Do Porto com Amor: Capitán Herrera: El Primer Vengador

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Capitán Herrera: El Primer Vengador


É mesmo assim que se começa esta crónica, a glorificar o improvável herói que ontem criou uma quebra no contínuo tempo/espaço do filme imperialista dos sem-vergonha, adiando ou acabando em definitivo com a esperança do Portugalistão em celebrar o tão ambicionado quando viciado penta.




Héctor Miguel Herrera López, um coração enorme aninhado num corpo desajeitado que não tem especiais (nem ordinárias) capacidades para vingar como futebolista profissional - sim, meus caros, não mudei de opinião de um dia para o outro - mas que, contra todas as probabilidades, se mantém como titular no meu Porto com todos os treinadores que por ele têm passado, chegando até a capitão de equipa com Sérgio Conceição.

Foi Herrera, el Capitán, quem num momento de inspiração individual e já ao cair do pano, se encheu de fé e coragem e fuzilou o batoteiro Varela sem apelo nem agravo, para indescritível alegria da nossa nação e exemplar castigo para todos os que andam há quatro anos a festejar uma gigantesca farsa, mais ainda aos que albergam negligentemente essa culpa na consciência.

Ao contrário do que fui ouvindo e lendo, não penso que se tenha tratado de alguma espécie de justiça divina. Se houve alguma justiça a ser feita, foi a dos homens, daqueles que mais têm sentido na pele as trafulhices dessa corja de sem-vergonhas que tomou de assalto um dos grandes clubes do país.

O futebolista Herrera não é meu novo ídolo, nem sequer revi ainda um ponto que fosse sobre a minha opinião já muito fundamentada sobre si, mas se viermos finalmente a conquistar este campeonato como agora já exijo, entrará com todo o merecimento para a galeria dos imortais do Futebol Clube do Porto.




Para se chegar àquele momento mágico, houve que passar por 89 minutos muito intensos e emocionalmente exigentes, com diferentes momentos e muitas incidências a registar, mas todas dentro da normalidade de um Clássico. 

Creio com sinceridade que o Porto deveria ter feito mais para ganhar o jogo, considerando que estava e de lá sairia em segundo na classificação se não o tivesse vencido. 

A primeira parte foi muito mais do Benfica, já ponderados os diferentes momentos de dominância de cada uma das equipas. Mais concentrados, menos ansiosos e mais eficazes na construção - felizmente não na finalização. Também tivemos as nossas oportunidades, mas já muito "tarde" na metade.

O intervalo foi bom conselheiro (kudos a quem tiver feito por isso, imagino que com o treinador à cabeça) e a nossa reentrada forte e determinada foi decisiva para amedrontar os da casa, remetendo-os uma vez mais para os seus fantasmas e correspondente incapacidade de nos defrontar olhos-nos-olhos. 

Fiquei então com a clara sensação que, a partir daí, se trataria de uma corrida contra o relógio do árbitro na tentativa de conseguir fazer um golo que nos daria a quase-certa vitória. Claro que seria sempre possível sofrer um golo, em especial se o nulo se mantivesse e o desespero se apoderasse (como me parece que se apoderou) dos nossos jogadores, mas parecia-me mais provável que fossemos nós a marcar.

Tivemos duas ou três boas oportunidades, em especial a(s) de Marega, mas sempre sem a necessária e exigível eficácia. Com o nulo a manter-se, Sérgio Conceição arriscou tudo o que podia, fazendo entrar sucessivamente Óliver, Corona e Aboubakar. Em sentido inverso, o sonso-mor foi mexendo no sentido de não sofrer, apostando na manutenção da liderança que ele bem sabe lhe poderia bastar para o objectivo final.

Com o final do tempo regulamentar a aproximar-se, comecei a resignar-me que uma vez mais não iríamos ser capazes de domar o nosso destino, sem contudo deixar de espreitar para a eterna memória de Kelvin & companhia... Espreitava já o jogo de esguelha, com ângulo suficiente para apenas distinguir cores e movimentos, quando detectei uma aproximação relevante de azuis à área encarnada, numa espécie de último assalto e num impulso recuperei a visão total do televisor. O resto já é história - da boa.

Apesar da vitória, não vou deixar de registar mais uma lamentável transmissão da SVTV, tanto a nível "técnico" como "estratégico". E se quanto ao facto de nos fazerem perder quase metade do jogo em directo à custa de repetições inoportunas e demasiado longas se pode dizer que são apenas maus profissionais de realização, já em relação à constante sonegação de imagens e ângulos nos lances em desfavor da sua equipa e consequente deturpação da percepção pública do que de facto se passou dentro do campo, o que se TEM de dizer é que esta vigarice tem de acabar JÁ. Por princípio, a nenhum clube deveria ser permitido controlar a transmissão dos seus jogos. A este clube em concreto, ainda menos.






Notas DPcA 



Dia de jogo: 15/04/2018, 18h00, Estádio da Luz, SL Benfica - FC Porto (0-1)


Iker (8): Começa a ser normal assistir a grandes exibições do senhor Casillas neste palco, como se já não bastasse o temor natural que nos têm em termos ofensivos. Enquanto estivemos por baixo no jogo, foi Iker que nos manteve igualados e com as aspirações intactas. Herrera foi o mais decisivo pelo golo, mas Iker foi uma vez mais providencial. #renovaCasillas

Ricardo (7): Dois jogos num só. O primeiro, de fraca qualidade pela intranquilidade e desacerto, durou até cerca dos 40 minutos, quando o próprio teve uma iniciativa individual que quase dava golo. A partir daí, em especial durante todo o segundo tempo, foi um monstro e dominou por completo o seu corredor, dando inclusive para se aventurar pelo meio.

Alex Telles (6): Mesmo sem deslumbrar ou fazer as habituais assistências, fez uma segunda metade de bom nível que mais do que compensou o desacerto da primeira.

Felipe (7): Quase sempre bem nas marcações, conseguiu controlar os ímpetos e em nenhum lance se expôs para sequer ser advertido. Boa evolução, que espero não tenha volta atrás.

Marcano (7): Jogo com algumas falhas, mas felizmente sem consequências de maior. Quando mais foi preciso, voltou à sua normalidade e desfilou eficácia e sobriedade.

Melhor em Campo Herrera (5+5): Sim, sim, meninas e meninos, para mim foi o pior da equipa (ex-aequo) até ao sublime momento de glória, porque uma vez mais se fartou de desperdiçar posses de bola, para além do péssimo posicionamento em vários momentos da primeira metade. É certo que melhorou um pouco em sintonia com a equipa, mas não o suficiente para justificar uma nota positiva. Até que... "saiu" o Héctor Miguel e entrou o Capitán Herrera, o primeiro vingador e novo justiceiro super-herói do Portismo, que desenhou um momento de perfeição que perdurará para sempre na memória de quem teve a felicidade de o viver.




< 74' Sérgio Oliveira (6): Trabalhou muito e sentiu claras dificuldades para travar as saídas rápidas e em superioridade numérica dos adversários, pelo que não lhe sobrou grande tempo ou espaço para se destacar com bola a não ser pelos passes longos. Foi imprudente no lance em que agarrou Cervi, mesmo se Felipe foi quem fez a falta primeiro, porque deu margem de manobra para uma má interpretação do árbitro e consequente expulsão.

< 80' Otávio (5): A par de Ricardo, foi dos piores durante a primeira meia hora, com muitos passes perdidos e mau posicionamento defensivo. Melhorou a tempo de ajudar a equipa a crescer e conquistar o domínio da partida, até que depois saiu vergado ao cansaço e ao amarelo.

Brahimi (6): Sem ser um Brahimi especial, esteve bem melhor do que nas últimas partidas, porque foi capaz de perceber quando deveria insistir no lance individual ou servir os companheiros, garantindo com isso o "manter em sentido" de dois ou três adversários de cada vez, o que libertou espaço para os companheiros.

Marega (7): Regressou da lesão para a titularidade numa forma física invejável, só foi pena que o acerto na finalização ainda estivesse "em recuperação". Teve duas oportunidades soberanas, uma em cada parte, que nos poderiam ter dado vantagem mais cedo e provável acesso a uma vitória mais folgada e segura. Tirando isto, trouxe consigo o próprio modelo de jogo da equipa, que quase inacreditavelmente depende mais da sua presença do que a de qualquer outro jogador.

< 83' Soares (6): Esperava que fosse capaz de segurar mais a bola, dando tempo aos companheiros para subir e/ou ganhar fôlego. Ao invés, foi muito "anjinho" nos duelos, perdendo quase sempre o tempo de abordagem ou de domínio da bola. Quando conseguiu furar deu alguma profundidade, mas faltou-lhe estar mais perto da zona de tiro e com boas hipóteses de acertar no alvo, algo que só me lembro de ter feito uma vez para rematar ao lado. Sobrou o muito trabalho físico e de desgaste que desenvolveu.

> 74' Óliver (6): Não entrou como ele e todos desejaríamos, mas lá se encaixou no jogo e acabou por participar na ofensiva final, mesmo se de forma discreta.

> 80' Corona (6): O outro regressado de lesão denotou mais essa condição, mas participou no "contexto" que nos trouxe a felicidade. Desta vez, foi suficiente.

> 83' Aboubakar (6): Se mais não fez, esteve no lance em que a bola sobrou para Herrera nos fazer felizes. Para mim, chegou.

Sérgio Conceição (7): Uma primeira parte decepcionante para quem tinha de vencer, felizmente compensada com a segunda, onde justificamos a sorte que foi aquele momento H. No entanto, demos uma vez mais "uma parte de avanço", desperdiçando meio jogo. O que mais me agradou foi detectar que não hesitou em entrar em modo de desespero, mas de forma racional e acertada. Óliver tinha mesmo de ser, Corona foi ainda mais longe do que eu imaginava (Maxi para defesa e Ricardo a extremo) e Aboubakar a troca directa que se impunha. No final, festejou como todos nós e deve orgulhar-se de muito ter contribuído para isso. No entanto, atenção: os jogos mais difíceis são os que se seguem.





Outros Intervenientes:



Quanto à equipa da SAD Sem-Vergonha, Rafa foi quem mais se distinguiu, com nota positiva também para Grimaldo. Destaque ainda para o divino castigo final ao batoteiro Varela, espécie de parábola para o que foi efectivamente infligido ao clube que representa.


Em relação à arbitragem de Soares Dias & companhia, teve uma prestação defensiva, tipicamente portuguesa, apitando quase sempre as faltas no sentido em que geram menor polémica, como seja proteger quem defende. Disciplinarmente, perdoou demasiados cartões para ambos os lados (Herrera, Brahimi, Pizzi, Samaris, Samaris), mas nos lances mais polémicos e decisivos esteve bem.

- Lance entre Marega e Rúben Dias: o contacto de pernas pareceu-me normal, já o empurrão pelas costas deveria ter valido um livre muito perigoso, porque ainda fora da área. Em todo o caso, não foi flagrante ao ponto de exigir que tivesse sido marcado;

- Lance do possível segundo amarelo a Sérgio Oliveira: a falta foi cometida por Felipe e só depois houve o agarrão do Sérgio, pelo que em rigor a decisão foi correctíssima. No entanto, acho que o jogador se arriscou em demasia e o árbitro poderia ter interpretado de maneira diferente;

- Lance entre Ricardo e Zika: no momento, ainda hesitei entre a possibilidade de poder ou não ter sido marcado penálti, mas após algumas repetições fiquei totalmente convencido que nunca poderia ser marcado, porque nada de ilegal aconteceu no lance. Admitiria que o árbitro, num primeiro momento, pudesse ter a sensação de ser penálti, mas o vídeo-árbitro jamais poderia ter outra decisão.




Uma vez mais, quero aqui insistir na mesma tecla em que toquei na minha prestigiosa intervenção no A Culpa é do Cavani na antecâmara da partida, onde disse que mais do que o jogo da Luz, me preocupavam os que se seguiriam. Não estava nem a menosprezar o Clássico nem a exacerbar os demais: estava mesmo a dizer o que penso.

Os sem-vergonha não chegaram até aqui, a escassos quatro jogos de um inédito penta, para desistir agora. Da mesma forma que até aqui chegaram - a viciar e adulterar resultados - vão fazer tudo o que estiver ao seu alcance (e que ainda é muito, infelizmente) para que o Porto não vença os seus jogos.

A isto acresce ainda a dificuldade natural dos próprios jogos:

- Os jogos caseiros são contra V. Setúbal e Feirense, clubes com que registamos empates caseiros, desperdiçando pontos decisivos para os insucessos das épocas mais recentes;

- As saídas são ao Marítimo (provavelmente, o campo onde temos mais dificuldades) e Guimarães (sempre difícil, seja qual for a circunstância).

Estes quatro jogos serão todos, mas todos eles, muito difíceis se não os encararmos seriamente do primeiro ao último minuto. Claro que temos capacidade para os vencer, um por um, mas teremos de estar preparados para as minas e armadilhas que aí vêm.

Antes disso, há ainda uma segunda-mão da meia-final da Taça para disputar e vencer - no mínimo, fazer um resultado que assegure a presença no Jamor.



Do Porto com Amor,

Lápis Azul e Branco



23 comentários:

  1. Estou muito feliz! Nem quero saber quem jogou melhor ou pior. Foram perfeitos porque ganharam.
    No geral da partida, mesmo com uma primeira parte fraca, fomos melhores e únicos vencedores possíveis.
    Apesar de estarmos atrás, o benfica jogava em casa e tem a deslocação a Alvalade o que por si só justificaria que deveria ter sido mais dominador e não foi! Somos melhores.
    Precisamos de lutar incansavelmente durante mais alguns jogos... acredito muito!
    Abraço

    RC

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos todos! Mas sendo a felicidade nada mais do que um momento, convém mesmo manter o foco e continuar a dar tudo até ao último apito de cada jogo. Quero muito ser campeão, mas também quero muito ir ao Jamor.

      Abraço!

      Eliminar
  2. Ganhou um novo leitor a custa da presença no último cavani.. E deixo desde já o apelo para, repetindo a presença, suavizar o bullying constante a que o vassalo é sujeito pelos outros dois, embora ele nem repare (ou se faça desapercebido xD)

    Brincadeiras a parte, a análise neste texto poderia ter sido minha (apenas seria pior escrita) pois concordo em absoluto com a mesma. Vim aqui dar os meus 2 cents 1o parabenizando o autor, e 2o frisando que devemos todos ser coerentes e relembrar os dissabores todos que o Herrera já nos provocou ..o futebol é volátil e as avaliações muito emocionais, mas dêmos a mão a palmatória e nao esqueçamos que este mesmo,hector nao passou a bestial, nem porventura seria tão besta como o pintávamos. O gesto de mostrar a camisola de frente, para mim pelo menos, já o redime de certa forma aos meus olhos (disse o mesmo num comment que há de aparecer no TdD, após aprovação. .) e foi um gesto muito digno. Espero só que na 4a feira nao seja o Herrera a isolar o gelson com um dos seus passes milimétrico.. Nao o endeusemos, nem,o crucifiquemos quando ele,voltar (inevitavelmente) a Herrar

    Parabéns ao blog , +1x, e parabéns sobretudo a nos porto, que nos soubemos unir contra esta fantochada de padres e missas. Como alguém já disse, pelo menos nao estou maluco, pelo menos estes 4 anos nao foi só demérito nosso, ate o Nuno e o lopetegui afinal são,bons lá fora.. Cá, era mais difícil. Mas este Conceição conseguiu. E que orgulho nos deu

    EP

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva caro EP (é de vinil? :-))

      Seja muito bem-vindo, a casa é sua. Já contactei o Gabinete de Crise do Cavani e eles garantiram-me que é tudo falso - na verdade, consta que o Vassalo mantém os outros dois acorrentados numa cave sem luz entre cada gravação... nus... e ambos na mesma corrente...

      Ai, o Herrera... como é novo por cá, vou sumarizar tudo em quatro palavras: excelente pessoa, jogador banal. Dito isto, estará no melhor momento desde que chegou, pelo que esperemos que assim continue até final da época.

      Agradeço a simpatia do comentário, mas nem por isso deixo de lhe dar duas cargas de ombro na despedida:
      1) Lopetegui é uma mieeerda em qualquer liado! O Nuno é só uma merda de um gajo.
      2) O Conceição ainda não conseguiu nada, excepto ganhar no antro. Há que levar tudo a bom Porto!

      Abraço e volte sempre

      Eliminar
    2. Calúnia! O Porta 19 tem uma saia de palha vestida e cada um tem a sua corrente. Só fake news, dass.

      Eliminar
    3. Nesta era de mp3, por acaso ainda sou fã dos antigos LPs :)

      E surpreende-me o vassalo ser essa força dominante..essa descrição remeteu-me para um certo final de Tarantino, aguardemos a chegada do Bruce Willis então!

      Quanto ao hector, novamente, de acordo. Eu nem no FIFA suporto o gajo, o meu titular é sempre o Oliver. E no banco André André, enough said. Agora na,vida real, logicamente que as soft skills do moço serão valorizadas pelos treinadores..só que ser bom rapaz, abnegado e trabalhador, nao devia ser suficiente para ser titular,no porto nao é? .. Só espero que este golo decisivo possa suavizar a avaliação que dele fizermos quando surgir a próxima herrerice.

      Concluindo, e correndo o risco de ser impopular..,o Lopes era bom treinador! Nao soube lidar com o contexto eucarístico cá do burgo, e sofreu na pele aquela suave mas mal diafraçada xenofobia com que os media o brindaram, e,isso de certa forma contagiou a nossa própria (Porto) percepção do homem. Vide aqueles momentos autofagicos da assobiadela,no dragão, por meter o bueno em vez do André Silva. Tivéssemos sido,imunes aos ataques externos, e,sabido ser unidos como este ano (e no anterior também) e talvez, talvez, tivesse,sido,diferente. Mas,continuo a achar que praticamos a espaços muito bom futebol com ele, so que contra capelas e godinhos, acho que nem,o,guardiola,era campeão cá.

      O nes era so um banana xD isso sem duvida.

      Cumprimentos e votos de boa escrita. Agora são literalmente meia dúzia de jogos ate a uma dobradinha! Toca a reunir

      Eliminar
    4. (o sorriso acima era para o comentário do escravo Silva)

      Agora percebo porque aprecia o Vassalo! É mais um do clube de fãs do Lorpa... :-)
      Casmurrice é a palavra com que o defino e um casmurro jamais poderá ser (ou perdurar) como bom treinador. Digo eu, que sou casmurro.

      Vamos a eles!

      Eliminar
    5. Ah nao acho nada! Casmurrice e convicção forte nas suas ideias serão duas faces da mesma moeda, consoante queiramos ser críticos ou benevolentes.. Mas em todo o caso nem,acho que tenha sido casmurro por ai além! Criticavam a rotatovidade (que para mim, era manter os,jogadores todos motivados e prontos a entrar na equipa,e corresponder), começou a jogar com um 11 tipo.. Criticavam a insistência no tiki taka (adaptado a nossa realidade e aos executantes que tinha para por em campo), penso que ate nisso ele tentou adaptar-se.. Mas passar dois anos a ser insultado, a ter treinadores rivais a trocarem lhe o,nome, e piece de resistance ter 50mil a assobia-lo quando,estava a ganhar e em 1o no campepntato..acho que nem a carapaça mais dura se nao ressentiria com aquele tratamento chauvinista. Nao mereceu o,que lhe fizeram, e por mais que este jogo directo do Conceição esteja a resultar cá no burgo, para jogar futebol a sério contra boas equipas prefiro 1000x a ideia de trocar a bola que o julen tentava implementar. Se calhar ainda vamos reconhecer-lhe mérito daqui a uns anos.

      Agora o que interessa é continuar nesta senda, seja a trocar a bola seja a chuta-la lá para a frente para a corrida do marega.. Dado o contexto, se ganharmos o campeonato,ja será mais do que podíamos exigir ao Sérgio.

      Viva o porto caralho! Viva o vassalo que é um incompreendido xD viva o Silva que é um optimista como,todos devíamos ser mais um,bocadinho. . obrigado a vocês por partilharem e cultivarem esta ideia do ser porto. Abraços

      Eliminar
    6. Viva todos nós e eles também!

      Menos o Lorpa :-)

      Agora a sério, se quiser perceber melhor o que eu pensava dele, leia isto pf: Señor Lopetegui, un momentito porfa

      Eliminar
    7. Obrigado caro EP,

      mas não sofro de bullying. Nós damos-nos todos muito bem, somos bons amigos, há alguns anos já - quer dizer, eu dos dois há algum tempo, pronto - e a maior motivação do Cavani é mesmo essa, poder dizer tudo uns aos outros.

      Quanto ao Herrera, não gosto das paragens cerebrais, mas não o ataco, dá tudo pelo Clube. Sobre o Óli e o AA.... cansei-me. Ah, e de falar no LopeTEGUI, também. O homem é seleccionador espanhol, futuro campeão do mundo, e a estupidez do modelo fala por si.

      Abraços e obrigado por nos ouvir!

      Eliminar
    8. Estão a ver como o homem é dominador e agressivo?? Aposto que só lhes dá de comer uma vez por dia e sempre às escuras...

      Eliminar
  3. Concordo em quase tudo. A análise à prestação do Herrera (mesmo que adoçada com os elogios ao golo) roça a perseguição e não a entendo. Pior em campo? Ele é o único jogador do meio campo que dá intensidade ao jogo. Erra passes? Erra sim senhor. Mas, num meio campo com o Sérgio Oliveira e o Otávio, tem que lutar mais do que se lá estivesse o Danilo, por exemplo. Eu sou fã e não entendo as análises. O Herrera é um jogador de equipa e a equipa joga sempre melhor com ele em campo. E o golo foi um prémio merecidíssimo para um jogar muitíssimo injustiçado pelos portistas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Sérgio, bem-vindo!

      Eu tenho uma condição mental diagnosticada chamada SPM (Stress pós-Manchester, onde presenciei à brilhante assistência do Otamendi para um citizen logo a abrir o jogo e que matou logo ali as nossas débeis hipóteses de seguir em frente - sim, o Otamendi ainda jogava por nós), o que me impede de ter contemplações para com jogadores que não sabem passar a bola. É científico!

      Este nosso Capitán Herrérica é o expoente máximo dessa incapacidade, digam o que disserem, seja quem for que o diga. Eu sei o que tenho visto ao longo destas épocas. Apesar de todas as qualidades que também tem como futebolista, para mim esta fragilidade é decisiva e não lhe deveria permitir estar neste patamar competitivo. Mas a vida é mesmo assim, cheia de Secretár... mistérios.

      Não tenho nada contra ele, excepto isto. No lado humano, sou até um fã dele. Sou mesmo. Creio que no meio disto tudo, ele só não tem culpa da lesão do Danilo (será? :-)).

      Mas como sempre, e apesar da doença, admito e respeito tanto as opiniões divergentes como as convergentes. Vai-se a ver e o problema é mesmo meu :-)

      Abraço Portista

      Eliminar
  4. Só divergimos na apreciação a Herrera e a Brahimi, mas isso já é habitual. :)
    Foi o sempre esforçado Herrera e um mais concentrado, Sérgio Oliveira que passaram a dominar o meio campo. Contudo, também achei pouco para o que ambicionávamos, até entrar Corona. Aí sim, quisemos ganhar o jogo e todos perceberam isso, incluindo os criminosos da Máfia da porta 18.
    Faltam 4 jogos e só espero que Sérgio Conceição não os queira ganhar, apenas nos últimos minutos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esforçado também eu sou, mas não me viu em campo, pois não??

      Pois, acho que procurámos a felicidade demasiado tarde, valeu que desta vez ela deixou-se seduzir bem depressinha.

      Deixe-me só corrigi-lo, faltam 6, não 4 jogos. Espero eu. É para ganhar tudo.

      Eliminar
    2. E corrigiu bem. Por momentos deixei-me levar pelos zelotas e estava a fazer do Lápis mais um que só acha o campeonato importante e as outras competições são para rodar.

      Ainda bem que continua no lote dos Velhos Portistas e acha que competição onde o Porto entrar é para ganhar, mesmo a Liga dos Campeões. :)

      Esforçado mas não só. Quem é que remata assim no F. C. do Porto? Quem é dos que quando tem oportunidade centra melhor? Quem faz tantas recuperações e passes certos!!??? Quem exceptuando Marega e Brahimi estica tanto o jogo? Quem é o Freitas (115) dos centrais na ausência do Danilo?
      Se o Lápis for um Quintero, mais esforçado e transporte para o relvado o Portismo, a raça, a história de todo este Povo, bora já, lá p'ra dentro.

      Eliminar
    3. Em comum com o Quintero só mesmo a falta de jeito para a música :-)

      Eliminar
    4. Em contrapartida tem muito de Sérgio Conceição. Também adora Oliver que não faz nem comichão nos adversários. :))

      Eliminar
  5. Tbem concordo com o lapis , o atual treinador do Porto o que conseguiu Foi hangar no antro, Coisa que ate couceiros conseguiram ate jogando mais futebol diga_se. As derrotas com o pacos e o Belém estao ai fresquinhas.O treinador disse que Nao conseguiram ganhar esses jogos más esqueceu_se de dizer que OS perdeu. O treinador so tem condicoes de ficar se for campeao.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até Peseiros, homem, até Peseiros!

      Sobre Sérgio Conceição só me pronuncio no final da época, até lá só lhe dou o meu apoio!

      Eliminar
  6. Meu estimado Lápis, nesta fase do campeonato e tendo em conta o que está em jogo subscrevo o sentimento do anónimo??!!(RC) da 1H34. Com o devido respeito, deixemo-nos de pruridos, acontece que o FC Porto ganhou bem, no computo geral foi melhor, mesmo na tal fase, 1ªarte quase unanimemente reconhecido como de ascendente dos sem-vergonha, o FC Porto até não foi inferior em termos de oportunidades, tivemos personalidade e ao contrário dos jogos que perdemos demonstrámos ambição, raça, vontade de ganhar e estofo, dando um passo muito importante para contrariarmos o desígnio nacional deste Portugal dos pequeninos. O futebol tem muito pouco de racional, sobretudo nos tempos que correm em que o aspecto meramente desportivo é bastas vezes subalternizado em função do ganhar a qualquer preço e independente do modo, de que o nosso rival é exemplo acabado. Acha que os apaniguados dos sem-vergonha perdem tempo com isso, claro que não. Ora, o FC Porto tem sido vitima daquelas permissas, não temos que nos penitenciar de nada a não ser dos nossos erros, regozijemo-nos pois com esta grande vitória que o melhor está para chegar.

    Amanhã lá estarei em Alvalade a rever o meu/nosso FC Porto, espero que em boa hora.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não poderia estar mais de acordo, meu caro Fernando.
      Também conto ir a Alvalade, se me safar a tempo.

      Abraço Portista

      Eliminar

Diga tudo o que lhe apetecer, mas com elevação e respeito pelas opiniões de todos.