco do nosso meio campo!
    Bem sei que o miudo está numa fase de aprendizagem, tem todo o tempo do mundo para evoluir, mas francamente, com 18 anos acabados de fazer, já ser o capitão de equipa, ter os olhos do mundo em si sobre levar a equipa ás costas, não farão dele um génio. Quanto muito o queimarão numa qualquer fogueira de jovens esperanças frustradas...

    Quanto ao nosso Mister, há coisas que me Doyen, mas quem sou eu para contr argumentar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui ninguém crucifica ninguém que eu não deixo :-)

      Conforme referi, o Rúben foi ultrapassado pela táctica do Rebrov. Ele e os outros. E do nosso lado, não houve reação e ajuste. Porque, suspeito, não há planos B ou C credíveis para resultados desfavoráveis ou mesmo para os evitar, quando se começa a notar que o jogo nos começa a escapar.

      Parece-me que ele já tem cartaz suficiente para conseguir um bom contrato fora, caso cometamos o erro de o desaproveitar. Mas concordo que não se pode exigir tudo dele ainda, daí a bonomia da minha avaliação à sua exibição de ontem.

      Quanto ao nosso mister, são coisas que nos vão doyendo a todos, por estes dias.

      Aguardemos por dias melhores...

      Eliminar
    2. Caro Felisberto, eu não sou um dos que o trucidará, pelo contrário. Sou da mesma opinião. O que se passa com André André e Ruben Neves, é o mesmo que se passou com Tozé. Era um craque, o que carregava a mística, o futuro na boca dos " portistas verdadeiros" que exigem a expulsão dos "adeptos exigentes" do Dragão ... hoje, não se distingue nem na mediocridade da equipa do Vitória e ninguém se lembra dele.

      Eliminar
    3. Com isto não estou a dizer que Ruben Neves não tenha potencial e que André André não seja um honesto, trabalhador e esforçado atleta. Para se chegar ao topo (F. C. Porto, Real Madrid, Barcelona, Bayern, Manchester) é necessário mais qualquer coisa.

      Eliminar
    4. Você tem mesmo uma implicância com o rapaz! Deixe-o trabalhar! :-)

      Mais a sério, acho que espera demasiado de ambos, em diferentes circunstâncias.

      Sobre o Rúben, já o disse: é um enorme talento em potencial, mas que já vai mostrando muito para a sua idade.

      Mas o André, meu caro, o André está no sítio certo na hora exacta. O problema não é ele, é quem o rodeia.
      Exemplo: Maniche. Per si, não seria ele a liderar uma grande equipa. Mas com o Deco ao lado a fazê-lo, tornou-se um grande jogador e tb ele decisivo em muitos momentos. O mesmo sobre Costinha (de quem nunca gostei muito).

      Ou seja, o mal do André é não ter um Deco ao lado. Tem um Imbula.

      E também acho (admitindo ser coisa minha, sem fundamentação), que Danilo e Rúben juntos não é (por agora) uma boa solução em termos ofensivos. Mas lá está, se o terceiro médio fosse o Deco...

      Eliminar
    5. Isso faz-me lembrar o... Lima Pereira!!! Tosco demais, caceteiro até dizer chega, foi sempre ttitulat do FC PORTO porque ao lado dele tinha sempre um central de classe. Fosse ele Eurico, Celso ou até mesmo Eduardo Luis!!!

      Eliminar
    6. Não se trata de implicância. Pelo contrário, quem é honesto, trabalhador, esforçado, como é o caso de André André, merecerá sempre de mim a máxima admiração. Simplesmente, estamos a falar de jogar no F. C. do Porto e aí, a excelência não se compadece com o cumprir benzinho as tarefas determinadas pelo técnico. Em meu entendimento se não tem o génio dos eleitos, a velocidade de execução dos predestinados, a cultura táctica dos melhores estrategas, a visão dos bons xadrezistas. capacidade de remate e espontaneidade no um para um, poderá fazer parte do plantel, mas titular...?!? Maniche tinha algo disto, Moutinho, também (muito bom no máximo das capacidades atléticas, mas se estivesse mal fisicamente, era um jogador banal).
      Ruben Neves, para mim é o Quinito, que poderá ter uma carreira bem melhor, se tiver a capacidade de melhorar as qualidades que tem e trabalhar muito, aquilo que é necessário para a posição que ocupa na equipa.

      Eliminar
    7. Com o devido respeito, comparar a arte futebolística de André com Lima Pereira... pobre André que não merece tal coisa.

      André não é caceteiro, nem tosco, ainda que não seja um brinca na areia.

      E além de honesto e trabalhador, tem talento caramba! Vai para além do benzinho, falta-lhe é o craque ao lado. Mas disso não tem culpa. Mas tem cultura táctica sim senhor (pergunte a Lopetegui - se até o basco ele entende...) e tem faro, sabe posicionar-se e aparecer no sítio certo para fazer golos. Não me parece pouco, mas aceito esta diferença de opiniões como (por ora) inultrapassável.

      O Rúben vai brilhar num qualquer tubarão europeu, pelo que "depois" falaremos sobre ele.

      Eliminar
    8. O Felisberto utilizou como termo de comparação o grande Lima Pereira, que tinha os defeitos todos que mencionou (alguns deles num central eram virtudes) mas acima de tudo, tinha uma qualidade rara, colocação! Duro de rins, mas não perdia uma dividida, bola pelo ar era dele e estava sempre onde aparecia a bola. Ainda o vi jogar no Maia, já no ocaso da carreira e sem correr muito, era o melhor defesa e comandava como ninguém, era líder.
      Sobre o André, não acho que tenha talento. Tem, sim senhor, sentido posicional, não é um bota de elástico, esforçado, jogador que qualquer treinador gosta porque dá o seu máximo, é esperto (é dos que melhor tira partido do caos que Lopetegui consciente ou inconscientemente instala) mas, infelizmente não vejo ali nem o pai dele, nem o Pacheco, nem o Sousa, nem o Rui Barros, nem o Rui Filipe. Aceito, até porque a grande maioria não tem a mesma opinião que eu, mas estaria a ser hipócrita se dissesse o contrário. No entanto nunca seria um jogador pelo qual, não sabemos porque carga de água, temos um odiozinho de estimação (como alguns têm pelo Brahimi e tinham pelo Quaresma), isso não. Acho que deve fazer sempre parte do plantel, mas titular de caras, tenho dúvidas.

      Eliminar
  5. Ha orquestra do Titanic no nosso FCP, vai para muito tempo. Muito adepto puxa pela glote e veia na testa na defesa nulidade instalada, mas vão sendo menos. A tal nulidade do "projecto", que deixou de o ser, sem que um pelo se levantasse nas ventas de quem fosse.

    Asneia-se e torna-se a asnear não chamando os melhores desde o inicio. Vemos a equipa da peladinha inofensiva uma e outra vez, ate vomitarmos o jantar. Muita bola para nada. Guarda-redes, meio tolo de sono, acaba por enterrar.

    Ponto da situação:
    No campeonato só uma equipa tem cheiro de campeão. Uma equipa muito pior do que a nossa, mas tanto, tanto pior que teve de abdicar de competir na Liga Europa para poder aspirar a algo internamente. Pé ante pé, vai ganhando os seus joguitos, a que junta golpes de asa de vitorias consecutivas diante do maior rival. Com uma bitola futebolistica subterrânea, fixada por anos de treva desportiva e financeira, o actual momento pariu um clima de confiança e união no Zebordem.
    Nos, pelo contrario, vamos sempre na expectativa. Expectativa do próximo Marítimo, Boavista ou Moreirense que venha confirmar o esterco instalado. Ninguém no FCP que seja são da moleirinha está confiante no titulo, nem unido em torno de coisa nenhuma. O adepto portista parte para cada jogo aspirando tão e somente ao alivio final de as coisas não terem saído mal, apesar de Lopetegui. Assim, esta é a atitude mental colectiva nos 3 grandes, resumida em poucas palavras:

    - Sporting: muita luta, jogo a jogo, ate a vitoria final.
    - FC Porto: vamos la a ver se o Sporting começa a falhar mais que nos. E seja o que Deus quiser.
    - SLB: vamos la a ver quanto tempo se aguenta o Rui Vitoria e se acabamos nos 3 primeiros.

    Deprimente.
    André Pinto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelente resumo, caro André, com poesia pelo meio (reparou? segundo parágrafo :-))

      Eu apenas daria uns retoques, nomeadamente:

      - Sporting: com tudo o que têm feito de bom e que assinalou, não devemos ignorar o beneplácito das arbitragens que os têm "Not Prejudicated" nos momentos chave. Não serve de desculpa para os nossos erros, mas serve para amenizar os deles.

      - Apesar da depressão do momento, sejamos tolos da moleirinha e continuemos a apoiar até que ganhemos ou fiquemos irremediavelmente afastados de ganhar. Parece-me que é o melhor que podemos fazer por agora...

      Abraço portista e volte sempre

      Eliminar
  6. Era mais que previsível, não era? Sempre que temos AQUELE JOGO, perdemos! Sempre! Quando uma vitória pode selar um objectivo ou traduzir-se numa vantagem importante contra um adversário, escorregamos e caímos. Sempre. Eis o Porto de Lotopegui.
    Miguel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem sido esse o registo, caro Miguel. Infelizmente. Falhar nos momentos decisivos.

      Tenhamos fé (o que mais?) que ainda vamos a tempo de ganhar tudo o realmente está ao nosso alcance (e é nosso dever).

      Abraço portista

      Eliminar
  7. Ainda acredito que poderemos ir a Stamford Bridge ganhar e passar à próxima fase da Liga dos Campeões.
    Tenho muita fé em Osvaldo. Fé, que tenha uma recaída comportamental e num treino ou num jogo que entre aos 88 minutos, se "aprochegue" de Lopetegui e lhe dê umas palmadinhas no rabiote, que já merece há muito tempo, colocando-o na linha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, finalmente um crente como eu!

      Estava mesmo à espera da oportunidade para acrescentar aquilo que tenho vindo a matutar durante o dia e que não escrevi na crónica do jogo: eu acredito que podemos ganhar ao Chelsea!

      Com a atitude mental de outros jogos, com coragem, espírito de entreajuda e confiança nas suas capacidades. Apesar de Lopetegui, se for o caso. Bem sei que as probabilidades são baixas, mas isso nunca nos deteve antes!

      Quanto a Osvaldo, parece-me que vontade não lhe falta. Espero que não seja no jogo da despedida, a confirmarem-se os rumores.

      Para já, temos é que golear o Tondela.

      Abraço portista

      Eliminar
    2. Acredito sinceramente que Osvaldo, Corona, Tello, Aboubakar, Bueno, Imbula, Herrera, Brahimi valerão no mínimo mais 50% por cento daquilo que têm mostrado. Lopetegui castra os jogadores que têm apetência para a baliza adversária e que executem um pouco mais rápido que a sua capacidade de raciocínio que é a de um caracol. Por isso só gosta de jogadores tipo Marcano, André, Campaña & Cª. Num dia em que esses jogadores pensem mais na sua auto-estima e não se lembrem de olhar para o esquizofrénico banco portista, é perfeitamente possível ganhar ao Chelsea em Stamford Bridge.
      Abraço Portista

      Eliminar
    3. Esperemos então que os astros se alinhem favoravelmente nesse dia 9 de Dezembro

      Eliminar
  8. Ironicamente, os 2 maiores investimentos financeiros do Porto para este ano, Casillas e Imbula, sao aqueles que podem ter retirado a possibilidade do Porto continuar na milionaria Liga dos Campeoes. Caso tivesse ficado apenas 0-1, bastaria o empate ao Porto em Londres para continuar em prova. Casillas ja comeca a justificar o investimento :) :).
    Agradou-me ler a sua cronica, lucida sobre o estado actual do Porto e parece-me que a sua opiniao sobre Lopetegui esta correcta. Eu gosto muito dele e do Rui Vitoria tambem. lol
    De resto, tambem acredito que o Porto possa ganhar em Londres, muito mais a este Chelsea 2015/16. Mas, se tudo correr dentro da logica, o Porto ira para a Liga Europa.
    Nota: Escrevo de teclado nao portugues, dai alguns erros ortograficos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não concordo, Casillas foi tão responsável como os demais companheiros. Imbula esteve mal, mas outros também estiveram. Eu sei que para um sportinguista é difícil de perceber, mas no Porto quando se perde, perdem todos.

      As contas ficam para o relatório, mas claramente Casillas não será um dos principais investimentos. Corona custou mais, por exemplo. E quanto a Imbula, o que importa é o que efectivamente despendemos e não o valor da compra.

      Quanto ao destino nas competições europeias, logo veremos. Mas agora compreendo a atitude do visionário JJ: ele antecipou que o Porto pudesse cair para a liga Europa e tratou logo de evitar correr o risco de nos defrontarem. Da última vez, tinha sido eliminado pelo Braga para não ser humilhado em Dublin. É um clássico.

      Abraço portista e boa sorte para amanhã (no mínimo, não nos envergonhem mais :-))

      Eliminar
    2. Referi-me a Casillas, do ponto de vista do "peso" na folha salarial. Além disso, veio para ser um GR que desse pontos. Volto a frisar, pode ser tão culpado como outros, mas o "frango" pode ter custado milhões: é que com 0-1 bastava o empate em Londres para passar.
      Quanto a Imbula, alguém sabe quanto o Porto pagou? Agora, é aposta forte do Porto, de certeza com vista a uma venda lucrativa, caso contrário não se compreendia a insistência num jogador que pouco tem oferecido.
      Abraço

      Eliminar
    3. Eu sei que sim, mas como bem sabe o custo que um jogador representa é composto por várias componentes e apenas o seu somatório demonstra o seu real peso nas finanças do clube.

      Quanto a Casillas não insisto, sei bem dos seus intentos maquiavélicos e não vou alimentar mais esse fogo verde. Apenas lhe digo que preferia meio Iker a 20 franguícios.

      Devolvo a pergunta: sabe quanto o Porto pagou? Se não sabe, não utilize como argumento...

      PS - safaram-se de vir ao Dragão para a taça. Mas vão a Braga... esforcem-se para nos encontrarmos mais à frente, ok?

      Abraço :-)

      Eliminar
  9. Não me vou alongar muito, a análise feita não difere em um ponto que seja do meu raciocínio, daí vou apenas mostrar o meu “desencanto” por neste basto naipe de comentários, muitos até, não duvido, saídos de gente bem posicionada e documentada, não haver um sequer que tocasse na ferida, isto é, todos teem culpa no cartório, Jogadores, treinador, se calhar até o Ricardo roupeiro e outros mais tá claro, mas ninguém se atreveu a apontar o nosso presidente Pinto da Costa como sendo, (isto segundo o meu entendimento e por aquilo que ouço por aí em “surdina” de muitos outros adeptos e sócios do nosso Porto) o grande responsável, não só por aquilo que o FCP está a passar, mas sim por tudo o que se vem passando há duas, três épocas atrás; Lamento puxar tal assunto, mas gozo da felicidade de não ter que vender a alma ao “Diabo”.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro carlmonte, aqui todas as opiniões bem intencionadas são bem vindas.

      Esse seu ponto não deixa de ser pertinente, ainda que óbvio: Pinto da Costa é sempre o responsável máximo por tudo o que acontece no clube, seja bom ou mau.

      Imagino que esteja a pensar que desta vez é diferente, pela idade do presidente e outras coisas mais. Talvez seja. Mas falando por mim, lembro-me de ter tido essa dúvida naqueles 3 anos em que não ganhámos o campeonato (Sporting-Boavista-Sporting) e depois foi o que se viu.

      Não quero com isto dizer que conto que a história se repita, mas sim que Pinto da Costa ainda é um grande líder e fará tudo ao seu alcance para nos devolver ao êxito. Isto não implica que não se fale abertamente da sua sucessão (democrática, evidentemente). Já o disse e repito: quanto mais cedo nós portistas começarmos a preparar(-nos) para a sua inevitável saída, mais fácil será quanto tiver que acontecer.

      Um abraço portista e volte sempre.

      Eliminar
  10. Não somos tolos ó armada espanhola, no dia 1 de dezembro faz anos que nos vimos livres dos espanhóis, espero que o nosso grande Presidente aproveite a data para que se repita a história...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que ainda não vai ser desta, caro Jaime :-)

      Abraço portista

      Eliminar
  11. O estado que o FC Porto se encontra, em que não deve haver um único portista que ao ver um jogo do FC Porto se sinta à priori com uma confiança ilimitada em qualquer jogo da era Lopeteguiana, deve-se em parte aos seus adeptos, que entrando numa de "parolismo paroquial", bajularam esta banalidade, incrivelmente, das coisas mais patéticas que já vi.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aí discordo - ainda que perceba o seu real ponto - porque se há alguém que não pode ser acusado de ter responsabilidades é o adepto. Aliás, tem, mas apenas uma: a da eleição do presidente. Tudo o resto não lhe diz respeito (até porque nunca lhe pedem a opinião).

      E já agora, o clube é nosso, dos adeptos. Seria bom que presidente e estruturas móveis não se esquecessem disso e parassem de nos tratar como meros clientes doutrinados.

      Abraço portista

      Eliminar
  12. Bom dia. Apenas, e só!, por justiça, penso que quem fez o passe errado no meio campo para o Derlis foi o André André e não o Brahimi.

    O Lopes é o treinador mais fraco que já passou pelo Dragão. Pode ter muita segurança defensiva (continuo a achar que o Marcano nunca será central para um clube como o nosso) à conta da sua famigerada (triste!) posse de bola. O que me preocupa é que qualquer treinador de pacotilha (eu!) consegue ver que esta equipa portista é um grupo de rapazes inconsequentes: Casillas, Marcano e Tello (não vou entrar por questões de nacionalidade!) são os elos mais fracos desta equipa. Valerão o esforço financeiro feito? Penso que não. Jogar com o Tello no Dragão com uma equipa que não se vai alargar muito no ataque é parvo! Não há espaço para o homem correr (ah e aquele rapaz que está no Olimpiakos, o Hernani, não faria o mesmo que o "pordígio" catalão? e muito mais barato?).
    Acusam o Benfica de acreditar muito na sua famosa estrutura, mas ao não se despedir o Floptegui não estará a nossa estrutura a fazer o mesmo?
    Com os melhores cumprimentos de um dragão lisboeta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nope, caro Tiago, foi mesmo o argelino "mágico": http://www.okgoals.com/match-highlights-1448397908---50

      Quanto à essência do seu "sentimento", acho que devemos ter alguma prudência nas análises individuais, simplesmente porque uma das missões e impactos do treinador é precisamente o rendimento dos seus atletas. Um bom treinador (ou que ganhe, pelo menos) consegue por norma fazer com que os jogadores rendam "acima" das suas possibilidades, como aliás tantas vezes se passou no nosso Porto. Já um treinador que perde, por regra faz com que cada um dos jogadores mostre menos do que realmente vale num ambiente de normalidade. Concluíndo, acho prematuro crucificar Casillas, Marcano, Tello ou outro qualquer... o que não invalida tudo o que vou observando e escrevendo em cada jogo que analiso, obviamente. Sobre Hernani, Quaresma e outros já escrevi muito, mas se quiser convido-o a ler, mesmo aqui abaixo tem links directos.

      Sobre o Benfica e a sua estrutura, creio que nem se pode comparar. Simplesmente porque nós temos uma (boa) estrutura, alicerçada no presidente, é certo, e eles não. Não têm nada. Até ao verão passado era Vieira e Jesus, agora é só Vieira.

      O caso de manter ou não o treinador é mais complexo do que isso, acho eu. Envolve outros acordos, também importantes para o actual modelo de gestão do clube. Mas como ninguém sobrevive a derrotas consecutivas, só lhe resta ser campeão. A bem da nação.

      Abraço portista e volte sempre


      Eliminar
  13. A culpa também é daqueles que sempre o defenderam. Como se pode defender tão medíocre treinador? Que jogo decisivo ganhou até hoje? Um... e apenas um. Inventa. Roda. Faz asneira. Joga sempre contra super equipas. Sempre. Até o Macabi tem esse rótulo. Enquanto cá estiver, ganharemos o mesmo que até agora: NADA.
    Bernardo Barreira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Culpa" acho excessivo, caro Bernardo. Enquanto adeptos não temos acção directa na gestão do clube. Indirectamente talvez, porque inevitavelmente influenciamos as decisões nos períodos mais críticos.

      No entanto, partilho das suas dúvidas porque não percebo como é que muita gente o continuou a defender depois do descalabro que foi a época passada.

      Abraço portista

      Eliminar
  14. O medíocre Lopetegui com o seu ego inchadíssimo, ao dispensar Quintero e Quaresma, cavou a sua própria sepultura. Porquê? Porque se ainda estivessem por cá, seriam certamente o saco de pancada da turba que idolatra a nulidade basca. Seriam os bufos, traidores, de carácter duvidoso, que não defendiam como o esforçado Tello, irascíveis, falsos que beijavam o símbolo sagrado. Pois, não estão cá. A desculpa do manto protector que ainda usam nas competições internas também já não colhe. A que conclusão estarão a chegar, os rifeiros de Guifões, os zelotas e carrelas desta vida?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perdeu-me nos rifeiros... a sério, saia do anonimato e conte-nos estórias! :-)

      Eliminar
  15. O sistema Lopetegui faz-me lembrar a minha infância!!!!!
    Eramos um pocou mais de meia dúzia de rapazes, uns de chinelos, outros de sapatos que tinham pertencido ao irmão mais velho, e outros descalços, á espera do puto queque do bairro que, futebolisticamente niguém o queria na equipa, mas era o gajo que tinha a posse da bola!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pobres queques, ostracizados apenas por terem tido a sorte de nascerem menos pobres... :-)

      Eliminar
  16. Caro LA e B

    Se me permite, uma pequena correcção à sua resposta ao anónimo das 01:13: Quem não tem, mesmo, qualquer responsabilidade no actual estado de coisas do futebol do nosso Clube é o simples adepto, independentemente do juízo que façam sobre as competências do nosso Treinador. Já os sócios, alguma terão, não só porque enquanto tal elegem o Presidente e por inerência a estrutura directiva, mas também, pelo que constato, as Assembleias do Clube primam pela ausência da esmagadora maioria dos Associados. É mais fácil e mais cómodo manifestarem-se nas chamadas redes sociais, muitas vezes a coberto do anonimato.

    Por outro lado, concordo consigo, nada mais lhes diz respeito até porque, também não lhes pedem opinião.

    Diz o LAeB que o Clube é nosso, dos adeptos. Como lema e doutrina não está mal. Mas acha mesmo que é assim nos tempos de hoje??!! Como suporte da minha dúvida, na Assembleia do dia 19 houve quem questionasse o Pesidente sobre temas prementes da actualidade do nosso Clube e, tanto quanto sei, o Presidente nem se dignou responder. Pelos vistos, continuamos a ser tratados como clientes doutrinados.

    O FC Porto é por esta altura, no que ao futebol diz respeito, um Clube amorfo, não se galvaniza, nem galvaniza.

    Salva-se a fé, a crença e a paixão incondicional dos sócios e simples adeptos, e já não é pouco

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Correcção aceite.

      Não duvide que o clube é dos sócios. A questão é que 3 décadas criam muitos vícios, permitidos e depois impostos.
      No dia em que os sócios decidirem eleger outro presidente, ele será eleito. Não tenho dúvidas. A bem. Mas se necessário, a mal.

      A essência do portismo vai muito para além do nosso estimado presidente PdC e sobretudo das claques pretorianas. Gosta delas no seu devido sítio, a apoiar o clube como mais ninguém o faz. Fora disso, zero.

      Eu estou e estarei sempre pronto a "pegar em armas", se chegar a isso. Mas acredito piamente que nunca será necessário, porque PdC sairá naturalmente, para nosso infortúnio. O que virá a seguir, nem "deus" sabe.

      Eliminar
  17. Muito bem caro LAeB. As suas convicções, enquanto sócio decerto dedicado e acompanhante de perto do quotidiano do nosso FC Porto não me merecem qualquer contestação, seria aliás, estultícia da minha parte fazê-lo, logo eu que sou um simples adepto e até vivo longe do Porto. Pelo contrário, tem a minha total concordância.

    Só mais uma nota, como Portista com um passado de muitos anos mas com memória, gostaria que não se inferisse do meu comentário anterior, qualquer laivo de ingratidão para com o nosso Presidente Jorge Nuno Lima Pinto da Costa. Óbviamente.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se preocupe, mesmo sem o conhecer já percebi que é uma pessoa correcta e afável, pelo que não me passa pela cabeça inferir qualquer coisa negativa da sua escrita.

      O presidente acabará por ser sempre um "dilema moral" para todos os portistas, numa ou noutra circunstância, porque por muitos erros que tenho cometido, cometa e venha a cometer, terá sempre a sua enorme obra por trás para equilibrar.

      E por último, não há adeptos simples nem complexos, seja qual for a sua geografia. Simplesmente se é do Porto ou não. E ambos somos, logo sempre em pé de igualdade.

      Abraço portista

      Eliminar
  18. Caro LAeB,

    Não ficaria de bem comigo se não lhe agradecesse o conceito lisonjeiro que tem da minha pessoa, Creia que é muito gratificante para mim. Talvez não imagine quanto.

    Quanto ao nosso Presidente, subscrevo na íntegra.

    Um grande abraço e obrigado.

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.