Do Porto com Amor: Hoje joga o Porto! (vs Dynamo Kyiv)

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Hoje joga o Porto! (vs Dynamo Kyiv)


Tempo de decisões. Carimbamos já hoje o passaporte para os oitavos? E o Maccabi, dá um empurrãozinho?


Decisões, decisões. Quem não gosta de as tomar? Os indecisos, suponho. Azar deles, porque é o tempo delas.

A começar pelas decisões de Lopetegui para este jogo, possivelmente das mais fáceis de tomar e até adivinhar. É a nossa zona de conforto, onde jogadores, técnicos e dirigentes gostam realmente de estar. E muitos adeptos também. E assim sendo, iremos mais uma vez a jogo com o que de melhor temos para oferecer ao futebol: arte, engenho e empenho. Uma bela mistura rumo a uma vitória que nos garante desde já estar no sorteio dos oitavos de final. Em rigor, até um empate será suficiente. As contas são simples: 

a) Qualquer resultado no Dragão que não seja a vitória do Dynamo garante-nos os oitavos;

b) Fazer um resultado melhor do que o Chelsea garante-nos os oitavos (mesmo perdendo);

c) A combinação dos dois anteriores significa assegurar desde já o primeiro lugar no grupo.


Cá para mim, no final do jogo vais meter a espada onde o Sol não brilha...
Já os de Kiev poderão não estar muito de acordo com os nossos propósitos, até porque mantêm ainda legítimas aspirações a qualificar-se. Aliás, basta passar pelo seu website para constatar o entusiasmo e a importância que atribuem a este jogo. Ainda assim, vão certamente refugiar-se no seu meio campo, procurando aguentar as nossas investidas e lançando as suas sempre que possível. 

Por uma vez, a retórica do treinador vai dar jeito... "É O JOGO MAIS IMPORTANTE DO ANO ATÉ AGORA" disse o mister na sua antevisão del partido dé tchampions.

E já que o é, mais uma vez apelo a treinador e/ou jogadores para entrarem em campo a mandar no jogo, dando um sinal claro de que o pior ainda estará para chegar...


A propósito de jogadores, aqui fica o meu palpite para o onze:




Sejam estes ou outros, têm tudo para vencer. Assim o queiram e o demonstrem.

Vamos a eles, carago!


Do Porto com Amor



11 comentários:

  1. Eu a treinador (ui, que bom!!!!) meteria mais força do que técnica no meio campo, e apenas trocaria Ruben pelo André e meteria o Tello na ponta. Há que dar ao adversário um traumatismo (u)craniano, mostrando que no Dragão mandamos nós.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu treinador também jogaria com dois alas, mas ele treinador normalmente opta por André como quarto médio. Se reparar, eu escrevi "o meu palpite" e não "o meu onze" :-)

      Eliminar
  2. O que um lápis não faz para testar a atenção dos seus fiéis leitores :-)

    Ficou da taça, obviamente será Iker.

    ResponderEliminar
  3. O meu onze seria:
    Helton; Maxi, Indi, Marcano Layun
    Danilo, Imbula, Corona e Brahimi
    Osvaldo e Aboubakar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Você não perdoa ao André, carago! Acho que finalmente arranjei um nick para substituir o seu anonimato :-)

      Eliminar
  4. Pelos vistos, nao teriam sido um erro ter deixado ficar o Helton lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para quem tem um mestre churrasqueiro na baliza, vejo-o muito animado com o Hélton e o Casillas :-)

      http://www.record.xl.pt/multimedia/videos/interior.aspx?content_id=931365

      Eliminar
  5. O Casillas não lhe é superior. Tem só mais marketing atrás de si, principalmente na Ásia. Em Madrid, os adeptos cansaram-se dos "frangos" e das constantes saídas em falso que fazem as delícias dos adversários.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi... cansaram-se dele, do Raúl, do Guti, do Luis Enrique e de outros 500. Gente estranha, não lhes basta ganhar. Querem circo também.

      Quanto a comparações, faça-me um favor. Imagine o Patrício com um saquinho às costas. O tamanho do saco é o necessário para os troféus que já conquistou. Já está? Pronto, agora faça o mesmo para o Iker. Ah, já sei, é falta de visão dos dirigentes dos todos os clubes do mundo... até o Beto ainda está à espera do contrato do Real...

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.