Do Porto com Amor: Uma Semana Difícil

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Uma Semana Difícil


Eram 6 da manhã quando o Tóino chegou ao ponto de encontro, uma praça que já fervilhava de agitação, em contraste com o resto da cidade arcebispal, que parecia ainda desfrutar dos últimos momentos de sono antes do maldito despertador ganhar vida.


O Tóino com 13 mesinhos


Ainda remeloso e com o bafo das últimas branquinhas da noite, o Tóino não conseguia esconder a sua alegria. A viagem ia ser longa, mas em festa: afinal, não era todos os dias que o Tóino tinha a sorte de poder ver os seus dois amores jogar, ainda por cima três jogos, o último dos quais entre ambos, se tudo corresse como previsto. E pelo meio, umas mini-férias no calor do Algarve.

A mancha vermelha à sua frente não deixava dúvidas quanto ao acerto da localização. Naquele momento, o Tóino ficou a pensar que já só faltava a sua camisola rubra e branca para finalizar aquele puzzle.

Quase meio-dia depois, finalmente a chegada ao local da festa. O comboio vermelho tinha atravessado o país de norte a sul, com inevitáveis paragens para almoço e verter águas. Os músculos estavam um pouco contorcidos, mas tinha valido a pena. Já faltava pouco para o inicio da final-four, era hora de acelerar para o estádio.

Ao fim da noite, tudo havia corrido bem. O primeiro dos amores a jogar (não necessariamente o primeiro do seu coração) assegurou a presença na final com uma vitória "sem espinhas", não se cansava de repetir. Mais umas bifanas e uns fininhos para acamar o merecido sono. Era preciso descansar bem, porque no dia seguinte jogava o máior.

O segundo dia correu preguiçoso. Mesmo se o sol se tinha feito difícil, a procrastinação tinha sido de qualidade. Ler as gordas nos jornais do café, rir-se das críticas do treinador adversário e aguçar o apetite para a degola que se avizinhava.

Já no estádio, Tóino, com outra camisola mas sempre de vermelho, vibrava com as bancadas semi-cheias, como se lá não coubesse nem mais um voucher. Vermelho. Durante o aquecimento, reparou nas parcas dezenas de adeptos do Moreirense, e comentou com o parceiro de ocasião: 

"Admiro estes tipos, pá. Fazem uma porrada de quilómetros só para verem a equipa perder... para nada... mas vêm na mesma, pá! Sim senhor...". E sorria, com aquela soberba que só os lampiões exibem.

Ao intervalo, tudo na paz do senhor. Só faltava mesmo cumprir calendário, aqueles últimos 45 minutos, e a festa da grande final estava garantida. O estádio cheio, vermelho, lindo. Era já a seguir.

Nem 10 minutos segunda parte adentro, algo não batia certo. Os maióres tinham adormecido e o Moreirense já ganhava por 2-1. Um acidente de percurso, pensou, já levam mais 3 ou 4 batatas. Tranquilo, mas um pouco menos.

Aos 71', aconteceu o impensável. 3-1 para o Moreirense. Mas q'é isto, pá? Brincamos? Bem, ainda faltam 20 minutos, é só marcar um e damos a bolta.

No final do jogo, o Tóino estava incrédulo. FOD@-SE, PÁ! Como é possível estes morcões terem desperdiçado esta hipótese de uma final de sonho? Sem andrades nem lagartos para atrapalhar, estava tudo feito, carago... Filhos da put@! Chuuuuloss! Gritou ao passar pelo autocarro dos máiores.

Foi directo para o desconforto da pensão manhosa que o organizador da excursão tinha arranjado (mas o preço era imbatível). Voltou a sair, mais duas branquinhas no café do lado e cama. Porra, pá, filhos da put@... mas prontos, nem tudo é mau: amanhã uma praiinha com comes e bebes e depois o caneco.

Nem praiinha nem caneco. Como se não bastasse o mau tempo que se fez sentir durante toda a estadia, o grande, o enorme Moreirense voltou a limpar o rabinho aos lampiões de Braga, tal como havia feito aos de Lisboa. Glória ao Moreirense, primeiro campeão de inverno (seja lá o que isso for).

Quem não queria saber de glórias era o Tóino. Umas férias de sonho transformadas num pesadelo do c@r@lho. Como é possível estes &#%&$"%& não terem ganho? É que nem uns, nem outros!! #$"$%!"!!!

A viagem de regresso a casa seguia lenta, arrastada e penosa perante a indiferença das planícies alentejanas. O silêncio era quem mais ordenava. Mas o Tóino não era homem para se render. "Não hei-de regressar a casa sem uma vitória, c@r@lhos me [forniquem]!". Levantou-se do seu lugar como uma mola que se descomprime, trocou algumas palavras com organizador e motorista e estava decidido. De peito feito e orgulhoso de si, dirigiu-se a todos os que seguiam no autocarro nº13:

"Eu sei que estamos todos chateados, mas um bermelho nunca desiste. Eu já decidi, num bolto a Braga sem ber um dos meus clubes ganhar. Quem fica comigo em Setúbal para amanhã?"

Pelos últimos relatos, parece que o Tóino está agora alojado numa pensão em Carnide. À espera do próximo jogo e de uma vitória, para poder finalmente voltar a casa. "Boa sorte" homem, espero que não voltes a Braga antes que seja Março.



Lápis Azul e Branco,

Do Porto com Amor




4 comentários:

  1. LOL!! Com um teco de sorte, só volta um ano depois do xóringinheiro do penta ter voltado para casa dele...

    ResponderEliminar
  2. As branquinhas, são daquelas que se arranjam na porta 18? :) :) daquelas que até fazem imaginar que a mais maior grande equipa do mundo perde com moreirense e Setúbal na mesma seman... Oh wait! :) :)

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.