Do Porto com Amor: Chau Chau Chau Martinez

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Chau Chau Chau Martinez


E pronto. Embora ainda esteja à espera da única confirmação verdadeiramente oficial, aproveito já para me despedir de ti, caro Jackson.

Finalmente chegou o dia por que desesperadamente ansiavas, cujos adiamentos sucessivos tantos embaraços te (e nos) causaram e tantos amuos te provocaram. Vais finalmente embora do F. C. Porto.

És um craque, todos to reconhecemos, mas isso tu já sabes. Ficarão para sempre na nossa memória colectiva alguns golos fabulosos, invenção de génio ou criação de artista maior, bem como inúmeros pormenores de classe, que marcam a diferença entre o bom e o excepcional.

Dos dias em que andavas feliz, ficará também a lembrança da tua entrega e disponibilidade dentro de campo, aquele complemento ideal aos golos e à genialidade. Uma espécie de Sancho Pança das tuas habilidades futebolísticas: o trabalho materializado em suor, que ajudava a equipa e motivava os teus compañeros a darem também eles um pouco mais de si próprios.

Como eu gostava de terminar a despedida por aqui, caro Jackson. Mas não posso.

Em consciência, tenho que te dizer que não raras vezes te comportaste como um agiota sem escrúpulos, uma besta sanguinária na incansável perseguição da sua presa, da única presa que te faz verdadeiramente correr: el dinero.

Ainda não estava terminada a tua primeira época de dragão ao peito e já anunciavas publicamente o teu irreprimível desejo de "dar o salto". E coincidência ou não, a tua segunda época teve períodos tão maus que facilmente poderias substituir o Baroni na habitual rubrica do Porta 19. Foi necessário que te carregassem a mula com mais dinheiro e uma promessa inquebrável para que voltasses a sorrir a e jogar como sabes.

Por isso a tua passagem pelo nosso clube ficará para sempre gravada na minha memória como uma viagem na montanha russa, com subidas aos picos do esplendor alternadas com vertiginosas descidas às profundezas da mediocridade e da ingratidão.

Não quero com isto dizer que não reconheço o teu direito em procurar um futuro (ainda) mais risonho. Não só o reconheço como o apoio - é da natureza humana querer sempre mais e melhor. Mas há maneiras e maneiras de fazer as coisas. E a tua foi sempre demasiado óbvia, fria e a desconsiderar quem te aplaudia e cantava o teu nome, a roçar a imbecilidade de quem parecia não reconhecer ter assinado de livre vontade o contrato de trabalho e sucessivos melhoramentos.

Fico com a sensação de que no dia em que aterrares no teu novo destino, todo este tempo de azul e branco se apagará do teu consciente, ficando remetido a um qualquer recanto obscuro e de difícil acesso na tua memória, etiquetado como "de passagem". E tenho pena, porque o pior Porto será sempre muito mais do que o melhor Jackson. Em todos os sentidos.

Vai e sê feliz. Desejo-te sorte, toda a sorte do mundo.
(Mas se ou quando a vida te correr mal, não penses em voltar. Pela minha parte, não serias bem-vindo.)


Actualização 22/Julho/2015: depois de confirmada a mudança para o Atlético, eis que Jackson decide limpar o que for possível da má imagem que sabe que deixou em alguns (muitos?) portistas, através de uma mensagem e um vídeo no seu FB. Só me resta dizer antes assim. Não apaga nada, mas suaviza. Pelo menos comigo, resultou.


 

3 comentários:

  1. Imbicto LAeB,

    Ainda me lembro quando se achava que o Ghilas ia por o Jackson fino: http://rr.sapo.pt/bolabranca_detalhe.aspx?fid=46&did=114241

    Imbicto abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bem. É o que penso sobre Jackson Martines. Que passe bem.

      Eliminar
    2. Esse foi mais uma vítima de fogo cruzado (e amigo), alguém o quis comprar mas outro alguém não o quis... demasiado frequente para ser aceitável.

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.