Do Porto com Amor: Sobre a entrevista de Lopetegui

domingo, 9 de agosto de 2015

Sobre a entrevista de Lopetegui


Sobre a entrevista de Lopetegui a O Jogo


Para mim, a nota mais forte de toda a entrevista é a assumpção pública de Lopetegui que é a ele a quem compete a gestão desportiva, que é como quem diz, é Lopetegui que decide quem se deve contratar ou, em sentido inverso, Quares... dispensar. Evidentemente que logo de imediato faz questão de salientar que é um trabalho de equipa, de decisão colegial entre ele e a direção, mas apenas porque sim. Percebe-se claramente que quem decide é ele. Depois, logicamente cabe à "estrutura" a palavra final, averiguando se tem condições ou não para lhe satisfazer os pedidos.

Sobre isto, duas notas:
  • Uma claríssima inversão de ordem das coisas no nosso Porto, rompendo com a nossa tradição, ou melhor, com a do presidente Pinto da Costa. Os porquês terão de ficar para outros futebóis, por agora limito-me a constatar
  •  Por princípio, não só não me parece mal como até me revejo no modelo, mas tal implica (ou deveria implicar) um comprometimento com o clube de "longa" duração (se sai, por exemplo, ao fim de dois anos, os jogadores que contratou ainda ficam com contrato, mas nada garante que o treinador seguinte os queira).

De seguida, gostei de ler que "todas as equipas e treinadores tratam de evoluir e de renovar conceitos, dentro das características dos novos jogadores, para criar soluções que nos permitam responder às exigências. " e, no mesmo comprimento de onde, que "Bueno dá-nos alternativas que não tínhamos antes. É um jogador que pode fazer golos e ser terceiro médio. Mas há outras alternativas que se calhar ainda não encontramos e de que continuamos à procura".

Não sei se estou a ser demasiado optimista na interpretação (tendo em conta o que assistimos ainda hoje contra o Nápoles), mas parece-me que Lope reconheceu por um lado, que também está em processo de aprendizagem (o que só lhe fica bem), e por outro, que procura outra(s) forma(s) de jogar para a equipa. Espero sinceramente que sim, porque precisamos.

Uma prova de que Lopetegui evoluiu é que fez questão de vincar que o que procura num jogador é competência, mas com a (grande) ressalva de que se possível, associada à experiência. Uma clara evolução, já vertida nas contratações.

Também gostei da desmistificação que fez do conceito de "mística", dizendo que para ele "mística para mim é ser um bom profissional, responsável para com os adeptos, para com a história do clube. Isso vai no coração de cada um, não na naturalidade. Para mim, mística é tentar ser um campeão todos os dias". Eu concordo mas acrescento, porque me parece ligeiramente incompleta. É tudo isto e também querer sempre mais do que os outros e fazer sempre mais por isso.

Gostei igualmente da abordagem que faz à chegada de Casillas ("O que fizeste antes não te garante nada para o futuro e todos sabem disso"), da grande fé que tem em Rúben Neves, que Alex é para manter (assim o deseja) e de que ainda (des)espera por Óliver.

E por último, gostei de ler que ele é "a favor de todas as iniciativas do meu clube". Taxativo. Tau.

A farpa da entrevista ficou reservada para comentadeiros e média do jornalixo: "Pinto da Costa disse que deu muita conversa aos comentadores desportivos. “E tem razão. Mas porque não conhecia o circo. Tem razão absoluta”, reconhece". Lá palhaços não faltam, é certo.

Sobre a questão Champions Cup, um grande "fico na mesma", porque não quis explicar com detalhes. Não estou convencido que não seja esse o caminho a trilhar, tal como os maiores clube o fazem (e o suplente SLB também). Mas admito que eventualmente nos tivesse calhado a fava da competição em termos de jogos e itinerários, pelo que é um caso a rever na próxima época.

Não fiquei tão agradado com ideia de que o campeonato não é prioridade sobre as outras competições. É claro que é, e é bom que alguém lhe explique isso. Percebo que queira comprometer os jogadores com todas as competições, o que é positivo. Mas não tem porque negar que a máxima prioridade é recuperar o título de campeão. Não é segredo para ninguém. Até porque finalmente reconheceu que (pelo menos) "contra Nacional e Belenenses não estivemos à altura". Não chega, mas é um começo. E claro, os votos de que em termos de arbitragem "tudo seja mais equilibrado" este ano. Hear! Hear!

E no mesmo caminho, o enaltecimento do "grande percurso" que fizemos na Champions no ano passado, comparando investimentos de uns e de outros (não sei se se referia ao Bayern ou ao Bate Borisov...) e a patética conversa de que ganhámos 3 partes ao Bayern e perdemos apenas uma. Patético.

Não vou comentar o que disse sobre Quaresma, porque simplesmente se desviou da bala prateada. Para não ir mais longe.

Globalmente, pareceu-me um passo em frente. Falta agora concretizar as suas palavras.


E assim sendo, ficámos por aqui. Parece que já ouço o mar a afagar as areias da praia.


I'll be back. From the Sea, with Love.


8 comentários:

  1. É o Ricardo Salgado do F. C. do Porto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por ser DDT ou por nos levar à ruína? :-)

      Eliminar
    2. Por ter ambas as facetas, não acha?

      Eliminar
    3. Nem pensar! Só posso admitir que ENQUANTO cá estiver, nos irá conduzir à GLÓRIA (halleluia, praise the lord)

      Eliminar
  2. Ganhamos três partes ao Bayern, essa é de compêndio.
    Não vão faltar aí escribas de blogs a tentar convencer a carneirada que "ganhamos três partes ao Bayern" devíamos ter sido nós a passar a eliminatória. Malandro do Platini

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, sem pés nem cabeça. Mas ainda assim gostei mais do que desgostei, agora falta passar à prática

      Eliminar
    2. Para passar à prática, só falta contratar um Quintero e um Quaresma.

      Pois, estavam cá e foram corridos ao preço da uva mijona. Mas poderá ser o "pretexto" para o insucesso, a incapacidade da "estrutura" em conseguir um médio criativo e um bom extremo.

      Eliminar
    3. Este ano vai ser diferente, só pode.

      Começa o campeonato no sábado e daí em diante, nada mais do que ir com ele(s) até ao fim. Depois, faremos contas.

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.