Do Porto com Amor: Dia de jogo: CS Marítimo - FC Porto (1-1)

domingo, 23 de agosto de 2015

Dia de jogo: CS Marítimo - FC Porto (1-1)



E ao segundo jogo, os primeiros dois pontos perdidos.



Comecemos pelo onze inicial. Mais ou menos alinhado com as previsões gerais, Lopetegui preferiu manter Herrera e deu a merecida titularidade a Varela. Tudo dentro do expectável. À partida, um onze com boas condições para triunfar.

Começou o jogo e logo se percebeu que não seria bem assim. Mais uma entrada frouxa q.b. (a enésima na era Lopetegui), quem sabe se motivada pelas declarações e correspondente postura do treinador na antevisão ("jogo de máxima dificuldade"). Afinal, parece que o basco ainda não percebeu onde está nem a responsabilidade que o nosso historial impõe. Nós somos Porto mas não é de letra, é de atitude. Em Portugal, temos que entrar sempre com a confiança para dominar e ganhar em todos os campos, apenas admitindo maior equilíbrio em Alvalade e na Luz. 

Castigo divino ou aleatoriedade cósmica, o certo é que o jogo começou da pior forma. Ao minuto 4, Varela marca um canto de onde resulta um lançamento a nosso favor, por Maxi. Confusão, contra-ataque do adversário por Marega, que temporiza, novo ataque pela nossa direita com cruzamento largo para o primeiro golo do jogo. Falha grave de Cissokho após displicência de Varela na pressão sobre Marega. E pronto, começamos a perder.

A reação ao golo demonstrou vontade mas com pouca competência e muita previsibilidade. E outra coisa, na disputa de cada lance, os jogadores do Marítimo estavam sempre dispostos a dar um pouco mais do que os nossos. Como se tivéssemos ainda todo o tempo do mundo para inverter a situação. O nosso jogo muito afunilado, médios sem profundidade nem progressão, o jogo a chegar lento às alas, sem vantagem numérica, previsível e fácil de anular, excepto pelo talento individual. Mas repito, com vontade os jogadores. Sem grandes ideias, mas com vontade.

Golo de Herrera aos 34' e tudo voltou a serenar, como se já estivesse garantido o mal menor e isso fosse suficiente. Com mais uma ou outra tentativa envergonhada de assalto à baliza adversária, chegou inexorável o intervalo.

Tendo em conta o golo sofrido logo a abrir, no descanso era pior a exibição do que o resultado. Mas isso não me animou nem um pouco. Sou portista e não me deixo levar por esta onda condescendente que julga aceitável ou satisfatório jogar de igual para igual ou apenas um pouco melhor que o Marítimo.

Mas avancemos então para o segundo tempo

O que seria de esperar depois de 45 minutos em que entramos a perder mas conseguimos empatar, deixando tudo como no início?
Uma reentrada fortíssima, a empurrar o adversário para as cordas e fazer rapidamente o segundo golo. 

E o que aconteceu?
Um regresso tranquilo, a ver o que o jogo ia dar. A pasmaceira habitual da equipa de Lopetegui. Sem sentido de urgência nem consciência colectiva da responsabilidade. O adversário agradeceu e começou ele próprio a fazer contas ao que mais poderia conseguir do jogo, com os nossos cumprimentos. Bola para o lado, bola para trás, bola para Maicon e passe transatlântico para onde calhasse (às vezes bem , às vezes mal).

Aos 55', dupla substituição. André André e Tello por Herrera e Varela. Alguma alteração táctica? Algum risco? Nada, zero

Posso aceitar que não tenha substituído ao intervalo para ver se a palestra sortia efeito (estou a pressupor que houve uma), mas se ao fim de apenas 10 minutos já tinha constatado que a sua retórica havia falhado, por que raio não deu alterou a forma de jogar para uma postura mais ofensiva, passando clara mensagem (por actos e não palavras) que o jogo era para ganhar fosse de que maneira fosse? É verdade que a dupla recém-entrada quase fazia golo logo aos 58', mas rapidamente se deixaram absorver pelo marasmo e deserto de ideias que nos caracterizou.
E o jogo lá avançou, sempre muito disputado, muito "físico" por parte dos visitados a defender e rápido a sair para o contra. No último quarto de hora o jogo começou a partir-se, com perigosos espaços a surgirem nas nossas costas, mas sem que isso tivesse como contrapartida o reforço evidente da nossa pressão ofensiva. Algumas excepções como a quase-assistência de André para o desperdício de Abou na pequena área. 

E a seguir, o inexplicável. Osvaldo entra (finalmente) mas quem sai é... Aboubakar! O nosso avançado é substituído a pouco mais de 10 minutos do fim de um jogo em que estamos empatados e temos que ganhar. Existirá alguém com criatividade suficiente para me tentar explicar isto?

Osvaldo entrou para o mesmo anonimato de Abou, mas como poderia ser diferente se nada mais se alterou? Ainda assim, sofremos um ou outro susto em remates de longe e criamos mais algumas situações de perigo na área, a mais relevante das quais o cabeceamento de Maxi à trave no último andamento da partida. Podíamos ter tido a felicidade de marcar nesse lance e ganhar, mas seria "apenas" essa a diferença: 3 pontos em vez de 1. De resto, nada mudaria nesta análise.


Vamos então às notas DPcA:

Casillas (6): atrapalhou-se com os pés após um "remate" de Herrera mas correu bem. De resto, pouquíssimo trabalho ainda que com alguns sustos em remates que passaram próximo da baliza. 

Maxi (7): quase saía em ombros como o herói da pátria, mas a fortuna riu-se na cara dele (e nas nossas). De resto, entrega total durante todo o jogo, com mais ganas a atacar do que a defender, como é sua característica.  

Marcano (6): teve Marega a invadir constantemente o seu território e nunca pode relaxar. Procurou simplificar e reduzir espaços, o que conseguiu quase sempre. Cumpriu bem.

Maicon (6): é lento e disso não nos livramos. Seja a atacar ou a defender, parece que tem um lag de um ou dois segundos entre o pensamento e a ação. Mas ontem não foi por ele. Cumpriu sem reparos de maior.

Cissokho (5): indiscutivelmente responsável máximo pelo golo sofrido, soube seguir em frente e foi à luta sem reservas físicas ou mentais. Não conseguiu ser tão ofensivo como seria desejável, mas o Marítimo também deve receber crédito por isso.  

Danilo (6): começou com dificuldades de posicionamento, foi melhorando e começou a desmarcar-se mais à frente, mas raramente foi opção de passe para os seus companheiros. Não só nunca foi o patrão que diz gostar de ser (e que não seria expectável que já o fosse), como quase sempre se limitou a tarefas defensivas, que cumpriu relativamente bem. 

Imbula (6): jogo complicado de analisar, este do francês. O mais relevante que fez foi a assistência para o golo, só por si feito relevante. De resto, sem ter estado mal, também não se destacou por contribuir mais do que a média para o nosso jogo ofensivo.

<-55' Herrera (6): Não, não foi o pior dos nossos, mesmo sem acrescentar grande coisa ao jogo colectivo. Por vezes é também ele vítima da "similitude" dos médios. E os passes, senhores, os passes são impróprios de um jogador profissional, ainda mais ao serviço do FC Porto. Aquele atraso para Iker... Mas ontem foi dele o único golo que nos separou de nova derrota na Madeira e isso tem que ser (sobejamente) valorizado. 

Melhor em Campo - Brahimi (7): sem deslumbrar, inventou espaços e ajudou a equipa a subir e chegar à área. Mas afunilou em demasia e tem dificuldade em fazer o passe longo para tirar partido do espaço que a sua criatividade descobre. Ainda assim, foi muitas vezes ele a agitar as águas e por segundos, devolver-nos a esperança. Como na assistência para a cabeça de Maxi, no último suspiro da partida.

<-55' Varela (6): esforçado, também ele falhou no lance do golo (não tinha que ser ele a "ir" a Marega, mas já que foi tinha que ser mais assertivo). Teve algumass boas incursões na linha mas o último passe nunca foi com açúcar. Saiu cedo do jogo, quando se procuraram outras soluções que ele não estava a dar.

<-79' Aboubakar (5): quase ninguém o viu nos primeiros 46 minutos, até sofrer a falta à entrada da área que nos ofereceu um livre muito perigoso, para Brahimi desperdiçar. Passou toda a primeira parte prisioneiro dos centrais e trincos madeirenses, incapaz de sair dessa zona para procurar jogo e abrir espaços. Começou a segunda metade mais dinâmico e disponível para colaborar mas foi sol de pouca dura. Voltou ao mesmo registo e por lá continuou até à sua incompreensível substituição, logo após não conseguir fazer golo (em posição de esforço) já na pequena área. 

>55' André André (7): entrou voluntarioso e a assumir a responsabilidade de fazer a equipa rodar mais depressa e chegar mais vezes ao ataque, o que conseguiu a espaços. Com o passar do tempo, deixou de ser capaz de arrastar a equipa consigo, antes sucumbindo, também ele, morto de sede no deserto de ideias de Lopetegui. Mas nunca deixou de lutar, o que nestes jogos pode acabar por valer ouro.

>55' Tello (6): continua a perder demasiadas bolas fáceis, seja a dominar ou a passar. Falta -lhe o #vamosportocaralho dentro do campo, só Twitter não chega. Ainda assim teve alguns bons lances pela direita e quase consegui o golo ou a assistência. Passa muito tempo ausente do jogo e desta forma vai continuar a ver o início dos jogos sentadinho no banco.

>79' Osvaldo (5): entrou com vontade... de ver o primeiro vermelho de dragão ao peito. Não agrediu ninguém mas arriscou-se (ainda que o adversário tenha feito o mesmo e primeiro). Se vai ser assim, boa sorte para nós. De resto, foi mais vítima do que vilão. Em vez de entrar como parceiro de Abou, entrou para o seu lugar. E sozinho, também ele não conseguiu ser útil à equipa. Teve uma bola em profundidade que não conseguiu dominar a preceito e pouco mais.


Outros intervenientes:

António Xavier e Moussa Marega. Não é de agora, na época passada já lhes detectei talento e fortes possibilidades de subirem muitos degraus nas suas carreiras. Muito irreverente, técnico e consequente o ala. Já o avançado, apesar do porte respeitável, muito móvel e com finalização. Trazia ambos para o Porto.

Uma palavra de apreço para Ivo Vieira, o treinador do Marítimo. Não conheço a maioria dos seus jogadores, mas o que conta no final - o efeito prático das suas alterações - resultou sempre. Respondeu às nossas e conseguiu neutraliza-las em grande percentagem, ainda que no derradeiro lance com um enorme beijo da Lady Luck. E ouvi-lo na flash foi até reconfortante. Recomendo, a quem não ouviu ou não prestou atenção.

E outra para o árbitro, Hugo Miguel. Quase sempre bem e nada caseiro, se é que me faço entender. No lance final de Maxi à trave pode discutir-se se há falta do jogador maritimista, mas não é um lance claro e evidente. Nem ele ajudou Lopetegui a defender o indefensável. 



Depois do discurso absurdo de abordagem ao jogo, em que, como tantas outras vezes, insistiu em fazer do Marítimo um adversário de valor idêntico ou até superior ao nosso, Lopetegui foi correcto na flash após o jogo, mas o que disse pouco interessa. Porque o injustificável não pode ser justificado. Gostei bem mais do silêncio (forçado) de André André.
 
Em resumo, ano novo, o mesmo... cacau.

Pior que o desfecho do jogo, só mesmo a postura de Lopetegui no banco, gesticulando e barafustando loucamente, que nem uma teenager histérica por os pais não a deixarem ir ao concerto. Não se compreende este desespero tão temprano. Porque ou os jogadores são todos burros ou então não sabe passar a sua "mensagem" durante os treinos diários sobre como deseja que a equipa jogue.

Espero e confio que ao fazer a retrospectiva desta época, verifique que este tenha sido O percalço, isolado e de preferência único. Caso contrário, sugiro que usem mais vezes o equipamento alternativo, sempre é mais condizente com o que fazem.  

Tremenda desilusão.

Siga para bingo, já no próximo sábado, no Dragão, contra o Estoril Praia. Quem quiser dois bilhetes, pode concorrer aqui!


Do Porto com Amor (e bastante azia)



18 comentários:

  1. É ver o corrompio dos zelotas a virarem o bico ao prego para dizerem que são Portistas. Depois da obra que fizeram a Quaresma e Quintero é vê-los a clamarem por um "fantasista". Esta gente não tem vergonha mesmo.
    Com este artista do Lopetegui isto estava mais que escrito nas estrelas. Até o Octávio Machado viu isto em sinais de fumo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Partilho da frustração, mas calma que ainda estamos a começar. E esta noite há quem esteja pior...

      Eliminar
  2. O nosso grande mentor, José Maria Pedroto, tinha uma frase muita característica quando lhe perguntavam as candidaturas ao titulo. Pedroto resumia tudo a... estofo!
    Neste campeonato há 3 candidatos ao titulo, e ridiculamente, nenhum deles tem estofo de campeão!
    Mas com os outros 2 posso eu bem, é do meu FC PORTO que me indigno!

    Lopetegui, a contragosto dos pipoqueiros que gostam de tudo desde filmes do Manoel de Oliveira às canções do Quim Barreiros, é um grande treinador. Para mim é banal, mediocre, em suma, um treinador igualzinho aos milhares que pululam no futebol profissional mundial!
    Este sindrome da Madeira tem nome: Lopetegui!

    Quando um treinador nas suas conferências de imprensa, diz que o (próximo) adversário é muito dificil, mesmo que seja o Gervide, está tudo dito, sobre ter ou não ter estofo! Respeito pelo adversário é uma coisa, menorizar a própria equipa é outra. Eu que tenho um Fiat Punto de 1999 a desfazer-se vou onde vão os BMW, os Mercedes e os Audi, mas eles sabem que chegarão sempre primeiro que eu e eu também sei disso! Para Lopetegui o meu Fiat é tão portentoso quanto um Ferrari!

    A escolha de Pinto da Costa, um presidente que sempre admirei e vou admirar, mas cuja admiração não faz de mim refém de criticas, foi absurda e até atabalhoadamente explicada na sua ultima entrevista ao jornal O Jogo.
    Por uma questão de lógica, seguindo o raciocinio de PdC, então mais valia ter ido buscar o Folha ou o Capucho ou mesmo o Rui Barros para treinador da equipa principal!

    Não se trata agora de mudar meia equipa de ano a ano (todos fazem isso, ainda ontem o Marítimo também jogou com muita gente nova) a nova desculpa para o insucesso! Afinal estamos a falar da troca de jogadores profissionais por outros profissionais e que não vieram própriamente do campeonato do Burkina Fasso! Há uma falácia muito grande quando se diz que uma equipa leva tempo a construir. Então porque é que os campeonatos só duram em média 8 meses? Quando se joga á bola e se tem as noções básicas do futebol (aprendidas nas camadas jovens) a única coisa que leva um certo tempo a assimilar é a mecanização das pedras, ou como dizia o Toni, os automatismos da equipa.

    Lopetegui encalhou num tipo de jogo que só Guardiola conseguiu levar a bom termo (e Del Bosque aproveitando a corrente) no Barcelona. veja-se o caso do bayern. Excelentissimo a nivel interno, o costume a nivel da Champions! E Guardiola é... Guardiola!

    É revoltante, é ultrajante mesmo, ver uma equipa a perder ou empatada, e os seus centrais a trocar a bola entre si, até que de repente maicon se lembre de fazer um passe de 40 ou 50 metros! Vá lá que na maioria dos casos até lhe sai bem, mas isso é táctica?
    É revoltante ver a linha média trocar a bola entre si e depois falhar um passe absolutamente nornal a 5 metros de distância!
    É revoltante, ver a linha avançada só com um homem e meio (porque entretanto Aboubakar teve que vir atrás buscar jogo!). Ou seja vai o extremo por ali fora e não pode centrar porque na área não mora ninguém!
    É revoltante, ver todos os cantos marcados, interceptados pelo defesa do... primeiro poste! A bola nem consegue chegar á marca do pénalti!

    Oxalá me engane bastante, mas o projecto a 3 anos com Lopetegui, faz-me lembrar a baixa do Porto; vai ser reabilitada mas cada vez mais há prédios em ruínas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Felisberto

      Quase em total acordo com a sua detalhada exposição que agradeço.
      Estarei eventualmente um pouco mais optimista quanto ao desfecho do projecto, pese embora a actual frustração que me assola. Nem que seja por sermos menos maus que os outros. É que a classe individual dos nossos, bem superior à dos rivais, pode muito bem vir a ser a salvação do treinador.

      Um abraço esperançoso

      Eliminar
    2. Caro Felisberto o treinador está ao nível da Directora de Marketing. Por este andar vamos ter títulos e sponsor só na TV7 Dias ou na Flama,se a Cofina a recuperar e colocar fotografias de gente que acha que é importante.

      Eliminar
    3. O Felisberto descreveu com todas as letras a maleita de que padecemos.
      "Lopetegui, a contragosto dos pipoqueiros que gostam de tudo desde filmes do Manoel de Oliveira às canções do Quim Barreiros, é um grande treinador. Para mim é banal, mediocre."
      Sem tirar nem pôr.

      Eliminar
  3. Pelos vistos as poucas ideias novas e decentes q vimos an pre-epoca (medios mais criativos, 4-2-3-1, combinacoes an zona frontal) eram so fogo de vista :(
    Assim q comeca a serio, o nosso brilhante treinador volta a unica formula que conhece com musculo a triplicar no meio campo, e jogo q so avanca pelas alas. Impressionante a teimosia em por Herrera em campo. Eu vejo muitos comentarios a dizer q o Herrera nao esta em forma- devem ser is mesmos q achavam q o Oliver era fraco pq nao tinha tamanho e que nao percebem q Herrera esta como sempre - jogador de distritais. So q agora nao tem outros q lhe facam a papinha e nota-se mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tinha esperança que o mexicano fizesse o click e se assumisse como o bom jogador que poderia ser. Mas tarda em fazê-lo, possivelmente para lá do recuperável. Uma saída airosa para todos seria a sua transferência antes do fecho do mercado. Caso contrário, vai seguramente continuar a fazer partes das opções, so help us god...

      Eliminar
  4. Perdemos a primeira grande oportunidade de ganhar pontos a todos. Além da falta de atitude, falta sim algum talento. Precisamos de um líder número 10 e de um avançado de nível! Sem isso e com a liderança atual não posso estar seguro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode faltar algum talento para fazer boa figura na champions, mas não seria já suficiente para consumo interno o actual, se fosse melhor aproveitado?

      Abraço

      Eliminar
  5. Caro LA e B,

    Comecemos pelo fim. Com pena minha minha, não posso concorrer aos bilhetes por residir na área de Lisboa. Fui assistir ao jogo de apresentação, a exemplo da Época passada em que me desloquei ao Dragão mais três vezes para assistir a outros tantos jogos do nosso FC Porto. Mas isso são "extravagâncias" (boas), que só a paixão pelo nosso Clube me autoriza a fazê-las.

    "Tremenda desilusão"... Bom, no que me diz respeito, talvez apreensão. Depois de uma estreia prometedora na Liga ante o V. Guimarães, frente ao Marítimo e aqui sim de acordo consigo, regressamos ao mesmo "Cacau".

    Concordo sem grandes reparos, com a sua análise ao jogo em todas as vertentes. Não acrescentarei mais nada porque o resultado e a exibição, sobretudo esta, foram um autêntico balde de água fria nas minhas expectativas, que me encontro ainda em estado de hipotermia com prognóstico reservado, isto nas previsões mais optimistas, até ao jogo com o SLB.

    Um abraço .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi mesmo isso, caro Fernando, que quis dizer com a tremenda desilusão: o enorme balde de gelo fétido que despejaram sobre mim.

      Quanto às vindas ao nosso Dragão, já considerou utilizar o dragões à boleia?

      Um abraço azul e branco

      Eliminar
  6. Caro LA e B,

    Já tinha conhecimento da modalidade "Dragões à Boleia" embora desconhecesse o modo de funcionamento. Aproveitando a sua sugestão, que desde já agradeço, fui pesquisar e é uma ideia interessante, sobretudo a possibilidade de poder conhecer outros Portistas. Mas, há sempre um mas, e sem desprimor pela sugestão do meu amigo, acontece que sou um pouco comodista e assim sendo continuarei a optar pelos moldes habituais, ou seja, vou fazendo um pé de meia e quando atingir a verba e independentemente do jogo, afinal o objectivo é ir ao Dragão usufruir do FC Porto no seu todo, reservo atempadamente o Hotel habitual muito próximo do Estádio, meto-me no Intercidades...et voilá. Não fica barato,mas o objectivo é compensador, inunda-me alma Azul e Branca.

    Peço desculpa por este arrazoado e mais uma vez grato pela sugestão.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Por causa da desilusão de Sábado,Lopetegui tem sido, quanto a mim justamente, zurzido em tudo quanto é expressão portista. Foi um jogo para esquecer mas há muita, muita coisa bem feita!... Um plantel excelente que deverá chegar para ganharmos o campeonato, caso não haja "colinho" que, ao que parece, já faltou em Arouca. Há muita coisa boa feita como o facto dos nossos adversários raramente chegarem a ocasiões de golo. O de Sábado nem nos infantis acontece. Lopetegui terá de evitar "encostar" gente como Indi, André, Sérgio, Rúben Neves, Bueno e Osvaldo. Não ter receio de rodar a equipa. A falta de atitude do Porto no Sábado é inadmissível e justificável por jogarem sempre os mesmos. Retenho Imbula a progredir passando por três ou quatro adversários e depois a passar para trás e André a perceber que os outros não se mexiam e a acomodar-se à lentidão. Compreendo a fúria de Lopetegui no banco mas deverá exercê-la nos treinos para que a equipa corra, seja rápida e resolva os jogos. Esperemos que o próximo jogo com o Benfica não seja mais uma desilusão como foi a de Sábado, como foram as da época passada com o Benfica, o Sporting e como o "Titanic" de Munique. Apesar de tudo, como escrevi, este campeonato será nosso se não houver colinho, como teria sido nosso o da época passada sem ele. Saudações Portistas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro jnporto

      Também estou confiante que recuperaremos o título de campeão, nem que seja porque os outros são efectivamente mais fracos.

      Eu percebo o seu ponto de que há "muita coisa bem feita" e concordo parcialmente, porque não me parece que se possa incluir o treinador no rol dos responsáveis.

      Até ver, o melhor que Lopetegui deu ao Porto foi a capacidade de atrair jogadores espanhoies e/ou da liga espanhola, que antes dele não parecia possível. Mas na sua principal função - por a equipa a jogar futebol - ainda tem muito que andar antes de merecer o meu reconhecimento...

      Mas repito, ainda assim temos as melhores condições para sermos campeões (mas menos do que na época passada, já vou escrever sobre isto a seguir).

      Um abraço portista

      Eliminar
  8. Este blog tem posts muito interessantes. Gosto das análises detalhadas dos jogos, dos jogadores, do plantel que faz. Não encontrei até agora nenhum blog do meu clube com esta qualidade. Parabéns!!!
    Uma curiosidade: como consegue apresentar os nomes dos 11 jogadores no template do relvado verde? Vejo escrito "powered by footballtactics.net", mas vou a esse site e aparece-me em chinês... Talvez me possa ajudar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço a simpatia, espero continuar a merecê-la de futuro.

      Site: http://outsideoftheboot.com/tactics-creator/
      Ontem descobri uma app para iphone que promete melhorias gráficas, vou testar no próximo jogo.

      Abraço

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.