Porque Choro À Noite?

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Porque Choro À Noite?


Porque choro à noite?

Pela ausência que sei será a minha, chegue ela cedo ou tarde, em que já não os poderei proteger, ensinar, castigar, abraçar, beijar.

Pouco me importa que eles deixem de querer ou precisar - ou pensem que já não querem ou precisam. Eu sei que se vão fazer mulheres e homem, se Deus quiser, livres, independentes e inteiros, com falhas e receios que tentarão esconder do mundo, mas, no que de mim depender, seres justos e compassivos. 

Sei que virá o dia a partir do qual me vão olhar condescendentes, se a isso a fortuna me permitir chegar. Velho, este mundo já não é o teu. E, em dias menos apressados, dar-me-ão um beijo sentido ou um longo abraço a acompanhar a compadecida sentença.

À medida que me for esvaindo no Tempo, esse olhar há-de abrandar. E os beijos hão-de ser mais sentidos e os abraços mais longos. Choro ao imaginar recebê-los, pranteio-me por quando não mais mos puderem dar.

A dor da ausência não será minha, mas choro por ela. Muito. Dava tudo para que não a tivessem de passar. Nunca que não a sentissem, porque seria prova irrefutável do meu total falhanço. Mas que não lhes doesse. Porque cada lágrima que deles imagino à minha custa é um punhal que me trespassa sem piedade.

Aliviado pelo choro, sedo-me com pensamentos mais doces. Os sorrisos, os olhares que tudo absorvem, os colos de santuário, os mimos, os intermináveis mimos. Os que aceito e os que ficam por receber. Enraiveço por esses, porque sou eu que não percebo o quanto os quero e deles preciso. Endireito as costas, enxugo as lágrimas e prometo que será diferente.

Na noite seguinte, ou na outra a seguir, ou numa das que se lhe seguirão, volto a chorar. E agora já sabem porquê.

De dia, faço, luto, ensino, castigo, desembaraço. À noite, quando todos esses guerreiros descansam dentro de mim, choro.





Do Porto com Amor,

Lápis Azul e Branco



5 comentários:

  1. Um grande abraço para ti e para a estrelinha que brilha no céu....

    ResponderEliminar
  2. Caro Lápis, frequentemente me questiono sobre quão profunda será essa dor e... tenho medo. Tudo o resto fica mais pequeno. Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Li e reli. Sentei-me. Voltei a ler. Tentei procurar as palavras certas mesmo sabendo que elas nunca seriam encontradas. Um abraço.

    ResponderEliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.