Do Porto com Amor: Plantel para 2015/16 - os emprestados

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Plantel para 2015/16 - os emprestados


Antes de começar a analisar cada um dos emprestados, devo dizer que como regra não acredito no regresso de jogadores que já tiveram uma oportunidade e foram posteriormente cedidos. A confirmá-la existirão algumas excepções, pelo que mesmo sem dogmatismo algum, não contem com grandes expectativas da minha parte quanto a este verdadeiro exército de excedentários.


Por ordem alfabética:


Abdoulaye (24 anos)
Teve as suas oportunidades na equipa principal, mais do que suficientes para se concluir que não serve para o Porto. Aquela final da taça da liga ainda me está atravessada na garganta, mas foi muito mais do que esse jogo. Demasiado agressivo e impulsivo, dificuldade em posicionar-se e falta de qualidade com bola no pé. Poderá ter uma boa carreira num clube com outros objectivos, mas cá não vejo como.
Veredicto: Out

 
Bolat (26 anos)
O jogador que já entrou na história da Liga dos Campeões, por ter sido o primeiro (e creio que ainda o único) a marcar um golo em jogo corrido. O que se diz é que veio pela oportunidade do momento e não por necessidade. Esta época esteve no Galatasaray onde fez 11 jogos, na anterior esteve no Kayserispor e fez 14. Nunca tive oportunidade de o ver o suficiente para ter opinião, mas se o achassem solução não o poriam a rodar sem nunca calçar pelo Porto.
Veredicto: Out


Carlos Eduardo (25 anos)
Chegou em 2013 do Estoril (onde quem mais brilhava era... Evandro, que só veio um ano depois) e conseguiu exibições muito interessantes e prometedoras, abrilhantadas por alguns golos de grande nível. No entanto, foi-se apagando com o definhar da própria equipa. Este ano, como não sabia falar castelhano, foi rodar. Mas rodou tão bem (30 jogos e 10 golos pelo Nice) que já o queriam manter na Ligue 1 e fomos "obrigados" a trazê-lo de volta. Acredito que possa ser peça relevante na nova temporada, assim o treinador entenda dar-lhe oportunidades.
Veredicto: In


Djalma (27 anos)
Teve mais oportunidades do que a maioria destes renegados, tendo realizado uma época de estreia (2011/12) bastante positiva com aparições em 19 jogos e 3 golos para contar. Na segunda, simplesmente desapareceu (1 jogo apenas). Depois saiu para a Turquia onde completou este ano a terceira temporada. Não creio que possa ter outro destino que não seja continuar por esse mundo fora. 
Veredicto: Out


Ghilas (25 anos)
Outro que muito me agradou ter sido contratado após grandes exibições no Moreirense. Não cheguei a perceber bem o que lhe aconteceu, mas fica a sensação de terem sido factores extra-futebolísticos a mandarem-no para Córdoba (27 jogos e 7 golos). E se assim foi, é pena, porque futebol tem ele. É possante, tem técnica e sabe fazer golos. Deveria ser o terceiro ou quarto avançado do plantel, se concordasse em submeter-se às regras de sã convivência com Lopetegui.
Veredicto: Fringe


Ivo Rodrigues (20 anos)
Um menino que estava a brilhar na B (12 golos em 22 jogos) quando em Janeiro foi desviado para Guimarães, por contrapartida da compra de Hernâni. Acabou por ter uma utilização reduzida, pelo que terá sido prejudicial a troca. Apesar do potencial, não me parece que tenha possibilidade de ficar. Idealmente iria para um clube da primeira liga onde jogasse "sempre". 
Veredicto: Fringe


Josué (24 anos)
Mais um portista que chegou ao Dragão de peito feito e não teve cabeça para gerir a sua forma e emoções ao longo da época. Também vítima do fracasso da equipa, obviamente. Parece-me ter criado alguns anti-corpos, o que lhe dificultará uma segunda hipótese. Em termos de jogo jogado enquanto cá esteve, mostrou qualidades mas também defeitos importantes. Na Turquia foi importante na sua equipa (40 jogos e 9 golos pelo Bursaspor), mas de novo, não é um dos grandes daquele país.
Veredicto: Out


Kayembe (20 anos)
Veio como jovem promessa belga, impôs-se na B na primeira temporada e foi para Arouca a meio da segunda. No seu primeiro ano, pareceu-me ver pormenores que lhe poderiam permitir evoluir para jogador da equipa principal, mas não me pareceu ter conseguido dar o salto no ano seguinte. No Arouca não se poderia pedir muito, num estilo e filosofia de jogo que em nada o favorecia (mas ainda assim fez 15 jogos e marcou 1 golo). Continuará emprestado ou regressará aos B.
Veredicto: Fringe


Kléber (25 anos)
Um dos que gostaria que se qualificasse como a excepção a que me referi no início. Prometeu tanto, mas tanto enquanto jogador do Marítimo, que foi para mim um choque o falhanço absoluto que foi a sua passagem pelo Porto. Claramente um dos que não aguentou a pressão e cedeu psicologicamente ao ponto de deixar de conseguir controlar os seus membros. No Estoril teve rendimento (30 jogos, 12 golos) e mostrou pormenores, vislumbres daquilo que prometeu no Marítimo. Creio que só terá segunda oportunidade perante uma improvável conjugação de factores, como sair mais algum avançado além de Jackson e falharem as contratações pretendidas. Mas gostaria que um dia voltasse e confirmasse o enorme potencial que sei que tem (a propalada renovação, a confirmar-se, poderá ajudar a que isto se concretize).
Veredicto: Fringe 


Licá (26 anos)
Fiquei sempre com a sensação que se deslumbrou com a facilidade que julgou ter sido a sua chegada e adaptação ao clube. Começou a época a jogar e a marcar e provavelmente isso foi-lhe fatal, ao criar expectativas demasiado altas (e irrealistícas) quanto ao rendimento que poderia dar. No entanto, considerando a época em questão, é difícil fazer um juízo definitivo. Contra si, a época fraca no Rayo (21 jogos mas sem nenhum golo), que mesmo sendo na liga espanhola, é um clube que luta para não descer. Não deve sequer fazer a pré-época mas se fizer, será apenas para lhe encontrarem colocação.
Veredicto: Out 


Opare (24 anos)
Chegou em 2014 após uma boa carreira no Standard de Liége, mas nunca se conseguiu mostrar. Fez umas aparições na B e esta época esteve no Besiktas, onde também pouco jogou (6 jogos). Lembro-me dele num ou noutro particular de pré-epoca, parecia não ter "estaleca" para ser defesa num clube como o nosso.
Veredicto: Out


Otávio (20 anos)
Não sei, não vi, não conheço. Ok, vi alguns jogos na B mas não o suficiente para confirmar as credenciais de jovem craque com que chegou. Foi bastante utilizado em Guimarães, participando em 11 jogos e fazendo um golo. Também não acredito que tenha possibilidade de ficar, pelo que terei que perguntar por que motivo o contrataram (tal como a muitos outros). 
Veredicto: Fringe


Pedro Moreira (26 anos)
Foi peça importante no sobrecarregado Rio Ave, tem talento e espírito de luta, mas possivelmente não o suficiente para jogar no Porto. Tal como muitos outros, seguirá carreira emprestado caso não se confirme uma boa proposta vinda de fora.  
Veredicto: Out


Quiñones (23 anos)
Jovem colombiano que parece ter sido contratado para a equipa B, sabe-se lá por que motivo ou para agradar a quem. Foi um dos titulares do Penafiel e até fez 3 golos pelo último classificado da liga. Terá alguma vez oportunidade no Porto ou nunca foi essa a intenção?
Veredicto: Out 


Sami (26 anos)
Este vi e bem. Gostava dele no Marítimo e mesmo duvidando do interesse que teríamos em contrata-lo, surpreendeu-me e fez tudo bem na pré-época. Também não falará castelhano, pelo que desandou. Fez um inusitado percurso esta temporada, metade em Braga e metade em Guimarães. Em ambos jogou com regularidade e totalizou 27 aparições e 3 golos. Não vejo que possa ter lugar no plantel, pelo que não havendo quem lhe pague o mesmo salário num destino definitivo, continuará emprestado.
Veredicto: Out  


Rolando (29 anos)
Nem me apetecia escrever sobre este idiota (que me desculpem os mais sensíveis, mas é mesmo o termo apropriado). Teve tudo para fazer uma carreira decente e bem paga, mas pôs-se em bicos de pés e desrespeitou o clube. Como resultado, foram impiedosos com ele. Caiu em "desgraça" e nunca recuperará o tempo perdido. Que saia agora de vez e que tenha a melhor sorte do mundo.
Veredicto: Out 


Sérgio Oliveira
Uma boa temporada no Paços, como já havia feito anteriormente. Mantém-se a dúvida: conseguirá evoluir para se confirmar como jogador do Porto? Sinceramente não sei. Tem ainda tempo, mas não sei se muitas oportunidades. Admitindo que fica no plantel (não tenho como certo), será um ano decisivo para o jogador. Em todo o caso, não o consigo imaginar em 2015/16 como mais do que um actor secundário.
Veredicto: Fringe


Tiago Rodrigues (23 anos)
Fiquei satisfeito com a sua contratação, pelo futebol que tinha demonstrado no Vitória. No entanto, foi daqueles que quase não teve reais oportunidades para se mostrar, estando quase sempre remetido aos Bs. Esta época foi importante no Nacional, o que me faz pensar que mereceria uma segunda (ou melhor, primeira) oportunidade. Mas duvido que a tenha, provavelmente continuará na Madeira (não sei se no Nacional...).
Veredicto: Fringe


Varela (30 anos)
Todos o conhecem, já deu muito ao clube e optou por forçar a saída. Como outros (alô Rolando? Daqui não é o Villas-Boas!), deu-se mal. Não terá nenhuma possibilidade (nem vontade) de voltar, pelo que tudo se resumo a conseguir encontrar uma solução que não lhe retire dignidade e o trate com a elevação que o seu contributo para o nosso palmarés justica.
Veredicto: Out 

 
Walter, Kelvin, Tozé, Caballero: com empréstimos que se estendem para lá do início da época 2015/16.


Izmailov: final de contrato


Em resumo, parece haver apenas um jogador com lugar garantido no plantel (Carlos Eduardo) e mais alguns com possibilidade de pelo menos fazer a pré-temporada (Ghilás, Kléber, Sérgio Oliveira, Tiago Rodrigues). Os demais ou seguirão na equipa B (os mais novos) ou continuarão emprestados (caso não haja quem os leve de vez).

Um velho problema que se repete ano após ano, o pelotão de contratados que trabalham para outros "patrões".

Não faz nenhum sentido sobretudo pela dimensão do problema, mesmo sendo natural que se falhem algumas contratações e posteriormente se tenha que honrar os contratos.

A questão mais relevante é outra: entender os motivos de muitas contratações que se percebe à vista desarmada que "nunca" irão jogar na equipa principal.



6 comentários:

  1. Ora aí está! A questão relevante, referida no parágrafo final, fica sem resposta...
    A quem interessa a haver tantos emprestados, tantas compras, tantas transacções?
    E quando se empresta a outros clubes da 1ª divisão "por atacado", tal não desvirtua a competição?
    Verde protector

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um mal comum a quase todos os clubes, grandes e não só.

      Quanto a desvirtuar, depende da forma como se encara a questão. Mas concordo que idealmente a melhor solução seria proibir empréstimos a equipas que disputem a mesma competição.

      Eliminar
  2. caríssimo, como não tenho outro método para entrar em contacto consigo, é possível enviar-me o seu email para lhe enviar o convite para o IV Encontro da Bluegosfera? em alternativa pode sempre preencher o formulário (dura um minuto, máximo!) e fica logo inscrito!

    o formulário encontra-se em: https://docs.google.com/forms/d/1siNLRoyFvBJz6NO28NaBDgXQTT9gSTOPDFvCy4xpqD8/viewform

    gostávamos de contar com a presença de todos os bloggers portistas! juntemo-nos em conversa sobre o clube que amamos para que seja sempre mais e melhor!

    um abraço,
    Jorge
    Porta19

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo tendo como quase certo não conseguir marcar presença, aqui vai para efeitos futuros: lapisazulebranco@gmail.com

      Da mesma forma, agradeço o envio do seu email, para troca de impressões extra-encontro.

      Eliminar
  3. bolat só fez dois jogos no galatasaray? falta de informaçao, nao fez muitos mas mais que dois, mais do dobro do dobro de dois, sergio oliveira nao se encontrava emprestado dado que ate pagamos por ele para voltar e ate ja pertence a doyen, quem duvidar que va ao site da doyen verificar, caballero tava emprestado ao aves e agora vai para o vaduz, marcou 15 golos esta epoca na segunda liga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mea culpa caro Anónimo, a acreditar no zerozero.pt Bolat fez de facto 11 jogos pelo Gala esta temporada. Em qualquer caso, não altera a conclusão sobre o jogador.

      Quanto ao Sérgio Oliveira, julgo que nunca deixou de ser do Porto, ainda que em percentagem menor. Quanto ao ser da Doyen, há vários tipos de "posse" no futebol: direitos económicos, direitos desportivos ou simples representações - penso que neste caso a Doyen será apenas representante (o "empresário"), acreditando no site deles.

      Caballero, de acordo, inclui-lo na lista dos que já têm o futuro resolvido e como tal, não me debrucei mais sobre eles.

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.